terça-feira, 8 de julho de 2008

NO QUE VOTEI PRA PASSAR NO TESTE – PARTE 1

Como pode ter gente curiosa pra saber como me saí no teste da Veja pra detectar de que lado do espectro político estamos, e a Lolla Moon pediu um post específico, e o desejo dela é uma ordem, vamulá. Só que o post ficou quilométrico. Vou dividir em duas partes. Ah, todas as escolhas pra todas as perguntas são “Discordo integralmente”, “Discordo”, “Concordo” ou “Concordo integralmente”, e acho interessante que não deram uma brecha no meio pros centristas, do tipo “Tô em cima do muro”.

1) “O MST age corretamente quando invade terras para pressionar pela reforma agrária”. Respondi “Concordo”, porque aí depende se as terras são produtivas ou não, o que não está especificado na colocação, e também como se dá essa invasão (sei que a maior parte das invasões do MST são sem vandalismo, apesar da mídia pintar o contrário).

2) “É melhor ditadura com estabilidade econômica do que democracia com inflação”. Respondi “Discordo integralmente”, óbvio. Nada justifica a ditadura. A democracia tem defeitos, mas eu prezo a liberdade. Sei que deveria por aspas nessa palavra, mas o post vai ficar imenso se eu comentar tudinho.

3) “É preciso haver uma substancial redução na carga tributária”. Pus “Discordo”. Não totalmente, porque acho que muitos impostos são altos demais. Mas escolher a alternativa “Concordo integralmente” é fácil numa questão dessas. Ninguém gosta de pagar imposto. Só que, sem impostos, não haveria saúde pública, escolas, o mínimo de segurança, bolsa-família (que eu sou a favor), e muitas outras coisas pagas com nosso dinheiro. E, ao contrário da classe média brasileira, que diz não usufruir dos impostos que paga, eu usufruo. Não tenho plano de saúde, então uso o SUS; fiz mestrado e estou cursando doutorado numa universidade federal de alta qualidade. Pessoalmente, não posso reclamar muito.

4) “A privatização em setores como energia e telefonia trouxe benefícios para o país”. Coloquei “Discordo”. Não totalmente porque, afinal, houve algumas vantagens – hoje é muito mais fácil comprar uma linha telefônica do que era uma década atrás. Mas o serviço é caríssimo, continua havendo monopólio (em Joinville, pra telefone e internet, eu posso optar pela Brasil Telecom e pela... Brasil Telecom), e não há qualidade alguma no serviço ou no atendimento. Eu me lembro que, em 1995, por aí, paguei R$ 1,200 por um telefone e esperei dois anos até que a linha saísse. Em compensação, a linha era minha, e recentemente recuperei todo o investimento vendendo as ações. E eu me lembro que, antes da privatização, a assinatura da linha custava menos de 3 reais. Hoje custa 40. E há muito ouço falar que, “em breve”, a internet será rápida como um raio, e de graça. Ahn, cadê?

5) “É correto que o estado decida se determinadas greves são legais ou não”. Pus “Discordo”. Agora a gente tá num governo que tem afinidade com reivindicações sindicais, mas dependendo do governo, dar tanto poder ao estado pode ser perigoso. Não gosto de greves, sofro com elas, mas às vezes elas realmente são um último recurso, e devem ser feitas.

6) “Entre um candidato corrupto, mas tocador de obras, e um honesto, mas ineficiente, prefiro votar no primeiro”. Ou seja, o velho “rouba mas faz”. Votei “Discordo integralmente”. Mas sou uma Pollyanna, acredito que é possível haver políticos honestos e eficientes.

7) “É condenável que pessoas fiquem milionárias apenas aplicando no mercado financeiro, sem contribuir em nada para a sociedade”. Pus “Concordo”. Eu tenho dinheiro aplicado, e acho que contribuo um pouquinho pra sociedade. É que concordo com a primeira parte da questão, “É condenável que pessoas fiquem milionárias”. Acho que ninguém precisa ser muito rico, e acho que deveria haver limite pra riqueza. O cálculo que eu conheço é o seguinte: pra que alguém possa não trabalhar pro resto da vida, deve calcular quanto gasta por mês. Digamos, 1,8 mil reais. É mais ou menos o que eu e o maridão gastamos por mês, no Brasil. Tem mês que dá menos, tem mês que dá muito mais, mas observando um ano, e dividindo por doze, dá mais ou menos isso (ou dava, há um ano, antes da gente vir pra Detroit). Então a gente precisaria ter 360 mil reais aplicados num investimento que rendesse uns 10% ao ano. A gente viveria desses juros, e o dinheiro não acabaria. Ok, 360 mil é uma enormidade, não estou dizendo que não seja. Mas tá longe de ser aqueles 30 milhões que todo mundo sonha em ganhar na Megasena. Aliás, sou a favor da distribuição de renda nas loterias também. Ao invés de um prêmio de 30 milhões, que tal 300 prêmios de 100 mil reais cada?

8) “Na relação comercial entre os países, o protecionismo às vezes é necessário”. Pus “Concordo”. Acho que países pobres como o Brasil devem ter um mínimo de proteção. Mas considero um abuso os países ricos se protegerem.

9) “O Estado deveria ter controle apenas sobre as áreas de segurança pública, saúde e educação, deixando os demais setores sob responsabilidade das empresas privadas”. Pus “Discordo”, porque a gente não deve partir do pressuposto que as empresas privadas são boazinhas. Empresa privada quer lucro, e só. Tampouco acho que empresas privadas sejam mais honestas, ou mesmo mais eficientes, que o governo. Imagina que legal se a água ficasse sob a responsabilidade de uma empresa, essa empresa subisse os preços como quisesse, e proibisse os moradores de armazenar água de chuva? Aconteceu na Bolívia. Agora, acho incrível que a pergunta diga que o Estado deve ter controle sobre essas três áreas essenciais. Muitos direitistas que eu conheço, a Veja inclusa, acha que tudo deve ser privatizado.

10) “Quanto mais livre o mercado de seu país, mais livre o seu povo”. Pus “Discordo integralmente”. A China é um mercado bastante livre atualmente, e os chineses, nem tanto. E tenho dúvida se os americanos são tão livres como se pensa, pra falar a verdade.

Continuo depois, num outro post, pra dar fôlego pra você respirar, se revoltar, hackear e tirar meu bloguinho do ar, e tudo o mais.

24 comentários:

lu disse...

eu respondo quase a mesma coisa que vc em tudo. mas realmente, tem umas perguntas meio mal colocadas, não? mal especificadas.
mas enfim. legal o post, aguardamos a 2a parte.

bruna; disse...

Quando li teu primeiro post sobre esse teste, fiz careta. "Teste da Veja??"
Mas taí, é um bom teste mesmo, Lola. Pra mim, deu centro-esquerda liberal. Alías, minhas respostas foram bastante parecidas com as tuas, a não ser na questão do protecionismo, que concordei integralmente - já que o termo usado por eles foi "às vezes". Pra mim, é isso mesmo, às vezes necessário - de preferência pros pobres.
Beijinho.

tommyberesford disse...

Lola, obrigado pela visita e volte sempre. Um abraço

Tommy
http://cinemagia.wordpress.com

Ollie McGee disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Santiago disse...

Lola:

Se a terra fosse sua e você estivesse nos Estados Unidos, fazendo doutorado, como me disse em outro post, e não estivesse produzindo eu queria ver se aprovaria a invasão do MST.

Direito a propriedade, seja terra, casa, ou o quer for é sagrada, não é pra vagabundo que nunca plantou um pé de couve se apossar. Isso chama banditismo. É muito fácil ser da classe média, ter um ou dois apartamentos, um ou dois carros e apoiar a invasão da terra dos outros.

Há latifúndios que foram apossados indevidamente que poderiam ser redistribuídos a agricultores com talento, mas, o tal do MST, não tem competência para julgar isso, e nem pessoas que possam produzir nestas terra. Isso está mais que provado empiricamente.

Kaká disse...

Como eu disse, o meu deu extremo liberal de direita (ainda bem que vc não anota os direitistas num caderninho negro ;)), e nessas primeiras 10 eu fui diferente de vc em 4 questões. :)

MST, discordei, sou a favor da reforma agrária, mas não das invasões, mesmo as pacíficas.

No "É preciso haver uma substancial redução na carga tributária" eu concordei (mas não integralmente), em parte porque acho que os impostos são altos, mas foi pensando (inocentemente eu sei) que se a carga for menor mais pessoas vão pagar.

Na questão do "vc acha condenável..." eu coloquei discordo, mas eu discordo da afirmação como um todo. Quem aplica no mercado financeiro e ganha milhões vai acabar contribuindo para a sociedade de alguma forma. Geralmente é uma pessoa que vai querer ter uma casa maior, muitos carros e muitas outras coisas. Assim ela paga mais impostos e emprega pessoas. Do mesmo jeito que tem pessoas que não precisam de muito e vivem bem, tem pessoas que acham que precisam de milhões para sobreviver. É de cada um.

No "quanto mais livre o mercado, mais livre o povo" eu coloquei concordo, mas não integralmente pensando exatamente nos chineses. E concordo com vc sobre não ter certeza se os americanos são livres, mas gosto de acreditar nessa afirmação.

Na sobre o Estado ser só responsável pela educação, saúde e segurança eu discordei (assim como vc), mas eu acho que o Estado deve sim ser responsável por essas 3 coisas, e que as outras poderiam ser privatizadas. O problema é a falta de concorrência e opção e acaba um monopólio como no itém da telefonia e energia.

lola aronovich disse...

Lu, legal saber que a gente concorda nisso. Acho que todos os testes/pesquisas têm perguntas mal-formuladas e ambíguas. Mas até que gostei desse.


Bruna, entendo perfeitamente a sua careta. Eu também faço careta toda vez que ouço falar em Veja. E é verdade, eu não me fixei no "às vezes" da questão.


Ok, Tommy.

lola aronovich disse...

Santiago, eu tenho 41 anos. Só estou nos EUA fazendo parte do doutorado há 1. Não diria que tenho simpatia pelo MST há 40 anos, mas desde que me conheço por gente, sim.
Tem outra coisa: sou uma pessoa urbana. Não tenho nenhuma raiz rural. Inclusive, sou um desastre no jardim lá de casa. Então eu teria que ser outra pessoa, totalmente diferente de quem sou, pra poder viver plantando. Mas sei que tem pessoas que felizmente não são como eu.
Vc deve saber que, até a década de 60, 70, o Brasil era um país rural. A maior parte da população vivia no campo e vivia disso. Houve uma grande mudança, e hoje a imensa maioria dos brasileiros vive em cidades, cidades que não foram planejadas pra ter tanta gente. Isso é ruim pra todo mundo, principalmente pro pessoal que vive em favelas. E tem bastante gente que trocaria seu inferno urbano por uma vida rural, por um pedaço de terra.
Acho que eu (e talvez parte do MST) tenha uma idéia um pouco romântica do que seja viver da terra. Mas vc também tem, se acha que todos os latifúndios que este país ainda tem são produtivos, e que as grandes propriedades rurais são modelos familares, do tipo "pai e mãe ordenando vaquinhas".
E quando vc chama algo de "sagrado", tá contando no seu conceito de Verdade Absoluta de novo. Agora com uma conotação ainda mais divina.

cavaca disse...

Ok lola eu gostaria de saber uma coisa. Você disse que acredita no politico honesto. Eu nunca gostei do clássico rouba mas faz e no caso do lula eu também acreditava que ele fosse um politico honesto e votei nele. Mas foram tantos escandâlos e falcatruas que me decepcionei. Tinha muita gente ao redor dele errando grosso, o nome do filho aparece em esquemas curiosos e Lula nunca sabe de nada. Ok, acha que o que ele fez pela economia justifica esses erros, ou que foram erros que buscavam um "bem maior". Ou que em politica vale tudo? Ou até que tudo não passa de intriga da oposição e provocação da midia?
Não sei mas, as vezes me parece que ele se sente acima da lei, e que tudo leva panos quentes porque a economia está prometedora. (Só não sei prometedora pra quem...) Ou sente que por ser de esquerda, deve apoiá-lo.

lola aronovich disse...

Vc só votou diferente de mim em 4, Kaká? Então não somos tão diferentes. Obrigada por expor suas opiniões. Não tem bem certo ou errado, embora a gente sempre ache que tá certa, o que é normal. Só que a questão de pessoas que gastam muito é preocupante, e não é bem assim como vc pensa, "cada um vive como quer". É aquele negócio de que, se o resto do mundo consumisse como os americanos, não haveria planeta suficiente. Então, quando alguém que só dirige sozinho tem uma pick-up, não é só uma questão pessoal. Ele está gastando por mim e por vc também. Está desperdiçando energia e, inclusive, ocupando espaço desnecessário. Uma família rica gasta muito mais energia que uma família pobre. Tudo bem que ela paga por isso, mas os recursos gastos são de todos nós e das próximas gerações, e alguns desses recursos não são renováveis. Eu sou contra o desperdício, ponto. Não importa que a pessoa pague. Quando alguém escova os dentes ou lava a louça e deixa a torneira aberta, é a MINHA água que ele tá jogando fora. É o meu planeta também.
E sobre o monopólio das empresas, apesar da privatização... Eu fiquei surpresa ao constatar que, mesmo nos EUA, o país mais capitalista do mundo, há muitos monopólios (de empresas privadas). Eu sou contra os monopólios, mas, se é pra haver monopólio, eu confiaria mais num monopólio do Estado (onde meu voto vale alguma coisa), que num privado (onde eu não consigo falar nem com um atendente pelo telefone, quanto mais com o CEO da empresa).
Em muitas áreas, as privatizações do governo FHC não geraram concorrência nenhuma. Elas beneficiaram algumas poucas pessoas - eu não fui uma delas.

lola aronovich disse...

Cavaca, eu abomino o "rouba mas faz". Certamente foi uma decepção pra todo mundo que votou no PT os escândalos que foram divulgados. Mas é óbvio que existe um exagero da mídia, que não tratou com o mesmo ardor os escândalos de governos passados, como a compra de votos pra votar a reeleição do FHC. Imagina se aquilo tivesse se dado com o Lula. Ele teria sido impeached! Com o FHC, a mídia mal cobriu.
Desde que o Lula venceu, eu tive medo que aconteceria no Brasil algo como na Venezuela: uma mídia golpista e uma classe média e alta inconformada com a vitória de alguém que não seja "um deles" tentarem derrubar o governo a todo custo. Tentaram aqui, fizeram de tudo, e não conseguiram. Talvez porque aqui boa parte da classe média esteja feliz com o governo. Mas muita gente, e a mídia, principalmente, continua revoltada que, apesar de toda a cobertura negativa, não conseguiu eleger o seu candidato (que nunca foi do PT). A gente tem uma mídia com tradição golpista. Ela apoiou o golpe de 64.
Eu ainda tenho certeza que o PT é muito mais honesto que outros partidos. Posso dar um exemplinho. Em Joinville, eu conheço pessoalmente algumas pessoas do PT, inclusive o vereador em quem votamos, e o candidato a prefeito, Carlito, que também sempre votamos pra deputado federal. Eles sempre me pareceram pessoas muito íntegras e honestas. Aí, quando meu marido trabalhava no Clube de Xadrez de Joinville, houve muita pressão pra que ele se filiasse ao PSDB (que é o partido local nos últimos 2 mandatos. Joinville nunca foi governada pelo PT ou teve um governo de esquerda). Eles só queriam gente filiada ao PSDB. Meu marido foi esquivando, esquivando, até que saiu (não só por conta disso, mas isso pesa). Mas teve uma vez que ele não pôde evitar e teve que comparecer a um jantar em homenagem ao secretário municipal de esportes (obviamente do PSDB). Esse secretário, ultra-corrupto (a gente tinha idéia do que se passava, via o dinheiro dos atletas parar no bolso dos dirigentes), era candidato a vereador. Estava fazendo uma mega-campanha - dinheiro não faltava. Bom, nesse jantar, o filho do secretário, que era o maior organizador da sua campanha, ia de mesa em mesa, conversando com cada um. Quando chegou na mesa em que o maridão estava, falou claramente, sem brincadeira, pra todo mundo ouvir: "Pobre é uma desgraça. A gente compra o voto, e eles acabam votando em outro candidato. Pobre não é de confiança".
Felizmente, ele não ganhou. Mas certamente os outros de seu partido não são diferentes.
Aí a gente vê como são, por exemplo, o Carlito e o Marquinhos, ambos do PT, e não tem como não comparar.
Sem falar que, na faculdade de pedagogia, tive aula com um vereador do ex-PFL, o Darci de Mattos. Atualmente ele é favorito à prefeitura de Joinville, pelo DEM. Ele era até simpático, mas era uma porta. Em vários momentos (ele dava algumas aulas de Sociologia, apesar de não ser sociólogo) ele defendia o "rouba mas faz". E todos os exemplos que ele dava eram coisa de rico - helicóptero, iate. Um dia uma aluna até perguntou: "Você não poderia usar exemplos mais próximos da nossa realidade não?".
Esse cara provavelmente será o próximo prefeito de Joinville. Joinville que, apesar de nunca ter tido um governo de esquerda, está cada vez mais pobre e mais afundada em escândalos... A culpa aqui também é do Lula?

lola aronovich disse...

O maridão tava lendo os comentários e me avisou que a gente não ordena vaca, a gente ordenha vaca. Deu pra ver que não sou muito rural?
(foi de propósito, claro, só pra mostrar minha incapacidade no campo).

lu disse...

(até podemos ordenar a vaca, mas ela não costuma obedecer...)hahahaha

adorei as respostas, lola. sempre quando alguém fala algo do mst que não seja demonizando o movimento, aparece alguém da direita falar da propriedade sagrada...

Santiago disse...

Lola:

Sem nenhum rancor sectárista, por favor, me responda. Eu estou lendo a biografia do Che Guevara que ajudou o Fidel Castro tirar Cuba de um ditadura de 7 anos do governo Fulgência Batista, o que enfiou Cuba numa ditadura de 50 anos, acabando com o pais, exceto, me parece, no campo da medicina (isso pode ser lenda) o colocando na pré-história tecnológica. A minha pergunta é a seguinte: você já viu a esquerda dar certo em algum lugar do mundo? Nos Estados Unidos, o mais próximo que se chegou da esquerda foi o Kennedy, que nada fez de especial e virou mito pela morte espetacular e pelo carisma pessoal, mas nada fez de relevante; no Brasil é essa palhaçada que você esta acompanhando (aqui a direita era igual); na Rússia não se precisa comentar; a China só virou o que virou quando dobrou pra direita e ainda por cima com explorarão do trabalho mal remunerado que é próprio da extrema direita e a esquerda não deveria passar nem perto. Por favor, me diga: Onde a esquerda deu certo? O socialismo da França não vale: aquilo é outra coisa.

Lolla Moon disse...

Concordo que o teste tinha umas perguntas mal especificadas e que isso poderia levar a uns erros de análise, mas so far acho que presta.

Até agora:

4) eu concordo (mas não totalmente...). Os 15 ANOS que meus pais esperaram por uma linha fazem os 40 reais de assinatura compensarem.

6) Eu prefiro o que roube um pouco, mas faça alguma coisa. Os pseudo honestos mas completamente ineficientes estão detonando a Inglaterra. Mas é porque não consigo mais ser Pollyana e acredito que o "pudê" muda as pessoas, até mesmo as mais íntegras. Uma pena, mas eu deixei de acreditar.

9) Eu concordei. Aqueles 15 anos não me saem da cabeça. :)

10) Apenas "discordo". Lembrei justamente da China. Mas, de forma geral, esse tipo de restrição não faz bem a ninguém, a país algum.

De resto, concordamos em tudo.

lola aronovich disse...

Lu, eu sou péssima em confundir palavras, ainda mais essas palavras que eu não uso nada. Eu nem bebo leite! Pois é, pra mim, que não sou religiosa, uma palavra como "sagrada" não diz nada, só reflete a crença de gente que acredita em verdade absoluta. Mas, se é pra acreditar que alguma coisa é sagrada, acho um direito muito mais sagrado pessoas não morrerem de fome que o tal direito da propriedade (inventado, claro, por quem tinha muita propriedade). Mas é só essa gente ouvir isso que fala: "E se o MST invadir um dos quartos da sua casa, vc vai gostar?". É impressionante isso, como se o MST tivesse alguma intenção de ocupar uma casa numa cidade urbana, e como se o meu padrãozinho bem classe média mixuruca pudesse ser comparado ao de gente que tem terras improdutivas do tamanho de um estado...

lola aronovich disse...

Santiago, vc não entendeu que não dá pra deixar de ser o que vc chama de sectarista. Vc é de direita, eu sou de esquerda. É o que somos, entre outras coisas. Isso influencia os nossos valores. O "rancor sectarista", se vc prefere chamar assim (mas isso é algo que só os de esquerda tem, certo?), vai nos acompanhar sempre. Sobre Cuba: Cuba era um cassino dos EUA antes do Fidel. Era um clube de luxo pra onde iam americanos ricos. Ou seja, pros cubanos não era nada (a gente pode ver isso até em filmes cujo foco não é a história cubana, como O Poderoso Chefão 2). Houve avanços com o Fidel.
De onde vc tirou que o Kennedy era de esquerda? Os EUA nunca tiveram um presidente de esquerda. Só os democratas são um pouco menos de direita que os republicanos (e mais liberais) não quer dizer de maneira alguma que sejam de esquerda.
Sobre a sua pergunta se a esquerda já deu certo em algum lugar, eu seria um pouco mais abrangente: onde vc acha que está "dando certo"? Nos EUA, o país mais capitalista do mundo? Pra mim, talvez esteja dando certo nos países escandinavos, que tem uma social-democracia há décadas. E vamos comparar Cuba com outros países da América Central, tipo... Haiti? É lá que tá dando certo? Porque não parece que lá eles tiveram uma ditadura de esquerda que afundou o país.
Acho que vc confunde algumas coisas. Por exemplo, países ricos, "ex-" imperialistas, "ex-" colonialistas, com países pobres, ex-colônias, terceiro mundo. Digamos que é mais fácil prum país rico "dar certo" que prum país pobre, independente do seu governo? Mas não, vcs de direita acham que os países pobres merecem ser pobres, que é pura incompetência deles, repúblicas das bananas, com pessoas com mentalidade de esquerda como a minha... sendo que esses países quase nunca foram governados pela esquerda.
E sobre o governo brasileiro, "essa palhaçada que vc está acompanhando", vc deve ter notado que eu e mais uns 65% da população estamos acompanhando o governo e não o consideramos uma palhaçada. Mas a sua observação não denota nenhum "rancor sectarista", claro.
Qualquer socialismo que der algum resultado vc vai apontar como "aquilo é outra coisa"...

Silvio Cunha Pereira disse...

Lolla, aguardo os comentários na segunda parte do teste. Quanto à telefonia, realmente não vejo os avanços. Continua sendo um monopólio, o serviço é ruim, e é caro. Eu, que sou de classe média, não me incomodaria em pagar 40 reais por mês se funcionasse bem. Mas dá um monte de problema, e a internet tá muito defasada em relação aos países ricos. Não foi isso que foi vendido pra gente. Foi vendido que a privatização resolveria todas as nossas mazelas e que, muito em breve, a internet seria hiper veloz, de graça ou quase de graça, e que haveria montes de empresas pra gente optar. Nada disso aconteceu. E faz o quê, mais de dez anos?
Mais uma propaganda enganosa...

Santiago disse...

Lola:

Eu sei que o Kennedy não era de esquerda (eu disse: o mais proximo que os Estdos Unidos chegaram) e é por isso que eu acho que os Estados Unidos deram certo. A esquerda aí é nada. Resultado: país com PIB de 12 trilhões, organizado, se comparado ao Brasil que tem a mesma idade, mais justo, (estou falando de justiça mesmo, não dessa falácia de justiça social a do PT, os Bolsa Esmola), digo processar e saber que, mesmo depois de vários recursos, se algo chegar a corte suprema será feita a justiça. Sobre socialismo dar certo na França, o que quis dizer é que o povo francês, como sua cultura milenar, tem a capacidade de discernir entre candidato realmente socialista e demagogos aproveitadores, (já houve bons demagogos como Julio César que fundou as bases do Império Romano) e por isso o socialismo francês funciona. Como disse, lá, outra coisa!

lola aronovich disse...

Como eu disse, Santiago: vcs de direita têm o maior nojo de país pobre. Pra vcs, França dá certo por causa da "cultura milenar". E EUA pela ausência da esquerda! E também, claro, porque são um povo muito mais trabalhador, honesto, respeitador etc que o nosso. Se é isso que vcs acham...

cavaca disse...

Olá Lola...mas é justamente isso a que quero me referir. Por tudo o que passamos com collor e FHC, esperavamos e tinhamos a esperança que Lula iria mudar tudo como ele dizia nos seus discursos apaixonados. Você diz: "Mas é óbvio que existe um exagero da mídia, que não tratou com o mesmo ardor os escândalos de governos passados, como a compra de votos pra votar a reeleição do FHC." Para mim não deveria sequer existir um escandâ-lo para poder comparar.
É essa a decepção que tive. Já fiz muitas defesas empolgadas também e, não sei ao certo mas, Lula circula muito bem pelos interesses direitistas.
Eu acreditei que Ciro Gomes pudesse ser um bom presidente, houve uma história de que ao ser convidado para um jantar com a federação dos bancos, ele disse: " Se vocês esperam que vou os ajudar em alguma coisa façam as camas e esperem deitados." Ele tinha esse problema de ser efusivo nas declarações, contudo o presidente da febraban respondeu: "Então me descuple senhor Ciro Gomes mas o senhor não será presidente."

lola aronovich disse...

Cavaca, eu também fiquei decepcionada. Eu e tanta gente que vota no PT, e que achava que não iria ter corrupção no governo do PT. Bom, havia gente de esquerda que, muito antes de qualquer escândalo, já tava decepcionada com o governo. Ainda em 2003, sabe? Porque de cara dava pra ver que o governo não seria tão de esquerda como eu e muitos queríamos. E essas pessoas mais decepcionadas já juravam que iriam votar no PSTU na próxima. Mas eu dizia: "Olha, não esperei 20 anos pra desistir tão rápido de um partido que eu apoiei". Primeiro porque o PSTU é um partido minúsculo, menor que o PT há 20 anos. Não tem bons quadros. Na última eleição pra governador acompanhei alguns debates, e o que a candidata pelo PSTU de SC diria era constrangedor. Total despreparo. Ela não falava coisa com coisa. E eu não esperava que o governo iria mudar tudo. Não mesmo. Nem tem como.
Concordo com vc que não deveria haver escândalo nenhum. Mas ainda acredito que o PT é um partido muito mais honesto que os de direita, e melhor preparado que os mais à esquerda.
Agora o PT está fazendo um bom governo, com amplo apoio da população. Eu vejo melhoras concretas no país. Vejo gente com quem eu convido melhorando de vida. É como eu disse num outro post: a minha vida em particular sempre foi boa. Nos governos FHC, Itamar, Collor, Sarney, Figueiredo... Eu sempre fui classe média (tirando um breve período sobre o qual já escrevi um post, e vou publicá-lo em breve). E a classe média certamente não é a classe que mais depende do governo (de qualquer governo, em qualquer país). A gente se vira e nunca vai passar fome. Portanto, geralmente é a ambição de qualquer governo elevar uma parte da classe baixa à classe média, mesmo que seja média baixa. E o governo do PT tem feito isso. As estatísticas mostram. Pode ser com assistencialismo ou o que for, mas o fato é que cresceu a classe média no país. E isso é louvável.
Quanto ao Ciro, nunca gostei muito dele. Numa campanha até publiquei um texto no jornal, comparando-o com o Collor. E até parece que os bancos (ou a mídia, ou a elite) ainda pode eleger os governantes. Se pudesse, Lula não seria presidente.

Lolla Moon disse...

Adendo, mesmo você nunca levando muito a sério o que eu digo (não precisa responder a esse comment, se não quiser): "E vamos comparar Cuba com outros países da América Central, tipo... Haiti? É lá que tá dando certo? Porque não parece que lá eles tiveram uma ditadura de esquerda que afundou o país."

Pra mim nem existe ditadura de esquerda. É quase uma contradição em termos. Toda ditadura troca uma elite econômica por uma elite política.

Sobre o Haiti, acredito que o problema foram os anos de sucessivos governos corruptos. Quanto à Cuba, melhorou um pouco sim depois do Fidel - mas não por causa do Fidel, e sim por conta da grana da Russia e somente enquanto isso durou. Até onde eu saiba, depois que a fonte secou, a economia afundou completamente.

lola aronovich disse...

Oi, Lolla, que é isso de eu não levar a sério o que vc diz?!
Pra mim existem ditaduras de esquerda sim, mesmo que é verdade, troca-se a elite, mas ainda assim temos uma elite. Mas, no governo, as ações e prioridades de um Pinochet e de um Papa Doc/Baby Doc são bem diferentes das de um Fidel. E tenho certeza que o "enriquecimento (pessoal) ilícito" é maior pra um ditador de direita.
O Haiti tem uma história deprimente, de muitas invasões, várias delas americanas. De total dominação americana mesmo. E, no entanto, é o país mais pobre de todas as Américas. Teve inúmeros governantes corruptos e sanguinolentos, quase todos com total conivência americana, que participou dos golpes (e dos governos).
Às vezes penso se o Haiti pudesse estar pior do que está. Imagina se eles também recebessem de castigo um embargo do governo americano... Um embargo que já dura 47 anos, como o de Cuba. É meio difícil um país minúsculo como Cuba sobreviver quando o maior império do mundo proíbe qualquer comércio. Meio século de embargo... Isso é pra afundar qualquer país.
O Haiti não estaria melhor se fosse uma Cuba?