domingo, 31 de agosto de 2008

SOU FEMINISTA DESDE A MAIS TENRA INFÂNCIA

Isso eu peguei de um dos meus cadernos cheios de anotações que eu já tinha aos oito anos (tudo sic):

O poder das mulheres

Era uma vez que as mulheres eram escravas. Agora não, agora, as mulheres são capazes de fazer tudo que os homens podem fazer.”

Estoria de amor

Estava na escola, André, um menino da minha classe estava me namorando. Uma servente viu: e dise: Vocês estão se namorando. Ai André dise: Eu não. Mas logo o amor infinito voutou.”

Chato que, numa folha do livro, estou eu pregando sobre o poder das mulheres. E, na página ao lado, estou sendo esnobada pelo André (nenhuma idéia de quem foi o pirralho). E isso devia afetar muito minha cabecinha - vide os erros de português. Felizmente, com treze anos eu já havia melhorado minha gramática e meu feminismo:Agora, um assunto bem sério, Feminismo x Machismo

Sim, eu sou feminista e digo isso com muito orgulho. Por que algumas pessoas (mulheres, principalmente) quando ouvem alguém falando de feminismo, começam à rir e deixam tudo por isso mesmo. A vida inteira é uma guerra, um desafio, mas eu acho que as maiores guerras são: a pobreza e o machismo. Até as pobres crianças, influenciadas pelos pais, são machistas. Eu acho que a culpa é mais das mulheres do que dos homens. Se as mulheres tivessem feito alguma coisa antes, desde a epóca de Adão e Eva, o machismo não existiria mais. Mas a maior culpada é, sem dúvida, a nossa sociedade. Você realmente acredita em Adão e Eva? No 'Deus' que fez primeiro o homem e depois a mulher? E Eva ainda foi a culpada pela expulção do Paraíso. Isso é um absurdo, entre outras coisas. O homem pode adiar o casamento se sua noiva não ser virgem. Mas, e o homem? Porque só os padres podem dar missas? E as freiras? Eu acho que noventa e nove vírgula nove das coisas que nós dizemos e fazemos são machistas. Até 'primeiro as damas' é machista. Também acho que a mulher é bem mais forte do que o homem, fisicamente e mentalmente. Só que a mulher não está acostumada a usar a sua força. Uma professora amiga minha, já me disse: 'É claro que as mulheres estão ganhando muito com isso, mas também estão perdendo muito. Eu trabalho muito como professora e quando chego em casa tenho que lavar pratos e fazer a limpeza da casa.' E daí? A culpa é de quem? A culpa é da professora. Ela deveria exigir ajuda do marido. [...] Sabe, eu sou um pouquinho comunista. Álias, todas as feministas são um pouco comunistas. Afinal, nós não queremos 'direitos iguais'? Mas não se preocupem. Eu vou ser uma revolucionária. Contra a pobreza e o machismo. Só esperem um pouquinho. 'Independência das mulheres ou morte'!

Outro exemplo: Ontém mesmo, dia 10 de janeiro de 1981, eu e minha irmã Consuelo, iriamos fazer uma guerra de areia [na praia dos Ossos, em Búzios] contra o meu irmão Ignácio e mais três meninos. Era covardia, quatro contra dois. Aí, chegou dois meninos que queriam entrar pro nosso lado. O outro lado começou a protestar. Os meninos do NOSSO lado falaram assim, 'Elas são meninas, deixa,' e o outro grupo topou. Só que EU não topei, e expulsei eles do MEU grupo. Depois que eles pediram desculpas, nós os aceitamos. NÓS (eu e a Consuelo) ganhamos. Ficamos com a cara super cheia de areia, mas mesmo assim. Eles tinham fugido pro mar. O importante é ter força.”

Viram? Aos treze anos eu já era muita areia pro caminhãozinho dos meninos.

29 comentários:

Anônimo disse...

As únicas coisas que posso comentar
são terríveis mas é a mais pura verdade:
EU TÔ MORRENDO
DE INVEJA
DESSA GURIA:
A Lola!
A cabeça dela: por dentro e por fora:
Ai que coisa mais LINNNNNNNDAAAAA!
Lola pra presidente, JÁ!!!

Anônimo disse...

Ops a anônima ali acima sou eu:
Ma de Fatima - a fofura lagunense!

Masegui disse...

Quer dizer, então, que esse negócio de botar areia na engrenagem dos outros é coisa antiga, né?
Tadim do maridão...

Ps: até que vc era tchutchuquinha!

Nalu disse...

Lola, que linda vc! E muito legal vc já ter espírito feminista desde cedo. Admiro isso, veio pra mim bem tarde isso. Outro dia estávamos eu a Cynthia e a Lolló comentando como que as pessoas riem mesmo de feminismo. Mas muitas vezes eu acho que é porque não entendem mesmo do que realmente se trata e acham que é somente todo aquele estereótipo bobo que de alguma maneiras se consolidou (coisa de mulher macho/feia/mal amada/agressiva/que não gosta de homem e por aí vai.) Beijos

Juliana disse...

adoro ler essas tuas coisas da infância... poucas crianças (poucos adultos também) têm uma cabeça feita assim, sensacional.

btw, fiquei te devendo o banner (ainda), mas AMEI o novo!!!

Princesa disse...

Estou adorando esses seus textos antigos Lola,acho que eu já era feminista desde pequena também,só não sabia o que significava isso.
Obs:infelizmente descobri que minha melhor amiga é contra o feminismo =´[,tentei explicar pra ela como as coisas funcionam mas não teve jeito,ela fingiu que entendeu,mas tenho certeza que continuou pensando do mesmo modo...

Silvio Cunha Pereira disse...

Fátima, querida, por que vc não assina os posts ao invés de entrar como anônimo? Desse jeito vc seria contabilizada entre os top comentaristas do blog. Obrigada por todo o carinho, fofura lagunense! (Tô escrevendo bem rapidinho porque tô lá na tese).


Quequié, Mario Sergio, vc tá com inveja porque jamais ganharia uma guerra de areia contra mim! Quer dizer, trinta anos atrás, quando eu era rápida e ligeira. Mas ainda bem que eu não fui a única que envelheceu, né? Obrigada pelo tchuchuquinha, seja lá o que isso quer dizer.

Silvio Cunha Pereira disse...

É, Nalu, feminista eu sou desde muito cedo mesmo. E isso, claro, afetou muito todo o meu jeito de ser, desde criança. Eu não aguentava ver alguma injustiça. Sempre tinha que me intrometer! É incrível isso das pessoas pensarem que feminismo equivale àquele esterótipo ridículo de “man-hating dyke” (lésbica que odeia os homens). É ignorância mesmo, é desconhecer a história do feminismo. Eu acho que tantas mulheres benzendo-se com o sinal da cruz e dizendo: “Não, eu não sou feminista, cruz credo!” equivale a uma vitória do patriarcado. Uma amiga minha foi a um congresso de literatura nos EUA, participar de uma mesa-redonda com umas cinco mulheres. Todas doutoras, professoras universitárias. E, abrindo a mesa, elas foram apresentadas como feministas. Uma por uma, todas as seis – incluindo a minha amiga – se apressaram em “corrigir” a informação, afirmando que não eram feministas. Como se fosse um palavrão, sabe! Eu não tô nem aí com o rótulo, com o esterótipo. Eu também faço o rótulo. Por que “feminismo” tem que significar apenas o esteótipo? Ele pode significar o que EU desejo, que é muito simples. Feminismo é lutar pelos direitos iguais. Ou seja, qualquer homem consciente pode (e deve) ser feminista. Mulher, então, nem se fala. É um dever. A menos que a mulher realmente seja uma religiosa que acredita que mulher nasceu pra servir ao homem. Nesse caso entendo que não acate o feminismo.

Silvio Cunha Pereira disse...

Não pense que desisti do seu banner, Ju! Eu quero variar, ter vários, pra ficar trocando. Gostei muito desse também, foi a Su que fez. É, eu não sei se eu era tão cabeça-feita aos oito anos, mas certamente era precoce em algumas coisas.


Princesa, que bom que vc tá gostando. Quando eu tava em Detroit e comecei o blog, pensei em colocar algumas fotos, textos e desenhos antigos dos meus livros de criança. Às vezes eles ajudam a entender quem eu sou, às vezes eu nem me reconheço (aguarde o próximo, que narra o meu primeiro amor, aos 13)! Parece que eu cheguei pro objeto da minha paixão e comecei a perguntar sobre... signos?! Signos, eu?

Camomila disse...

Ô, Lola,
E tem como não se apaixonar por você - uma garota linda, cheia de idéias?
Sua viagem me motivou a procurar a criança que eu era na mulher que sou. Que desafio!!!!
Como é difícil colocar no colo e acariciar essa criança que ficou perdida lá atrás.
Abraços, e obrigada!!!

lola aronovich disse...

Ih, gente, agora que eu vi! Como eu fui mexer no blog do maridão, corrigir umas coisinhas, não vi que continuava com o nome dele. Onde tá escrito "Silvio" leia-se Lolinha, tá? Se não vcs seriam capazes de achar que o Silvio tem essa intimidade todas com as leitoras do blog!

Daniel disse...

Nossa Lola, desde pequena vc já tinha a cabeça feita, e já empunhando a bandeira do feminismo, rsrsrs. Legal isso!
Foi algo que surgiu espontaneamente ou teve a influência de alguém?

Juliana disse...

olha aqui!

lembrei de vc pelo nome da pessoa e pelo ser que ela encontrou e fotografou...

Anônimo disse...

Oi Silvinhooooooooooo!
Eu sabia que vc tambem
acharia o mesmo que 99,9%
dos lagunenses!
Uauuuuuuuuuu Tô realizada!

P.S.: Fala pra sua esposa
que (só que É, verdade),
que eu não sei como se faz
pra assinar o comment por isto em todo blog que vou, coloco "anônimo".
Aqui em casa meu maridinho
é que sabe informática mas
não vai a blogues nem à tapa.
(Ah! e ele não sabe o que vc andou escrevendo, aí acima, que fique só entre eu e vc, OK Sílvio?)

Claudemir disse...

Lola, na segunda foto eu acho vc parecida com a Sônia Braga no filme Gabriela, só que numa versão mirim.

cavaca disse...

A lola está começando uma autobiografia? Adoro essas histórias!
Agora essa enquete é das mais dificeis lola...como é possivél uma pessoa escolher entre um sonho de liberdade e louca obsessão...ou entre conta comigo e dolores clairbourne? Não dá. Ainda mais agora com o excelente o Nevoeiro para dificultar ainda mais as coisas, e não vou partir para o par ou impar...dois ou um...ou mamãe mandou...acho que vou ter que entrar em vários computadores e votar em todos eles. De qualquer forma, I'm your number one fan.

Ashen Lady disse...

E quando a gente comenta que alguma coisa/situação é machista e as pessoas nos olham como se fôssemos loucas que enxergam conspiração em tudo. Viram pra gente e citam Freud: Ah, deixa de exagero, às vezes um charuto é só um charuto.

Ale Picoli disse...

Mas que coisa MAIS LINDA! E me diz uma coisa, de onde veio isso tudo? Tinha alguém pra te influenciar com esse papo ou isso BROTOU de dentro de vc? Pq às vezes tem uma prima, tia, vizinha, que acaba influenciando.

Juliana disse...

nossa, que gata você, hein?! hehehe!

bem exótica a morena com olhos verdes! linda de verdade - até hoje!

Mica disse...

Eu não sou feminista. Nunca fui e acho que nunca serei. Mas também não sou machista. Acho que estou no meio termo....ou talvez seja é acomodada mesmo ^_^.
Mas fiquei impressionada com sua personalidade desde tão nova.

Btw, deu para notar que o maridão na verdade era vc escrevendo ^_^.

Anônimo disse...

O feminismo foi muito importante
para mostrar a nós mulheres o quanto éramos/somos machistas.
Se um dia não precisarmos mais destes "reajustes" seremos todos
"GENTISTAS" ou seja: adeptos de
gentes.Bj da Fatima/Laguna

Verônica disse...

Lola,

como você é linda! e como eu a admiro pela sua coragem de assumir uma posição tão importante e fundamental.
o machismo está tão arraigado em nossa sociedade que expressões como "primeiro as damas" são consideradas tão inocentes...detestava quando me diziam que não podia fazer tal coisa porque era coisa de menino.
idiota isso.
abraço.

lola aronovich disse...

Respondendo (atrasadérrima) os comentários:
Camomila, é uma viagem interessante essa de encontrar a criança que a gente foi. Ajuda se a gente tem diário, caderno, desenhos, fotos... Confiar na memória (nossa e dos outros) é complicado. Mas depois quero saber o resultado da sua viagem: como é a menina que vc encontrou?


Não sei, Daniel. Espontaneamente é que não foi. A gente sempre sofre muitas influências. Acho que meus pais eram feministas, nada muito radical, mas eram. A revista americana MS chegava em casa nos anos 70. Não sei se todos os exemplares, e não sei como eu fazia pra ler, já que ainda não falava inglês. Mas eu sempre fui movida por um comportamento de “defender os mais fracos”. Eu era do tipo que se via alguém ser bullied, eu me metia no meio pra impedir. Então acho que isso afetou a eu ser anti-preconceito e lutar por causas sociais.

lola aronovich disse...

Ju, o Chico é fanático por futebol. Acho que ele vai frequentemente a estádios. Eu tenho uma foto minha com a camisa do Flamengo quando era criança. No Maracanã. Vou colocá-la depois.
Ah, o neto do Chico vai ser um homem lindo! Dá pra ver.


Fátima, o maridão falou que é pra abrir uma conta no Google. Vc coloca um “user name” e uma senha. Aí não precisa entrar como anônimo. Dá até pra colocar fotinhos suas, fazer um perfil e tal.
Ha, ha, que gracinha a sua ilusão de achar que o Silvio vai escrever uns 4 comentários compridos! A média dele é de dois por ano. Três nos anos bons.

lola aronovich disse...

Clau, eu parecida com a Sonia Braga de Gabriela? Acho que isso é um grande elogio. Ninguém me falava isso não (e olha que a foto não foi tirada muito depois de Gabriela ter passado na TV. Só uns seis, sete anos depois).


Cavaca, ha, I'm your number one fan é de arrepiar! Sei que a enquete tá difícil sim. Minha recomendação é que, se vc quiser votar em dois, entre no mesmo computador, mas pelo Explorer e pelo Mozilla. Assim eu consigo dois votos.
Não é bem uma autobiografia que estou começando, mas já em Detroit eu queria colocar umas coisinhas minhas bem antigas no blog. Acho que o pessoal tá gostando! É uma forma de eu relembrar também.

lola aronovich disse...

Ashen Lady, mas essa é uma das estratégias. A gente denuncia que algo é preconceituoso, e o pessoal vem dizer que NÓS é que somos preconceituosas por ver algo de mais numa coisa tão pura, inocente e inofensiva... Dá raiva. Claro que há exageros (sempre há), mas querer calar vozes historicamente oprimidas é pior que qualquer coisa.


Não sei bem, Ale, de onde brotou tudo isso. Veja o que respondi pro Daniel. Prima, tia ou vizinha certamente não foi! (eu me lembro de uma vizinha no Rio que me deixou ver o nascimento dos filhotinhos da sua cadela. Irish setter ou algo assim. Agora pensei: toda criança nasce amando animais? Ou é uma coisa aprendida – tanto pro bem quanto pro mal?).

lola aronovich disse...

Obrigada, Ju. “Exótica” é uma palavra legal. Na realidade, parece que esse tipo (moreno de olhos claros) é comum na Ucrânia. E meus avós vieram de la, logo...


Miquinha, se vc parar pra pensar que é a favor de salários iguais pra homens e mulheres, que não quer ser oprimida por um padrão de beleza, que quer que mais mulheres te representem na política, que não entende como o que é aceitável sexualmente pros homens ainda não seja pras mulheres, que mulher deve poder decidir se quer ter filhos, etc etc, vc vai ver que é feminista. São coisas bem de senso comum mesmo.

lola aronovich disse...

Fátima, é isso, vamos ser adeptos/as de gente. Mas de animais também! Ser humanista inclui um amor a tudo que nos cerca – pessoas, animais, natureza...


Verônica, obrigada. É estranho a gente ter tanta certeza de uma coisa, e desde tão jovem. Eu nunca tive uma única dúvida na vida sobre minha posição feminista. E sempre fui de esquerda, o que eu acho que tá ligado tb. Se bem que existem “feministas conservadoras”, mas não sei, me parece uma contradição em termos querer mudar e preservar o status quo ao mesmo tempo. Acho que todas nós, mulheres, já ouvimos que “menina não pode fazer isso”, “isso é coisa de menino”. E, infelizmente, essa mentalidade continua. Só que não dá pra aceitar mais, né?

Daniel disse...

Primeiro queria pedir desculpas por postar em post antigo, porém estou lendo, a muitas custas pois tenho dislexia, vários de seus posts, e este me chamou a atenção.

Apesar de gostar bastante de seus textos tenho uma ressalva em relação a este:

Na antiga Grécia existem relatos de mulheres nas grandes discussões políticas. Inclusive a "chefe" da biblioteca de Athenas, foi morta por uma flecha devido sua importância, após a biblioteca ter sido destruída.

Se virmos o paganismo europeu pré-cristão veremos que diversas entidades cultuadas eram femininas e que as mulherem em geral eram respeitadas em pé de igualdade. Na própria cultura viking, diferente do que se pensa hoje, as mulheres também iam para batalhas e pilhagens. Ainda eram consideradas como vantagem estratégicas por serem mais rápidas que os homens.

Se nos afastarmos um pouco do foco e virmos como curiosidade, as mulheres eram adoradas na região do Camboja, pois eram as únicas capazes de gerar crianças, pois o sexo ainda não era associado a procriação.

E após a enrolação acima eu concluo: Acho injusto dizer que as mulheres são culpadas desde Adão e Eva. O que conhecemos como machismo, ao meu ver, só realmente existe após a agricultura de maior escala. Então se não havia contra o que lutar, não havia motivo de lutar. Até antes disso, mulheres, dentro de suas devidas proporções,eram iguais aos homens. E ao meu ver , as coisas eram melhores.

E aqui um chato adendo de quem estuda religiões como hobby:
Culpar o que se entende como cristianismo hoje pode ser até válido. Mas também acho válido saber o que tem por trás disso.
Nos mais antigos resquícios da história de Adão e Eva, antes de se pensar em judaísmo e cristianismo, e tendo em vista que era apenas uma história de mais uma religião, Adão foi criado junto a Lilith, da terra, e os dois sendo forças individuais primordiais era divergentes em vários aspectos. Quando Lilith resolve ir embora, Adão se sente solitário e pede aos céus uma companheira. Para que um completassem ao outro, Eva foi feita da carne de Adão. Na verdade se pode traduzir como "dois sendo a mesma carne", interpreto algo como sendo iguais ou um completa o outro.

Até hoje a Eva paga de "Amélia" e o Adão de "babaca", sendo que os dois eram apenas gente boa que viviam a vida como parceiros.

Não quero ser chato, juro, mas acho que toda a informação é válida...

Abraços!