segunda-feira, 9 de julho de 2012

BIAL SEMPRE FEZ DEFESA DA MORAL

Semana passada estreou Na Moral, programa com Pedro Bial exibido na madrugada. A jornalista Cris, que eu pude conhecer um pouquinho quando dividimos um quarto no 1o Encontro de Blogueiros Progressistas, fez o esforço de ver o programa e escrever sobre ele.
Eu não tenho essa coragem. O programa já disse a que veio quando convidou o “polêmico” Luiz Felipe Pondé. A Folha, que o lançou como colunista, e a grande mídia, que engole tudo que é reaça, quer transformá-lo num novo Paulo Francis. Existe um forte público conservador ávido por revisionismo histórico (daí aberrações como Guia Politicamente Incorreto do Brasil e da América Latina, que viram bestsellers graças aos leitores da Veja) e por aclamação do politicamente incorreto, que virou eufemismo de “Sou reaça e tenho orgulho disso!”. 
É o pessoal do “Vamos fazer uma parada hétero!”, do “Se negros podem usar camiseta de 100% Negro, por que eu não posso usar camiseta de 100% Branco?”, do “feminismo é a mesma coisa que machismo”.
Ninguém sério dá bola pro Pondé. As feministas, por exemplo, o ignoram solenemente, porque a gente sabe que o artigo da semana seguinte será tão programadamente "escandaloso" como o desta semana. Um tempinho atrás, ele escreveu algum artigo falando de Nelson Rodrigues e, mais uma vez, tacando fogo nas mulheres em geral e nas feministas em particular. Pelo jeito, a repercussão não foi a desejada. Pouca gente leu. 
O pior que pode acontecer a um polemista profissional é... não gerar polêmica. Então a Folha entrou em contato com o Blogueiras Feministas implorando para que o grupo se manifestasse sobre Pondé e Nelson Rodrigues (que, apesar de ter sido um dramaturgo genial, também era um reaça de marca maior, e hoje é mais lembrado por frases como “Nem toda mulher gosta de apanhar; só as normais” -– frases citadas como se fossem verdades absolutas, porque, afinal, são repetidas à exaustão). A resposta do grupo foi exemplar: até podemos falar de Nelson Rodrigues; de Pondé, não.
E, no entanto, Pondé está em todas ultimamente. Ele virou, junto com outro filósofo machistóide, o Ghiraldelli, os únicos filósofos no Brasil inteiro. Tem que se perguntar: por que um zero à direita como Pondé recebe espaço na mídia? É justamente por ser de direita e por seguir uma linha editorial muito mais próxima do jornal que uma feminista, ou um ativista do movimento negro ou LGBT. Além do mais, polêmica vende. Ou vendia, na época em que as pessoas ainda liam jornal impresso.
Mas eu queria era falar sobre o Pedro Bial. O que sei do Bial? Muito pouco. Lembro quando ele era correspondente da Globo em algum país, ou vários deles. Havia rumores, minhas leitoras me contaram, que ele bateu na sua ex-mulher, Giula Gam, mas não há queixa formal contra ele. Lembro bem dele no Fantástico, em 98, quando, durante uma matéria sobre balé, podia-se ouvir claramente a voz de Bial dizendo “Isso é coisa de viado”. Ele nunca pediu desculpas.
Depois, quando Bial foi pro BBB, eu nem me admirei. A linha entre jornalismo e entretenimento pra alguns veículos é muito tênue. Quem já viu BBB sabe que ele leva a assinatura da Central Globo de Jornalismo. Logo, um jornalista como apresentador não é tão estranho num lugar em que informação e entretenimento não se diferenciam. 
Eu vi poucos BBBs (uma ou duas das doze edições?), e achava a pior parte do programa a eliminação de um participante, quando Bial destilava um monte de senso comum e palavras cafonas que os consumidores de Veja e Guias Politicamente Incorretos sobre as Jujubas Amarelas encaram como se fosse um misto de poesia e sabedoria. E, óbvio, fiquei sabendo do “O amor é lindo!” que Bial lançou um dia depois que o país inteiro discutia se rolou um estupro embaixo do edredon.
Mas todas essas memórias são fichinha se comparadas a minha memória mais vívida em relação ao Pedro Miau, repórter e gato. Joinville, 1998. Eu trabalhava numa escola de inglês que alugou um stand numa Feira de Educação que haveria na cidade. É, aquele evento, financiado pela prefeitura da cidade, então nas mãos de Luiz Henrique, era vendido como uma feira da educação. A palestra final, pra um auditório lotado de professor@s, foi dada pelo Prof. Marins, e era basicamente sobre como devemos trabalhar em equipe e, nesta equipe, os pessimistas não têm vez. 
Para ilustrar o seu ponto, Marins disse que o Brasil estava uma maravilha porque vendíamos mais geladeiras que o Canadá (ele não falou, mas eu sabia que a população do Canadá era pouco mais de um décimo da do Brasil), e que não deveríamos dar ouvidos a quem nos dissesse o contrário. Ele também falou, e eu lembro como se fosse hoje, que a gente tinha que parar de pensar no passado e se culpar pelos índios mortos com a chegada dos portugueses, porque, ora, ninguém sabe quantos índios havia nem quantos foram mortos. Marins foi aplaudido de pé. Por educador@s. O pessoal do revisionismo histórico dos Guias Politicamente Incorretos certamente sabe que não está falando nada de novo, pois não?
Mas voltando ao Bial. Ele foi um dos palestrantes convidados (só havia homens entre os palestrantes, embora 90% do público fosse feminino, professoras de ensino fundamental). Eu achei estranho que Bial estivesse num evento sobre educação, mas ele havia publicado alguns livros, não sobre educação, mas eram livros, essas coisas cheias de papel, então devia ser parecido. 
Eu não fui à palestra do Bial porque tinha que ficar no stand da escola, mas nunca vou esquecer quando Bial apareceu. O lugar da feira era grande, meio aberto, com muitos stands. Era preciso passar por um corredor cheio pra chegar aos auditórios. E, quando Bial passou, o barulho foi ensurdecedor. Não estou exagerando. As mulheres (professoras!) gritaram, como se estivessem na presença de um astro da música ou de um galã de novelas. Eu fiquei impressionada, porque nem imaginava que Bial fosse tão famoso, muito menos admirado. E isso foi antes do BBB!
Portanto, faz muito tempo que Bial é pop. E, num país preconceituoso em que não se sabe quando acaba a notícia e começa o espetáculo, o pop quase sempre serve pra perpetuar preconceitos.

86 comentários:

Anônimo disse...

Lola, concordo com a crítica ao Bial e aos demais fascistas de plantão, filósofos de ocasião. Parece-me que a direita a respeito da qual você fala não aprecia BBB, Globo e jornais de um modo geral. Pelo contrário, eles acham que são todos petistas, esquerdófilos etc. Em resumo, o que noto é que muitos direitistas criticam - sempre uma crítica moralista - a imprensa. Quanto à Veja, eles parecem ter uma posição ambígua. Reconhecem a pobreza da coisa toda, mas seguidamente citam ou referem.

Anônimo disse...

Ops... era eu ali: Jeferson. Botei no anônimo pra não ficar logando, mas esqueci de assinar. Desculpe.

Patrick disse...

Minha maior decepção com o filme de jogos vorazes foi não ver Bial ter o mesmo destino de Boninho ;).

Niemi Hyyrynen disse...

Hahaha Lola, não fale mal do Pondé! Ele ídolo-mor de uns trolls aqui!!! Ele até compartilha texto do Mestre por email....olha que coisa mais fofa.

Mas agora falando sério, acho que não dá para ignorar os Pondés da vida, eles estão ai ganhando incentivo da grande mídia e vão nos obrigar a aceitar esse tipo de reaça escroto, acho que é necessário prestar atenção.

O que me deixa triste Lola é que o Pondé e derivados hj, são consumidos por muito mais gente, não é só a classe média que comprava jornal de papel não, eles estão na internet fazendo v-logs, postando em blogs e tem sites de "humor", eles ensinam as pessoas a recriarem velhos preconceitos através dos memes, espalhados como virus pelos facebook da vida.

PS: Lola eu comprei o Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil!

(pode me xingar de leitora da Veja, vc eu deixo).

XD me interesso muito pela história daqui e comprei o livro justamente para confirmar o que imaginava ser a outra visão, a visão deles sobre o que aconteceu, não deixei de rir bastante, claro.

PS2: Recebeu a apostila? leu? entendeu? Gostou?

aiaiai disse...

O jornalismo da globo dá vergonha, mesmo. O resto da programação tb deve dar, mas eu não sei. Não perco meu tempo.

Anônimo disse...

Desculpe-me Lola. Vinha gostando mto do texto até q ele acabou sem que eu entendesse. O objetivo é alertar q Bial é um reacionário?

Anônimo disse...

nossa, eu tenho uma preguiça monstro de bial, pondé, veja e afins... e o curioso é que as pessoas compartilham no facebook ou por email as pérolas desses senhores como se tudo fosse A filosofia de vida. pra maioria das pessoas (e não é só povão, como muitos querem que acreditemos), é só dizer que alguém é inteligentão que todos acreditam.

daí vem jô soares como ídolo de muita gente (MORRO de vergonha qdo cursos mandam alunos pra lá em peso), dizendo que fala várias línguas... bom, eu sei que alemão e inglês, ele não fala. já me disseram que espanhol tbem não. mas, né, pra uma maioria que mal português fala, tá de bom tamanho, né? exigir mais pra quê?

e aí iuma ex-bbb, aquela elenita, sai gritando que é doutora, escrevendo português pessimamente e humilhando (ou tentando humilhar) quem não tem doutorado no twitter pra depois publicar livros sobre "o homem ideal". rodou, rodou e parou no mesmo lugar. e não é preconceito contra ex-bbb pq eu simpatizo muito com o jean, o que virou deputado. eu entendo que ela queria virar uma versão mulher do bial. ficou com sei lá quantos mil seguidores no twitter e depois dizia que era pq as pessoas gostavam do que ela escrevia. péra. não foi pq tinha ido pro bbb?

ah, tá, mas bbb é do jornalismo da globo. cara, dessa eu não sabia. é o fim.

Anônimo disse...

por favor, desenhem. fato. não estou entendendo isto de BBB ser jornalismo da Globo.

Priscila Boltão disse...

Eu NEM tomei conhecimento. Sério, ouvi por alto as chamadas dizendo que o primeiro programa trataria do politicamente correto e pensei "pffff lugar comum". Nem sabia q o Pondé ia estar lá. Dia desses dei unfollow em um blog do meu reader por publicar um texto do Pondé sobre.... a marcha das vadias.
Eu resolvi q nem vou mais tomar conhecimento dessas papagaiadas da globo, Lola. Só espero q vá pro vinagre.
Tomara que "flope" que nem o programa da Fátima (q flopa pq, né, colocar Fátima pagando de Oprah e tirar os desenhos pra isso?? Mas do Bial, não sei.)
Lola, boa sorte com a moderação, coragem a sua fazer isso num blog que as vezes bate centenas e centenas de comentários. Fiz um blog novo tem uma semana e já tive q lidar com mascu troll. Te juro! Num blog de resenhas de livros com uma semana de vida! Devem ter me visto aqui e não tinham mais ngm pra encher.

Bruno S disse...

Quando alguém cita Pondé (assim como outros nomes) é a deixa para que pare de levar a sério qualquer coisa que a pessoa fala.

p.s. Se é para citar podres pessoais, eu já tomei cerveja com o Bial. (ele tava numa festa de criança no clube que jogo bola. o pessoal achou que o cara tava com cara de perdido, bebendo cerveja sozinho e o chamou para sentar na nossa mesa).

Elle disse...

Bialskismos a parte, fiquei cá pensando que realmente esse foi um momento bem escolhido para regravar Gabriela, com cenas épicas com o Antônio Fagundes dizendo para Maitê Proença que se casou com uma mulher seca e que portanto para nada servia (pra que mais mulher se não para gestar?) ou com o Zé Wilker avisando a esposa dele pra que se preparasse porque nesse dia ele ia usar ela (sic).

José Tarcísio Costa disse...

Falando em Bial, vi isso uma vez nesse blog (http://entretenimento.r7.com/blogs/te-dou-um-dado/) e achei perfeito:

Ecola Pedro Bial de oratória


"1º Passo - Entre na Wikipédia e clique em "Página aleatória". Inicie seu dicurso com informações do artigo que surgir.
2º Passo - Enrole um pouco traçando um paralelo entre o que quer que tenha surgido no artigo e o participante que NÃO será eliminado.
3º Passo - Agora vá ao Wikiquote e clique em "Citação Aleatória".
4º Passo - Invente qualquer porcentagem e elimine quem for dar mais audiência."

Exemplo:

Carabina de pressão é o termo utilizado para denominar armas que não usam cartuchos explosivos, apenas são alimentadas pelo projétil, que é impulsionado pela pressão gerada por uma mola, por um pistão a gás ou por um reservatório interno de ar comprimido. Essas armas geralmente são capazes de dar apenas um tiro a cada recarga. Já na Fazenda, cada palavra é um projétil. E um tiro errado pode custar um milhão de reais. Quem aqui feriu mais? Quem feriu menos? Chegou a hora de contar as balas da carabina. Abraham Lincoln disse que "Pode-se enganar algumas pessoas todo o tempo; pode-se enganar todas as pessoas algum tempo; mas não se pode enganar todas as pessoas todo o tempo". É o fim da enganação. Cai o pano. Termina o teatro. E é por isso que com 69% dos votos o eliminado é você... Danni Carlos.

Cora disse...

Lola,

assisti ontem e é completamente nauseante!

subscrevo o comentário da Niemi.

é necessário prestar atenção.

esse povo reaça disfarçado de "cool" tá fazendo a festa e angariando seguidores.

tem muita gente bacana fazendo vlogs cheios de preconceito em relação ao feminismo e às reivindicações femininas.

em relação ao feminismo, até pessoal progressista (na falta de termo mais adequado), mostra desconhecimento e preconceito.

lola aronovich disse...

Anônimo das 11:48, que pediu pra desenhar: Não sei como funciona toda a estruturação e organização da Rede Globo. Há núcleos e centrais. No final de cada programa, nos créditos finais, aparece escrito a qual núcleo pertence aquele programa específico. Jornal Nacional, por exemplo: Central Globo de Jornalismo. Acho que nas novelas aparece Núcleo de Teledramaturgia e também o nome do diretor específico de um outro núcleo. O esquisito mesmo é que BBB, que não tem nada de notícia, conste como parte da Central Globo de Jornalismo. Não estou inventando! É difícil de acreditar. Se encontrar no YouTube algum programa do BBB, procure no final, quando surgem os créditos por cima das imagens. Tá lá Central Globo de Jornalismo.

Anônimo disse...

Obrigado Lola! Não sei em que parte o BBB pode ser incluído como programa jornalístico. Ainda não vi este novo programa do Bial porque não me interessei,mas vou dar uma verificada, já prevendo que nada tem a acrescentar.

lola aronovich disse...

Anônimo das 11:34, eu gosto da Elenita. Não vi muito do BBB do qual ela participou (foi aquele com o Dourado?), e o que eu vi achei que ela tinha problemas pra aceitar seu corpo (como quase todas nós), mas acho que ela teve coragem de participar. Porque, por mais que existam teses sobre o BBB nas universidades, o preconceito na academia ainda é forte (e o programa, convenhamos, é uma porcaria). Então, pra uma doutora fazer parte do programa, imagino que ela se queime bastante. Mas ela parece ser uma boa pessoa, inteligente, crítica. Eu a sigo no Twitter e ela me segue também. Já trocamos algumas poucas mensagens e ela parece gente boa.
O chato é que se vc aceita esse tipo de exposição, vc tem que lidar com isso pro resto da vida (creio eu). Tanto Jean Wyllys como Elenita como praticamente qualquer BBB (com exceção talvez da Grazi?) serão sempre lembrados em primeiro lugar pela participação no BBB. Foi isso que os fez famosos. Claro que a vida segue e alguns desses participantes conseguem realizar um monte de coisas que não tem nada a ver com ter participado no BBB, mas o que te colocou num outro patamar de fama foi um programa de TV. Não tem como negar isso. Jean Wyllys é constantemente criticado por lidar muito mal com esse passado. Ele é um excelente e importante deputado, e não deveria renegar o BBB (que esteve longe de elegê-lo, mas que obviamente lhe trouxe destaque).

Shoujofan disse...

Eu não assisti ao programa; primeiro, porque não suporto o Bial; segundo, porque as chamadas já estavam me embrulhando o estômago por conta da alienação e reacionarismo. Para que me submeter a uma tortura? Para comentar com mais propriedade? Aí, começaram a comentar no Twitter que o Pondé estava lá... Sem chance de eu ligar a TV para ver Na Moral.

De resto, o que me deixou realmente chateada foi ver vários “progressistas”, deputado militante dos direitos humanos e afins, elogiando a inteligência do programa e chamando de intolerantes os que discordavam. Não deixei de segui-lo, não deixarei de apoiar nas causas justas, mas fiquei intrigada com esse esforço em elogiar a pluralidade de opinião e pensamento. É assim que devemos encarar falas como a da Maria Paula na chamada ("Não ligo se a piada é racista...")? Queria ver a boa vontade com a diversidade de opinião se fosse o Malafaia o convidado. Para mim, Malafaia e Pondé estão no mesmo nível. E mais, não duvidem que Malafaia vá a um programa desses, afinal, há todo um esforço de aproximação por parte da Globo.

Mas eu vi os índices de audiência. O programa foi um sucesso para o horário. Se continuar assim, terá vida longa.

Anônimo disse...

lola, minha linda... eu conheço a elenita pessoalmente de unb. não queria nem ter falado tanto dela anonimamente, mas o que vou dizer estava no twitter dela pra quem quisesse ver/ler.

ela teve a tal fama dela pelo bbb (e, sério mesmo, eu nem tava no brasil qdo o bbb do jean passou e eu super queria um dia conversar com ele sobre outras coisas. de certa forma, tenho que agradecer ao bbb por uma pessoa como ele ser deputado. pq, né, perto dele, muitos daqueles caras mais velhos que ele ali deviam baixar a orelha), mas renegou isso e até destratou pessoas que tinham ido fazer uma homenagem pra ela num seminário. o que me incomodou nisso é que ela abria os braços pros seguidores aproveitando a fama do bbb, mas, na hora de colher o resultado dessa exposição dela, ela negava os fãs. a relação dela com o bbb é completamente contraditória. tanto é que, nas festas em que ela tocava aqui no df, ela não brigava qdo diziam que era ex-bbb. mas, se alguém perguntava algo no twitter, ela brigava. ou seja.

outro dia ela quis humilhar uma menina do mpog dizendo pra menina estudar muito pq ela concorreria a uma vaga no próximo concurso. só que a menina já era do mpog. ou seja, na hora do vamos ver, ela tenta humilhar e eu acho isso o fim.

e mais outro dia, ela, que prega que mulher tem que ser mais do que corpo e não viver em função de homem, virou e disse pra menina que apostaria que o namorado dela olharia pra ela se ela aparecesse do lado. achei feio. sem classe. sem educação. achei que voltou a um machismo podre na hora em que o calo apertou.

sobre o corpo dela e a relação dela com ele, sério, nem ligo. como vc falou, todo mundo tem suas neuras com o corpo. umas já se resolveram e acharam seu caminho na vida.

estou anônima, mas, como falei, tudo isso está no twitter dela pra quem quiser ver. por que sei de tudo isso? porque brasília é um ovo. de codorna.

Dri Caldeira disse...

O grande problema é a Rede Globo, que continua a manipular a opinião pública, como fazia no tempo em que a ditadura matava quem fosse contra, isso é normal pra ela. E se utilizar de um imbecil funcional feito o Pondé, tb normal. O que não me entra na cabeça são pessoas inteligentes, politizadas e influentes se sujeitarem à essa orgia moral só pra ter visibilidade. Só pra constar no currículo: tô na Globo, sou de bem. Em vez de ser do ber, isso é muito triste, a inversão de valores em troca de visibilidade é nojenta, por isso que eu digo q o que acaba com o ser humano é a vaidade. Tem que ser bonito, influente, antenado, VIP, mesmo que pra isso cometa vários ilícitos, morais ou legais. A liderança da Globo no quesito audiência se deve somente pelo seu imenso poder tecnológico: até os ribeirinhos, lá no Amazonas, tem tv sem antena, sem TV a Cabo, e o sinal da Globo pega!! Jamais vou discutir a qualidade técnica da Globo, somente sua qualidade ética.

Maria Valéria disse...

Já tinha nojo do Bial desse a época do BBB, só assisti ao primeiro e fiquei com nojo da maneira como ele insuflava desavenças e fazia das mazelas ou dos affairs entre os participantes da casa um circo.Desde entao, nunca mais assisti,
O tal Ponde, li uma vez uma coluna que ele escreveu e fiquei com tanto nojo que nunca mais perdi meu tempo lendo qualquer coisa que esse senhor escreve.Tenho mais o que fazer do que gastar vela com defunto ruim:p
Entendo que faz parte do seu trabalho analisar e comentar o que esses caras falam ou escrevem Lola, mas serio, como e que vc tem estômago pra fazer isso? Porque eu nao tenho,
Hehehehe!!!
Ps: desde 2002 , coincidindo com o final da novela O Clone, e com a entrada do primeiro BBB , nunca mais liguei a rede Globo na minha casa,nao sei se foi coincidência, mas comecei a perceber que as novelas estavam ficando ruins bem como o restante da programação,
Boa sorte no seu trabalho de analisar e digerir( blergh) o que esses caras falam.vc tem paciência de Jô,eu nao tenho;)))
Beijao

Anônimo disse...

uma coisa que me passou na cabeça:pq brasileiro comenta TANTO sobre tv?fofoca,programas,no twitter,no facebook,blogs,etc.pq tamanha importância da tv na nossa sociedade?em outras sociedades não vejo a tv tão endeusada assim

Anônimo disse...

dri caldeira, tem uma outra coisa na globo que acho podre. já reparou que as pessoas se perdoam fácil demais depois que têm que dividir palco na globo?

e qdo envolvidos com tráfico de drogas aparecem cantando ao lado de apresentadores supostos bons moços? e qdo pessoas que agridem mulheres aparecem em programas com apresentadoras? e "personalidades da mídia" que já tacaram ovo em trabalhadores indo trabalhar são endeusados como "doidões", "alegres", "divertidos"?

sério, a mim, não enganam. tudo farinha do mesmo saco.

Shoujofan disse...

Olha, é preciso pensar que no horário de Na Moral, a maioria das pessoas - especialmente as que tem que acordar cedo no outro dia - já estão dormindo.

Portanto, não se trata de audiência inercial, fruto do fato da Globo pegar em todo lugar. 12 pontos é audiência importante nesse horário. Houve quem desligasse a TV, mas também que parou para ver o programa. E isso, sim, é preocupante. Afinal, o foco dessa porcaria são os supostos formadores de opinião.

Anônimo disse...

anon das 13:36 - olha, eu vejo uma coisa parecida na tv da alemanha (e suíça tbem). mas a impressão que sempre tive é que aqui no brasil as pessoas dividem menos o que é chiclete mental do que é "coisa séria"(mil aspas pq fenômenos na nossa cultura devem ser levados a sério). acho que a tv e certas notícias aqui são levadas a sério por gente de qualquer classe. meus amigos lá, com mesmo grau de estudos que eu, até sabem que tem big brother na tv, mas não conseguem dizer o nome dos participantes todos, só aqueles que talvez participem de algum escândalo e tal. mas aqui no brasil até quem não vê bbb acaba sabendo. bbbs na primeira página de sites de notícias "sérios".

somos um país alfabetizado pela tv. não vejo problema algum em gente que gosta de bbb. conheço gente que vê e lê mais que 99% da população. mas tem uma geração que não lê e vive a vida de tv, sites de fofoca E bbb.

tudo isso alimenta sites com notícias como "fulano almoça no leblon". "fulana tem celulite". talvez seja um ópio do povo infeliz que quer se sentir um pouco mais perto de uma vida que imaginam ter glamour. não é sintomático que os meninos querem ser jogadores de futebol e as meninas, modelos?

Lays, mãe e tudo o mais. disse...

O programa do Bial veio para atender a faixa de espectadores do Jô, ou seja: "eu assisto a Globo, mas só a programação diferenciada, do 'público pensante'". São programas que são rasos e reacionários como todo o restante, mas que têm um verniz intelectual que ilude quem o assiste.

Além do que, são programas que pelo horário, são inassistíveis pelas pessoas que trabalham no dia seguinte. Ou seja, acaba sendo um reduto da classe média que pode acordar tarde no dia seguinte e que tem, nas pérolas de sabedoria de Bial, Jô & Jornalismo Globo, uma confirmação de seu estilo de vida...

Por essas e outras é que parei de ver a Globo já faz uns bons dez anos. Desde a época em que eles picotavam os animes e passavam fora de ordem.

Carol M disse...

Se for olhar como anda a grande mídia, estamos numa época de blacklash cruel. Não apenas em relação ao feminismo como com direitos humanos em geral. Há um imenso esforço em disseminar opiniões reacionárias e fazer o povão acreditar nelas. As consequências tendem a ser terríveis.

Carol NLG disse...

Querem ficar surpresos mesmo?

pega Globo na ÁFRICA! Tenho meia dúzia de canais de TV a cabo, quase todos dos Emirados Árabes, mas um dia desses passando pelos canais (entre a MTV Libanesa e o campeonato dos emirados de futebol, que já estava uns 15x13), achei a Globo.

Me disseram que é a versão internacional. Eu queria aproveitar pra ver mesmo os jogos do Brasileiro, mas esses não passam :( Ou seja, chance de eu ligar a TV e colocar na Globo são mais ou menos as mesmas de nevar no Saara.

Anônimo disse...

mas a globo se esquece da internet. será que eles ainda acham que o povão que queria ter visto a luta ao vivo sábado acreditou no galvão qdo ele disse que estavam "ao vivo"?

se enganam na maior cara de pau numa coisa tão simples, imagina em coisas piores...

o que me incomodou foi o "calabocagalvão" e o "globofail" terem saído dos tts. o "globofail" voltou em segundo. eu não sabia que a globo mandava até nos tts do twitter.

Nina Levy disse...

Lola,

Do que o Bial fez com a Giulia Gam eu sei bem. E o pior nem foi a violência física, mas sim a psicológica.

Ele fez uma terrível campanha moral contra ela. Utilizou a depressão pós parto dela para acusá-la de coisas absurdas. Fez com que ela ficasse sem trabalho. Pessoalmente pressionou a Globo e usou todo seu conhecimento em todas as emissoras para que ela não fosse chamada para trabalhar em nenhum lugar. A Giulia sumiu da TV não por opção, mas porque, por pressão dele, ficou sem trabalho. Ele fez uma campanha difamatória daquelas de arrepiar. Ele tentou tirar a guarda do filho dela. E mais, tentou inclusive que ela não tivesse sequer direito a visitação. Como se depressão pós parto fosse irresponsabilidade e desamor. Se não fosse ela ser amiga pessoal de um grande advogado que pegou o caso dela sem cobrar nada (porque sem trabalho ela ficou sem dinheiro), ela teria perdido a guarda do filho. Filho esse que ela depois criou sozinha e se tornou um adolescente fantástico, um ótimo menino, que não curte muito o pai. E por que mesmo ele fez tudo isso? Porque ela teve a ousadia de querer se separar. Ele é apenas um GRANDE machista mau caráter.

Mas não sou só eu que sei disso. Todo mundo na Rede Globo sabe. E isso, pelo visto, para a Globo não é desabonador. Homens machistas que perseguem suas mulheres têm seu espaço mantido e respeitado na sociedade. Eles convivem muito bem com o Bial. Acho que o fato dele ser um mau caráter só o aproxima mais da Globo, rola uma identificação.

Achei interessante o nome do programa. Na moral, apresentado por quem não tem moral. Ele convidar o Pondé e fazer do seu primeiro programa um culto ao desrespeito às minorias era pra lá de esperado. Preparem-se porque "na moral" será um show da direita conservadora travestida de moderninha.

Um conselho: mudem de canal. Sem conseguir repercussão, o programa acaba. Façamos com ele o mesmo que fazemos com o Pondé: ignoremos.

carolinapaiva disse...

Não vi esse programa. Tive muita preguiça.
O assunto é sonolento por si só: a polêmica do politicamente incorreto. Ó meu god...
Essa barulheira toda porque os defensores da cartilha do politicamente incorreto não aguentam receber críticas. Tudo é "censura" e "ditadura" para essa gente tão moderna e transgressora.
Afinal, todos podem ser alvos (ainda que os alvos sejam os mesmos de sempre), menos os politicamente incorretos...

Karla disse...

Poucas coisas são mais irritantes do que essa roupagem moderninha que estão dando para o conservadorismo. Não, gente, nada disso que vcs reaças estão falando é transgressor e moderno. São as mesmas coisas que todo mundo fala e pensa há mais ou menos uns 300 anos, sem a menor vergonha. De uns 30 anos pra cá ficou feio ser preconceituoso em público porque a sociedade mudou um pouquinho. Não adianta espernear e gritar que vocês estão sendo censurados, coitadinhos de vocês, pobres rebeldes inconformados por perderem o direito de... De quê mesmo? De ser imbecil em público?

Só é uma pena que as pessoas caiam nessas armadilhas ~moderninhas~

maisfazer disse...

Hahaha, confesso que a minha parte preferida do post foi a respeito das geladeiras. Tenho certeza que o número de fogões aqui no Brasil é superior ao de Mônaco. Somos primeiro mundo!! Fora isso, nunca consegui achar o Nelson Rodrigues genial, pode me jogar ovo podre), apenas um apelativo que sabia se vender. Assim como o Bial e o Pondé.

A.H.B. disse...

Como historiadora, esse Guia politicamente incorreto me faz chorar. É um livrinho ordinário, mentiroso, escrito por jornalistas que não sabem nada de História e que só estão interessados em dizer para os imbecis de direita que eles não precisam mais se sentir mal em ser racistas.

Uma professora da USP escreveu um artigo muito bom comentando sobre algumas mentiras e falácias desse livros, assim que encontrar, posto aqui.

Lilian Soares do Nascimento disse...

Será que essa "necessidade" reacionária tem se manifestado cada vez mais na mídia por que estamos a algum tempo num governo de esquerda? Seria medo?

Priscila Boltão disse...

Lola, licença, eu sei que desvia do post mas eu tão lembrei de vc quando vi essa comic, vc deve ter visto mas whatevs, é tão perfeita que tenho q dividir isso:
http://kateordie.tumblr.com/post/26835696267

Luiz Prata disse...

Nem perdi tempo assistindo. Até cheguei a pensar em assistir, mas ao saber que o Pondé estaria entre os convidados, desisti. Eu vi que não teria estômago.

Enfim, mais do mesmo de CQC.

Linda disse...

Pondé é vendido como filosofo mas, a meu ver, é só um velho safado e ressentido com as mulheres.

Gabriel Nantes de Abreu disse...

Adorei esse post e nem preciso dizer que detestei o programa!

E concordo com alguém que comentou, não lembro quem foi exatamente, que algumas pessoas de movimentos sociais e que lutam pelas minorias acharam o programa o máximo.

Sério mesmo que gostaram? Sinto muito, mas a sensação que dá é que por algum motivo Bial ou os envolvidos no programa são alguma esécie de vaca sagrada que estão acima de criticas.

Cora disse...

eu chamo o pondé de filósofo do senso comum. e como todo reaça adora ler as bizarrices do senso comum travestidas de filosofia, o cara tem muitos leitores. os liberais a.do.ram o pondé. blogs liberais vivem reverberando as merd... ops, as pérolas de pondé. seria cômico se não fosse trágico.

pondé e bial no mesmo programa, pra vo.mi.tar!

Rosa disse...

A.H.B, sem querer te pressionar, me deu vontade de ler esse artigo. Tenho esse livro em casa e nunca senti vontade ler, mas com o "politicamente incorreto" na moda acho interessante dar uma olhada...

Roxy Carmichael disse...

AHB,
não esqueça de postar o artigo, adoraria ler!

eu morro de rir de ver gente levando tão à sério um livro escrito por jornalista de uma revista tão abobalhada como a super interessante, citando como se fosse evidencia cientifica, como se tivesse inventado a roda, como se fosse expressão máxima de que se está pensando "fora da caixinha" (acho essa metáfora de uma pobreza...).

o fato é que atualmente vejo muitos jovens inseguros em busca de autoafirmação (e os nao tão jovens assim) vestindo a camisa do conservadorismo modernoso, que nada mais é do que uma forma bem pouco convincente de disfarçar um umbigocentrismo cretino e pior, a evidente falta de talento.

mas eu queria parabenizar pelo texto, lola, amei o guia politicamente incorreto das jujubas amarelas!!!ah sim, e um beijo pras blogueiras feministas FINAS que não caem na provocação barata desse cafuçú desse Pondé.

Anônimo disse...

"Não adianta espernear e gritar que vocês estão sendo censurados, coitadinhos de vocês, pobres rebeldes inconformados por perderem o direito de... De quê mesmo? De ser imbecil em público?"

Karla, exatamente isso

Lana

Helena disse...

Lembro que quando eu estava cursando a primeira série do Fundamental o Pedro Bial foi na minha escola gravar uma matéria pro Fantástico. Eu pedi pra ir ao banheiro e a professora me deu um papel e uma caneta e pediu que eu pedisse um autógrafo dele pra ela.
P problema é que eu era muito tímida e não consegui, voltei pra sala dizendo "tia, não achei ele.". The end.

Anônimo disse...

"Um brinde ao nosso ofício que eu acho que é o mais bonito de todos; quem trabalha com comunicaçao tem um comprometimento com o cultural, com o social . . . num país pobre, desinformado e inculto como é o nosso a maior escola do nosso país é essa telinha que você está nos vendo agora."
http://www.youtube.com/watch?v=QaTeqrdMpRQ

Beatriz disse...

Ei Bial, pega no meu pé (risos)

Serião, demora pra eu assistir essa merda hein? Hahahah e o Pondé é risível! Sério, ele não consegue ordenar duas frases fazendo sentido entre si: o texto dele é um desespero pra polemizar, sem argumento, com um monte de insulto misturado, um horror... não sei como alguém q se diz alfabetizado lê aquilo.

Agora, achei FOFO implorarem pro Blogueiras Feministas escreverem sobre ele. Tá carente e quer um abraço Brasel? Dá pra não se comover?

Anônimo disse...

Oi Lola parabéns por mais um excelente trabalho! vc não é 10 vc é ∞! Lola eu tenho que admitir,eu tenho vergonha de ser brasileiro! Esse país tem um dos melhores territórios ,mas uma das piores(se não a pior) cultura! O Brasil tem muitos problemas mas um dos piores é a ditadura da mídia! A mídia é machista, racista, retrógrada e patética! O maior problema e que a população não está nem ai! um exemplo do fato é este programa hediondo do bial(que apresenta o programa mais ridículo da tv o famoso BBB ou se preferir Big Bosta Brasil) que contribui ainda mais pra acabar com o país. Tenho vergonha de viver em um país onde um cara que já faz um programa sobre diminuição da mulher e exteriotipos dos homossexuais (o bbb) ganhe um programa pra fazer o mesmo no resto do ano! Eu vou ser sincero Lola... o brasil cada dia me dá mais nojo... olhe nosso lugar nos rankings de corrupção e de impostos, depois lola cruse os dados e chore! Mas oque mais me deprime nessa mídia é que ela manipula tanto o povo que é um nova ditadura! de uma olhada, rico só vai preso se a mídia ataca! se a mídia defende o hel e absorvid* ! A mídia tenta manter o controle e anda de mãos dadas com o governo, afinal para os dois população burra= população controlada que aceita tudo! Por isso que tem esses programas, que são considerados jornalismo,mas não passam de emburrecimento (bbb e esse novo lixo da globo) que é feito em 2 modos o do povão (bbb,malhação e novelas) feitos pra evitar que as pessoas saiam da ignorância ,por meio de repetição escancarada dos mesmos padrões e por meio de controle social. e o da clace "culta" (cqc e essa nova merda) que tentam falar que está tudo certo e tentam fazer o povo acreditar em "sim sou culto estou vendo um programa realista e de críticas" notícia, quem penssa isso não está pq NÃO TEM NADA QUE PRESTA NA TV ABERTA BRASILEIRA! desculpe senhora Lola mas é oque eu acho, que esse paradoxo do politicamente correto e assim ,pode pros ditadores ( mídia) não pode pro resto! não passa de uma tentativa de emburrecer pra manipular, por favor se eu estiver falando merda me avisem ,afinal estou aqui pra aprender! se puderem confirmar ,corrigir ou complementar oque eu disse serei muito grato

Ass Arthur nerd e fan da Lola

lola aronovich disse...

Arthur, obrigada pelos elogios, mas vc está com alguns problemas no seu discurso. Primeiro, cultura é algo muito difícil de ser avaliada. Não dá pra dizer quem tem a melhor e a pior cultura. Em geral, quando esse termo é usado, como quando dizemos “esse povo não tem cultura”, estamos nos referindo a uma cultura elitista. Cultura todo mundo tem, todo povo tem, e todas são válidas. Quem vai julgar se uma cultura é superior à outra? Quem disse que música clássica é melhor que funk? EU posso preferir Chico Buarque a Valeska Popozuda, mas quem disse que a minha opinião e meu gosto estão acima dos outros? Quanto à mídia manipuladora e à corrupção, esses são problemas sérios que todo país tem. Não é privilégio do Brasil. O BBB não foi uma invenção brasileira, certo? Acho que foram os holandeses. Aí a atração virou moda no mundo todo, inclusive no Brasil. Monopólio da mídia também existe em todo lugar. Aqui parece ser pior, porque toda a mídia está nas mãos de poucas famílias. Por isso uma das bandeiras da esquerda é a regulamentação da mídia. Bem, não tenha vergonha de viver no Brasil. O Brasil é um país incrível e que vem diminuindo suas muitas injustiças sociais. A desigualdade social é a maior praga do Brasil. Temos que lutar para mudar o que queremos. Mas discursos como “tenho vergonha do Brasil” não ajudam em nada.

Blanca disse...

Po, Lolinha, não curti essa moderação. Se vc fizesse um post falando pros leitores em massa ignorarem os trolls, aposto que teria mais efeito.

Os comenst desse post, por ex, teriam bem mais coments e discussão sem a moderação...

Blanca disse...

uqanto ao Bial, vish. Vi o primeiro bloco. Não veja, Lola, não vale a pena ligar a tv. Nem sabia que quem tava lá era gente importantre. É gente branca, maioria homem, hétero e classe média dando opiniões agressivas sobre gays, negros e mulheres. argh

Pq vc acha que os guias politicamente incorretos são ruins e reaçças? li um pedacinho de um. achei engraçado.


o marido da dona do mãe geek, blog da gisela blanco, feza o guia da america latina. ela é feminista, hm.

Blanca disse...

Bruno S, o que Bial tava fazendo lá? Ele é legal pessoalmente, pelo menos?

Anônimo disse...

Antes de tudo, não gosto do Bial e nem dos programas da Globo. No geral, não é somente a Globo que produz porcaria e engana o seu público, a mídia geral do Brasil faz isso de tão conveniente que é. Pensar que somente "x" emissora o pratica, é a mais falta de discernimento e puro cinismo.

Esquerdistas adoram falar que a Globo e a Veja são isso e aquilo, mas deveriam saber ou, se sabem o ignoram, que é a própria esquerda de hoje que censura e paga determinadas matérias para serem veiculadas.

A Esquerda dominou o país e não existe mais espaço democrático, o que irá acontecer entre eles, é que tentarão pegar uma fatia do "bolo", como já está acontecendo entre o PSOL e PT.

E isso não acontece somente no Brasil, pois já fazem 20 anos que o papel da mídia mundial é censurar e não o de informar.

Ao mesmo tempo que vejo pessoas aqui no seu blog criticando "x" autor, mas lanço uma pergunta: qual é o cenário literário brasileiro atual? Existe algum expoente digno de respeito? Ora, nunca mais teremos intelectuais como Graciliano Ramos, por exemplo.

E Lola, a Esquerda que você tanto admira, é tão mesquinha quanta a Direita. Quer um exemplo? Os esquerdistas adoram falar que o pluralismo político/partidário é saudável, mas se alguém afirma que é de Direita e Centro, cometeram o pior dos crimes.

Talvez você não saiba, mas o próprio Lenin disse que para derrotar o capitalismo ou manchá-lo, era melhor ser capitalista.

Basta notar o cenário político e econômico do nosso país, este, que por sua vez, chega até ser surreal.

Antes que eu esqueça, não sou nenhum desses moleques que vem ou outra aparecerem por aqui na tentativa de fazer "barulho" e ganhar atenção, então nem adiante me enquadrar no termo "mascus". Eles fazem parte de uma juventude estúpida que só aumenta neste país.

Não me identificarei, não por covardia, mas pelo simples fato de pessoas abusadas e intolerantes não respeitarem opiniões diversas.

E também não adiante me chamar de reacionário e conservador, já que seria uma injustiça de sua parte, afinal, o mundo somente é maravilhoso quando as pessoas concordam com você?

E outro aviso é para os leitores deste blog: procurem ler mais, pesquisar cada vez mais, longe desta visão unilateral de ver o mundo, bastante exposta aqui no blog, onde somente o que é válido, é a maneira de pensar e agir da Esquerda. Questionem mais, pois a verdade absoluta está longe de ser encontrada aqui neste ambiente.

E isso está longe de ser uma ofensa aos leitores.

Att,

R.

Elvis disse...

Arthur, não podemos cair no conformismo de "o Brasil é uma merda mesmo e pronto", fica repetitivo e não acrescenta nada.

Não tenha vergonha de ser brasileiro, tenha orgulho de ser alguém que faz a diferença (ok, ficou meio cliché rs).
Acho que pequenas coisas já ajudam, seja postar algo no face, conversar com amigos/familiares, até escrever um comentário no blog da lola, talvez alguém leia e ajude a pessoa a refletir.
Só que pra conversar com as pessoas e levá-las a uma reflexão, primeiro vc precisa organizar melhor suas idéias.

Acho que aos poucos as coisas vão melhorando. Sei que às vezes parece que damos um passo pra frente e me vem o Bial e dá mil pra trás kkkk. Mas não vamos fraquejar por isso né.

(sorry por me meter rs)

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Eu gostava da expressão politicamente incorreta porque pra mim parecia ser sinônimo de quem fala o que tem que falar indo diretamente ao assunto, sem rodeios e informalmente sobre temas que até hoje muita gente tem receio ou vergonha de discutir como sexo, religião e política.
Peguei antipatia da expressão há uns dois anos quando percebi que infelizmente ela vem sendo usada pra camuflar ofensas, repetições de discursos preconceituosos antigos.
A maioria não quer ser chamado de racista, machista, homofóbico, elitista, arrogante, mas poder ser tudo isso e no lugar de ser chamado de "politicamente incorreto" é aceitável.
Acho que o negócio é dar o nome aos bois, politicamente incorreto o caralho, você é um preconceituoso de merda e ponto.

Anônimo disse...

Oi Lolinha

Adorei que as feministas não quiseram escrever sobre ele kkkkkkkk parabéns quanto menos holofotes melhor, deve ter ficado frustrado

Lana

A.H.B. disse...

Rosa e Roxy: encontrei o artigo, escrito pela professora Maria Ligia Coelho Prado: http://dutracarlito.com/incorreto.html

Aliás, tive a sorte de ter feito uma matéria com a profa Maria Ligia durante meu primeiro ano da graduação, era um curso de Histórias das Ideias no qual ela trabalhou a história da educação na américa latina. :)

Carlos disse...

Eu vi este programa, só não gostei que foi bastante editado e o bial as vezes "cortava" a fala do convidado.

Se o politicamente correto fosse defendido na teoria e na prática, tudo bem, acontece que ele é apenas defendido na teoria, já na prática as coisas são bem diferentes.

alice disse...

eu decidi não ver esse programa quando começaram as chamadas, há umas duas semanas. vi o alexandre pires defendendo aquele clip nojento, vi o pondé e a cereja do bolo: a casseta maria paula falando que "piada racista não tem problema nenhum, mas piada sem graça... fala sério!". ah bom, ainda bem q temos uma moça branca que trabalhou a vida todo num programa de "humor" machista, racista, super preconceituoso pra nos dizer oq tem ou não graça.

sobre o pondé: esse cara só pode ser um desses gays misóginos. apesar do discurso de velho babão (que o mercado de trabalho ganhou com a entrada das mulheres pq elas vieram enfeitar e trazer tensão sexual pro escritório), ele tem um jeito muito afetado q apita o meu "gaydar".

concordo q o melhor a fazer é ignora-lo (que não é exatamente oq está sendo feito aqui, infelizmente hehe) pq ele se queima sozinho. já viu essa entrevista? a jornalista quebra o discurso dele na primeira pergunta

falando em superinteressante/veja/abril/folha/uol/estadao/oglobo, de vez em quando eu vejo uns artigos bons da veja que me deixam bem surpresa. tipo esse especial sobre a mulher

Ramon Melo disse...

Pedro Bial é jornalista? Nossa, não sabia que os parâmetros eram tão baixos assim.

Ainda bem que acabaram com a exigência do diploma, porque se até ele consegue o título de "jornalista", qualquer um está apto.

Grão da Noite disse...

Eu sou leitor da Veja, e nem por isso sou conservador ou de direita (será que isso é um pleonasmo?). Algumas pessoas, como é o meu caso, leem a Veja e revistas do mesmo tipo, como a Época (publicada pela Editora Globo...) pra pelo menos ter uma noção do que esteja acontecendo no Brasil e no mundo, por não gostarem muito de ver televisão. Comprei minha televisão no final de 2004 (hoje o modelo é considerado "de época", "vintage" - rs) e ela está novíssima, de tão pouco que eu ligo. Mas, apesar de ler a Veja, percebo nitidamente que a linha desse semanário é conservadora, "de direita". Acho engraçadíssimo como toda semana tem pelo menos uma carta do leitor dizendo "Graças à Veja, baluarte da moral e da honestidade em nosso país, os cidadãos brasileiros que trabalham e pagam impostos ficam sabendo das ladroagens de Brasília...". Eu já mandei várias cartas (correção: e-mails) com críticas e nunca publicaram uma sequer. Já nem mando mais. O pior da Veja, a meu ver, nem é o conservadorismo. O pior é ela ser tão venal. Aquela capa do remédio pra diabetes, que vem sendo usado pra emagrecer, foi revoltante. A reportagem cita o nome do princípio ativo, o nome comercial do remédio, o nome do laboratório, e ainda menciona o nome de vários médicos. Um veículo de comunicação privado faria tudo isso de graça, só pelo bem de seus leitores? Não creio. É uma reportagem paga, estava na cara. O resultado dela é que um monte de gente tem comprado o tal remédio pra emagrecer, muitas vezes uns míseros quilinhos por pura vaidade, e os diabéticos não estão mais conseguindo encontrá-lo nas farmácias. E aquela reportagem sobre tablets, em que o "ipad" é colocado no Olimpo? Foi de graça? Duvido muito. E o mesmo acho que acontece com as capas sobre escândalos de corrupção. A revista colhe informações, mas acaba publicando apenas aquelas que interessam a quem paga mais. Por essa via torta, porém, acaba até prestando um serviço ao país. Bem ou mal se noticiam casos de corrupção que precisam ser apurados, embora as notícias sejam publicadas pra atender aos interesse$ de financiadore$ da revista. Enfim, não generalizem. Nem todo mundo que lê a Veja é "reaça". Eu nem poderia ser "reaça". Sou gay. Estou gordo. Sou pardo. Me insiro em tantos grupos preferenciais do preconceito que se eu fosse "reaça" teria que ser internado num manicômio.

Bruxinha disse...

http://diversao.terra.com.br/gente/noticias/0,,OI5887981-EI13419,00-Jornal+aos+anos+filho+de+Eike+Batista+faz+vasectomia.html


Lola, que tal essa notícia? Vasectomia pra evitar "aproveitadoras".

darkgabi disse...

discuti isso com alguns alunos de doutorado outro dia aqui. europeus. e eu sei q a culpa do nazismo ainda é muito pesada em cima dos alemaes, mas vir com esse discurso de "eu nao tenho culpa de nada e nao devo pagar pelo passado" é um pouco perigoso. a linha é tênue. eu tentei argumentar na linha de q nao deve ser jogado como simples culpa pra cima da nova geracao, mas como mau-exemplo e q de alguma maneira nós temos sim a obrigacao de fazer alguma coisa pra reverter o quadro. eles com os judeus e eu com os negros e índios. pq nao, minha familia nao era rica e nem senhora de engenho, mas eu sei q a sociedade q eu nasci foi montade em cima desses estigmas, ela já estava arranjada assim, e eu sei q de alguma maneira eu e a minha familia tivemos vantagens com isso. acho q só de nao ter tido desvantagem, como sofrer o preconceito mais puro ou de nao ser capaz de subir socialmente por causa dele já é lucro.

mas sinceramente, acho q perdi a discussao
=(

eu queria ser mais eloquente...

DaniDani disse...

Não tem relação com o post e a fonte não é das melhores, mas já viu isso:

http://colunas.revistamarieclaire.globo.com/mulheresdomundo/2012/07/05/nao-quer-ser-abusada-no-metro-na-china-entao-va-de-burca/

Eduardo Brandão disse...

(Lola, te mandei esse excerto sobre o poeta Pablo Neruda, escrito por Slavoj Zizek na página 38 de seu recente lançamento no Brasil Vivendo no fim dos tempos. Estranho você barrar isso nos comentários. Penso que seria importante para futuras discussões, inclusive a deste post, já que se analisa a hipocrisia em meios já previsíveis, como a Globo, mas não em baluartes da esquerda como o poeta chileno.)

Há um trecho bastante surpreendente, para não dizer chocante, das Memórias de Pablo Neruda que trata exatamente do espaço excrementício invisível e do que podemos descobrir quando o sondamos. O evento descrito ocorreu quando ele era cônsul do Chile no Sri Lanka (Ceilão):

Meu bangalô solitário ficava longe de qualquer construção urbana. Quando o aluguei, tentei descobrir onde ficava o banheiro; não o vi em lugar nenhum. Na verdade, ficava aqui perto do chuveiro, nos fundos da casa. Inspecionei-o com curiosidade. Era uma caixa de madeira com um buraco no meio, muito parecida com o artefato que conheci quando criança no interior do Chile. Mas nossos banheiros eram construídos em cima de um poço profundo ou de água corrente. Ali, o receptáculo era um simples balde de metal debaixo do buraco redondo.
O balde aparecia limpo todas as manhãs, mas eu não fazia ideia de como o conteúdo sumia. Certa manhã, acordei mais cedo do que de costume e me espantei ao ver como acontecia.
Dos fundos da casa, caminhando como uma estátua sombria, veio a mulher mais linda que eu já vira no Ceilão, uma tâmil da casa dos párias. Usava um sári vermelho e dourado do tipo mais barato de pano. Tinha pulseiras pesadas nos tornozelos nus. Dois minúsculos pontinhos vermelhos faiscavam de ambos os lados do nariz. Deviam ser de vidro comum, mas nela eram rubis.
Ela andou solenemente até a latrina, sem me olhar nem uma vez sequer, sem se incomodar em reconhecer minha existência, e sumiu com o receptáculo nojento na cabeça, afastando-se com os passos de uma deusa.
Era tão adorável que, apesar do serviço humilde, não consegui tira-la da cabeça. Como um tímido animal da selva, ela pertencia a outro tipo de existência, a um mundo diferente. Chamei-a, mas não adiantou. Depois disso, pus algumas vezes um presente no seu caminho, um corte de seda e algumas frutas. Ela passava sem olhar nem escutar. A rotina ignóbil fora transformada por sua beleza escura na cerimônia obrigatória de uma rainha indiferente.
Certa manhã, resolvi ir até o fim. Segurei os pulsos dela com força e fitei seus olhos. Não havia idioma em que eu pudesse lhe falar. Sem sorrir, ela se deixou levar e logo estava nua na minha cama. A cintura finíssima, os lábios cheios, as taças transbordantes dos seios a faziam igual às esculturas de mil anos do sul da Índia. Foi a união entre um homem e uma estátua. Ela manteve os olhos bem abertos o tempo todo, completamente sem reação. Tinha razão em me desprezar. A experiência nunca se repetiu.

Então Neruda simplesmente passa para outras coisas. Esse trecho é notável não só pelas razões óbvias: uma história descarada de estupro, cujos detalhes sujos foram discretamente omitidos (“Ela se deixou levar e logo estava nua na minha cama”. Como ela ficou nua? É óbvio que ela mesma não se despiu...), a mistificação da passividade da vítima em indiferença divina, a falta elementar de decência e vergonha por parte do narrador (sentia-se atraído pela moça, mas não se envergonhava de saber que todas as manhãs ela cheirava, via e descartava sua merda?). A característica mais notável é a divinização do excremento: uma deusa sublime aparece no mesmo lugar onde os excrementos se escondem. Deveríamos levar a sério essa equação: elevar o Outro exótico a divindade indiferente é rigorosamente igual a tratá-lo como merda.
(Trecho retirado de Vivendo no Fim dos Tempos, de Slavoj Zizek)

Maria Valéria disse...

Amei a moderação de comentários, ao contrario do que alguém ai em cima disse,
Primeiro, porque nao seremos obrigados a rebater comentários machistas de gente que escreve sempre a mesma coisa em trocentos mil posts diferentes, só alterando as palavras,( isso irrita, eu em vez de rebater, como algumas comentaristas com paciência de Jô, acabo pulando)
Segundo, porque quem já quis ou tentou me insultar de graça aqui sem sequer me conhecer direito vai perder esta oportunidade.=)
Amei, se conseguir dar conta de apagar todos os comentários impróprios ou ofensivos, continue assim, Lola-:)
Beijos!!!

Relicário disse...

Onde Arnaldo Jabor faz sucesso como pensador e crítico político, como esperar que Bial não seja o ídolo mor???

E a Veja segue na sua missão de exterminar a esquerda e perpetuar pansamentos e conceitos básicos de suma importância para os reaças de plantão, o que me admira é que a mídia toca sempre, mas sempre a mesma música, e eu não entendo como ninguém, nem mesmo aqui nos jornalecos da cidade onde eu moro, os pseudos jornalistas não se atrevem a pensar e tocar diferente...é uma mesmice desgastante...tá ficando chato demais!

The Crow disse...

Acho que a audiência expressiva para o horário, por se tratar do primeiro programa, se deve muito mais ao fato de ser apresentado pelo Pedro Bial, que é figura bastante popular no país, e pela intensiva campanha de marketing feita pela Globo, que pagou anúncios em revistas e jornais de grande circulação, no rádio, etc.

Mas não sei se a audiência tende a aumentar...

Eu até queria ter visto o programa, pra poder falar mais a respeito. Mas aí me deu um sono... E preferi ir dormir.

Ellen Joyce disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

darkgabi, isso de nazismo pros alemães é muito pesado. é um assunto bem delicado, não é como aqui, que a gente chama alguém rígido de nazista como brincadeira. e deve realmente ser um saco ter mil estereótipos nas costas.

eu entendo isso de ter uma culpa jogada nos ombros sem tê-la. só que eu acho que a gente tem que pensar na responsabilidade de uma cultura e na culpa individual. individualmente, eu não tenho culpa de nada, mas tenho responsabilidades como parte de um todo. é assim que me sinto.

meu pai só aprendeu duas palavras em alemão pq na época não era muito legal ser alemão no brasil. as duas palavras eram "negro" e "porco". e isso dói em mim que vc não tem ideia [quase choro só de escrever pq sou loucamente apaixonada por um negro e agora, mais do que nunca, fico sensível ao assunto]. mas o pessoal da alemanha atual mesmo, nossa, nunca vi preconceito (eu sempre achei os americanos mais preconceituosos que os alemães...) - vi foi muita curiosidade por outras culturas.

mas é aquela coisa. qdo fui morar sozinha, meu vizinho, que é negro, virou e perguntou na lata se eu sou racista. é como se eu fizesse um statement só pela minha cor. o porteiro perguntou se eu era brasileira. sabe? eu super entendo isso e tento explicar que não tem nada a ver e acho que eu não preciso me forçar pra tratá-los de forma normal.

pra pessoa que falou acima que tem vergonha de ser brasileiro: o brasil é um país muito bom. sim, apesar de tudo. viajei muito e sei do potencial do nosso país e das chances que muitas pessoas têm aqui e não teriam em outros lugares. infelizmente, ainda temos muita coisa pra resolver. mas o "temos" é primeira pessoa do plural. sou eu e é vc.

Anônimo disse...

bruxinha... afe, nem sei o que pensar. ele quer evitar aproveitadoras e vai sair transando sem camisinha. é isso, braseeel? ah, tá, esqueci. ele só deve transar com meninas de família.

Roxy Carmichael disse...

blanca, eu não sei como alguém pode se dizer feminista tendo assinado uma matéria tão ignorante e especialmente desrespeituosa como a da autora do 'mãe geek' sobre a religião espírita, na revista superinteressante. e não vejo a relação entre autora de blog que incentiva o consumo de bagulhos tecnológicos e faz propaganda da apple (empresa que vai na contramão do progressismo porque fechar toda sua tecnologia justamente num momento em a internet tem papel crucial para a independencia da informação de grandes empresas é o ultimo suspiro do conservadorismo), que você chama de feminista, e, o marido, que escreveu um livro cretino, superficial e mentiroso. aproveita e dá uma lidinha no link que a AHB gentilmente postou. um abraço.
e viuvinhas dos trolls: não chorem. tenho certeza que a autora do blog, bem como grande parte das comentaristas preferem menos comentários, se isso significa elevar o nível do debate.

Cora disse...

quanto à vasectomia, acho ótimo. quanto menos esse pessoal sem empatia pelos outros se reproduzir, melhor.

filhos devem (deveriam) ser desejados e planejados.

sem contar que filhos, definitivamente, não são para todos.

claro que as razões dele são lamentáveis e revelam todo seu preconceito, vaidade e egolatria. nem passou pela cabeça da família orientar o garotão no sentido do respeito e da responsabilidade, né?

(só espero que ele não se recuse a usar camisinha!!)

mas, se o cara tem uma visão tacanha e preconceituosa de sexo, da mulher e da paternidade, melhor mesmo não ter filhos. nunca.

engraçado é que esta opção não está disponível para as mulheres. médicos se recusam a fazer laqueadura tubária em mulheres tão jovens (com ou sem filhos).

será que com (muito) dinheiro uma mulher conseguiria a esterilização definitiva aos 20 anos?

eu penso que a opção pela esterilização definitiva deveria ser acessível a todos.

Áliston Rafael disse...

Olá Lola, acompanho o seu blog já faz um tempinho. Gosto dos temas abordados.
Você sabia que uma americana (eu acho)vai lançar um livro “O feminismo é a pior coisa que já aconteceu às mulheres”? Vi no facebook, um site antifemista("mulherescontraofeminismo" é o nome dele)chegando até a enumerar alguns pontos principais. Qual a sua opinião em relação a esse livro? E esse tipo de site? Será que valeria um post este tema?

Até.

Mauro Bartolomeu disse...

Lola, peço permissão para postar seu texto no blog recém-lançado Desponderando (www.desponderando.blogspot.com.br). Abraço!

Anônimo disse...

cora, depois que mandei meu comentário, pensei exatamente o que vc falou. menos gente assim no mundo.

meu medo é de esse cara sair passando hpv e afins pra mulheres bobinhas que caiam no papo dele...

lola aronovich disse...

Mauro, parabéns pelo blog recém-lançado. Mas não gosto quando colocam um texto inteiro meu em outro blog. Peço que vc coloque apenas 2 ou 3 dos primeiros parágrafos do post e depois um aviso do tipo "Continue lendo aqui", com um link pro meu post. Pode ser? Obrigada.


Aliston, sempre teve e sempre vai ter mulher anti-feminista. É a vida, né? Assim como tem negro anti-ativismo negro, gay anti-ativismo gay etc etc. Quase sempre são pessoas muito conservadoras, de direita, muitas vezes religiosas, que veem com maus olhos qualquer mudança e qualquer mobilização social. Não acho que valha a pena destacar esse tipo de blog. No caso de blogs de mulheres anti-feministas, são blogs com poucas visitas, pouca repercussão, que vão se aliar com blogs mascus da pior espécie, blogs que por sua vez irão desprezar essas mulheres apenas por serem mulheres. Enfim, cada um faz a escolha que quer.

Anônimo disse...

Muito obrigado por me ler e me ensinar mais! Afinal aprender é a razão da minha existência! Realmente o brasil tem potencial, o problema é nossa mídia/política, eu não defendo direita, nem esquerda ,nem centro, na verdade ,não achei um sistema político que me agrade até hoje! Para mim as pessoas são muito positivistas! Eu sempre defendi a justiça, só pq é o certo! Eu discordo de vc lola apenas em 2 pontos uma é no fato de a esquerda ser melhor que a direita(pra mim é tudo farinha do mesmo saco ,meu pai é esquerda e machista e minha mãe direita feminista,e estranho mas é assim) . Já a segunda coisa que (que não sei bem descrever) e aquilo do gosto vs cultura ... eu concordo plenamente que cultura é algo difícil de avaliar, mas cultura de massas, como o funck e esse programa do bial são lixo! e esse meu ponto! se eu estiver falando besteira, por favor me fale, afinal como já disse eu vivo pra aprender!
quanto a descendente de alemães saiba que eu perdôo vcs por completo! mas oque me irrita são pessoas que falam para perduar a igreja dizendo "a igreja e uma instituição humana e cometeu erros e já se desculpou" mas essas mesmas pessoas não perdoam a Alemanha embora a igreja tenha matado 100X mais! sinto por seu sofrimento! e pelo q bial faz... mas eu tenho vergonha mesmo e de ser humano... uma raça que se mata se estupra e se tortura!

Ass Arthu nerd e fan da Lola

Anne disse...

Também tenho um exemplar desse livro. Presente de aniversário do meu marido que levou-me a livraria e me deixou escolher o livro que quisesse. Gostei da capa, achei que que valia a pena ler um outro ponto de vista. Não consegui terminar de ler por que é meio revoltante.
E, os 10 segundos que vi do programa era sobre o clip do pagodeiro que esqueci o nome, aquele clip machista e racista....bem,pareceu-me que os convidados do programa não viram nada de mais.

Bruxinha disse...

@Cora e anonimo.
Vcs têm razão quanto à vasectomia. Melhor então quem nem tenha filhos.

Agora se o pai milionário dele tivesse a mesma ideia, talvez o filhote nem tivesse nascido, né?
Pq ele já era riquíssimo qdo se envolveu com a mãe, que, pelo menos numa análise inicial tinha bem o perfil que agora eles pretendem evitar.

Era uma moça sem grandes projeções artísticas, que alçou visibilidade usando da beleza e da sensualidade. Exatamente como grande parte das garotas que são tachadas de "aproveitadoras" pelos machistas de plantão.

Variando um pouco o assunto,mas sem fugir muito do tema, queria um post da Lola sobre a esterilização feminina. Eu mesma pedi muito pra que na minha cesárea a médica fizesse, pq não quero engravidar novamente e puxa, detesto anticoncepcionais. E mesmo já tendo mais de 30 anos e com a opinião bem formada, não consegui que a minha GO atendesse meu rogo.

Isso porque existe grande fiscalização sobre os médicos para que os procedimentos não sejam realizados em conjunto (lógico que existem os que fazem).

A lei 9.263 exige uns requisitos complicados olhem só:
Art. 10. Somente é permitida a esterilização voluntária nas seguintes situações: (Artigo vetado e mantido pelo Congresso Nacional - Mensagem nº 928, de 19.8.1997)

I - em homens e mulheres com capacidade civil plena e maiores de vinte e cinco anos de idade ou, pelo menos, com dois filhos vivos, desde que observado o prazo mínimo de sessenta dias entre a manifestação da vontade e o ato cirúrgico, período no qual será propiciado à pessoa interessada acesso a serviço de regulação da fecundidade, incluindo aconselhamento por equipe multidisciplinar, visando desencorajar a esterilização precoce;

II - risco à vida ou à saúde da mulher ou do futuro concepto, testemunhado em relatório escrito e assinado por dois médicos.

§ 1º É condição para que se realize a esterilização o registro de expressa manifestação da vontade em documento escrito e firmado, após a informação a respeito dos riscos da cirurgia, possíveis efeitos colaterais, dificuldades de sua reversão e opções de contracepção reversíveis existentes.

§ 2º É vedada a esterilização cirúrgica em mulher durante os períodos de parto ou aborto, exceto nos casos de comprovada necessidade, por cesarianas sucessivas anteriores.

Bora debater?

Lenna disse...

Isso é obra daquele Instituto Millenium, Think Tank reaça/neolibelê do qual Bial é um dos fundadores junto com os outros grandões da mídia. No próprio site deles eles dizem utilizar dos seus meios de comunicação pra disseminar suas ideias bizonhentas:
http://www.imil.org.br/

Cora disse...

Bruxinha,

Não gosto de alimentar estereótipos. Ela era uma pessoa da mídia, como tantas outras e outros.

Não importa muito como sejam as mulheres. Para esse tipo de pessoa, as mulheres serão sempre aproveitadoras. É assim que veem, é assim que ensinam seus filhos a verem. E pior, é assim que tratam as mulheres. É assim que ensinam seus filhos a tratá-las.

Melhor não se reproduzirem mesmo.

Eu fujo de homens que dão muito importância pro automóvel que possuem. Que exibem o automóvel como um bem a ser cobiçado. Homens assim não valorizam o afeto, o respeito (não esse respeito carola e idiotizante, mas aquele respeito por outro ser humano, visto como semelhante e igualmente frágil).


**

Considero a esterilização definitiva um ato extremo, uma vez que há bons métodos que podem ser usados em conjunto pra aumentar a segurança.

Por outro lado, existem pessoas que sabem desde sempre que não foram talhadas pra maternidade/paternidade. Neste caso, por que não?

São necessárias algumas regras, não vejo problema nisso. É importante pra que a decisão seja refletida.

Mas se a pessoa está decidida, o procedimento deveria ser realizado.

O caso do rapaz foi simples (e lamentável, em minha opinião), pois o dinheiro compra até esterilização definitiva por motivo torpe, já que ele pretende ter filhos no futuro (espero que não tenha, mas ele provavelmente alugará um útero).

O motivo que ele alega deveria ser um impedimento pro procedimento, pois não parte de uma reflexão sobre o ato de trazer novas pessoas ao mundo, mas sim de vileza, egoísmo e preconceito. Mas, nem todos são capazes de ir além do próprio umbigo.

Anônimo disse...

Instituto millenium não é nada,eles ainda defendem um estado mínimo, ruim mesmo é o mises.org.br, defendem estado nenhum! Com polícia e justiça privadas

Mauro Bartolomeu disse...

Obrigado, Lola!

http://desponderando.blogspot.com.br/2012/07/lola-aronovich-desponderando.html

Carolina disse...

Não podemos esquecer Mário Sergio Cortella como outro filósofo brasileiro.

Luiz Prata disse...

No segundo programa, sobre invasão de privacidade, rolou uma enorme saia-justa. Criticava-se (apenas) os paparazzi, quando o ator Pedro Cardoso resolveu criticar também quem compra as fotos deles. E um fotógrafo presente citou as Org. Globo como grandes consumidoras desse tipo de foto, pela revista Quem e pelo site Ego.
Link pra coluna do JB a respeito: http://migre.me/9SRoe

Anônimo disse...

serio, luiz? e o pedro (cardoso) falou sobre o combate dele ao uso dos corpos dos atores? ele é super contra cenas de sexo e nudez, diz que as atrizes jovens (obvio) sao as q mais sofrem pressao dos velhos baboes diretores pra tirarem a roupa. se topam tirar a roupa, ganham o personagem, a nudez passa a ser um pre-requisito para conseguir trabalhar.

Luiz Prata disse...

Não vi o programa, anônimo, portanto não posso lhe responder. Soube da saia-justa por matérias na internet, com vídeo apenas deste momento específico que relatei.