domingo, 13 de abril de 2008

BLABLABLÁ SOBRE NOVIDADES DO BLOG

Os leitores(as) mais perspicazes vão notar algumas novidades. Primeiro, finalmente, até que enfim, aleluia, incluí alguns links pros blogs que gosto. São poucos, por enquanto, porque não costumo ler muita coisa na internet. Gostaria de ler mais, mas falta tempo. Só pra explicar minha seleção: essa lista que está aí é de blogs que visito com certa frequência e que recomendo. Tem mais um critério importante, que é de ser blogs atualizados no mínimo duas vezes por semana. O único que tá na lista apesar de ser um total atraso de vida (em matéria de atualizações) é o do maridão, sobre xadrez. Esse eu pus por nepotismo mesmo. E porque o nome do blog é fantástico, e foi criação minha, modéstia à parte. E porque eu comento lá de vez em quando pra animar o maridón. Mas voltando ao assunto dos novos posts, sei que há inúmeros blogs excelentes que só são atualizados uma vez por semana ou uma vez por mês ou quando dá na telha do autor(a). Só que, como leitora, acho chato ir cheia de entusiasmo visitar um blog e ver que não há nada de novo por lá. Isso é quase tão chato quanto, como autora, escrever um post entusiasmado, pensando (ingenuamente) “Ueba! Isso vai dar o que falar!”, e ver que nenhum leitor se dignou a deixar um comentariozinho. É uma ducha de água fria, porque, assim como a gente fala pra ser ouvida, quase todo mundo que escreve escreve pra ser lido. E o mais interessante dos blogs é que basta o leitor clicar pra comentar, deixar um feedback, se comunicar. Pra mim, não há dúvida que os blogs com mais comentaristas inteligentes são os melhores, porque esses comentaristas sempre têm algo a acrescentar ou, inclusive, corrigir. Claro que há blogs com tantos milhares de leitores que o autor(a) pode se dar ao luxo de escrever “Hoje não consigo pensar em nada. Escrevam vocês aí sobre o que quiserem”, e receber 190 comentários! Não é o meu caso, eu sei. Um leitor meio anônimo que vive me criticando disse que estou mendigando comentários. Ele pode entender como quiser. Eu só queria que houvesse mais comunicação, não só entre os leitores e eu, mas entre os próprios leitores. Sempre com todo o respeito e boas maneiras que lhes são peculiares, lógico.

Esta semana fiquei bem feliz porque, pela primeira vez, meu bloguinho ultrapassou as 200 visitas e os 600 acessos (isso é page views?) no mesmo dia, na quarta. Nem sei se este é um número bom ou medíocre, mas pra mim parece um recorde redondinho e fofo. E duas semanas atrás eu tava com média de 135 visitas diárias, então esse pulo pra 185 soa como um pulão. Se você tiver a menor curiosidade, pode acompanhar isso no Extreme Tracking, embaixo da página. Acho que é aberto a todos. Sugiro a instalação no seu blog, se tiver um, porque contém alguns dados que o SiteMeter deixa de fora (agora, não entendo por que os números não são os mesmos em todos os contadores).

Que mais? Ah sim, comecei uma compilação dos “Fala Gente Fala” mais legais da semana. Serão trocados semanalmente, ou a cada três dias, ainda não sei. É só pra que leitores que não lêem comentários de outros leitores possam ver as contribuições marcantes que o blog recebe. E também porque vai que isso motiva algum leitor mais preguiçoso a tirar seu traseiro gordo da cadeira (ah, essas traduções literais!) e comentar...

Outra coisinha. Taí minha história sem cortes sobre “How I met maridón”. Forcei o dito-cujo a ler o texto e perguntei o que ele achou. E ele:

- Hmm... Bonitinho. Você vai contar toda nossa vida pessoal pra todo mundo?

- É, mezzo. Mas não tem nada comprometedor, tem? Acho até que te pintei como uma pessoa sensível e não como o monstro horroroso que você é. E acho que eu saio bem na foto também. Se a coisa mais estúpida que já fiz foi namorar dois caras ao mesmo tempo durante uma semana...

- ...E escolher o cara errado? Otária!

Ah, somos tão românticos... Incluí aí ao lado uma nova enquete, esta sobre o Charlton Heston. Talvez a maioria não tenha visto a maior parte desses filmes, mas é meio que uma homenagem ao fascistóide. Aliás, eu havia escrito uma enorme introdução antes da pergunta... pra só depois perceber que há um limite de caracteres! Ainda assim, como é um lado bastante desconhecido dele, talvez você queira ler:

Charlon Heston, que morreu dia 5 de abril, não nasceu um homem de extrema direita. Durante a maior parte de sua vida, foi filiado ao Partido Democrata, era contra o porte de armas e a Guerra do Vietnã, e pró-direitos iguais para negros. Só no final dos anos 70, depois de velhinho, deu uma guinada radical pra direita, virando Republicano e até presidente do NRA (National Rifle Association). Mas ignorando a pessoa e se concentrando no ator, qual o ponto alto da carreira dele?”.

Esse é um tema que sempre me intriga: o que acontece com as pessoas politicamente ao envelhecer? Por que tantas pessoas que foram radicais de esquerda vão pra extrema direita com o tempo? Tá, conheço aquele provérbio (que tá inclusive no ótimo Edukators) de “Quem não é de esquerda até os 30 não tem coração, e quem é de esquerda depois dos 30 não tem cérebro”. E discordo. Acho que não ter empatia com os pobres e pensar somente no próprio umbigo – que pra mim é a essência da direita – não tem nada de inteligente. Mas será que isso vai acontecer comigo também? Será que enquanto eu estiver dormindo vão fazer um Invasores de Corpos ou Esposas de Stepford comigo e, quando eu acordar, começarei a considerar Reagan e FHC meus heróis pessoais e passar a votar nos republicanos e no PSDB/DEM (dá na mesma)? É só acumular uma graninha pra mudar de posição e passar a considerar segurança muito mais importante que educação? Imagina você chegar ao blog e ver que virei a favor da pena de morte pras mulheres pobres que cometem aborto e que agora meu herói favorito é o Rambo. Se isso acontecer, me avisa? Afinal, todo mundo pode ficar esclerosado.

31 comentários:

Ollie McGee disse...

Algumas pessoas dizem que o Charlon Heston era um ator canastrão de uma expressão só. Lembro dele como Moisés no filme "Os 10 Mandamentos" e gostei muito de "O Planeta dos Macacos" e "A última esperança da Terra". Quanto a mudança de pensamento político dele. Acho Normal. Todo mundo tem o direito de mudar de opinião. Agora se a mudança é para melhor ou para a pior é tudo (no fundo mesmo) questão de opinião. =)

PS: Eu deixei a dica de um blog excelente que trata sobre esse assunto de visitas, links, page views e etc lá nos comments. O que você achou? =)

Renata disse...

Espero nunca passar por essa transformação tb! Há que perder a ternura, mas ir pra direita jamais!

E eu não sei como vc tem energia pra escrever tantos posts no seu blog! O meu atualizo semanalmente mesmo... eh q dah um trabalhao... mas acho legal q tem blogs q nem o seu q posso entrar todo dia e sempre tem uma coisa nova. por enquanto oq eu recebo numa semana, vc tah recebendo num dia soh... mas vale sonhar neh? quem sabe um dia eu chegue nesse nivel... ;)

Um abraço,
Renata.
www.oraculodelesbos.blogspot.com

rayza quem? disse...

eu ão vi mesmo nem... acho q nenhum dos filmes da enquete (infelizmente...mas eu tentei ver os dez mandamentos, só q era depois do almoço e eu obviamente dormi).

isso de mudar de opinião é realmente assustador. mas claro que conforme o tempo passa é normal as pessoas encararem as coisas de modo diferente - uma coisa parecida, por exemplo, é a religião. ou seja, não é nada mais do que o resultado de um suposto amadureciemnto, confrontando com a juventude (o q tb pode ser bem específico, dependendo da juventude que se tem e do modo como se pensa). é por isso q eu, pelo menos, não sei se por preguiça também, às vezes acho q não tenho maturidade eu experiência o bastante para lidar com certas questões e formar opiniões a respeito. acho q é melhor esperar e formar uma opinião que faça de fato sentido do que ficar mudando conforme as fases da vida passam (quem sabe os homens não mudam pra direita durante uma crise de meia idade, pra justificar sair com ninfetas e comprar carros? hauihsiuahdisahdaiusd, apelei).

ah, eu tento comentar aqui sempre que posso - e tenho algo a dizer, e tb faço super propaganda dos teus textos (no fundo todo mundo sente falta de críticas confiáveis de cinema).

beijo!

Leo disse...

Fiquei todo feliz de ver meu blog na sua lista! :P Mas não sei se posso ser incluído no quesito atualizações... acho que ando meio sem assunto.
Quanto ao Charlton, náo vi muuuitos filmes deles. Vi os mais clássicos: Os 10 mandamentos, Planeta e Ben Hur.
Votei nesse ultimo, por ser o mais marcante, pelo menos pra mim. Lembro de ser pequeno virar a noite assistindo Ben-Hur na sessão de gala porque minha mãe dizia que era bom, e eu TINHA que assistir! hehe.
Tenho o hábito de ler "O GLOBO online", e costumo me divertir com os comentários que as pessoas deixam nas matérias. Fiquei impressionado com os comentários sobre a morte dele. A maioria das pessoas deixaram comentários agressivos, dizendo que ele já foi tarde, facista maldito, e coisas do tipo. Fiquei meio chocado... as pessoas as vezes confundem as coisas...

Leo disse...

Nossa! Erro feeeio de concordancia. A maioria das pessoas DEIXOU comentários... :(

lola aronovich disse...

Oi, gente! Desculpe esnobar vcs o dia todo, mas fui ao cinema. Então, vamos lá: Ollie, ainda não li a dica, já vou ver. Sobre mudar de opinião, é, pode-se mudar de opinião. O que chama a atenção no caso do Charlton é a guinada radical. Como que alguém que era contra o porte de armas torna-se um fascistóide, presidente do NRA?! E outra coisa que me intriga é que o oposto raramente acontece - alguém que foi de direita a vida toda ir pra esquerda na velhice. Por que será?

lola aronovich disse...

Oi, Rê! Eu gosto muito do seu blog e frequentemente apareço lá. Só não o incluí na lista de links porque ele não é atualizado com tanta frequência. Mas fica a dica, pessoal: quem quiser ver análise de filmes ligados à temática lésbica, a Renata não apenas entende do assunto como escreve muito bem. Sua última análise foi sobre Bound, que eu preciso ver!
Raiza, obrigada pela propaganda. Mas será que as pessoas mudam de opinião em relação à religião? Ou apenas abandonam ou se apegam mais a certos hábitos? Isso vale um post!

lola aronovich disse...

Leo, e os outros: como assim, vcs não viram A Marca da Maldade (A Touch of Evil)?! TEM QUE VER! É um grande Orson Welles, talvez tão bom quanto Cidadão Kane.
É, eu mesma sou bastante radical com atores que misturam política com sua fama. Por exemplo, claro que eu aprecio o envolvimento político do Sean Penn com questões de esquerda, mas a verdade é que não me afeta tanto. Se ele fosse militante da direita, no entanto, eu gostaria muito menos. O Tom Cruise, que tanta gente detesta, no fundo não se mete muito com política. O caso dele é mais pertencer a uma religião esquisita, mas isso soa um pouco como perseguição e preconceito religioso do pessoal, não soa? Houve celebridades brasileiras que eu não engulo até hoje por terem feito campanha pelo Collor: Marilia Pera, Claudia Raia, Ayrton Senna... E obviamente considero a Regina Duarte podre. Mas são/eram todos muito talentosos em suas áreas.
É só que, num mundo onde o culto à celebridade é tão grande, pessoas aasim acabam tendo muito poder e influência. Fico chateada com a morte do ator Charlton Heston. Mas referente à pessoa do Charlton, só posso comemorar. É menos um fanático de direita no mundo.

mari disse...

Lola, meu pai morreu há dois anos, aos 83, e minha mãe faz 88 no mês que vem.
vou te contar que é melhor NEM ENTRAR NO ASSUNTO das transformações que acontecem quando as pesoas envelhecem.
deixa qualquer filme de terror no chinelo.
o horror, o horror....

agora quanto ao Charlton Heston , votei no "outros" porque o filme dele que mais me impressionou foi "the war lord".
adorei 'ben hur' que eu vi em cinerama na época do lançamento, e era bárbaro, principalmente por causa da corrida de bigas, super-emocionante.
mas "war lord" é mais bacana.pelo menos, o Charlton está mais bacana....

lola aronovich disse...

Mari, o que vc quer dizer com as transformações sofridas pelas pessoas ao envelhecer? Vc tá falando fisicamente? Sabe, taí uma coisa que mudei de opinião. Durante minha juventude, eu tendia a "dar um desconto" pros velhos. Achava-os sábios e bonzinhos. Hoje não acho mesmo que dá pra equiparar velhice com sabedoria e/ou bondade. Não idealizo mais os idosos, sorry.
War Lord? Esse eu não vi! O maridão disse que é muito bom.

Paula disse...

Oi Lola
Tô com o Leo. Fiquei toda toda ao ver o nome do meu blog ali, mas não posso garantir nada. Tenho hiatos mentais frequentes.
Quanto ao Charlton, pra mim ele sempre vai ser sinônimo de Ben Hur. Lembro de passar várias madrugadas lutando pra não pegar no sono e ver o filme até o fim. Acho que juntando todas elas vi quase inteiro. Meu pai amava e eu sempre ficava decpecionada ao acordar e perceber que tinha dormindo no meio outra vez. Mas também, ver 4 horas (?) de filme épico, e de madrugada, é um negócio complicado quando a gente tem 9, 10 anos de idade.
A parte da mudança de posição também me assusta. Sabe, os pólos não se invertem com o tempo. A injustiça e afins continua sendo injusta e por aí vai. Não sei se tu ficou sabendo do Gabeira? Com toda aquela história, símbolo da esquerda poética, faz pouco ele declarou que direita e esquerda são conceitos ultrapassados e fez uma baita aliança com um partidão. Não que aqui no Brasil as coisas sejam muito definidas, mas entre o DEM e o PV tem um bom abismo.

Alexxs disse...

Adorei a inclusão do meu comentário como 'aquele engraçado do final'. Adoro! hehehehe.


Abraços!

Alexxs disse...

Ah, e me senti completamente ignorante. Não lembro de ter visto nenhum dos filmes citados na sua enquete. Tem tanta coisa que eu ainda desconheço!

mari disse...

eu estou falando de envelhecimento real, que é físico e mental.
velhos ficam sábios até um certo ponto, depois é só tristeza.
é a perda total da noção do valor do dinheiro, é o esquecimento do passado próximo, é uma coisa que faz o velho pensar que pode tudo, principalmente ser estúpido com as pessoas que gostam deles e com as que cuidam deles, é a falta de interesse total com o que está acontecendo no mundo.
meus pais eram antenadíssimos, carismáticos, espertos, entendiam de tudo e sabiam de tudo o que acontecia no mundo.
meu pai me levava pra ver filmes de caubói e samurai, na Liberdade, festivais de desenho animado tcheco, chinês ou japonês.
minha mãe me levava aos filmões de Hollywood, principalmente os clássicos com Greta Garbo e Dietrich, mas também os últimos (da época) como Serpico ou "Dog day afternoon" (foi com ela que eu vi Ben-Hur e Lawrence da Arábia)
meu pai sempre me trazia os últimos discos dos Beatles e dos Rolling Stones, mesmo eu tendo 5 anos!

e nos últimos anos tínhamos que correr atrás dele que saia sem calça pela rua , ou era trazido de volta pra casa pelo jornaleiro porque estava andando a pé no meio da av. Sto.Amaro...uma tristeza sem fim.

mari disse...

sabe o que acontece?
o velho fica uma criança, com todo o egocentrismo da criança, mas muito mais poderoso.
é muito difícil dizer não para seu pai, sua mãe, seu avô ou seu patrão .
e eles viram ditadores, imperiais.
é preciso muita lucidez pra ser altruísta, dividir, dar passagem, e o velho perde essa lucidez, por isso vira esse "fascista"!
pensar na sociedade, no bem coletivo é coisa de gente com maturidade emocional (ou quase) e o velho perde isso.

note bem, que uma pessoa pode ter 90 anos e não ser assim, velhice é um estado de espírito, alguns começam mais cedo, outros mais tarde, conheço gente que aos 35 já virou um fascista ferrenho.

aliás, meus colegas uspianos mais ativos no movimento estudantil, hoje em dia....

Marcelo FLN disse...

Oi Paula, Lola e os outros..
Acho que o Gabeira fez o que o Lula fez e o que todo político que deseja ser eleito acaba fazendo, ou seja, juntando forças.

Sobre mudança de posição política, se parar para pensar a maioria das pessoas são solidárias com as questões levantadas pela esquerda, afinal quem não quer educação, saúde e um mundo mais bonito (justiça social) para se viver? Só que acho que o pessoal da esquerda faz tudo com uma grande incompetência (não me matem eh soh opinião).

Já fui da esquerda votei no lula, minha vereadora é do PCdoB, varias vezes fiz parte de grêmio estudantil, apoio o aborto, e os direitos dos homossexuais (nem precisava dizer isso neh, são só duas pesoas quese ama, o que tem demais nisso!!!) e etc..

Porém hoje estou muito mais alinhado a direita por uma série de fatores. Ainda quero educação, saúde, etc.. Mas quero que as pessoas conquistem isso, e não ganhem (bolsa isso bolsa aquilo). Quero que as pessoas ganhem seus salários por fazerem direito seu trabalho e não por que tem garantias de ter o emprego (leia-se servidor público, o PT tah inflando o estado!!!). Sou a favor de um estado mínimo, da privatização de empresas públicas (governo não tem que ter empresam, tem que pensar e conduzir um país). Mas sou contra universidade particular, escolas particulares, por acho que educação é um item básico e se a educação pública for um lixo que seja um lixo para todos. Idem para saúde e para o acesso a serviços judiciais.

Sobre o judiciário, acho que é nesse segmentoque está o pior do pais, é o item mais atrasado. Não gosto de advogados, não acho que eles devam existir, se temos regras e essas valem para todos eh dever do estado preparar o cidadão para cumpri-la e para questioná-las sem depender de outra pessoa. Dessa forma evitariamos distorções que o dinheiro pode comprar, além de qualquer pessoa poder acionar o judiciário sempre que se sentir lezado, sem dependencias

Nossa escrevi pacas e isso tudo para dizer q o Gabeira não me surpreendeu nem um pouco, desculpinhas pelo longo texto.

Juliana disse...

Adorei a frase “Quem não é de esquerda até os 30 não tem coração, e quem é de esquerda depois dos 30 não tem cérebro”. Não acho que "não ser de esquerda" seja a mesma coisa que ser de direita ou não ter empatia com os pobres ou pensar somente no próprio umbigo. Você pode não ser de esquerda e não ser de direita. Aliás, é neste lugar em que me encontro atualmente, depois de já ter sido bem de esquerda. Será que isso quer dizer que serei bem de direita algum dia? Espero que não.

E ainda não votei na enquete do Charlon Heston porque só vi o "Ben Hun" (e dormi metade dele) e "O Planeta dos Macacos" há milhões de anos. Se puder votar NO FILME, fico com o segundo, mas ele ainda não me decidi. Me surpreendi ao ver que ele era contra armas, me interessaria em entender porque ele mudou tanto, qual a lógica da coisa. E preciso ver o filme do Michael Moore...

Aliás, falsas lógicas e péssimos explicações que funcionam como lavagem cerebral na base de qualquer grupo político, partido, etc e tal é o que não falta. E todas parecem fazer o maior sentido do mundo, tanto que ganham milhões de adeptos não-pensantes que continuam repetindo as mesmas bobagens. Está aí (ou esteve) Hitler que não me deixa mentir. E em pleno século XXI a existência de neo-nazistas and such.

lola aronovich disse...

Oi, Paula. Sabe que Ben-Hur eu nunca vi inteiro? Acho que preciso ver. O ótimo documentário The Celluloid Closet, sobre a história do homossexualismo no cinema hollywoodiano, dá bastante destaque... Não tô sabendo do Gabeira não. Mas é sempre preocupante quando Partido Verde faz aliança com a direita, porque a direita é totalmente anti-ecológica.
Alexxs, não tem nada que se sentir ignorante por não ter visto nenhum ou nem todos os filmes. São filmes antigos, alguns são difíceis de encontrar, e se já é duro acompanhar o cinema contemporâneo, imagina conhecer o de 50 anos atrás. Eu também não vi todos. Agonia e Extase nunca vi, por exemplo. Mas Marca da Maldade tem que ver, não por causa do Charlton Heston, mas por ser do Orson Welles.

lola aronovich disse...

Mari, imagino que seja muito triste ver nossos pais desmoronarem assim na nossa frente. Por um lado, acho horrível ter perdido meu amado pai quando ele tinha apenas 68 anos. Mas, por outro, eu não o vi adoecer, perdendo o juízo, virando fascista. Ele era do tipo que não ia aguentar ser cuidado, então, no fundo, talvez tenha sido melhor. Mas é uma droga perder um pai tão querido quando se tem apenas 25 anos! É, o Veríssimo já escreveu algumas crônicas sobre isso, de como velho em muitos caso retrocede ao estágio infantil. Bom, pode acontecer com todos nós.
Agora, sobre seus colegas uspianos, eu realmente conheço bastante gente que vai pra direita com a idade. Considero achando esquisitíssimo!

lola aronovich disse...

Marcelo, concordo contigo que pra governar tem que se fazer alianças. Realmente é impossível um partido governar sozinho. Mas as alianças precisam ser cuidadosas. Acho o fim que o PT precise fazer aliança com um partido ultra-corrupto como o do Maluf, mas tem que ver como essa aliança é costurada, o que está sendo dado em troca. Não sei o que o PV tem a ganhar se unindo com o DEM.
É, uma das plataformas da direita é ser a favor do estado mínimo. Só não entendo como vc pode ser a favor disso e das privatizações e ainda ser a favor da educação e da saúde pública. É impossível ter um estado mínimo que cuide disso. O estado só consegue ser mínimo (se conseguir, o que não ocorre nem nos EUA) desmantelando todos os serviços públicos. Acho que quase todo mundo, na teoria, quer abolir a pobreza. Mas uma das diferenças entre esquerda e direita é o vão entre querer e fazer alguma coisa a respeito. Um dos pilares da direita é acreditar no merecimento, que tal sujeito não só pode como merece ser bilionário, porque "trabalhou pra isso". É a ética protestante que move os EUA. O problema é que, quando você pensa que alguém merece ser rico, automaticamente pensa que alguém merece ser pobre. E, se depender da direita, não vai haver ninguém pra amparar essa pessoa que merece viver na miséria, já que o estado é mínimo. Quer dizer, a ajuda só pode vir da caridade - que tantas vezes existe apenas pros ricos não se sentirem culpados por serem ricos e por pagarem menos impostos que os pobres.
É, eu não tenho nenhum amor pelo judiciário...

lola aronovich disse...

Ju, eu vejo assim: se uma pessoa não for idealista na juventude, vai ser quando? Nunca mais, né? Com o tempo a gente fica mais cínica, acredita menos em soluções, mas acho que o jovem precisa ser um pouquinho ingênuo. Se isso é ser de esquerda... Agora, não sei se creio muito em centro. Acho que existe, claro, direita light e esquerda light. Assim, existe centro-esquerda e centro-direita. Mas centro purinho, sem ir pra nenhum dos lados do espectro político? Isso é não querer tomar posição, é dizer "não me comprometa". E não dá pra ficar no muro pra sempre. Mas dá pra ser de direita e não acatar todos os pilares da direita, assim como ser de esquerda sem concordar com um monte de coisas que a esquerda faz. Mas acho que existem alguns pilares básicos que acabam definindo a pessoa.
E sobre o Charlton, quem ler minha crítica a "Tiros em Columbine" sabe que me senti muito desconfortável vendo um velhinho quase caquético ser massacrado pelo Michael Moore. Não gostei nada desse momento. Fiquei até com pena do Charlton, e olha que não costumo ter pena de fascistas.

Suzana Elvas disse...

Oi, Lola;

Eu assisti a quase tudo do Charlton Heston. Era fascinada pela abertura do Mar Vermelho e pela corrida de bigas. Minha trinca de homens favoritos dessa época de cinema era formada por ele, Burt Lancaster (o meu favorito era "O pirata sangrento, muito viril :o)- depois cresci e aprendi a amar "O Leopardo" e "A rosa tatuada") e Kirk Douglas (precisei crescer para aprender a força de "A montanha dos abutres", filme que deveria passar em muita redação tupiniquim).

Li que ele morreu de Alzheimer. Bom, minha avó teve Alzheimer e, por quase 20 anos, mudou radicalmente de personalidade, a ponto de hostilizar meu pai - criticando-o abertamente por qualquer assunto, o que era estranho porque ele, filho único, sempre foi o seu docinho de coco. A doença, sim, traz mudanças radicais de personalidade, a ponto de você não reconhecer mais a pessoa. Ela muda tão drasticamente de opinião que pode, por exemplo, comer fígado três vezes por semana - quando, a vida toda, quase vomitava à simples menção da palavra "fígado".
Bjs

lola aronovich disse...

É, Su, aprendi isso sobre Alzheimer (aliás, vc já viu o belo filme com a Julie Christie?). Essa hostilidade deve ser a pior parte da doença, pelo menos pros outros. Imagina você estar cuidando da pessoa com todo carinho e ela te xingar? Claro que a pessoa que tá cuidando sabe que isso faz parte, mas insulto sempre é insulto e pode machucar, né?
Sabe, nunca achei o Charlton bonito ou minimamente interessante. Não gosto dos dentes dele, um sorriso estranho. Mas Burt Lancaster? Lindo! (adoro o Cary Grant também). Tenho a maior admiração pelo Kirk Douglas, mas nunca o achei bonito. Se bobear o Michael mais jovem era mais bonito, ou tô blasfemando? A Montanha dos Sete Abutres realmente deveria ser exigência curricular de toda faculdade de jornalismo! Grande filme.

Suzana Elvas disse...

Eu não achava os três propriamente bonitos, eu achava os três, bem..., másculos, sabe?
:o)

Aquela coisa de fazer bife à milanesa com a Deborah Kerr numa praia do Havaí...

lola aronovich disse...

Másculos eles deviam ser mesmo, Su, porque a primeira imagem mental que me vem de qualquer um dos três é eles de calção, sem camisa. Pra vc tb? Olha só, eu penso no Burt, vem a imagem dele fazendo bife a milanesa em "A um Passo da Eternidade". Penso no Kirk, vem "Spartacus". Penso no Charlton, vem "Planeta dos Macacos". Incrível, né? Não consigo me lembra de qual astro atual tenho essas mesmas lembranças...

Suzana Elvas disse...

Pois então. Nem com Cary Grant eu faço esse exercício mental :o)

lola aronovich disse...

Nao mesmo! Alias, tenho mas lembrancas das poucas vezes que vi o Cary Grant com pouca roupa! Fascinante isso, nao? De como a gente associa certos atores com certos figurinos (ou falta de). Serio, tirando os atores globais das novelas das 7, quem mais a gente associa a pouca roupa? Vamula, pessoal, pergunta aberta pra todo mundo!

Pedro disse...

Passei meio rasteiro por esse topico, não conhece esse ator, nunca vi Ben-Hur e não tenho condição de votar nessa enquete hahahaha.
Quanto a atriz com pouca roupa ?
Pamela Anderson, Paris Hilton, Denise Richards, Sylvia Saint ...
Abr

mari disse...

ah, eu estou lembrando sempre do Viggo Mortensen em "Eastern Promises", com todas aquelas tatuagens russas de cadeia...brigando nu na sauna......

lola aronovich disse...

Pedrinho, quem tava falando de atrizes?! Mas sim, até que associo a Pamela Anderson e a Denise Richards a roupas molhadas, mas não necessariamente sem roupa. Quando eu penso na Paris Hilton, o que não é muito frequente, eu só visualizo o rosto, com aquele nariz feio. Sei lá, eu não a acho bonita mesmo. E quem diabos é Sylvia Saint? Eu só conheço a Kristell e olhe lá.
Mari, é, talvez o Viggo, depois daquela cena marcante da sauna. Mas aí eu me lembro dele coberto de tatuagens, o que pra mim fica menos nu.

mari disse...

hahahahah!
coberta de tatuagens sou eu, o Viggo é mero amador!!
mas eu reakmente nunca me sinto nua.