sexta-feira, 8 de abril de 2011

ASSASSINOS DE MULHERES E SEUS CRIMES DE ÓDIO SILENCIADOS

Eu, como todo mundo, estou chocada com a tragédia no Rio, em que Wellington Menezes de Oliveira, de 23 anos, entrou numa escola municipal, matou dez meninas e dois meninos, e se suicidou após ser atingido por um policial. Já sabemos que essa diferença entre vítimas meninas e meninos não foi por acaso. Um aluno que chegou a conversar com o assassino relatou:Tiros nos meninos era só pra assustar. Ele matava as meninas com tiros na cabeça. Nas meninas, ele atirava para matar. Nos meninos, os tiros eram só para machucar, nos braços ou nas pernas”. Outros relatos apontam que seus alvos eram garotas bonitas. Mais depoimentos afirmam que ele se referia às meninas como “seres impuros”. E a carta que ele deixou mostra um jovem muito perturbado e confuso, que se diz virgem e que não quer ser tocado por “impuros”.
Eu quero chamar a tragédia pelo nome: foi um crime de ódio (hate crime, em inglês). Crime de ódio é quando alguém mata uma pessoa especificamente pelo seu gênero, cor, orientação sexual ou religião. Wellington não entrou na escola atirando a esmo. Ele não matou qualquer um. Ele matou meninas. Foi lá com esse objetivo. Foi premeditado.
A fórmula é explosiva: junta-se um acesso fácil às armas a um ódio imenso contra mulheres (isso tem nome: misoginia), que esses psicopatas desejam sexualmente mas odeiam ao mesmo tempo, porque elas os rejeitam. Não quer dizer que todo rapaz que não consegue as garotas que quer vai abrir fogo contra mulheres num lugar público. Mas os que já têm uma inclinação psicopática pra isso vão. E acontece com certa frequência.
Isso me lembrou um caso que aconteceu em Pittsburgh, nos EUA, em agosto de 2009, e que não teve grande repercussão no Brasil. Um analista de sistemas de 48 anos chamado George Sodini foi a uma aula de aeróbica numa academia de ginástica, apagou as luzes, disparou 52 tiros, matou três mulheres, feriu outras nove e se suicidou. Ele não fazia sexo havia 19 anos e achava que as mulheres lhe deviam alguma coisa. Como sabemos? Porque ele escreveu isso no seu blog (tirado do ar, mas copiado antes por outras pessoas). Alguns de seus posts mostram bem o que a misoginia causa. Traduzo três:
5 de novembro de 2008
Planejava fazer isso [o massacre] no verão mas resolvi ficar mais um tempo pra ver o resultado das eleições. Essa em particular recebeu muita atenção e fiquei curioso. Não que eu dava a mínima pra quem ganhasse, já que meu plano já estava pronto. Boa sorte a Obama! Ele terá sucesso. A mídia liberal o ama. Amerika (sic) escolheu O Homem Negro. Ótimo! Por causa disso tive ideias fora dos planos de Obama para a economia e tal. Aqui vai: Todo homem negro deveria pegar uma jovem vadia branca pra transar. Seria um reverso dessa coisa de servitude. Há muito tempo, muitos donos de terra mais velhos tinham uma jovem negra para seus desejos. Já é tempo que a mesa vire. Sem contar que as vadias brancas gostam dos irmãos. LOL. Mais que elas gostam dos caras brancos! Todo pai sabe quando ele manda sua filha pra faculdade que ela começará a transar com um irmão de cor. Eu já vi. “Não a minha filhinha”, papai diz (certo!). Caras negros podem escolher as melhores vadias brancas. Faça as contas, há jovens brancas para que todos os irmãos possam ter uma durante cada 3 a 6 meses.
5 de junho de 2009
Eu estava lendo vários posts em fóruns diferentes e parece que muitas meninas adolescentes fazem sexo frequentemente. Uma de 16 faz três vezes por semana com o namorado dela. Então, ahn, depois de um mês disso, essa pequena vadia fez mais sexo que EU na minha VIDA, e eu tenho 48 anos. Mais um motivo. Obrigado por nada, vadias! Adeus.
23 de julho de 2009
Acabei de olhar pela minha janela e vi uma linda garota em idade de faculdade sair da casa do Bob Fox, do outro lado da rua. Suponho que ele transou bem hoje. Garotas de faculdade são vagabundas. Eu me masturbo. Com frequência. Ele tem uns 45 anos. Ela era uma gostosa com cabelo comprido e um corpo lindo. Eu me masturbo. Com frequência. Alguns foram feitos pra simplesmente trilhar um caminho solitário na vida. Eu geralmente não fico olhando pela janela, mas hoje reparei. Santo deus eu me masturbo desde os 13 anos. Obrigado, mamãe e irmão (meu próprio sangue). E papai, por totalmente me ignorar esses anos. Todos vocês me ajudaram profundamente a ser desse jeito.

George tinha uma obsessão: namorar moças com menos de 20 anos. Porque não, não podia ser qualquer mulher pra tirar o sujeito da sua miséria. Tinha que ser linda e jovem. Seu livro de cabeceira era Como Namorar Moças Jovens: para homens acima de 35. Ele foi a uma palestra dada pela autor do livro (que jura que mulheres odeiam caras legais). O mundo machista lhe dizia que tudo que ele precisava para conquistar uma jovem era ter dinheiro. E ele tinha (neste vídeo ele mostra sua casa, dizendo “Isso impressionaria uma mulher”. Numa mesa, um guia de como sair com mulheres jovens). Ele não era feio. E ainda assim ele era rejeitado por 30 milhões de americanas –- essa era sua estimativa de quantas moças desejáveis existiam. Você já adivinhou que um monte de homem maluco e solitário fez de George seu herói, e de seu blog, um manifesto.
Na época desse massacre na academia de ginástica, uma colunista do The Guardian vaticinou: “É preciso explicar por que o fracasso na paquera pra mulheres gera uma Bridget Jones. Pra homens, gera um George Sodini”. Um dos colunistas sexuais mais famosos dos EUA, Dan Savage, escreveu algo inacreditável: que, se George tivesse feito sexo, ele não mataria. E propôs que seria ótimo se ele tivesse sido atendido por prostitutas (Dan não se preocupou se de repente um psicopata desses pudesse ser perigoso pras prostitutas).
Na ocasião, o Sociological Images fez um ótimo post sobre como a mídia americana tratou o caso: os jornais tentaram encontrar uma razão pro ódio que George sentia pelas mulheres. Ah, é porque ele foi rejeitado. Ah, porque ele não fazia sexo. Ah, porque ele vivia sozinho. O Images lança uma provocação: vamos supor que George tivesse matado judeus, após escrever no seu blog que odeia judeus. Será que a mídia tentaria encontrar uma razão para o ódio que George sentia pelos judeus? Provavelmente não. A gente só assumiria que o cara tinha sérios problemas e era um antisemita desgraçado. Mas como o ódio é contra mulheres, e isso parece ser tão comum, tão universal, busca-se um motivo. Imagine que George tivesse matado judeus. Algum artigo começaria do jeito que começaram os artigos americanos sobre o crime na aula de aeróbica? Era nesse nível: “George Sodini não conseguia encontrar amor”.
O massacre só foi chamado de crime de ódio pela revista feminista Ms. De novo, vamos alterar os alvos e ver como é que fica (esse exercício é necessário porque a misoginia e o machismo são tão tolerados) se as vítimas fossem negros, não mulheres. Vamos supor que Wellington, o psicopata da escola carioca, escrevesse um blog dizendo que odeia negros. Aí fosse a uma escola e desse prefência por atirar em crianças negras. Não seria considerado um crime racista, um hate crime?
Há um outro caso que, por sei lá qual motivo, ninguém lembrou até agora. Em 2006, um psicopata foi a uma escola rural numa comunidade Amish da Pensilvânia, separou as meninas dos meninos, e disparou contra as meninas, atingindo onze, das quais cinco morreram. Um colunista do New York Times, que é negro, afirmou que seria um choque terrível se o mesmo assassino tivesse separado negros de brancos, e aí atirado nos negros. Mas, como se tratava de meninas, nada se disse. Em suas sábias palavras: “Estamos tão acostumados em viver numa sociedade saturada de misoginia que o tratamento bárbaro de mulheres e meninas é mais ou menos esperado”. Pelo jeito, odiar mulheres é tão normal que nem constitui um crime de ódio.
E então, por quanto tempo vamos tapar o sol com a peneira e fingir que o psicopata de Realengo foi à escola para matar crianças? Parece que seus alvos eram bem outras.

130 comentários:

Joel Bueno disse...

Finalmente alguém diz isso...

Maria Clara M. disse...

A Veléria Fernandes vinha dizendo isso desde a tarde de ontem, inclusive citando o crime na escla amish.

Lane disse...

Lola,

Desculpa, parei de ler quando vc disse que era crime de ódio, pois da forma que coloca parece que um crime desta natrueza tem justificativa.

qual é a lógica numa monstruosidade dessa? Parece que vc está dando motivo para justificar esta barbarie, se isso fosse justificativa todo machista, sairia por ai matando mulheres.

O menino era um louco tem um histórico de doentes mentais na familia.Vo uma especialista em criminologia falando que este tipo de psicopata há tem um histórico de perturbação mental e costumam a atribuir os problemas delas aos outros,tentando matá-los.

Isto é um caso que tem multiplas variavéis e dizer que um problema mental e psiquico tem uma causa social, e ser muito raso na sua explicação, isso já um histpiorico de longa data e nao porque meninas o rejeitaram na adolescencia dele e não quiseram namorar com ele.

Lord Anderson disse...

Lola, por cada angulo que se olha esse caso só fica pior...

Me deu um desespero, imaginei meus sobrinhos e sobrinhas naquela escola...

Eu nunca, nunca vou entender esse odio,essa repulsa por outro ser humano, essa necessidade de exterminar...]

A Valeria do Shoujofan foi a primeira pessoa que vi, chamar a atenção para o numero desproporcional de vitimas meninas.

E fez referencia aos dois casos citados por vc.


Aqui http://migre.me/4cONi

e aqui: http://migre.me/4cOM1

Foi um caso de feminicido sim.

É preciso que seja dito.

E por favor que nenhum imbecil venham dizer que queriamos que mais meninos fossem mortos, trata-se apenas de chamar as coisas pelo que de fato são.

E muitos menos, ofendam as garotas assassinadas.

Pelo menos dessa vez, que até os trolls tenham um minimo de empatia por essas crianças e suas familias.

aiaiai disse...

Perfeito...desde ontem estou falando disso, mas só o que ouço é: não...não é bem assim.
Tem um blogueiro que chegou a fazer um post dizendo que o cara não era nada diferente dos outros. Ele só esqueceu de dizer que o problema dele era ser misógino e machista.

link aqui http://migre.me/4cONB

Eu até gosto desse blogueiro, mas como os demais, esqueceu o "detalhe" de q o cara matou as meninas!

Barbara O. disse...

Nao podemos silenciar este aspecto! Divulguemos isto em espacos nao tradicionalmente feministas da web! Rolou uma boataria incrivel sobre islamismo e nada de misogenia!
Caos e absurdo!

Nola disse...

Não concordo com essas comparações entre mulheres e judeus ou negros. Ou pelo menos não concordo ainda. Esse ódio que esses caras tem contra mulheres me parece ter mto mais a ver com a total falta de habilidade em se relacionar com mulheres + a frustração decorrente disso (e óbviamente não saber lidar com toda essa a situação).

Quer dizer, é tão claro assim que o que ele fez foi por um machismo que permeia a sociedade? Pode ser que seja, mas não é cedo demais pra afirmar isso?

Acho que a única manifestação clara de machismo desse episódio todo que já da pra apontar é o fato de que homens são treinados pra resolver seus problemas com violência.

Hamanndah disse...

Lolinha, leia isto:

http://enigmaticoerealistico.blogspot.com/2011/04/tragedia-no-rio-e-o-sofrimento-amoroso.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+enigmaticoerealistico+%28Enigm%C3%A1tico+e+Real%C3%ADstico%29

Foram as meninas as culpadas por isso.

Risível, hein?
Bjs

Hamanndah disse...

http://enigmaticoerealistico.blogspot.com/2011/04/tragedia-no-rio-e-o-sofrimento-amoroso.html

Não sei transformar isso em link num comentário, por isso as pessoas têm que copiar o atalho, quem quiser me ensinar( a transformar em link um atalho de outro blog), agradeço. Sou blogueira pouco experiente nisso.

LEBE disse...

Religião + Misoginia + Doença mental = Prato cheio de problemas.

Não só sabemos que ele é um misógino, como sabemos pelo tom religioso da carta de onde vem o conceito de pureza/impureza que o motivou a matar as meninas. Que deu a ele a soberba de se achar passível de perdão divino.

Patricia Daltro disse...

Estava certa de que você falaria sobre isso! Desde que os números das crianças atingidas começaram a ser divulgados, foi ficando claro para mim que mais do que um assassino suicida era um crime motivado pela misoginia do assassino.

Alguém aqui falou que ao dizer isso, justifica-se o crime, como assim? Nada justifica um ato tão bárbaro, mas é fundamental abrir uma discussão por que novamente mulheres são assassinadas preferencialmente e prefere-se omitir essa informação?!

O que mais me assusta nessa tragédia toda, e a polícia ainda não respondeu a isso, será que esse louco estava só? Eu não tenho tanta certeza de que ele tenha deixado seguidores que nesse momento aplaudam e invejem tal atrocidade...

Lord Anderson disse...

Hamanndah

Quando precisar diminuir o tamanho de um link, entre nesse site:

http://migre.me/

Ele fez isso automaticamente.

Roberval disse...

É tão triste, tão revoltante, e a mídia APENAS esconde as coisas como realmente são. Sim, estão criando assassinos com toda essa cultura misógena, com esse ódio às mulheres. Mas não, deve ter outro motivo, loucura, doença, islamismo, seitas, estão culpando até a mãe do cara!

Não se coloca nome no que realmente é, e parabéns Lola, por esclarecer os fatos, pq a mídia não fará isso.

Lane disse...

Patricia,

Acontece que não estão discutindo estão dando justificativa para uma coisa tão barbara com essa.
Ao que me parece parece um caso de uma rapaz que não soube lhe dar com rejeição das meninas e não sabia como lhe dar com elas somado ao proselitismo religioso a problemas de comportamento e psiquicos. O cara era um psicopata louco e ele mesmo disse que quria fazer algo ao de Bin laDen

Atribuir uma monstruosidade dessa a um preoblema social é uma explicação rasa, supercial e de amadores.

Psicopatas não ficam psicopatas, eles já nascem assim pois nascem s com defeitos no seu sistema limbico que o deixa desprovido de emoções, sem ética moral, valores, sentimentos.

ele só precisava de um motivo para fazer isso.

rita ribeiro disse...

Claro que se trata de um psicopata, mas de um que absorveu os «valores» da sociedade sexista em que viveu, como você enfatiza e muito bem. Esses valores são aqueles que todos os meninos , todos os homens e mesmo meninas e mulheres também absorvem, mais ou menos acriticamente, e este aspeto , deveras preocupante, só é realçado, quando é, em situações extremas como esta. Se bem que, devo dizer-lhe aqui em Portugal a noticia foi dada sem qualquer referencia ao sexo das vítimas, pelo que o assunto nem sequer mereceu qualquer tipo de reflexão.Não convém à ordem estabelecida, não é?!

Lorena disse...

Lane,

Não existe nada que prove que ele era psicopata. Li algo na internet, algum estudo, que mostra que psicopatas geralmente não cometem suicídio, psicopatas são frios e calculistas, não se desesperam, não se arrependem, não se comovem, nada. (o link: http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2010/04/20/interna_cidadesdf,187372/index.shtml )

Então, se você diz que não existe como "justificar" o crime pela misoginia, também não vejo como justificá-lo pela psicopatia.

Uma coisa é certa, os dados estão claríssimos e os depoimentos das vítimas só comprovam: ele queria matar AS MENINAS. Não crianças, mas meninas. Se isso não denota misoginia, ódio às mulheres (independente se o cara era perturbado mental ou não), então eu não sei mais de nada!

Isabel disse...

Primeiro: é absolutamente incorreto chamar esse rapaz de psicopata. Pelo que ficou bastante claro na carta dele, ele já não tinha nenhum juízo de realidade - parecia ter delírios místicos e paranóides, enfim, talvez fosse esquizofrênico. É absurdo que vários especialistas falem isso na TV. Psicopata tem o juízo de realidade perfeito.

Dito isso, é claro que não se pode subestimar o aspecto da doença mental que ele provavelmente tinha. Bem como o homem que a Lola citou no post, que matou mulheres numa academia. Mas também não se pode desprezar o componente misógino do crime. Ele entrou lá determinado a matar MENINAS, isso é óbvio. E disso a mídia não fala, afinal, o ódio contra mulheres é naturalizado. É mais fácil falar que ele era sociopata, muçulmano, ateu, que tinha HIV (!). Daqui a pouco surgirão uns doentes dizendo que a culpa era das mulheres, essas víboras interesseiras que rejeitaram o rapaz.

É lógico que não quero defender o autor de tamanha monstruosidade, mas há que se ter cuidado com essa mania de diagnosticar todo mundo.

Lane disse...

eu não justifico nada.. eu mesmo disse que uma monstruisidade dessa não tem justificativa, mas que atribuir a causas sociais uma coisa tão barbara como esse é explicação rasa e superficial.

a especialista Illana Casoy falou qe ela poderia ser considerado um tipo de psicopata, mas só isso não justifica nada e outra pode ser sim que eles estava com ódio de meninas, mas dai dizer que esse é o motivo.. e mais que isso é motivo, só me revolta. Matar meninas crianças porque tem ódio de mulher? Façam mil favor

Teve alguém ai que disse que é muito cedo para falarmos que foi misoginia porque sequer temos em mão o histórico do rapaz e seu perfil completo. A lola colocou o exemplo de outros, mas temos o histórico deles, sabemos quem são eles e que eles tinha obssessão por mulheres. Desse ainda não sabemos de nada para dizer que fou pura e smples misoginia.

Jéssica disse...

Lane,

Ninguém está justificando o crime. Estão apenas apontando o REAL motivo do crime, e a partir do momento que a sociedade reconhecer isso, esse tipo de crime poderá ser evitado.

Você comentou que a Lola foi rasa sobre o assunto, mas você também foi rasa sobre psicopatas. O gene que causa a psicopatia é COMUM, estima-se que cerca de 4% da população o possui (alguns estudos indicam 10%).
Só que a gravidade da psicopatia é extremamente influenciada pelo ambiente!

Exemplos:
1. Um psicopata que nasceu em uma família amorosa, contra preconceitos e que valorizava o diálogo: Vira uma pessoa NORMAL, apenas um pouco mais fria que os outros, mas perfeitamente capaz de sentir empatia.

2. Um psicopata que nasce em uma família típica, que não chegava a agredir o filho, mas não valorizava o diálogo e nem procurava compreendê-lo: Vira uma pessoa "normal", mas com fortes tendências ao egoísmo e a corrupção. Psicopatas possuem boas habilidades de manipulação social. Por isso é comum psicopatas dessa "categoria" virarem políticos corruptos ou advogados criminais.

3. Psicopata em uma família caótica, com ausencia de diálogo, violência doméstica, etc...: Chance alta de virar um criminoso, assassino, serial killer, etc... Não é capaz de sentir empatia, nem um pouquinho.

Até onde se sabe é um problma mental de causa genética que afeta 3% dos homens e 1% das mulheres.
Há cerca de 3 vezes menos psicopatas mulheres do que homens, mas elas comentem crimes com menos frequência que os homens. E me parece bem óbvio que a causa disso é a sociedade, que ensina a passividade às mulheres e a violência aos homens.

Conclusão: O fato de ele ser um psicopata capaz de matar pessoas sem remorso é, sim, uma causa social. E o fato dele matar mulheres sem remorso é, sim, causada pelo machismo e pela misoginia.

Isabel disse...

Misoginia impregnada na sociedade + rapaz mentalmente instável = esse caso

Isabel disse...

Usando o mesmo argumento da Lola: nós vivemos numa sociedade racista (apesar de o Ali Kamel negar isso). Então, se esse garoto escrevesse uma carta acusando claramente os negros de serem impuros e então entrasse nessa escola pra matar todos os negros de lá. Alguém negaria a clara motivação racista do caso? Claro qeu não. Ninguém negaria também a clara instabilidade mental do assassino.

Jéssica disse...

"Desse ainda não sabemos de nada para dizer que fou pura e smples misoginia."

Sabemos que ele entrou em uma escola especificamente para matar meninas, seres do sexo feminino.

É o suficiente para classificar como misoginia e crime de odio contra mulheres.

Nuccia Gaigher disse...

Nada justifica de fato situações trágicas como estas relatadas em todas as mídias.
Ainda estou muito assustada com tudo o que vem acontecendo no mundo, o ser humano estrapolando seus limites no pior sentido possível.
Acordei pensando muito em meus filhos, meus tesouros; chorei muito pelas mães que agora experimentam essa dor inenarrável que é a perda de um filho; tudo muito ilógico, muito sem noção, sem explicação...
Desejo um mundo melhor e pessoas melhores para habitá-lo...
Desejo paz, e desejo que possamos participar da construção desta paz...

Bruno Stern disse...

Vamos por partes.

Pela carta dele, me parece que o cara vivia um delírio.

Plea escolha das vítimas, me parece que fazia parte desse delírio ódio à mulheres, ou meninas. Ódio que pode ter sido alimentado por uma cultura misógina.

Acho que procurar o entendimento da "lógica" do assassino, o motivo do ódio fazem parte da necessidade que temos de recionalizar o absurdo.

De qualquer forma, me incomoda muito o voyeurismo mórbido ao qual a cobertura do caso nos leva. É necessário publicar video das crianças fugindo? Fotos das crianças em ambulância? Foto do cadáver do assassino?

Lane disse...

Isabel,

concordo com seu post de que am misogenia associada com as perturbações mentais do rapaz resultou nisto. E não fui rasa falei que deve ter também o proselitismo religioso e suas falta de jeito para saber lidar com mulheres e situações de rejeição isto é ambiente.

dizer que foi só machismo ou misogenia é mesmo que dizer que todos os machistas e misógenos podem fazer isto.Isto é histeria.

Isabel disse...

Bruno, a mídia é sempre um caso à parte nesse tipo de tragédia. Não tem a menor consideração pelas vítimas, pelas suas famílias. É nojento, até ando evitando ler e assistir notícias sobre isso pra não embrulhar o estômago.

Thiago Pinheiro disse...

A atrocidade que esse sujeito cometeu é inominável. Não sei dizer se ele era misógino. A carta não denota quaisquer motivações mais coerentes. Os elementos religiosos só dão conta de uma fé com aspectos de sincretismo não tão incomuns. Seu ato desumano pode ter sido antecedido de algum delírio. Não há justificativas, nem muita coisa a se entender. Talvez não haja nem mesmo meios de se evitar tragédias como esta. Só nos resta a consternação.

Ana Carolina disse...

Já estava horrorizada com o caso por sua essência - o massacre brutal de crianças.

Mas quando saíram a identidade das vítimas e a carta do assassino, meu horror triplicou, quadruplicou. As meninas foram mortas por serem... meninas. E, como a Valéria Fernandes do Shoujofan bem colocou no post dela, meninas. O assassino encontrou-se com uma professora, adulta, em seu caminho, mas nada fez contra ela.

Pegue um doente mental, misture fanatismo religioso e a sociedade machista e vemos isso: um crime chocante motivado e causado pela misoginia.

Lord Anderson disse...

Bruno concordo totalmente.

Os reportes idiotas com suas perguntas de sempre, atormentando os pais desesperados...

E outra coisa. Como o video com imagen de DENTRO da escola foram parar na midia tão RAPIDO????

Quer dizer, a policia chegou a analisar o video antes, ou nem se deram ao trabalho.

Expor as crianças daquelas maneira num momento de trauma tb foi uma violencia.

Pat Ferret disse...

A minha opinião é que, quaisquer que tenham sido as motivações do indivíduo, esse foi um crime brutal, desumano e inexplicável.

Claro que, do ponto de vista social e "preventivo" (se é que é possível prevenir algo assim), é importante entender as variáveis do caso; mas, no que diz respeito ao fator emocional (o meu, pelo menos) pouco importaria se ele tivesse matado meninos, meninas, negros, brancos, judeus, otomanos etc. DE QUALQUER FORMA isso tudo seria um horror.

Mas, uma coisa que me perguntei foi: como é que um sujeito aparece DO NADA na escola, dizendo que vai "dar uma palestra", e o deixam entrar sem checar a veracidade da história e sem pedir referências ou credenciais? Ou algum funcionário errou MUITO feio, ou ainda há qqr coisa de muito mal contada aí... :-P

Isabel disse...

Olha, eu também não gosto de análises que se restringem ao componente social de um crime desses. Ou de qualquer outro crime, na verdade. Mas deve-se levar em conta que esse garoto não cresceu sozinho, numa caverna, isolado de grupos sociais.

É claro também que alguma religião deve ter ajudado a piorar um quadro de doença mental, como é muito comum. E nesse caso mais ainda, prq a maioria das grandes religiões é altamente machista e misógina. É uma combinação que não podia dar certo.

aiaiai disse...

perfeito Lane,

agora vc matou a pau. É histeria, coisa de mulher! Só nós, feminazis, para não entender que o que nos move é essa doença tipicamente feminina:a histeria. Ainda bem que existem pessoas profundas e sagazes como você para nos tentar tirar da escuridão.

Lane disse...

ai ai ai

Como vc é radical. Falei histeria senso comum mesmo... alarde, choque, estas coisas e não de doença.

Do mesmo modo falei quando ficaram dizendo que isto era uma motivação religiosa, o problema era fundametalismo islamico como se todo islamicos fosse fazer isso. ´E histieria do mesmo modo, como é histerica a imprensa de tentar encontar numa carta daquela lógica para ele ter feito uma coisa daquela

só falta vc justificar barbaries como essa também.

Nola disse...

"Então, se esse garoto escrevesse uma carta acusando claramente os negros de serem impuros e então entrasse nessa escola pra matar todos os negros de lá. Alguém negaria a clara motivação racista do caso?"

Se ele é racista por que sempre ouviu que negro é inferior, ok. Mas se ele é racista porque tentou ser amigo de um grupinho de negros mas foi rejeitado (social skill=0), e a partir daí coloca a culpa de tudo nos negros, aí não seria um pouco diferente?

Eu não duvido que o cara fosse machista e tals, mas acho que vcs deviam ir com calma nas conclusões, ainda vão encontrar mais coisas sobre o passado dele que podem provar ou desprovar o que foi dito aqui.

Martha disse...

Lola, tinha certeza de que você escreveria sobre isso! fiquei esperando desde ontem... Não é Acaso ele ter matado mais meninas do que meninos. Não podia ser mesmo. Chocante e precisa ser dito. Como você fez. Já linkei.

Gabriele disse...

Na minha visão, procurar entender os fatores que acarretaram um acontecimento é bem diferente de justificá-lo. E em momento algum do texto a Lola disse que o único e exclusivo fator por trás do comportamento do assassino era a misoginia. Mas pode sim ser um elemento. Apesar do sujeito ter claramente sérios problemas psicológicos, estes podem ser reforçados por fatores socioculturais (pela abordagem que sigo como estudante de psicologia, sociedade e indivíduo não são coisas tão "separadas" assim, ambos "dialogam" e se influenciam mutuamente o tempo todo), no caso, a misoginia. O sujeito pode ser "louco", mas muitas vezes a "loucura" segue uma lógica interna, que pode ter MUITOS elementos socioculturais. Acho ainda muito cedo para darem um diagnóstico desse cara (e é possível que nunca se chegue a um consenso, visto que muita coisa só poderia ser esclarecida por ele mesmo), mas os depoimentos e a "estatística" das mortes demonstram que havia um alvo preferencial, e é difícil que ele tenha surgido aleatoriamente na cabeça dele.

cronicasurbanas disse...

Olha, sinceramente, neste momento eu não estou muito preocupada em traçar o perfil psicológico exato do rapaz ou estabelecer possíveis motivos para um crime desses. O que eu gostaria muito de saber (aliás, a gente sabe), e falei disso lá no blog, é como é que essas duas armas e essa quantidade absurda de munição foram parar na mão dele. Sem isso, o crime teria tido uma outra dimensão. O problema de acesso às armas me parece mais urgente de se discutir e apurar. Os outros pontos também são relevantes, mas no momento se encontram no nível das conjecturas.
Mônica

Isabel disse...

Não sei se seria diferente nesse caso. Até porque não dá pra negar que a sociedade é racista, ou dá?

Na verdade, nem sei se é relevante saber que esse assassino foi rejeitado por 18379817391 mulheres ou não. E nem dá pra saber, considerando que ele disse ser um "virgem puro", algo assim.

Basta ver o número de vítimas: 10 meninas e 1 menino. Um garotinho disse que ele atirava nas meninas pra matar e nos meninos, pra machucar. Se isso não é misoginia, não sei mais o que é.

ensaiosefragmentos disse...

Concordo com a Lane.. Pq ao invés de separar as mulheres não falamo de humanos?

O tal falou: ‘Relaxa, gordinho, eu não vou te matar’ Com certeza o assassino sofria de bullying, mais uma doença inventada pra separar as pessoas…

Assim como aconteceu nos Estados Unidos mais e mais alunos que foram loosers no colégio vão se sentir no direito de mais tarde voltar ao mesmo e “vingar” sua memoria…

O que não vai faltar é “especialistas” falando besteiras, atacando apenas a sintomática dessa doença que é o sistema.

Onde as pessoas aprendem desde pequeno a enfrenter o mundo cão de punhos nus, pq é assim mesmo e não pode ser mudado. As pessoas nao podem aprender a se respeitarem e se tolerarem entre si. Tem os gordos, os magros, os feios, os playzinhos, o nerd, o burro, o de jesus, o sem jesus e a lista não para, cada um mais merecedor que o outro de um lugar ao sol.

Agora que aconteceu o primeiro, vai “abrir as porteiras” se preparem para os próximos, que vão ser cada vez piores, e sempre tratados da mesma forma pela mídia e “especialistas”.

Gabriela disse...

Mto bom esse post

Jéssica disse...

"Concordo com a Lane.. Pq ao invés de separar as mulheres não falamo de humanos?"

Como assim? É ÓBVIO que os alvos foram meninas e "vamos ignorar esse mero detalhe"?

Você fala que agora terão casos cada vez piores. E, francamente, difundindo esse sua idéia você só está ajudando a isso acontecer.

É necessário identificar as causas e tomar medidas de prevenção. E é óbvio que uma das causas é a misoginia.

Jéssica disse...

(Eu não gosto de usar a palavra "óbvio", soa como se eu fosse a senhora de todo o conhecimento. Mas um massacre com relatos das vítimas falando que os alvos eram as meninas e os números concordando com isso. É um absurdo alguém ainda duvidar...)

Roberval disse...

Tá, mas pq a a maioria esmagadora das chacinas são feitas por homens? Nós sofremos mais bullying? Somos mais "propensos" a cometer este tipo de barbárie? A sociedade está criando assassinos com sua cultura de machismo e misoginia, não há dúvida.

ensaiosefragmentos disse...

Talvez essa tal doença seja só um sintoma da sociedade em que a gente vive.

Pq não colocar uma cadeira de filosofia ou sociologia realmente útil na escola e para a vida?
Ensinando como e porque esse tipo de relação acontece? Que não existe nem feio, nem bonito, nem preto nem branco, pobres, etc, que tudo é uma construção social? E que vem sendo passado de pai para filho mas muitos ainda conseguem se libertar desse “gene” antropofágico. Que quando alguém faz isso com seus similares é pq esconde um medo interno, de perder ou de não conseguir ganhar seu “status”. Que isso é um sintoma de uma sociedade cão. Etc, etc, etc.

ensaiosefragmentos disse...

Ainda tem muito para se fazer na educação no Brasil. E com certeza esses acordo que Lula fez com o papa e Serra com a evangélica é a pior coisa que se pode acontecer. Pois as pessoas escondem nas religiões seus piores medos e frustações. E cada um é mais escolhido que o outro.

Temos que lutar por um estado, laíco, multi-colorido e uno. Onde as crianças aprendam na escola como e o pq de existirem tantas religiões, e pq tanto deuses e a evolução deles dianta da sociedade, não podemos aceitar que pessoas hoje sejam ensinadas à apregoarem a seus medos e supertições.

Um pedaço do Brasil começa a ruir, culpa de uma sucessão secular de políticos irresponsáveis, corruptos que governam o páis e estados com o umbigo e é isso que é ensinado a todos no colégio.

Angélica disse...

Roberval,

Eu diria que a "propensão" vem da própria criação machista destinada aos homens desde crianças.

Homem não chora, não pode mostrar fragilidade, não demonstra sentimentos... E quando demonstra, é com violência. Aí um cara que já é perturbado explode e faz uma desgraça dessas.

Isso é perigoso tanto pra vocês quanto pra nós, não há dúvida!

Jéssica disse...

Olha, um relato pessoal meu:

Eu tive Filosofia no Ensino Médio, aprendi sobre Sócrates, Platão, etc... E ficou nisso.

Também tive Ensino Religioso no ginasial, e nele aprendi sobre várias religiões. Mas o colégio todo dia me obrigava a fazer uma oração católica.

Em resumo... Não é tão simples =/

ensaiosefragmentos disse...

Todos querem ser aceito nessa a qualquer custo.

Mas como vivemos numa falocracia os homens se sentem bem mais contrariados que as mulheres, pois para eles, têem a obrigação de serem bem sucedidos com a gatinha da escola, depois no trabalho, pegar todas na balada, ter um bom carro, etc, etc.

A sociedade nao aceita um homem looser, mas uma mulher, basta casar com um vencendor.

Cacau Gonçalves disse...

Pois é... Já vi alguns comentários aqui falando sobre a primeira coisa que me lembrei: psicopatas não se suicidam, na verdade, eles não nutrem sentimento algum por ninguém. Psicopatas agem somente para satisfação de suas necessidades e prazeres, e eles sabem exatamente o que estão fazendo (sem delírios). Um psicopata pode viver uma vida inteira sem matar alguém, porque não houve necessidade disso. Mas ele pode "usar" as pessoas de outras maneiras para atingir seus objetivos.

Neste caso, o rapaz parece ter problemas mentais outros... Nesse tipo de situação, creio, a questão religiosa e a misoginia direcionaram a sua ação, mas não determinaram. Se não fosse fanático religioso e misógino, mataria por outras razões, talvez matasse meninos e meninas na mesma proporção, talvez explodisse bombas... não se sabe.

O grande perigo em uma sociedade onde os loucos não carregam placas penduradas no pescoço é a disseminação de "verdades" totalmente equivocadas que servem como "mira a laser" pra essas pessoas. A misoginia é um exemplo, os radicalismos religiosos tb (esses me incomodam em particular, porque mexem com crenças e questões que envolvem o "inquestionável" Divino), bem como muitas outras insanidades humanas que conhecemos.

Outra coisa que fica clara é a diferença entre homens e mulheres. Um homem rejeitado e enlouquecido mata pessoas... Uma mulher rejeitada e enlouquecida mais facilmente se mata... Isso é algo que não se ensina na escola e nem em família. Por que os movimentos acontecem desse jeito?

ensaiosefragmentos disse...

Jéssica, foi por isso que falei
Ensinos realmente UTEIS para sociedade, não um ensino viciado e preguiçoso que passa apenas o b+A ba e pai nosso.

Falta muito para o que é ensinado ans escola ser chamado de filosofia e ensino religioso também.

Só ensinam a separar e dividir as pessoas!

Jéssica disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jéssica disse...

ensaio,

O que eu quis dizer com simples, é que a culpa não é só da escola, não adianta só ela ensinar esse tipo de coisa. É a sociedade que está podre.

Cacau,

"Um homem rejeitado e enlouquecido mata pessoas... Uma mulher rejeitada e enlouquecida mais facilmente se mata... Isso é algo que não se ensina na escola e nem em família. "

Eu sinceramente acho que isso se ensina na escola e na família, sim. São valores sociais.
Vejo os homens serem direcionados a culpar os outros pelos seus erros. Vejo as mulheres serem direcionadas a se culparem pelos seus erros.
Troque "culpar" por "matar" no que eu falei.
Um exemplo típico é o estupro, o homem culpa a mulher por ela ter se oferecido, e a mulher acaba se culpando por ter se oferecido.

Do jeito que você falou, parece até que você quis dizer que é "natural" cada sexo agir assim, mas não é.

Se ensina aos homens a competição e a agressividade. Se ensina as mulheres a colaboração e a passividade. Isso tem consequências.

James Figueiredo disse...

Mais um ótimo post, Lola mas você foi extremamente tendenciosa ao comentar sobre o Dan Savage.

Savage é um dos colunistas mais pró-direitos das mulheres que existem, e o que ele disse sobre Sodini não foi simplesmente que ele "procurasse prostitutas, e dane-se a segurança delas". O que ele falou foi que, SE VIVÊSSEMOS EM UMA SOCIEDADE QUE NÃO ESTIGMATIZASSE os profissionais do sexo, ele talvez pudesse ter considerado o sexo pago como opção válida, e não teria chegado ao ponto de frustração em que chegou.

Aliás, Savage ESPECIFICAMENTE diz que não desejaria que nehuma profissional do sexo atendesse um cliente pirado como Sodini, mas que se ele tivesse uma ida sexual regular há vários anos, mesmo com profissionais, ele poderia não ter surtado.

Dito isso, ótimo post - Ontem, ao ver as notícias sobre o caso, imediatamente pensei no seu blog, e em como a misoginia associada ao fanatismo religioso (e, nesse caso, à doença mental) gera resultados abomináveis.

Um abraço,
J.

Shoujofan disse...

O Anderson postou os links para meus posts e eu agradeço. Eu realmente não lembrei do caso da academia, foquei em acontecimentos em escolas, lembrei da Escola Amish e do caso de Montreal. Sinto um profundo cansaço moral, porque há quem não entenda que foi um crime de ódio, quem minimize, quem venha me agredir. Um amigo disse que não percebia o que eu percebi, porque não tem "sensibilidade para questões de gênero". Isso me deixa doente... Hoje, tudo me deixa doente... E a capa sensacionalista dos jornais, mais ainda...

ensaiosefragmentos disse...

Jéssica, foi isso que falei desde o começo. De que adianta atacar o sintoma e não a fábrica? Vendo do foco do blog, eu até entendo, mas ainda é ser muito reducionista.

Bruna disse...

Na hore que ouvi a noticia e contei o número de meninas mortas eu falei que foi um femicídio. Nem no meu antigo colégio que tinha maioria feminina a estátisitca ia ser tõa certa nas mortes de meninas.

Como falaram antes, esse cara não é psicopata, eles não se suícidam nunca.
Um suícida só acaba com a própria vida porque o custo de viver é muito mais alto do que a morte. Ele só se matou porque os problemas que ele ia ter que enfretar seria muito maiores do que aqules com que ele estava disposto a lidar.

Ele (o assassino) por mais doente que seja, premeditou um crime bárbaro contra um gênero específico e só se matou pra não enfrentar as consequêcias e para ser recompesado segundo sua crença.

Na minha minha visão ele é um monstro, mas é um louco muito mais são do que se imagina.

Bruna disse...

*Na hora

Cacau Gonçalves disse...

Oi, Jéssica

Pra mim, isso não é certeza... Ainda é dúvida... Particularmente, não sei se a tendência mais agressiva do homem e a mais cooperativa da mulher são o resultado somente da nossa sociedade. Não tenho dados documentais para afirmar nem que sim e nem que não. Nessas horas tento buscar as sociedades mais distantes da qual vivemos, seja na atualidade ou nos tempos bem mais antigos. A impressão é que desde sempre foi assim... A mulher, pelo fato de gerar, de ficar grávida, parece ser mais focada na segurança e viver de forma cooperativa propicia isso. Mesmo em sociedades matriarcais antigas isso parece ser o que prevalece. Agora o que o homem faz com a tal agressividade, que creio ser natural, é outro departamento! Quanto mais doente a sociedade, de forma mais destrutiva esta agressividade será usada (lembremo-nos que alguma agressividade bem direcionada não deve ser considerada negativa)

Luma Perrete disse...

Eu estava assistindo a Globo News ontem e um comentarista chamou a atenção para essa disparidade entra a quantidade de meninas e meninos mortos e feridos. Ele se perguntou se não teria sido intencional.

Quando ele falou isso, eu pensei "será?". E aí lembrei do caso na escola amish. Tudo isso é muito absurdo.

Cacau Gonçalves disse...

* antes que joguem pedras...rs

Com "alguma agressividade" quero dizer: ações ligadas ao instinto de sobrevivência.

Helô disse...

Hoje pela manhã estava com a mesma "ressaca moral" que a maioria das pessoas deve estar sentindo, por conta desta tristeza toda. No caminho para o trabalho passo por uma avenida que corta uma região nobre da cidade e é um corredor de tráfego muito movimentado e que liga outros importantes corredores.

Esta avenida também é famosa por ser ponto de prostituição, feminina e de transexuais. Dai que tinha uma pessoa (não dava para identificar o gênero, mas tinha a aparência feminina) jogada na calçada, como se tivesse sido empurrada para fora do carro. Numa posição bem estranha para quem simplesmente estava dormindo, com um pé descalço (o sapato estava jogado próximo), a saia levantada, sem roupas íntimas e de bruços. A dois passos de distância uma pessoa descarregava o porta malas do carro, como se fosse um monte de sacos de lixo que estivesse ali, não um ser humano.

Eu fiquei de coração partido e liguei para o SAMU. Para mim eles já deveriam estar a caminho, então liguei só para fazer mais um tico de pressão. O atendente do SAMU me explicou que já havia *um* outro chamado, feito por uma viatura policial, para a mesma ocorrência. A quantidade de pessoas que passam por aquele lugar é tão grande, só no meu ônibus haviam pelo menos mais umas 30. Mas ninguém ligou... Ninguém se importou.

Sinceramente, eu acho que nada vai mudar. As pessoas só vão prestar atenção em toda esta tristeza até a próxima tragédia ou próxima vitória do time de coração.

Mari Biddle disse...

Relatando o ocorrido para um estrangeiro.

- '' A escola é uma escola somente para meninas?''

- '' Não, a escola é para ambos os sexos''.

- ''Ah, então o alvo dele era somente meninas!''.

Porquê é tão dificil a mídia começar a fazer essa conta e concluir que foi um crime de ódio? De odio as mulheres.

Barbara O. disse...

Aleluia. Esta materia do UOL da pistas para o feminicidio:

http://migre.me/4cTQy

"Outro fato intrigante e passível de investigação é o fato de que, entre as 12 crianças que morreram, 11 eram do sexo feminino e apenas uma delas, do sexo masculino."

pelo menos estao se intrigando!

Barbara O. disse...

twittemos: #realengo=feminicidio

Elisa disse...

Oi, Lola!
Então, sou leitora silenciosa do blog já faz um tempinho. Comecei a ler nas eleições, porque um amigo meu postava links para cá no Facebook. E o melhor é que isso calhou de ser logo depois de eu ter começado O Segundo Sexo!
Enfim, gosto do blog, nunca comentei, mas achei que tinha que falar alguma coisa depois desse ótimo post.

Ontem, quando vi os números de meninas e meninos mortos, pensei primeiro "É, tem que ver isso aí" (ainda não tinha visto a carta). Logo depois, pensei "Amanhã a primeira coisa é ir na Lola. Com certeza vai ter alguma coisa boa". E o seu post foi o comentário mais lúcido que eu já vi sobre essa tragédia. Realmente, como disse a Isabel, se isso não é misoginia, não sei mais o que é.
Não que tenha sido o único fator. Afinal, todo mundo conhece um monte de misógino babaca que não é serial killer. É evidente assassino tinha problemas psiquiátricos sérios, embora não fosse psicopata. (Como alguém lembrou, psicopatas não sentem culpa. Ele sentia, tanto que escreveu na carta que esperava que Deus o perdoasse.)
Porém, é ridídulo o silêncio da mídia e do público sobre as meninas terem sido o alvo principal. Como você colocou, se fossem negros ou judeus, ninguém hesitaria em chamar de hate crime.

Em tempo: alguém falou da corbetura da GloboNews. Pois acho que foi das menos piores. Hoje de manhã tinha uma antropóloga e um psiquiatra no estúdio discutindo, entre outras coisas, o fato das meninas terem sido as vítimas preferenciais.

Deize disse...

E parece que a coisa ainda foi pior: não apenas meninas, mas as mais bonitas. E com tiros na testa. http://www.jb.com.br/rio/noticias/2011/04/07/o-assassino-optou-por-matar-apenas-as-meninas-bonitas-diz-tia-de-menina-morta-com-tiro-na-testa/

Pentacúspide disse...

O que eu mais lamento é que se tome um caso de perda de vidas humanas, com familiares ainda em pranto, para usar como panfletos ideológicos.

Não pretendo que se vire a cara aos problemas, mas quem dos próximos das vítimas quer realmente saber dos motivos do assassino? Foram vidas humanas destruídas, e vida não tem cor, religião, nem género.

No entanto, também admiro como desprezam os problemas que a falta do sexo pode despertar nas pessoas. O poder na sociedade ocidental (para não dizer mundial) não significa muita coisa quando não pode ser usado para obter sexo.

E por que não falam de infanticídio?

Pentacúspide disse...

"Amanhã a primeira coisa é ir na Lola. Com certeza vai ter alguma coisa boa"

não soa a ridículo?

Harlequinade disse...

Pra muitos, dizer que o cara tem "doença mental" explica a questão. Pra mim não; quantos esquizofrênicos não matam ninguém? Quantos estão aí, operando socialmente de forma tranquila, e vc nem sabe? Eu penso que é preciso pensar o contexto pra entendermos o que conduziu a isso, não pra "justificar", isso em absoluto não me interessa nem me preocupa, e sim pra entender e diagnosticar. Um cara mata 10 e é louco, mas se ele fosse um militar matando em nome do regime ele era são. Um cara mata 10 e é um choque, mas 10 morrem pela violência doméstica espalhadas e é "normal" e não choca ninguém. A "loucura" de um pra mim é uma extensão, uma manifestação, a ponta do iceberg da loucura cotidiana, da loucura dos "normais". Falam de religião, eu ouço "repressão sexual". Sim, se um cara tem uma visão tão angustiada e dolorosa da sexualidade, eu chamo de repressão! E isso não é uma coisa só dele, é algo que se abate sobre todos nós desde novos, é algo que tá profundamente abraçado ao patriarcado, ao estado, ao capital, desde a raiz... Repressão sexual + patriarcado + um contexto pessoal provavelmente conturbado + sensibilidade biológica = explosão.
O que me irrita é que a galera só vê, só pensa na explosão; a misoginia de todo dia, a repressão sexual de todo dia, por mais que matem mais, muito mais do que esses casos extremos, são aceitos como 'normal', sensibilizam a poucos. Louco é um nome que a gente dá. Pra mim, o 'normal' é louco, e talvez o louco mais perigoso porque está invisível, disfarçado.

Harlequinade disse...

Ele matou mulheres porque mulher = problema.

http://wanderleyribeiro.wordpress.com/2006/09/27/mulherproblema/

Só pra ilustrar um pouquinho a loucura do normal.

Elisa disse...

@Pentacúspide
É, é, soa um pouco ridículo, sim. Até um pouco "sede de sangue". Não tinha percebido até ler de novo no seu comentário.
Me explicando: quis dizer alguma boa análise do crime.

Agora, também soa um pouco ridículo eliminar a questão da misoginia das análises do crime. Concordo que as famílias que perderam seus filhos e filhas não devem estar nem um pouco interessadas nos motivos do assassino. Agora, a sociedade tem que estar. Afinal, a venda de armas e a falta de segurança nas escolas públicas não são os únicos problemas que tem que ser resolvidos.

Raiza disse...

Sabe o que me deixa passada e me irrita ao mesmo tempo?
Muita feminista dizendo que ele tinha problemas psicológicos,sofria bullying,o que quer que fosse.Aí eu faço a pergunta que você fez.Se ele tivesse atirado nas crianças negras,ou nos homossexuais o que fosse,alguém ia dizer que ele precisava de tratamento e foi negligenciado pela sociedade?As pessoas no geral dizendo isso não me surpreende,mas feministas?Oi?

ruy disse...

Lola, parabéns pelo artigo. Absolutamente lúcido.

ruy disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pentacúspide disse...

Não há boa análise do crime aqui. Eu concordo com a Lane. Uma "boa análise" traria muito Freud e companhia. O facto é que o homem é heterossexual; se fosse homossexual e invejasse os "mancebos", provavelmente dispararia em rapazes. E se o homem quer ir para a cama com jovens de vinte, mas escolheu crianças (suponho que tenham sido crianças, porque não vou atrás deste tipo de notícias mórbidas - http://migre.me/4cUEY - obrigado, Lord) para matar em vez de jovens de vinte, provavelmente significa que as receia - ensaiosefragmentos referiu-se a bullying - e resolveu transferir a sua agressão; ele mesmo disse que começou desde os treze a masturbar-se, ou seja, provavelmente foi desde essa altura que os seus problemas começaram e por essa mesma razão dirigiu-se ao que considera a raiz.

Não sei nada, estou apenas a fazer suposição. No entanto, de qualquer forma, continuo a achar muito leviano dizer isto aconteceu por misoginia e machismo, principalmente quando não há dúvida nenhuma que aconteceu porque o homem é superfodido de cabeça.

N

ensaiosefragmentos disse...

É complicado, comparar um crime desse, com ódio gratuito e preconceito contra negros.

As pessoas que geralmente são racistas contra negras, homosexuais, geralmente estão em pleno exercício de suas funções, trabalhando, namorando, pais de família, etc. E de toda maneira até esse "ódio gratuito" é explicado como uma construção social. Mas para variar, a mídia com seus "especialistas" só exploram o lado superficial e sensacionalista, o que nos deixa no mesmo barco desse caso.

Ele era uma pessoa a parte da sociedade, que vivia em sua bolha.
Chegar a uma conclusão do pq e ter feito isso é muito difícil. Mas ao observamos a sociedade, ela pode nos dar pistas do pq hoje estamos discutindo isso.

Elisa disse...

1) Não sei se você entendeu que o cara que se masturba desde os 13 e o assassino de Realengo não são a mesma pessoa. O primeiro matou mulheres adultas. O segundo matou adolescentes.

2) Não nego que o cara seja superfodido da cabeça. A psiquiatria, a psicologia e a psicanálise tem que meter muito o dedo nisso aí. Mas gente superfodida tem uma "fodeção" específica, causada por algum fator social. A loucura é natural, biológica, sei lá (não saco de psicologia). O motivo da loucura, não.

Oliveira disse...

Lola e demais:

A culpa disso é de gente como vocês com tolerância pra tudo, para todo tipo de vagabundo, pseudo-doente, etc.

É pra isso que serve essa sua besteira pacifista, de desarmamento. Vocês vão me dizer que se tivesse algum funcionário armado dentro da escola este não tinha feito o que o policial que chegou muito depois fez e salvado talvez a maior parte das crianças que morreram?

E não venha dizer o que o policial está preparado para usar arma, pois, a maior parte dos meus amigos são policiais e, segundo eles mesmos, não tem ninguém menos treinado que a policia. Eles dizem que ficam mais de um ano sem dar um tiro para treinar porque não tem munição pra isso.

Enquanto isso ficamos em casa, no trabalho, ou na escola a mercê de qualquer louco “fundamentalista” fazer as loucura que quiser sem sofrer resistência.



Talvez vocês se lembrem daquele imbecil de esquerda do Tropa de Elite 2, que fica defendendo os bandidos, na hora em que a sua mulher e o enteado (filho do capitão) foram atacados por bandidos o palerma ficou encolhido que nem uma galinha e foi o Capitão Nascimento que o salvou assim como o filho e a mulher.

Vocês de coração mole e cabeça mais mole ainda é que estão entregando nossa sociedade para bandidagem, aí, quando forem vocês a sofrer a violência é que eu quero ver aonde vai essa conversa que não gosto de arma e bandido é vítima.

Pergunte isso hoje aos pais das 11, 12 , ou 13, crianças mortas no Rio.

Raul disse...

Lola, não conhecia seu blog e depois de ler pela primeira vez tenho que admitir que fiquei encantado com suas postagens.
Concordo plenamente com o que foi exposto e me indgna o quão silenciado esses fatos são.



ps- você mora em Fortaleza?

Pat Ferret disse...

Gente, alguém já viu alguma matéria pensando nas crianças que sobreviveram? E nas crianças de outras escolas, que tb estão com medo, diante do "carnaval" da mídia?

O filho da faxineira da minha mãe não quis ir pra escola hj, com medo. Quem dará acompanhamento psicológico às crianças que, mesmo não tendo qqr relação direta com o ocorrido, estão apavoradas?

Melhor pararmos logo com essa fase no qual tudo é "achismo", não? E investigar seriamente o ocorrido (se é que dá).

Ginger disse...

Não acredito que numa situação destas dois doentes como o Pentacuspide e o Oliveira tem a cara de pau pra vir com seus cinismos.

Oliveira disse...

Ginger:

Sou cínico, mas não sou burro nem covarde.

PS. Você conhece, realmente, o siginificado da palavra cínismo?

K disse...

Pat, legal você mencionar isso. Eu sou estudante de psicologia aqui no Rio e já falei com colegas e professores sobre o que a gente pode fazer lá para ajudá-los. Peguei o contato da escola e tentei ligar hoje, mas imagino que ela ainda esteja fechada.

Quem quiser o contato de lá para fazer o mesmo, é só entrar no site da secretaria municipal de educação.

krasis disse...

Não é coincidência, pois estavamos (eu e minha companheir@) imaginando o mesmo em relação ao trágico ocorrido, mas torcendo para que fosse mera acaso! Infelizmente, ao se analisar bem os fatos do assassino, ele detinha certas características que levavam ao ódio sobre a mulheres. Rejeições, bullying, afinidades com atos terroristas e religiões islâmicas, tudo culminando ao mesmo tempo e fortificando o ódio perante a mulher.
É incrível a quantidade e notícias, matérias e ocorridos que vem surgindo nessas semanas, de pessoas afirmando a misoginia, homofobia, racismo e machismo!! Parece que estamos beirando uma guerra civil de quem é o melhor ou o mais politicamente correto.
A tal de "liberdade de expressão" está se tornando palco para desfile de atos neo-nazista, homofóbicos e de ódio contra mulher, a reaça está saindo dos porões e babando por sangue.

Gisela disse...

Bem não conhecia este blog e confesso que gostei do post, realmente concordo com o post da Lola e acredito que o que ela expôs não foi uma justificativa para o crime até porque é quase impossível achar um motivo racional para o que aconteceu. O que foi exposto por Lola é um FATO que realmente merece atenção e está meio que passando despercebido diante de tantas especulações. Que Deus conforte as famílias!

Gisela disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ginger disse...

É mesmo Oliveira.

Eu não sabia o que queria dizer cinismo, mas quando vc veio falar de burrice e covardia eu entendi bem o que vc quis dizer.

Os exemplos sempre ensinam melhor do que as palavras.

E em matéria disso, vc é o exemplo-mor. :)

MM disse...

Putz, até que enfim alguém percebeu. Estava tão evidente, desde as primeiras notícias de ontem. que se tratava de um crime de ódio especificamente voltado às meninas! Chamou atenção o depoimento de um vizinho dele contando que o sujeito era ridicularizado especialmente pelas garotas da escola. A misoginia estava escancarada na personalidade dele. À noite, num debate, nem um famoso psicanalista atentou para isso. Parabéns, Lola. Às vezes o óbvio está tão perto das nossas vistas que não conseguimos identificá-lo. Você viu. O Contardo Caligaris não viu. Os palpiteiros de plantão não viram. Preferem falar de “segurança”. Obrigado.
José Fernando

Ricardo disse...

Não li todos os comentários e, por isso, já aviso que posso estar dizendo algo que já foi dito, mas a grande maioria dos comentários até onde eu resolvi parar não fazia jus ao principal:
1. Acredito que o post seja muito sensato em trazer o tema "crime de ódio" à tona.
2. Concordo que vivemos num mundo machista e cheio de injustiças.
3. Só não vejo motivo pra tanta falação, tantas teorias, tanta choradeira a respeito do ocorrido. O que causa comoção - é de se entender - é o fato de crianças serem vítimas; é o fato de que não estamos habituados a este tipo de crime; é o fato de que gostamos (lá no fundo) de sensacionalismo. Só não dá pra culpar toda uma sociedade machista (da qual fazemos parte e continuamos perpetuando seus horríveis costumes, ensinando-os aos nossos filhos) pelo ocorrido. Tudo foi uma terrível coincidência onde ódio, doença e descaso somaram-se resultando no que resultou.
Aliás, falando em descaso, encerro com uma indagação: quantas crianças mortas o nosso descaso não causa diariamente?

Aoi Ito disse...

É, Lola, eu disse pra um amigo meu que foi um crime de ódio misógino e ele me disse que "era cedo demais para ter certeza". Não, não é, no momento que ele atira nas meninas para matar e nos meninos para machucar, está clara a misoginia. Sabendo os motivos dele ou não, o fato é que ele matou GAROTAS, e isso já se enquadra como feminicídio. Acho que poderia ser infanticídio caso ele tivesse matado indiscriminadamente, simplesmente abrindo fogo contra meninos E meninas. Aí sim o sexo não importaria e sim a idade. Mas não foi assim.

O que mais me preocupa é que ele parece ter o perfil do clássico nerd que não tem sorte com as garotas e que se perguntam, "por que as meninas preferem ficar com canalhas em vez de caras legais como eu?", e aí começam a classificar as meninas que não gostam deles e preferem outros como vadias e as puras que gostam deles como moças pra casar, mas como ninguém vai gostar dele, todas viram vadias. Se não tinha esse perfil, me preocupa que as pessoas que tenham esse perfil tentem justificar o que ele fez porque "sentem na pele como é sofrer" e coisa e tal. É muito frustrante e preocupante...

Aliás, a regra aqui é ignorar o Oliveira, não é?

L. M. de Souza disse...

Eu tinha reparado isso, não deveria ser apenas coincidência... e ninguém ousa também tocar no teor religioso das declaraçôes do garoto, e quando tocaram um teólogo disse que o deus do garoto não era um deus verdadeiro, como se o deus que destruiu sodoma fosse um cara do bem e o texto bíblico é uma metáfora ao contrário, não quer dizer para esmagarmos os pecadores, quer dizer para sermos compreensivos com eles. No antigo testamento os pecadores e inimigos não eram salvos, eram mortos.

Jéssica disse...

""Amanhã a primeira coisa é ir na Lola. Com certeza vai ter alguma coisa boa"

não soa a ridículo?"

Não, mas 99% do que você escreve soa a ridículo.

"Gente, alguém já viu alguma matéria pensando nas crianças que sobreviveram?"

Não vi nenhuma... E isso é extremamente importante, se não fizerem nada a respeito elas podem ficar traumatizadas pelo resto da vida.

" Tudo foi uma terrível coincidência onde ódio, doença e descaso somaram-se resultando no que resultou.
Aliás, falando em descaso, encerro com uma indagação: quantas crianças mortas o nosso descaso não causa diariamente?"

Coincidência?! Feminicídio é pura coincidência? Você é um cego.
Como vários já falaram, e eu mesma especifiquei no caso dos psicopatas: Ser doente mental NÃO implica em ser um assassino. O que decide se ele vira um assassino ou não é o ambiente.
E o ambiente é extremamente machista, um ambiente que tem o hábito de culpar as mulheres por tudo, até pelo próprio assassinato. Não precisa ser doente mental para estuprar, humilhar ou matar mulheres. Isso tudo é apoiado silenciosamente pela cultura.

Coincidências acontecem raras vezes, não ficam se repetindo, a própria Lola citou várias outras "coincidências".

E no final desse quote, ainda tenta mudar o foco do assunto...




Parece que se assumirem que o machismo e a religião tiveram grande culpa nesse massacre, o seu castelo encantado desmorona. E preferem se fingirem de cegos a deixar o seu mundo de fantasia desmoronar.

Só se pode tratar um problema depois de identificá-lo.

L. Archilla disse...

Ai, gente, é TANTA coisa pra levar em conta q é simplesmente ridículo q cobrem uma "análise profunda do ocorrido". MUITOS fatores sociais (misoginia, religião, bullying, cultura bélica, etc.), familiares (onde estava a família do moço? sabiam que ele era "estranho", o que fizeram a respeito?), psíquicos (aos quais, a propósito, a gente NUNCA vai ter acesso, já que pelo que parece ele não fazia acompanhamento médico/psicológico, e mesmo se fizesse o profissional estaria proibido pelo seu código de ética de divulgar os dados do diagnóstico), psicossociais (esse sujeito "estranho" era visto/tratado de que maneira pela comunidade?).

A Lola se ateve à questão da misoginia porque, ó, vou contar um segredo... ela é feminista! Em nenhum momento ela fala que foi SÓ por causa disso. Faz favor, né?

Eu acho que casos como esse devem servir para fomentar debates sobre essas milhares de questões levantadas, aí. Material não falta. Só que acaba tendo o efeito contrário: as pessoas usam o fato trágico pra justificar suas pseudo-verdades e fica por isso mesmo. "Ah, mas ele era louco, loucura não tem nada a ver com misoginia", "ah, é culpa dos defensores dos direitos humanos (WTF??? o cara nem tinha antecedente criminal)", "aí, tem que trancar louco no hospício" - e por aí vai.

Jéssica disse...

Em relação a culpa:

Eu acho incrível como há homens que preferem acreditar cegamente que a culpa por eles serem rejeitados é das mulheres, não deles próprios.

E ainda querem ser seletivos e continuar culpando as mulheres! Um cara de 40+ anos que só quer garotas de 20- (num dos exemplos do post da Lola), e ainda diz que a culpa é exclusivamente feminina.

Para um cara cometer esse tipo de crime, deve ser extremamente misógino, não me admira nem um pouco que sejam rejeitados pelas mulheres.

Mas parece que culpar metade da humanidade é muito mais coerente que assumir suas falhas e erros.

E eu ainda tenho que ouvir dos machistas que os homens são seres racionais, e as mulheres são seres emocionais (eufemismo para "irracionais").

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Não sei se já estão sabendo de certas reações machistas e misóginas no orkut chamando o cara de herói...

http://www.youpublic.com/noticia/atirador-de-realengo-pode-ter-sido-incitado-a-cometer-assassinato-por-gangue-no-orkut/

Pricila disse...

Gostei do texto, ele escancara a sociedade maxista em que vivemos.

Jéssica disse...

Laurinha, encaminhei o link por e-mail a conhecidos, mais pessoas precisam saber disso. É um absurdo o Orkut permitir esse tipo de atividade!

Isabel disse...

Laurinha, absolutamente assustadoras as imagens que estão nesse link. Que gente nojenta.

Pentacúspide disse...

Alguém responda a isto:

Se o homem entrasse numa sala, separasse apenas os judeus, e depois apenas os judeus negros, e depois apenas as mulheres, e depois apenas as crianças... que tipo de "crime de ódio" seria?

Alessandro disse...

Permita-me discordar.

Não foi um ataque contra mulheres. Foi um ataque contra meninas.

Tanto é que as professoras (mulheres) foram poupadas.

A doença mental que motivou esse crime, os traumas que ele tinha, e todo o emaranhado de construções sociais e psicológicas que levaram ao crime, já é uma outra discussão.

dondeestascorazon disse...

Orgulho de ter sido sua aluna, Lola.


Bia

Lorena disse...

Laurinha,

eu já conhecia metade desses perfis do orkut e algumas dessas comunidades, já denunciei várias vezes ao próprio orkut e até ao MP. NUNCA DEU EM NADA. Essas comunidades que incitam o estupro corretivo, então, eu e muitas garotas já cansamos de denunciar! Eu não sei porque o Google ignora esses perfis e comunidades que incitam violência, mas a verdade é que ignoram, sim. E o número de adeptos, tanto dos grupos quanto dos discursos por si só, aumenta a cada dia.

Talvez agora, frente a essa tragédia e com mais essa denúncia, eles tomem alguma atitude. Uma pena que teve que chegar a esse ponto.

Marilia disse...

Lorena e Laurinha, eu também já denunciei várias comunidades e perfis para o google e nunca nenhum deles foi apagado ou notificado.
Acho um absurdo muito grande que esse tipo de coisa possa permanecer online. E não me venham dizer que é liberdade de expressão. Incitar a violência é absurdo!

Defesa316 disse...

Não tem nada a ver esse seu discurso Lola.

Ja está provado que ele atirou mais em meninas porque elas estavam em maioria, e ficavam sentadas na parte da frente da sala de aula.

Não tem nada a ver com esse seu discurso feminista!!!

Taís Bravo disse...

Olha, achei o texto meio superficial. Ok, é importane reforçar o que a mídia não diz que foi um crime motivo por ódio, e por ódio a um gênero. Mas acho que a maneira que você abordou o assunto foi bem fraca, Lola.
Acho que seria muito mais relevante escrever um texto expondo o contexto social que produz essa violência. Porque pessoas não nascem psicopatas (e não estou dizendo que você acha isso, tenho certeza que não, feministas não pensam dessa forma)há um meio que constrói isso.
Discursos que enfatizam as palavras "psicopata", "louco" e "monstro" são os que predominam. Por gostar muito do blog esperava um texto que fosse mais no fundo da questão e mostrasse o quanto isso é resultado de uma sociedade machista violenta e cruel, tragédia do qual somos todos vítimas.

Ártemis disse...

Li os comentários bem por cima.

Lola, concordo. A história é terrível de qualquer maneira, mesmo que fossem velhinhos, crianças ou adultos.

Agora está me assustando muito as pessoas FINGIREM que não foi feminicídio. Parece que ódio contra mulher não é crime, como vc mesmo disse.

Pentacúspide disse...

L.ARCHILLA
A Lola se ateve à questão da misoginia porque, ó, vou contar um segredo... ela é feminista! Em nenhum momento ela fala que foi SÓ por causa disso. Faz favor, né?


L.Archilla, isto aqui passa a ideia de que o feminismo é buscar problemas mesmo onde não existem. Porque se o caso não tem a ver com "gimnocídio", mas com infanticídio (esqueça o uso comum que limita o termo aos bebés), atribuí-lo a causas feministas é pôr dentes na galinha.

Shey, Sheid, enfim... disse...

Ah, é. realmente não foi um crime de ódio... foi pq as meninas sentavam à frente e os meninos atrás... hum-hum, claro...
E o depoimento das testemunhas q falaram claramente que ele MATOU DELIBERADAMENTE, ESCOLHEU A DEDO, MENINAS, ESPECIFICAMENTE, MENINAS BONITAS, foi pq as meninas bonitas sentavam na frente?

Não foi um crime específico contra gênero?

Com todo respeito à dona do blog, tanta cegueira me dá vontade de vomitar!!!

Ah, tefuder, viu!!

Defesa316 disse...

Quanta hipocrisia. Quanta incoerência!!

A Lola fica indignada quando crianças de 12 anos são mortas. Mas não fica indignada quando bebês são assassinados nos abortos.

Esses esquerdistas.......

Ariane disse...

vai ver que, dentro da loucura dele(que se declarou virgem na carta que deixou), a ideia era levar consigo meninas virgens também, por isso tão novas (e por isso poupou as mulheres e os meninos). Quem sabe se ele não acreditava que as encontraria em algum lugar (daí escolher as mais bonitas?), num paraíso, sei lá. Homens-bomba não acreditam na recompensa das virgens no paraíso? A carta revela uma obsessão com pureza, estar puro, limpo, sei lá...
Seja lá o que se passava na cabeça dele, ontem foi dia de sentir coisas que ninguém quer sentir. eu chorei pacas.

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Se fosse um crime de ódio contra negros, gays, judeus, velhinhos, crianças sem distinção de nada, nem estariam aqui reclamando.
Que medo é esse de reconhecerem que pela carta do rapaz, pelas escolhas que ele fez narradas pelos próprios sobreviventes foi um crime voltado contra meninas, crianças do gênero feminino? O que perdem reconhecendo o óbvio? Alguma coisa deve ser. Nunca vi pessoas tentando evitar tanto um assunto.
Só pode ser que vem pra trollar porque não é possível.
Não vão conseguir tapar o sol com a peneira.
Aff, só você mesma pra aguentar Lola. Por mim já estariam desfilando suas bobagens bem longe daqui, já que não vão ser compradas.

Alessandro R. C. disse...

Tô aqui há meia hora lendo essa página e ainda não terminei metade dos comentários.

Bom, na minha opinião, o cara é sim PSICOPATA apesar de dizerem que psicopatas não se suicidam. Vcs não pararam para pensar nas EXCEÇÕES? Não é todo psicopata que vai querer continuar vivo. Ainda mais esse, que queria ficar junto da mãe e tal.

gloria disse...

Na minha infancia se falava da Fera da Penha que matou a filha do amante, Na minha adolescencia Doca sreet matou Angela Diniz, angela roro fez uma musica para uma jovem jogada de um prédio, uma outra no espirito santo. Bem recentemente: Onibus 174, caso Nardoni, menina em Caxias (tambem a amante do pai), caso mercia, caso Bruno, a que ficou refen em SP...daí eu resolvi buscar as estatísticas: no Brasil são dez por mes. Mas deixa pra lá, que aqui é o melhor objeto de propaganda, inclusive é o país da mulata.

Larissa disse...

Obrigada por suas palavras, e pela comparacao aos outros crimes, que ja foram esquecidos. Temos que falar no assunto sim. Eu, feminista e ligada nesses assuntos, nao tinha pensado nisso tudo, e agora me sinto envergonhada. Fiquei chocada com a noticia e nao vi que foi um hate crime contra meninas. Precisamos, sim, ver o massacre como um hate crime contra mulheres, e tambem avaliar porque nao reagimos contra isso.

Lelec disse...

Cara Lola,

Parabéns pelo texto!

A coisa mais assombrosa que li sobre o caso está aqui:

http://primeirograu.blogspot.com/2011/04/orgulho.html

Um caso de polícia a autora do post acima.

Abraço

Lulu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Isadora Ebersol disse...

Lola, sempre leio seus posts e eles resumem basicamente tudo que estou pensando. Tem vezes que é uma coincidencia femomenal de eu falar sobre um assunto com alguém e depois vir ler teu blog e tu teres falado da mesma forma sobre o assunto.

Nesse caso não foi diferente e dessa vez tive que vir comentar também. Além de tudo que falasse, de eu ter ficado indignada com o link do blog que colocaram aqui nos seus comentários onde o autor insinua que o assassino foi rejeitado porque as mulheres preferiam caras cafajestes e esnobavam os legais (como se ser psicopata, louco e assassino fosse ser um cara legal) e por isso que saiu matando e vários absurdos machistas do tipo, ontem escutei o seguinte na GLOBO:

"As meninas se tornaram alvos FÁCEIS porque chegaram antes nas salas e sentaram nas carteiras da frente, enquanto os meninos chegaram depois e sentaram nas carteiras de trás"

Isso foi o máximo que pude escutar sendo divulgado em rede nacional.

Até quando vamos ser alvos fáceis?
Se tivessem matado 11 negros e 2 brancos eles seriam alvos fáceis também?

Robson Fernando disse...

Parabéns e obrigado, Lola, pela abordagem heterodoxa do massacre. Concordo integralmente com você nessa questão de que o fato foi um crime de ódio (somado a psicopatia).

Reproduzi o texto no meu blog: http://consciencia.blog.br/2011/04/massacre-de-realengo-foi-um-crime-de-odio-misogino.html

Abs

Laetitia disse...

Lola, parabéns pelo texto, me fez pensar. Eu nunca tinha notado o quanto crimes que envolvem misoginia são "tolerados", em relação a outros crimes de ódio. Mas é a mesma "lógica" de sempre, não? Num crime contra a mulher, sempre encontram um fundo de culpa para a vítima. Afinal, se um homem externa sua violência "natural", é pq a mulher estava dando deixa (ousadia de usar saia curta!) ou então pq nenhuma estava cumprindo sua função de satisfazê-lo (então, vc paga pelo "crime" cometido pelo seu gênero!). Como vc disse, pra ver o absurdo da coisa basta trocar "mulher" por "negro" e já se vê o quanto os tratamentos são diferentes.

Laetitia disse...

Laurinha, fiquei pasma com o link que vc passou. Estou denunciando as comunidades e os usuários e divulgando.

Ághata disse...

Eu tenho vontade de rir sempre que eu vejo o esforço que a sociedade e a mídia fazem para "monstralizar" o sujeito! Oooh! O psicopata...! O esquizofrênico! O cara com problemas mentais...! Oh! Ah!

Não sei onde demonstram mais ignorância... Oks, já falaram sobre os psicopatas então, eu só vou acrescentar que pessoas "sãs" (hahahá) se tornam psicopatas - como foi o caso de vários franco atiradores dos EUA. Ah, pera que eu sei que o raciocínio de alguns é meio lento: eles não sairam matando em massa, eles 'apenas' cumpriam as ordens de seus superiores e terminaram desenvolvendo essa condição mental.

Quanto aos esquizofrênicos, a taxa de envolvimento deles com crimes e violência é menor do que a de pessoas "sãs". Ou seja, esquizofrênicos não são pessoas perigosas per se - nós somos mais perigosos, mais violentos.

Custa fazer uma pesquisa assim bem básica? Antes de insinuar que o cara tem x ou y problemas mentais?

Sabe o quão é ofensivo para pessoas que são diagnosticadas com sofrimento psíquico grave serem comparadas com essas pessoas? Como se fossem 'monstros'? Como se elas fossem iguais a este sujeito?

Ou melhor, questione-se porque esta necessidade de empurrar mais um cara - porque é isso que ele é, só mais um - para o porão das "coisas obscuras"? Por que transformá-lo em algo que desconhecemos? Por que precisamos tanto afastá-lo do que somos? "Ele é um monstro"! "Isso é incompreensível"!

Será mesmo? Ele é tão diferente assim para ser "desumanizado"...?

Vejo "monstros" cometendo "atrocidades" todos os dias. Algumas são propositalmente mantidas longe dos jornais para que não influenciem outros "monstros" em potencial - considerados muito "sãos" apesar de suas opiniões, de suas ações, até "pirarem".

lauren disse...

Na patriarcada, a mulher e a raiz de todos os problemas do homen. Desde o pecado da Eva ate a falta grana na vida moderna.

Se isso nao fosse um crimen misogena, por que os homens matam, batem e estrupam tantas mulheres?
Nao conheco as estadisticas no Brasil, mais aqui nos Estados Unidos os homens matam a pelo menos tres mulheres por dia, e batem numa mulher cada 18 segundos.

Esse blog e excelente, e fico feliz de saber que o feminismo esta vivo no Brasil :)

Liliane disse...

Escreva Lola escreva! É importante q alguem diga q lembre q esse não foi o primeiro caso em q mulheres são punidas de forma cruel por paranoias sem sentidos. Carregamos uma culpa sem fim. Carregamos sozinhas um peso enorme. Como eu qria não reproduzir o seu texto, não ler e sentir vontade de divulgar essa triste realidade, mas infelizmente é realidade e deve ser escrita, deve ser dita, deve ser gritada... Publiquei hj o seu texto em meu blog (Liberdade), citei a fonte e espero poder voltar aqui e ler vc... ler verdades menos crueis, pq já dói muito ser mulher, doi mto essa injustiça que não leva em consideração nem mesmo nossa idade. Pobre crianças, q descansem em paz.

Lu-Bau.Blog disse...

Dica para denunciar comunidades e perfis do Orkut:

Peguem o link e vão à uma outra comunidade (preferencialmente de times de futebol. Sim, é pelo volume de perfis) e coloquem lá o link pedindo para denunciar.
O Google exclui pela quantidade de denúncias. É a primeira fase. Um ou outro denunciando não ajuda.

marcotmarcot disse...

Não é paranóia sem sentido. É uma construção social: os homens precisão ser garanhões e, se não conquistam as mulheres, tem a auto estima detonada. Isso é a nossa cultura, e coisas como essa são fruto disso. É muito raso pensar que quem é preconceituoso é uma pessoa com sérios problemas e um desgraçado. Acho que isso é fruto dos nossos valores.

araujofpinto disse...

Tomara q vc leia isso.

De acordo que foi um crime de ódio e que o cara era misógino. Pensei nisso sozinho(uhul....orgulho de mim mesmo! rs).

Mas queria criticar o seu texto quando diz "ele não era feio", como quem diz que se ele fosse feio, isso teria maior justificativa. Enfim, me pareceu um comentário de teor chauvinista feminino.

Releia o trecho e veja se concorda comigo!

Pequenas histórias cotidianas disse...

Lane, a Ilana Casoy,, vá me desculpar não tem grande credibilidade no meio academico. Eu estudei psicopatianodoc e relamente não vemos textos dela sobre isso. Um psicopata dificilmente se mataria e pra além disso, é mt difiicl afirmar com tanta firmeza que as influencias sociais não afetam os indivíduos.


Ninguém aqui tá justificando nada. MUITO pelo contrário.. está se tentando é dizer pq o fato de muito mais meninas terem sido mortas não é discutido e que isso jamais seria motivo pras mortes. O fato de ser menina. A´liás, nem esse e nm outros.

Alessandro R. C. disse...

colando do Wikipedia...

Psicopata, a rigor designa um indivíduo, clinicamente perverso que tem personalidade psicopática. Contudo essa última categoria nosológica em especial, dá o nome ao grupo conhecido como sociopatas. Estes por sua vez, na perspectiva psicanalítica são os portadores de neuroses de caráter ou perversões sexuais.

A psicopatia é um distúrbio mental grave caracterizado por um desvio de caráter, ausência de sentimentos genuínos, frieza, insensibilidade aos sentimentos alheios, manipulação, egocentrismo, falta de remorso e culpa para atos cruéis e inflexibilidade com castigos e punições. Apesar da psicopatia ser muito mais frequente nos indivíduos do sexo masculino, também atinge as mulheres, em variados níveis, embora com características diferenciadas e menos específicas que a psicopatia que atinge os homens.

Embora popularmente a psicopatia seja conhecida como tal, ou como "sociopatia", cientificamente, a doença é denominada como sinônimo do diagnóstico do transtorno de personalidade antissocial.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Psicopata

---

Eu acredito mais no Wikipedia do que esse ultimo que disse que estudou "psicopatianodoc"

exit disse...

Sei que vc não assiste Globo, Fantástico, mas ontem eles disseram que Wellington não disse nada enquanto atirava. Afirmaram que era estranho que tivesse matado mais meninas que meninos,mas o garoto que foi deixado vivo por rezar, talvez, não falou nada sobre ele dizer que mataria "só as bonitas". Por que a Globo cortaria uma informação tão intrigante como essa?
Não sei se viram,mas entrevistaram pessoas que humilhavam Wellington enquanto ele estudou naquela escola. Uma garota disse que ele usava blusa pra dentro, meias por cima das calças, quase na metade da canela e ao invés de mochila,como todo mundo, usava uma pasta debaixo do braço e imagino que por isso ele era motivo de chacota. Disseram que enfiaram ele de cabeça pra baixo na privada e deram descarga e as meninas assediavam ele, passando a mão e coisas assim.
Parece que ele tentou fazer parte de um grupo islâmico mas foi excluído por não se adequar (ele tinha admiração por Bin Laden e por homens-bomba, fanatismo).
É quase igual a história de Columbine, pelo visto. Mas no caso, ele não conseguia bons empregos,tinha perdido a mãe que era o principal contato humano dele.
Vocês viram tudo isso?
Fiquei bastante confusa com esse caso.

Flasht disse...

ele só precisava de um motivo para fazer isso.

>>E pimba! pra desgraça mulher ajuda, deram prato cheio para ele fazer o que fez