sexta-feira, 3 de agosto de 2012

SITUAÇÕES ABSURDAS

Eu deveria estar escrevendo um post maiorzinho sobre um outro assunto, mas fiquei com preguiça. Então aproveito o excelente comentário da Letícia para tecer algumas provocações. 
E se, ao invés dos homens invisíveis no comercial da Nova Schin saírem por aí tirando o biquíni de banhistas e invadindo vestiários femininos pra bolinar mulheres, eles saíssem pra espancar velhinhos? Ou pra atear fogo em índios que eles pensassem ser mendigos? Ou pra (aproveitando a areia da praia) enterrar negros? Tudo feito com extremo bom humor, óbvio, já que a intenção da marca não é ofender ninguém! Mas e aí, a reação do pessoal dizendo “é só uma propaganda, vai encontrar uma louça pra lavar” seria igual? Ou essa reação só existe porque o comercial ataca as mulheres, e mulher foi feita pra receber desfeita?
Nosso protesto deve estar bem ruidoso, porque hoje a Nova Schin tirou o comercial do YouTube. Na quarta-feira, quando publiquei o post, o comercial não tinha muitos views, algo como apenas 14 mil (prum comercial veiculado nacionalmente há meses, é nada). E pouca gente havia votado se gostou ou não dele, mas, se não me falha a memória, havia uns 40 “gostei” pro vídeo e uns 15 “não gostei” na página do YouTube. A situação mudou bastante, devido a nossa indignação. Antes de tirar o comercial (ou situá-lo como "privativo", o que dá na mesma), havia 588 “não gostei”, contra 70 “gostei”.
A Exame também noticiou a movimentação numa matéria curta e fraca. Ela menciona o que falei ontem –- que o Conar já havia rejeitado no mês passado o pedido contra o comercial. Algumas leitoras que enviaram reclamação ao Conar receberam de volta este email: 
Prezado Sr(a). 
Sua queixa mereceu nossa melhor atenção.
O CONAR instaurou em 12/03/2012 a Representação de nº 062/12 relativa ao anúncio 'NOVA SCHIN – INVISÍVEL' , em razão de queixas de consumidores.
Apreciada a defesa do anunciante PRIMO SCHINCARIOL, a 1ª Câmara do Conselho de Ética, em sessão de 05/07 último, decidiu acolher por maioria de votos a recomendação de ARQUIVAMENTO da representação sob o fundamento que o comercial não foi considerado ofensivo à mulher, retratando uma situação absurda (alguém ficar invisível). Aliás, o personagem, ao final, é ignorado e desprezado pela modelo mulher.
Permanecemos à disposição.
Atenciosamente,
Edney Narchi
VP Executivo

Absurda é a resposta do Conar (por coincidência, o conselho que votou pelo arquivamento era só de homens). Muitas situações em comerciais são fantasiosas, ficcionais, absurdas. E nem por isso elas não passam mensagens. Vamos imaginar um comercial em que um coelho gigante andasse por bares chutando e socando casais gays (com muito bom humor!). Como a situação é absurda -– coelhos gigantes não existem, e a única espécie animal que é homofóbica é o ser humano -–, o Conar iria negar que o comercial incita violência contra os homossexuais.
Quanto ao personagem ser ignorado pela "modelo mulher" no final, já falei no último post: as mulheres no universo do comercial não desprezam o cara por ele ficar invisível, ou pela sua fantasia de ficar invisível e bolinar mulheres. A mensagem é que o único modo desse cara pegar mulher é sem o consentimento delas. Lembra uma palavrinha que começa com e e segue com s, t, u, p, r, o.
E isso de “modelo mulher” me remete a uma das besteiras mais sem noção que eu ouvi hoje: que a nova Schin não faz apologia ao estupro e que a situação não é de estupro porque as atrizes do comercial aceitaram estar lá! Gente, é sério que os problemas com interpretação de texto (qualquer texto) chegaram a esse nível?
Não sei até que ponto vale a pena insistir com um órgão corporativista e retrógrado feito o Conar, mas uma leitora, a Vivian, sugeriu uma carta. Eu já mandei. Entre no site, clique em contato, e copie na área de “mensagem” o texto da Vivian, muito completo.
A Flora pede que a Nova Schin inclua a seguinte frase em todos os veículos que o comercial estiver sendo veiculado. 

E, finalmente, porque tá tarde, um excelente vídeo em espanhol me foi recomendado por algumas leitoras. Além de terminar com a frase irônica "As coisas estão perfeitas como estão", ele explica por que publicitários não acreditam que mulher possa ser consumidora de cerveja. Ok, não de todas as cervejas. Nada de Nova Schin pra gente, meninas.
Outros blogs que não estão satisfeitos com a situação e escreveram ótimos posts a respeito da Nova Schin foram o Ativismo de Sofá, o Machismo Chato de Cada Dia, Blogueiras Feministas e a Fátima
E vamos às ruas! A Marcha Contra a Mídia Machista já está marcada para o dia 25/8, em Recife, BH, Porto Alegre, São Paulo, Campinas, Rio de Janeiro, Campo Grande e Florianópolis. Por favor, divulgue, ajude na organização da marcha na sua cidade, e participe!

139 comentários:

Marcel G. Pereira disse...

A natureza dos comerciais quase sempre é absurda. Se fosse assim a Conar nem precisaria existir !

Ana Carolina disse...

Heineken é muito melhor mesmo... (e nunca, repito, NUNCA, vi um comercial da Heineken com teor machista. Tem até esse sobre mulheres x homens que acho divertidíssimo http://www.youtube.com/watch?v=S1ZZreXEqSY )

carolinapaiva disse...

Eu não sei se é falta de competência, se é analfabetismo funcional ou se esse povo se faz de desentendido mesmo.
Essa justificativa da Conar é simplesmente absurda, ainda mais pra quem deveria entender do assunto!

Patty Kirsche disse...

Puxa, ontem eu tive um estresse com um amigo no face por conta desse comercial. Ele começou a falar de leis pra embasar que no comercial não tem estupro. Bom, eu de fato não sou da área jurídica, mas eu trabalho com o cultural. Em minha pesquisa, analiso representações de misoginia bem mais sutis que a dessa propaganda. E sinceramente, pra mim não importa como a lei é agora. O fato é que, acontece no mínimo abuso sexual no comercial. E esse comercial encoraja sim que homens molestem mulheres sem o consentimento delas. Eu fico imaginando como seria se no comercial uma mulher ficasse invisível e saísse por aí enfiando o dedo no ânus dos caras. Com muito bom humor, é claro. É só uma brincadeira! haha

Patty Kirsche disse...

Em tempo, eu também recebi essa resposta do Conar. Desculpinha esfarrapada, uh?

Luciana disse...

Lola não canso d lhe parabenizar pla sua luta q é nossa também.todas as meninas e até meninos q vêem a mobilizando merecem parabéns por não desistir diante da desanimadora atitude do Conar principalmente.li hj a noit a carta em resposta a alguém e o Conar dizia d forma patética q não há homem invisível. Ora, aquilo é simbólico, representativo e incentiva ao imaginário dos homens q se eles estão a sós se estão protegidos da visão dos outros eles podem entao dar vazão aos seus instintos,ainda q sejam criminosos! Estou mto decepcionada e há mto esta propaganda, como em geral as propagandas d cerveja, me gerava incomodo. Parabéns!

Anônimo disse...

http://sportyafros.com/random-2/monishas-minute-the-gabby-douglas-hair-controversy-unwrapped/

Lola, vc viu lá a implicância das próprias mulheres qto ao cabelo de uma atleta olímpica? inacreditável.

e obrigada por citar os blogs no final do seu post e foi através de um deles que cheguei ao link acima.

Anônimo disse...

http://pt.wikipedia.org/wiki/Schincariol

para que saibam de onde vem a força da Schincariol

Anônimo disse...

Concordo com quase tudo, achei ridicula a propaganda e mais ridiculo ainda liberarem ela passar em rede nacional. Mas fico com uma dúvida, é a seguinte: Desenhos como South Park são engraçados e têm críticas severas a sociedade, vc condena este tipo de humor? Não tenho opinião formada (sei q é possível fazer humor sendo politicamente correto) mas sei lá, acho q o movimento feminista ganha força quando não se desgruda demais da sociedade, e repudiar tudo que é politicamente incorreto é chato (eu assim como um amigo defendo e luto pela igualdade não só das mulheres como de todo grupo marginalizado, mesmo assim acho graça de humor q se refira tanto as mulheres quanto a grupos marginalizados quanto a homens , quando este não é ofendendo diretamente uma pessoa e tenha certo senso de humanidade, mas fico confuso... é uma postura contraditória?) . Desculpa por fugir ao tema (e por quaisquer outras coisas).

yulia2 disse...

a resposta do conar foi PODRE!
tem que demitir um cara desse.

Mari disse...

Mais uma vez, disse tudo!

Já fiz a minha parte e coloquei uma pequena postagem no meu blog falando a respeito desse comercial medíocre. Não tenho muitos leitores, mas vai que alguém passa por lá e vê?
Acho muito importante que cada uma de nós faça a sua parte divulgando situações absurdas assim.

Abraço, Lola e continue escrevendo!

m. disse...

Lola,

Mais uma marca que está merecendo ser boicotada é a AXE.

Segundo a propaganda no facebook deles, misturando alguns produtos da axe o cara iria "acumular mulheres"

segue o link

http://www.facebook.com/photo.php?fbid=10151724792647841&set=a.10151437157552841.390577.348888582840&type=1&theater

sem dizer que tudo mais na página deles é nojento.

É triste constatar que não há uma institucionalidade oficial que possa nos ajudar.

Vivian disse...

MARCHA CONTRA A MÍDIA MACHISTA

Mulher, você está de saco cheio de ser representada como um objeto ou como recompensa?

Homem, você está de saco cheio de ser apresentado como alguém que cede sem pensar aos seus instintos irracionais?

Vamos tomar uma atitude e demonstrar nosso descontentamento com a mídia que ainda não aprendeu que os consumidores são inteligentes!

Vem com a gente na Marcha Contra a Mídia Machista!

http://www.facebook.com/events/349891741752002/?ref=ts

Elaine Telles disse...

Achei muito legal o " baruho" que seu post fez Lola. Me fez pensar que a uniao realmente tem poder de mover as coisas do lugar. E agora, bastante feliz de a repercursao ter sido positiva, pois nos portais de noticia soh havia comentarios imbecis de homens desdenhando e negando a situacao. E claro, aproveitando para dar uma "cagadinha" em cima de todas as mulheres.
Abracos :-)

Carolina Rosf disse...

Lola, vc já viu o site do edutestosterona?? É muito absurdo e revoltante! Vc acha que dá pra gente fazer um barulho sobre isso e tal? E quem sabe até conseguir o fechamento do site?

Maria Beatriz disse...

Lola, a CONAR não está nem aí, e por isso resolvemos ir às ruas, para, além de protestar pela manutenção da campanha na TV, protestar contra a mídia machista.

A mídia que vende carros para os homens e detergentes para as mulheres. Chega de negar as conquistas e as lutas das mulheres!

Por isso, organizamos a "Marcha contra a mídia machista". O evento já foi criado: https://www.facebook.com/events/349891741752002/ , e já está sendo organizado(também em eventos do facebook) em Minas Gerais (onde eu sou a organizadora), Recife e Porto Alegre.

Nos ajude a divulgar Lolinha!
Beijos

Anônimo disse...

Há males que servem pra alguma coisa. Quanta gente nova gostando do blog nos últimos posts. Yaay!

Mateus disse...

Carolina Rosf, porque não fazer um blog detonando com os homens (hahaha eu sou um), que tanto divirta quanto cutuque? Eu acessaria! Não acompanho o Testosterona mas tem algumas coisas engraçadas lá. Pq ao invés de criar uma campanha para fechar o site (indo de encontro ao rótulo de 'feminista chata'), vc não rebate na mesma moeda, se for original aposto que fará sucesso. Ps.Por favor Lola, se puder responda a pergunta do South Park.

Luara Tanuri disse...

Lola, agradeço mais uma vez, vc faz a diferença, garota! estamos na luta e ñ é fácil, recebi a mesma ridícula resposta do conar, a schin apaga meus comentários no FB. oq fazer? se ñ fosse vc gritar, ninguém conosco, Lola!
eles são mais fortes e mais protegidos q a Prudence, por favor, ñ pare!

abraços

Nina Levy disse...

O problema do CONAR é grave. Não é apenas um comitê que não tem mulheres. TODA A DIRETORIA DO CONAR É FORMADA POR HOMENS. 8 homens, nenhuma mulher.

Enquanto for esse clube do bolinha (estou sendo boazinha, porque aquilo lá está mais para clube dos machistas privilegiados que não querem largar o osso), todas as propagandas machistas e abusivas serão vistas com bons olhos. Eles, homens que ocupam cargos de diretoria, não estão nem um pouquinho interessados em mulheres bem representadas, isso ameaça seus empregos, seus privilégios. Eles querem, em causa própria, que as mulheres sejam desmoralizadas, abusadas, aviltadas.

Eu acho que a gente tem que fazer uma campanha para que o Conar dê voz às mulheres ali dentro. Temos que sair por aí mandando cartas, fazendo barulho, pelo absurdo de um órgão de autorregulamentação da propaganda, um órgão que diz ser o suficiente para garantir ética na propaganda, não ter sequer uma mulher entre seus 8 diretores!!

Oras, eles não dizem na Missão e História deles que, dada a imensa eficiência e lisura, o governo brasileiro não precisa criar um departamento de controle para a publicidade? Mas nós, mulheres, que somos 50% da população, não somos representadas por eles.
Assim não dá. Então que o governo intervenha nisso e tire o poder dos machistas preconceituosos que nos ofendem e agridem permitindo propagandas abusivas. Se eles querem ficar no seu clubinho garantindo seus privilégios, então queremos que o governo crie o departamento de regulamentação e dê voz às mulheres.

Nina Levy disse...

Só para mostrar o machismo no CONAR, me dei ao trabalho de contar como somos representadas no Conselho de Ética:

O Presidente do Conselho é homem.
O Vice-Presidente é homem.
O Secretário é homem.
Os 7 Presidentes das Câmaras são homens. (7, todos homens)

E aí vamos aos representantes. São, no total, 155 representantes. Eles dizem que toda a sociedade está lá representada. Pois bem, são 123 homens e apenas 32 mulheres. Ou seja, 80 % de homens entre os representantes!

Somando tudo, o Conselho de Ética é formado por 133 homens e 32 mulheres. A nossa representação lá é de menos de 20%. Nenhuma das 7 Presidências de Câmara, nem a Presidência do Conselho e sequer a Vice-Presidência ou a Secretaria.

E, como eu já disse antes, 8 diretores, nenhuma mulher.

O CONAR deve ser um dos órgãos mais escancarademente machistas do Brasil.

Anônimo disse...

ahhhhhh, a schin e a devassa são do mesmo grupo. tá explicado!

Fatima disse...

Anônimo que mencionou o South Park,

Bom dia.

Há uma grande diferença entre um desenho cujo objetivo é CRITICAR (colocar como ridícula) determinada conduta e uma propaganda cujo objetivo é retratar como DESEJÁVEL (colocar como bacana) determinada conduta.

Cynthia Carreira disse...

Lola, você viu isso: http://esportes.terra.com.br/jogos-olimpicos/londres-2012/noticias/0,,OI6049226-EI19846,00-Americanos+debatem+cabelo+de+ginasta+e+irritam+Serena+Williams.html

É absurdo! Pra começar que estão usando a "velha técnica" de desvalorizar as conquistas femininas voltando o assunto para a aparência, e depois, o cabelo dela estava IGUALZINHO as das outras atletas, mas claro, como negra que é, ele não vai ficar igual ao das brancas... Racismo e misoginia em uma só ação, que beleza -.-

Anônimo disse...

Essa resposta do CONAR está patética. Se não existe homem invisível, então não é abuso nem estupro. Sua analogia com o coelhinho gigante foi perfeita.
Era melhor eles não terem respondido nada do que terem dito essa barbaridade.

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Recebi um email do Conar um pouco diferente.
Vai ver com o número de reclamações eles vão dar uma revisada ou fingir que vão fazer alguma coisa.
Tomara que seja a primeira opção.

O Conar agradece o seu contato.
Suas considerações/sugestões/dúvidas serão analisadas por nossa equipe.

Caso sua reclamação motive a abertura de um processo ético a respeito de anúncio/campanha, V.Sa. poderá ter acesso a decisão no site www.conar.org.br, onde são divulgados boletins mensais com os desfechos dos casos analisados no período.

Havendo necessidade de maiores esclarecimentos, ligue para (0xx11) 3284 8880.

Conar
Conselho Nacional de Auto-regulamentação Publicitária.

Laurinha (Mulher modernex) disse...

A reclamação que mandei foi essa, foi bem apelativa, mas quem sabe assim eles se tocam:


VEÍCULO DE COMUNICAÇÃO: Televisão
EMISSORA DE TV: Globo, Bandeirantes.
DATA TV: Há meses...
HORÁRIO TV: Horário nobre
MOTIVO: Li isso no código que vocês mesmos criaram. " Assim, diante deste princípio, nos anúncios de bebidas alcoólicas:a. eventuais apelos à sensualidade não constituirão o principal conteúdo da mensagem; modelos publicitários jamais serão tratados como objeto sexual;"Estranho. A maioria dos anúncios de cerveja trata as mulheres como objeto sexual e vocês desrespeitam o próprio código de vocês ao deixarem e ao arquivarem denúncias que explicitamente fazem isso.O comercial da Schin, além de fazer isso, ainda faz apologia a abuso sexual.Se os homens estão invisíveis e é uma situação impossível pouco importa. Aliás, é mesmo impossível? No meio de uma multidão, uma mulher nem sabe quem pode estar apalpando, tentando tirar a roupa dela contra a vontade. E na propaganda vocês mostram a situação de homens fazendo isso com mulheres como piada, como coisa banal e um monte de homens assistindo e morrendo de rir.Provavelmente nesse conselho só tem homens, vocês não correm o risco de pa
ssar por isso, mas pensem nas filhas, mães, esposas, irmãs de vocês. Pelo jeito temos que apelar pra isso, já que parece que homens, por não passarem por certas situações que a gente passa, muitas vezes não tem empatia e está parecendo ser o caso de vocês.

Anônimo disse...

"repudiar tudo que é politicamente incorreto é chato"

Já repararam que esse é o único argumento de quem defende esse tipo de coisa.
Então tá, se a questão é debater chatice, chato é nós mulheres aguentarmos piadas, estereótipos, o tempo todo, a respeito de situações que nos inferiorizam, humilham, violentam.
A nossa situação é muito mais "chata" que a de vocês. Ser o alvo da piada depreciativa é muito chato.
Pronto, cambada de chatos?

Anônimo disse...

Fátima. Obrigado (eu sei q a propaganda é nojenta tanto q escrevi lá), mas realmente tava com essa duvida. Obrigado mesmo

Anônimo disse...

"Carolina Rosf, porque não fazer um blog detonando com os homens (hahaha eu sou um), que tanto divirta quanto cutuque? Eu acessaria! Não acompanho o Testosterona mas tem algumas coisas engraçadas lá."

Não sou a Carolina, mas posso responder? Porque o nosso objetivo é fazer com que mulheres comecem a ser realmente respeitadas em nossa cultura, não é promover uma guerrinha dos sexos infantil que não vai levar a nada e da qual ainda vamos sair perdendo, afinal são pelo menos dez mil anos de textos, ditados, leis antigas, piadas, comportamentos, nos inferiorizando.

Anônimo disse...

"Há uma grande diferença entre um desenho cujo objetivo é CRITICAR (colocar como ridícula) determinada conduta e uma propaganda cujo objetivo é retratar como DESEJÁVEL (colocar como bacana) determinada conduta."

Me lembrei que lá no começo, o objetivo do Programa Pânico parecia ser ridicularizar programas de auditório que colocam mulheres seminuas, com pouco ou nenhum contexto, só pra tentar chamar a atenção e distrair do conteúdo ruim do programa.
Só tinha a "mulher samambaia" (o nome já era uma piada) e ela era mostrada raramente e sem aqueles closes ginecológicos...
Depois pararam de fazer a piada, deixaram de ser originais, começaram a fazer o que os outros fazem e ainda de forma mais apelativa.

Anônimo disse...

Bom dia Lola

Muito feliz por ler isso no sábado logo pela manhã

Não vamos deixar essas propagandas machistas proliferarem

Parabéns a vc pela iniciativa e a todos que não aceitam essas propagandas que incitam o estupro


Bjos

Lana

lala disse...

Já mandei minha denúncia ao CONAR... (2x, achei ridículo aquele campo de denúncia, seria mais eficiente um campo como o de contatos, mas talvez a intenção não seja receber denúncias, né?)
Vamos ver...

@Ana Carolina
Não acho que essa propaganda da Heineken seja melhor ou pior. Ela pode não fazer apologia ao crime, mas deixa claro que cerveja é um produto feito e consumido para os homens. (e... sério que as mulheres ficam assim tão estridentes ao ver o closet da amiga?! as vezes me pergunto de que mundo eu sou...)

@Anônimo das 00:10
Será que a Ivete Sangalo ainda é a garota propaganda?
Será que ela está sabendo dessa movimentação?
Será que ela vai ignorar ou prefere deixar sua marca atrelada a essa empresa mesmo assim?
Não me parece o perfil dela...
In'felizmente não estou em nenhuma 'mídia social'.

@Nina
Parabéns pela pesquisa e por nos trazer esses dados!
Só lembrando que o problema não é só ter menos de 20% de representatividade feminina, mas tb das mulheres lá serem tão ou mais machistas que os homens (lembro-me que alguém comentou sobre o repúdio em ver mulheres se arrastando para entrar nos clube do bolinha da vida...).

Lola, apesar das discussões que a leitura do seu blog causa com meu marido (e ele é filósofo, dá pra imaginar os perrengues que eu passo, né?), gosto muito de vir aqui, ler seus textos e refletir.
Gostaria que os outros (assim como meu marido) pudessem entender que o feminismo atual não é "tomar partido" de um ou de outro lado, e sim lutar por uma sociedade mais justa para os dois lados.

Aprendi com minha mãe que humor não é rir da desgraça alheia (ela nunca gostou das Videocassetadas do Faustão, por exemplo).O mundo deve ser muito triste para aqueles que não sabem fazer humor de outra forma, para quem se nivela por baixo e acha graça do sofrimento do outro ser maior/mais recorrente que o seu.

No mais, acho que para esses que vem aqui falar que "é só uma propaganda" seria bom dar uma lidinha no blog Shoujo Café, no post/resenha que Valéria faz sobre o livro Mockingjay. Achei um ótimo texto e mostra "a idéia de que a mídia constrói e destrói ícones".
Pensando um pouco mais, é possível perceber que a mídia trabalha não só com ícones, mais com um espectro bem mais amplo de idéias.

http://www.shoujo-cafe.com/2012/08/comentando-mockingjay-ultimo-livro-da.html

Finalizando, parabéns pela iniciativa da "Marcha contra a mídia machista".
Espero que a partir desse episódio, da movimentação dos blogs, mídias socais e tb de marchas, seja criado algo como um fórum ou observatório sobre essas questões na mídia.
Agindo com bom-senso dos dois lados e sem radicalismo, não acredito que tenha como ir ao encontro do rótulo de 'feminista chata'.

Patty Kirsche disse...

Para m.: Também acho as propagandas de Axe um tremendo desrespeito às mulheres... meu prof. de marketing até fez uma piada qdo perguntei sobre isso em aula. Ele falou: "o público alvo de Axe é aquele cara que anda com o carro tocando som alto... pelas risadas, nenhuma garota daqui vai querer um cara desses... eles nem vão se reproduzir mais, é seleção natural". Mas, bom humor de meu prof a parte, são propagandas muito machistas.

Anônimo disse...

Hm... só uma dúvida:

Foram feitas cerca de 300 denúncias contra a propaganda da Bombril que 'falava mal' dos homens no CONAR.

Quantas denúncias já foram feitas do comercial da Schin?!
(lembrando que desde antes de março - data do resultado da primeira representação contra essa propaganda no CONAR - está rolando denúncias)

Felipe, o Barba disse...

Essa moça argentina tem uns vídeos muito bons... Interessante ver que lá se repetem os mesmos machismos que a gente vê aqui, pena que os humoristas de lá ainda não se repetem aqui...

Ana Carolina disse...

@lala:

Vejo o comercial exatamente como uma brincadeira/ridicularização com um estereótipo, ou melhor, com dois, para ambos os gêneros.

Gabi disse...

Por falar em mídia machista vc já viu o tumblr jornalismo punheteiro?

Anônimo disse...

"Caro CONAR, ao contrário do que "você" disse, ser invisível não é "absurdo". No mundo contemporâneo, apenas homens brancos e héteros não são invisíveis. O número de gays, negros e mulheres (se forem lésbicas e negras, estão praticamente perdidas) invisíveis é larguíssimo há anos.

Atenciosamente,
Feministas, Grupos Anti-Racismo e Anti-Homofobia"


Luisa Lima

lala disse...

@Ana Carolina

Compreendo a utilização dos estereótipo, o que questiono é que ainda assim, fazendo-se uso de uma brincadeira/ridicularização, a mensagem passada é que mulheres ficam conversando sobre futilidades com as amigas enquanto os homens bebem...

Gabriele Albuquerque Silva disse...

Esse Conar perdeu o meu respeito desde o que eles fizeram com o Instituto Alana. Para quem não conhece, o Instituto Alana faz um grande trabalho contra o consumismo infantil, e frequentemente faz denúncias de comerciais abusivos às crianças. Acontece que, em uma das denúcias feitas sobre um comercial do McDonalds, o Conar respondeu com um parecer ABSURDO, em que ridicularizava o I. Alana, chamando o de "Bruxa Alana, que odeia criancinhas", entre outras coisas. Para quem duvida, o parecer pode ser lido aqui http://www.alana.org.br/banco_arquivos/arquivos/docs/acoes/Mc%20Lanche%20Feliz%20Rio/Documento1.pdf (pág. 4)
Esse Conar é regido por um bando de idiotas.

João Oitavén disse...

Acho que vou deixar uma mensagem à agência "Leo Burnett Tailor Made" na sua página do Facebook agradecendo pela "maravilhosa" campanha publicitária.

Anônimo disse...

"Porque o nosso objetivo é fazer com que mulheres comecem a ser realmente respeitadas em nossa cultura, não é promover uma guerrinha dos sexos infantil que não vai levar a nada e da qual ainda vamos sair perdendo, afinal são pelo menos dez mil anos de textos, ditados, leis antigas, piadas, comportamentos, nos inferiorizando."

(Novamente reforço que abominei a propaganda da Nova Schin e que o q escrevo é relacionado mais a temática do q ao post da lola). Desculpa mas não é guerrinha dos sexos, é levar a situação com bom humor (não é do dia pra noite que a sociedade deixará de ser machista). Essa rigidez de pensamento me incomoda (pq não faço parte e pra mim restringe muitos a entrar na luta com vcs). Eu busco uma sociedade sem que qualquer grupo seja oprimido, mas temos realmente de censurar tudo? Não é melhor fazer as pessoas pensarem? Utilizar um espaço tanto para fazer humor quanto para ver a situação com outros olhos, para que essa mudança seja mais rápida? E não acredito em sair perdendo, vcs são mais capazes que nos em quase tudo, porque não nisto? (para mim o caminho é abrir os olhos de cada vez mais gente, e não censurar tudo)

bruna disse...

Oi Lola!!
Uma boa iniciativa na Bélgica:

Hoje na aula de francês a professora mostrou uma reportagem de uma estudante de cinema belga, que fez um documentário gravando todas as ofensas que ela tem que aguentar todos os dias no seu quartier.
Esse vídeo criou muita polêmica por lé e agora, devido à esse trabalho foi criada uma lei em Bruxelas que começa a valer em setembro visando processar os agressores com multas administrativas em caso de insultos. Já é um começo!!
É claro, dois rapazes da classe disseram que isso é um exagero, durante a discussão sobre o assunto na classe!! E que eles não fazem a mesma coisa, mas acham engraçado...

Bom, o nome do documentário é "Femmes de rue", não encontrei completo em nenhum lugar, apenas uma pequena parte :

http://www.youtube.com/watch?v=YVXc2o5shto

Um abraço!!
Bruna

Anônimo disse...

"Já repararam que esse é o único argumento de quem defende esse tipo de coisa.Então tá, se a questão é debater chatice, chato é nós mulheres aguentarmos piadas, estereótipos, o tempo todo, a respeito de situações que nos inferiorizam, humilham, violentam.
A nossa situação é muito mais "chata" que a de vocês."

Leia de coração aberto:
Não gostei de ser igualado aos trolls machistas q aparecem aki. Parece que vc não entendeu o que eu disse. Não estou falando do comercial. Estou falando que existe humor que brinca com essas situações e consegue não só fazer rir como ver a situação com outros olhos. A questão que coloco é a seguinte, eu aprendi a achar graça de desenhos como South Park e continuo achando, tbm acho que algumas piadas do edutestosterona são engraçadas, e essa é a natureza que construi não têm como muda-la. Outra coisa que construi foi o respeito e a busca da igualdade, simplesmente pq é desumano, injusto e irracional oprimir qualquer grupo de pessoas. Ainda tenho medo da minha postura ser contraditória (cada vez menos), mas prefiro agir assim, por bem ou por mal acho graça de muita coisa. Acho também que a vida é muito bonita para se levar tudo a sério, a mudança pode vir por outros meios que não seja esse rigoroso discurso do "politicamente correto" que já vi alguns adotarem. Como coloquei na ultima resposta, mais do que censurar é fazer pensar. Acho que a atuação das feministas deveria se pautar na mudança, e toda mudança é gradual, ainda vai haver uma geração que não ache graça alguma no testosterona mas não é a nossa nem a proxima, como ainda está longe o cenário a se trabalhar é, infelizmente, este. A unica coisa q não quero é ser falso comigo mesmo. Indico o texto Tsvako: http://www.revistabula.com/posts/colunistas/vadias-putas-e-a-liberdade-da-mulher

carolinapaiva disse...

Anônimo 14:58

Você se engana quando fala que fazemos uma patrulha do politicamente correto. A piada tem um contexto, esse contexto pode ser transgressor (quando adiciona um elemento inusitado ou crítico), ou pode reforçar os preconceitos da sociedade (vide piadas que afirmar que grupos discriminados são inferiores).
Nem toda piada com minorias reforça os preconceitos da sociedade, pois ela pode ter um caráter crítico (como South Park). Veja que o problema não é a piada "politicamente incorreta", mas sim a mania que as pessoas tem de confundir piadas velhas, que só reforçam preconceitos, com genialidade e inovação.
O que eu percebo na sociedade é a Cartilha do Politicamente Incorreto, onde o humor perdeu sua característica principal e virou apenas a repetição de velhos e ultrapassados paradigmas, nada a ver com o humor de South Park (principalmente o das primeiras temporadas).
Dica: o humorista Jon Lajoie é um exemplo de humor "politicamente incorreto" e interessante, nada a ver com Rafinhas Bastos e Danilos Gentilis da vida.

Anônimo disse...

não disse que fazem carolina, disse que já vi gente assim (não aqui no site). E concordo com tudo o que colocou.

Anônimo disse...

E obrigado Carolina, me fez ver algumas coisas com outros olhos.

Ana disse...

@14:37
"Não é melhor fazer as pessoas pensarem? Utilizar um espaço tanto para fazer humor quanto para ver a situação com outros olhos, para que essa mudança seja mais rápida? E não acredito em sair perdendo, vcs são mais capazes que nos em quase tudo, porque não nisto? (para mim o caminho é abrir os olhos de cada vez mais gente, e não censurar tudo)"

Oi pessoa, teu discurso é fantástico, mesmo.

Mas vamos lembrar que a última coisa que propaganda da Schin faz é estimular as pessoas a pensar. Pelo contrário, a propaganda está a serviço do status quo.

Sei que abominas o vídeo. Só quis ressaltar pra todos que nossa reação está, sim, dentro da tua idéia. Porque não estamos contra o humor, ou contra o questionamento irreverente - A propaganda não é nem um nem outro.

Ah e discordo da parte em somos mais capazes que vocês em quase tudo, e discordo de maneira ferrenha. Qualquer ligação entre competência e gênero é idiota, né? :)

@Patty
"o público alvo de Axe é aquele cara que anda com o carro tocando som alto... pelas risadas, nenhuma garota daqui vai querer um cara desses... eles nem vão se reproduzir mais, é seleção natural"

Kkkkkkkkkkkk ta aí um humor que faz chacota com quem merece.

Não, pessoas, não me refiro aos caras do som alto; me refiro ao público machista das propagandas machistas.

Esses caras (e garotas, claro!!!) machistas ajudam a perpetuar a idéia de que machismo vende deviam ser o verdadeiro alvo das piadas.

Porque aí sim, é humor a serviço de mudança pra melhor.

Andre disse...

Lola, realmente muito bem colocada a argumentação da Leticia, fiquei pensando por um momento se não é a mesma coisa que o comercial da Schin. E achei que não.
Bom, deve existir uma escala de indignação segundo o grau da violência aplicada, e agredir velhinhos, queimar mendigos etc, é algo muito mais inaceitável do que passar a mão.
Não que este último seja aceitável, não, pelo contrário, fui vítima de uma "apalpada" de um gay numa balada e minha primeira reação foi dar uma cotovelada, depois xinguei o cara e saí de perto, por 2 razões: eu poderia ser expulso do lugar por briga, e isto nunca me aconteceu; e o gay poderia fazer um escâdalo dizendo que foi homofobia. Mas entendo a situação das mulheres, é extremamente revoltante, e dá na hora uma vontade de arrebentar com a pessoa. Mas não dei queixa do cara, não chega perto de uma situação de agressão como é o exemplo dos velhinhos, do indio, do negro.
A sugestão daquela outra (n~~ao lembro o nome) achei bem interessante e aplicável, dizer como num aviso de cigarro que apalpar mulheres é crime, seria um pindgo de consideração da cervejaria.
No mais, não creio que o comercial seria retirado do ar apenas pela pressao de vocês, simplesmente porque vocês não são o público alvo, o público a quem se destina nem deve acessar a internet direito, veja só os "gostei" no Youtube, apenas 70 antes da campanha contra.
Se o público alvo se manifestasse, a marca seria atingida, e certamente quem bolou e aprovou este comercial deve ter feito algum comentário do tipo: as feministas vão ficar uma fera!
O único jeito de tirar creio que seria o meio legal, mas o conar já deu carta branca, então sobra o ministério público.
Vivemos numa sociedade sexista, e isto ainda não é crime, vemos propagandas sexistas as vezes sem precebermos, um exemplo: comercial das Havaianas, que por vezes mostrava homens sarados só de sunga para vender chinelo! Tem até um pouco mais de contexto que o da Schin, mas não deixa de ser sexista.
E reiterando, acho demasiado considerar incentivo ao estupro, creio que se a manifestação seguisse o rumo de "denegrir a mulher" ou de"incentivo ao abuso" seria mais realista e mais ouvida.
Como disse acima, é revoltante a invasão que o comercial propaga, mas é muito diferente de estupro, que normalmente é praticado por psicopatas e a pena são 8 anos de cadeia. Não dá pra colocar esta brincadeira estúpida mostrada no comercial na mesma panela de um terrível crime hediondo.

Carol disse...

O Conar só veta queixas de outros anunciantes, quase nunca de civil. Precisamos arrumar um jeito de chamar a atenção e colocar a credibilidade do Conar em xeque. Sem isso não vamos conseguir justiça tão cedo.

Pili disse...

A medida que a gente cresce e vai lidando com os outros, com os direitos dos outros, com normas, punições e limites, a gente vai internalizando certas condutas. A maioria de nós já na idade da adolescencia não precisa mais de alguém vigiando o tempo todo pra tomar atitudes simples como respeitar os objetos do colega, procurar uma lata de lixo, etc. A gente conseguiu aprender através de muitos exemplos, algumas punições, e uma série de motivos lógicos que jogar o lixo no chão é ruim para todos que nos cercam inclusive para nós mesmos.
Bom, pra algumas crianças esse aprendizado foi fraco. E não adianta achar que o tempo sozinho faz a criança amadurecer. Ela cresce, fica um adolescente grande e as vezes forte, que simplesmente não sabe quais são as atitudes certas a se tomar. São pessoas que não internalizaram a norma. Que desconhecem os limites e não sabem viver em grupo.
Então como essas pessoas vão aprender? Descobrindo por elas mesmas. Como? Testando! Cometendo as atitudes erradas justamente pra provocar o limite, pra questionar por que o limite é assim e não é de outro jeito, qual é a força do limite e sua importância. Repetitivamente!
O nome dessa figura é o delinquente. E ele vai abusar da sua paciencia.
Podem ser crianças mimadas, que sempre tiveram todos seus desejos satisfeitos, cujos responsaveis nunca impuseram limites, que vão crescer sem saber lidar com a palavra não. Achando que estão acima da lei. Achando que a lei não os alcança. Achando que são...invisiveis à norma.
Podem também ser crianças que viveram situaçoes difícies com familiares irresponsáveis ou as vezes violentos, e que, desde cedo, começarão a negar a autoridade desses adultos e, portanto, os limites que eles botaram.
Ou seja, tendo maior ou menor grau de instrução, maiores ou menores privações socioeconomicas, os adolescentes e jovens adultos delinquentes tem uma coisa em comum: quem personificou a função educadora em suas vidas foi ausente.
Quem trabalha com pessoas dentro desse padrão (eu trabalhei por dois anos) precisa de sólida preparação.
Sem isso é muito natural que a sua paciencia acabe antes que a deles. Afinal, o ponto central do ato delinqüente é justamente testar o limite. Mesmo que isso signifique CHAMAR O LIMITE.

Deixo vocês com uma cena de dogville, onde o menino perturba o bebê para insistir que sua babá o castigue fisicamente.
Depois o menino usa isso contra ela perante sua mãe. Atentem para a frase:
"The fact is, I wouldn't have any respect for you if you wouldn't give me a spanking."
(na verdade, eu não teria nenhum respeito por você se você não me desse uma surra)
http://www.youtube.com/watch?v=wlhtHcN0wo8

Se os publicitários e o proprio CONAR estão fazendo um jogo de paciencia, a melhor solução é não perder a paciencia.

Anônimo disse...

O artigo no UOL está bombando. Sr Fábio de vento em popa.

http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2012/08/02/internautas-protestam-contra-propaganda-da-nova-schin-e-dizem-que-peca-incentiva-violencia-sexual-contra-mulher.htm

Anônimo disse...

Uma imagem sobre esse caso foi publicado numa página no Facebook.
Muita gente comentou,em sua maioria homens que não entenderam nada e ficaram comentando aquele mimimimi todo que a gente já conhece:
"quanto drama...(com 6 curtidas)
"Que falta do que fazer essa "campanha""
"Apologia ao estupro onde?"(com 3 curtidas)
"vai protesta contra o demostenes seus animais! ficam reclamando de uma propaganda que fez um humor pastelao, e assistem american pie e filmes do tipo e dao risada.... hipocritas"(com 4 curtidas)
"Greves nas universidades do país, violência alarmante por toda parte, seca no nordeste, e vão fazer barulho por um comercial de cerveja que não tem NADA do que dizem? Lamentável que existam pessoas assim. =\"(6 curtidas)
"Que bobeira vi o comercial e não passa de uma piada, as pessoas ficam procurando pontas para achar bate boca!!! É apenas humor... vão se preocupar com algo importante.."
Entre outras abobrinhas,mas o pior foi este comentário feito por uma mulher:
"Eu sou mulher, publicitária e possuidora de senso de humor... acho uma palhaçada o estardalhaço que estão fazendo por causa de uma campanha publicitária boba, e que não tem nada de mais. Essa propaganda não faz apologia ao estupro minha gente!
Quem se sentir ofendido por causa de alguma coisa, entra em contato com o CONAR e denuncia.
Mas melhor ainda seria levantar o bumbum da cadeira, e ir, realmente, fazer alguma coisa na vida real....e não fazer campanhazinhas pelo facebook, né?!"
Queria ver se achariam graça se os papeis fossem trocados. Imagina só um bando de machinho besta sendo acariciados por gente invisível!

EneidaMelo disse...

Olha André, eu até ia pedir que você que passou por uma situação tão desagradável como a que você escreveu, tentasse fazer um exercício de imaginação, pensando como seria se ao invés disso ter acontecido contigo uma vez, acontecesse regularmente. Com você, com seus irmãos, com seu pai, seu tio, seu primo, seus amigos, ...

Mas depois de você dizer que estupro é coisa de psicopata, eu desisto. Favor se informar melhor, porque a maioria dos estupradores são pais, irmãos, padrastos, tios, avôs, "amigos", colegas, vizinhos, etc. São pessoas comuns, até mesmo seus amigos, ...

Andre disse...

EneidaMelo,

Realmente, acho que desta vez fui simplista. É sabido que muitos estupros ocorrem entre pessoas que se conhecem, e até com familiares, me desculpe.
Psicopata é o estuprador clássico, de rua, que ataca a vítima e age com violencia. Como homem acho impossível sentir prazer nesta situação, só mesmo tendo alguma psicopatia muito grande.

Anônimo disse...

Ana, sim está dentro da ideia, eu só queria esclarecer esse ponto pq muitas vezes vi colocarem as feministas dentro desta faixa de pensamento. Sobre a questão do gênero, é idiota sim pelo fato de generalizar, mas minha experiência mostra q tem um fundinho de razão =)

Anônimo disse...

tomara que esse assunto se resolva logo e tenhamos um post que anime um pouco a gente

Fatima disse...

André,

Oi.

Eu estava discutindo exatamente essa questão (exagero de qualificar como incentivo ao estupro) no twitter. E gostaria de apresentar um outro ponto de vista.

Recentemente, em minhas pesquisas de jurisprudência, encontrei essa decisão:

http://www.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/19427850/apelacao-crime-acr-7050415-pr-0705041-5-tjpr

Se vc ler, descobrirá o seguinte: a mulher estava separada do cara, mas o cara achava que não. Daí ele a encontrou tendo relações com outra pessoa e a matou. Alegou legítima defesa da honra. Como se trata de crime doloso contra a vida, o júri julgou o absolveu, contrariando a prova dos autos.  Houve recurso e os desembargadores anularam a decisão do conselho de sentença.

[ sei que o assunto é muito charo, que direito é mto chato, peço paciência que já chego lá]

O que motivou isso (a decisão dos jurados), se o cara admitiu o crime? Simples: eles engoliram a tese da legítima defesa da honra; acharam que havia proporcionalidade entre a suposta honra de macho maculada pela suposta traição da esposa e o homicídio.

O que causou esse entendimento nos jurados? Anos e anos de reforço dos estereótipos padronizados de conduta 'homem'e 'mulher'impostos.  A idéia de que a mulher É propriedade do homem (pai, irmão, marido e filho) e que ofender esse direito de propriedade (ou querer deixar de ser propriedade) pode ser punido com a morte.

Porque contei essa estória horrorosa? Porque quero demonstrar o elo entre 'banalizar conduta' e 'incentivar crime'.

Fatima disse...

continuação...Quando você banaliza uma conduta tipificada na lei penal, uma forma de violência expurgada pela lei, você influencia o imaginário de todo o grupo social. Quando você faz como a Nova Schin e, além de banalizar a conduta, ainda a retrata como algo 'natural'e até desejável, você está dizendo para a sociedade que é bacana fazer isso com uma mulher.

Esse menoscabo com esse tipo de violência (apesar das estatísticas mostrarem que 74 % das pessoas quererem que o crime de estupro seja apenado com a pena de morte) faz com que as pessoas achem 'ah, mas isso não é estupro de verdade', ainda que a lei penal e a jurisprudência se manifeste de forma contrária.

Isso incentiva a violência (incentiva o estupro) na medida que a certeza da impunidade faça com que as pessoas achem que 'não há nada de mais'. No exemplo de uma outra comentadora aqui, perceba como a questão poderia ser vista de outro modo se a violência dos homens invisíveis tivesse como alvo índios.

Porque aqueles rapazes que queimaram o índio acharam que era um mendigo 'ah, é um mendigo, alguém cuja existência é ignorada...o que que tem de mais?. Essa mesma visão levou aqueles outros rapazes a espancarem uma empregada doméstica e usarem a desculpa 'achamos que era uma prostituta' (um ser tão vil, né? Uma prostituta...quem se importa?)

Há alguns anos atrás um amigo me mostrou um vídeo de um experimento: numa vila com varias casas, um morador tocava bateria tarde da noite. Os vizinhos iam reclamar. Repetiu a conduta várias vezes; sempre aparecia algum vizinho para reclamar.

Certa feita, ele colocou um tape (ainda usam essa palavra?) com sons de uma mulher fingindo estar sendo espancada. Ninguém apareceu.

Porque não apareceu ninguém? Porque é 'normal'.

Em outros tempos era raro um homem/marido não 'corrigir' conduta 'inadequada'da mulher/esposa, quer fosse com palavras duras, quer fosse com espancamentos. Ninguém se metia, pq ele estava no direito dele.

Fatima disse...

continuação (parte final)Certa feita, ele colocou um tape (ainda usam essa palavra?) com sons de uma mulher fingindo estar sendo espancada. Ninguém apareceu.

Porque não apareceu ninguém? Porque é 'normal'.

Em outros tempos era raro um homem/marido não 'corrigir' conduta 'inadequada'da mulher/esposa, quer fosse com palavras duras, quer fosse com espancamentos. Ninguém se metia, pq ele estava no direito dele.

Da mesma forma, é comum os homens se esfregarem nas mulheres no metrô e ninguém fazer nada. Pq isso? Pq 'não é nada de mais'.

Assim, na minha singela opinião, a propaganda da Nova Schin constitui SIM apologia ao crime; pq colabora com a cultura do estupro, pq justifica esse crime, pq ajuda o imaginário comum a entender que isso 'não tem nada de mais'dificultando assim a punição dos infratores. Lembre-se que os tribunais estaduais estão se mostrando resistentes à aplicação da Lei Maria da Penha. Pq? Pq o mundo seria masculino; pq essas coisas que fazem contra a mulher 'não tem nada de mais'.
(perdoem a prolixia)

Anônimo disse...

Polícia britânica pede desculpas por cartaz sobre estupro
http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/bbc/2012/08/03/policia-britanica-pede-desculpas-por-cartaz-sobre-estupro.htm?cpmid=cfb-noticias-mix1

Anônimo disse...

Variedades / EM COMERCIAL
Atualizado em 28.05.2012 | 14h24
Nova Schin é acusada de discriminação contra travestis

Na peça publicitária, um homem descobre que a mulher pela qual está interessado é um travesti
http://www.midianews.com.br/conteudo.php?sid=6&cid=121046

Bruno S disse...

Fico preocupado quando vejo que esse comercial da Nova Schin nem é o pior que tem por aí.

Quanto ao CONAR, por pior que ele seja, as denúncias precisam continuar a ser enviadas. Expor e pressionar o conselho é uma forma de tentar fezer dele menos inócuo.

Letícia Rodrigues disse...

"Mas melhor ainda seria levantar o bumbum da cadeira, e ir, realmente, fazer alguma coisa na vida real....e não fazer campanhazinhas pelo facebook, né?!"

Pq ela não levanta a bunda da cadeira e vai fazer alguma coisa na vida real, ao invés de ficar criticando as mesmas campanhazinhas no facebook?

Letícia Rodrigues disse...

Concordo totalmente com a Fátima: banalizar é incentivar. E a propaganda da Schin - assim como muitas outras propagandas, filmes, novelas - banaliza o abuso sexual contra a mulher. Consequentemente o incentiva.

Ana disse...

(I)
@Andre
"Não dá pra colocar esta brincadeira estúpida mostrada no comercial na mesma panela de um terrível crime hediondo."

Andre, eu vou te dizer uma coisa agressiva, não pra te ofender, mas pra te fazer pensar, pode ser?

Teu discurso de 'crime hediondo' é lindo, mas é inútil se nem um comercial você daria pra melhorar a situação das mulheres.

Ácido, eu sei.

Todo mundo acha estupro 'um crime hediondo'. E todo mundo põe a boca no mundo quando um estupro ganha repercussão.

Mas não basta se indignar contra um cara que agarrou uma garota um beco escuro. A coisa começa antes, muito, muito antes.

Qualquer ato que ponha em xeque o domínio de uma mulher sobre seu corpo deve ser combatido sem dó. Tem que haver pressão pra que essas coisas nunca aconteçam, pra que nem sequer passe pela cabeça de um sujeito uma situação dessas. É assim que se evita o 'hediondo'.

Quando casos de estupro caem na mídia, todo mundo abraça a causa. Todo mundo quer linchar, quer prisão perpétua, quer um basta.
A gente não questiona o ódio das pessoas contra abuso sexual. Não achamos que ninguém quer, de fato, que estupros aconteçam.

Mas, não é curioso que uma mulher tenha que ser BRUTALMENTE agredida pra levantar empatia? (e ainda assim sempre aparece o time do 'que roupa ela estava usando?').

Não é engraçado que as pessoas se revoltem tanto com o estupro, mas tenham tolerância com um abuso 'pequeno'?

Afinal o que é que revolta, a violação do meu direito ou a brutalidade com que essa violação acontece?

Qual o nível de agressividade a que as coisas tem que chegar pra que eu seja ouvida? Se não deixa marca, então não foi ruim?

Passar por cima da vontade de uma mulher é horrível, inadmissível, mas se for 'só um pouquinho' não faz mal?

Desculpa, eu discordo. Eu não acho que isso é suficiente. Eu não acho que tem margem pra outras pessoas colocarem a mão em mim se eu não quero.

Qualquer violação do meu direito é horrenda.
Não existe tamanho.

Se não combatemos os abusos 'pequenos', como vamos ter esperança na luta contra 'os grandes'?

(...)

Ana disse...

(II)
As pessoas veem estupro como algo muito distante da cena do banheiro, acham que comparar uma coisa com a outra é exagero. Pois bem, então estupro é horrendo e todo mundo concorda; mas se é uma passada de mão, aí 'já não é pra tanto'? Sério?

E ah é, nem se sabe o que ele fez dentro daquele banheiro. Será que ele só encostou nelas? Tirou a roupa? Agarrou à força? Bom, o que quer que tenha sido, elas saíram correndo, acho que isso dá uma pista do quanto elas gostaram.

O basta é mudar o ambiente, mudar a cabeça das pessoas, mudar o que ensinamos. Não é só dizer que um cara merece ir pro inferno DEPOIS que ele estuprou alguém, como todo mundo adora fazer (aliás, depois que estuprou "do jeito ruim" - porque dependendo de como foi aparece gente pra dizer que 'ela queria'). Isso não muda coisa nenhuma. Por incrível que pareça, muda menos que tirar um comercial do ar.

Se revoltar só com estupro 'hediondo' é dar margem pra quem o resto todo, os abusos 'menores', continuem acontecendo. A cultura de que abuso 'na medida certa' 'não é nada demais' permanece. As pessoas continuam rindo da cara de mulheres se alguém passa a mão a nelas, porque né, não é tão grave, grave mesmo é estupro e comparar as duas coisa é exagero.

O que eu entendo disso é: dane-se os direitos, dane-se o sofrimento - você não sofreu o bastante, não merece meu crédito ainda, volte quando tiver um hematoma ou coisa assim (e tem que ter acontecido no lugar certo, do jeito certo, com a roupa certa, ou foi culpa sua).

Sim, sei que não é isso que as pessoas querem fazer, mas é o que acabam fazendo.

Desculpa, não vão me convencer de que o negócio do banheiro está muito longe de um 'estupro tradicional' tão cedo. Violação agora tem medida? Direito serve pra quê então??

Além disso, não achas engraçado que as pessoas se apeguem tanto a um "mero" comercial? E esse "mero" nem é meu, é justamento do povo que está aí gritando 'é só uma propaganda'.

É insignificante, não é nada demais? Então bem, nem algo sem importância a sociedade dá pra nos deixar tranquilas?

A agência prefere comprar briga do que aproveitar pra deixar claro que repudia a violência, não é estranho isso? (sim, a gente já sabe que eles repudiam; mas então de onde vem tanta resistência pra assumir isso?)

...Só para reflexão.

Desde já me desculpo por qualquer ofensa.

Anônimo disse...

"Como coloquei na ultima resposta, mais do que censurar é fazer pensar."

Então me desculpe se te entendi errado. Também não acho que exista nada de errado com o humor que faça pensar ou o humor que tire sarro do preconceito em si, do estereótipo. No meu trabalho, minhas colegas e eu às vezes brincamos uma com a outra falando coisas do tipo "vc tá estudando demais, para com isso, vc já é bonita". Quando fazemos isso estamos debochando da piada que diz isso e em um espaço onde todas se respeitam e entendem isso.


Mas acho que vc concorda que o humor da propaganda, pelo menos, não faz pensar, apenas ri da situação do abuso, a normaliza, e pronto, não questiona nada.
Gosto de um desenho bobo como Simpsons, por exemplo, porque debocha de várias coisas, debocha de um estilo de vida da classe média americana que nós também
seguimos. Mas não consigo enxergar isso em um site como Testosterona, que não questiona nada, não debocha dos estereótipos, praticamente fala que o mundo é daquele jeito, mulheres são daquele jeito e pronto.
Pode parecer inofensivo, mas imagine milhões de adolescentes em formação crescendo com piadas misóginas o dia todo, todo dia. Não só adolescentes, adultos também. Difícil não acreditar que isso não interfira na personalidade dele e na forma como vê e trata mulheres, por isso incomoda.
Abçs.

vivian disse...

Lola, ficou para dia 18 a marcha!

beijos,

Dana disse...

esta foi a resposta da conar q recebi apos denuncia: "Quem denunciou apropaganda da shin para a conar, tambem recebeu esta resposta? "Prezado Sr(a).



Sua queixa mereceu nossa melhor atenção.



O CONAR instaurou em 12/03/2012 a Representação de nº 062/12 relativa ao anúncio “NOVA SCHIN – INVISÍVEL”, em razão de queixas de consumidores.



Apreciada a defesa do anunciante PRIMO SCHINCARIOL, a 1ª Câmara do Conselho de Ética, em sessão de 05/07 último, decidiu acolher por maioria de votos a recomendação de ARQUIVAMENTO da representação sob o fundamento que o comercial não foi considerado ofensivo à mulher, retratando uma situação absurda (alguém ficar invisível). Aliás, o personagem, ao final, é ignorado e desprezado pela modelo mulher.



Permanecemos à disposição.



Atenciosamente,



Edney Narchi

VP Executivo"

Andre disse...

Colocou sua posição muito bem, e nao acho que só passar a mão nao tem importância, já disse que isso revolta.

Anônimo disse...

Lola,cada dia que passa te acho ainda mais incrível! Sem bricadeiras existem diversas propagandas machistas a do axe ,prudence,skoll,devassa ,nova skin e etc... mas pro conar não faz diferença pois não tem mulheres na diretoria ,então vamos protestar contra isso! então gente ,alguem mais topa fazer um protesto contra a falta de mulheres no conar? Afinal duvido que se 50% do conar fosse composto por mulheres eu duvido que essas propagandas ridículas seriam exibidas... Odeio doentemente as propagandas de cerveja desde o skuller( da a entender que lugar de mulher é buscando cerveja pro homen,mas nos sabemos que lugar de mulher e onde ela quizer) passando pela devassa( que vende mulher ao inves de cerveja, e pra eles MULHER NÃO É OBJETO MULHER E SER HUMANO E Não DEVEM SER VENDIDAS SOBRE HIPÓTESE ALGUMA) e chegando ao cumolo que foi a propaganda da nova skin( que faz apologia ao estupro e ainda mostra explicitamete um aval a esse tipo de atitudes ). Se todos esses absurdos fossem só na área da cervejaria tudo menos mal(afinal machismo é uma praga de qualquer jeito) mas todas as áreas tem isso! Preservativos (afinal a mulher num é um ser humano ne e nem compra e escolhe a marca do preservativo ne prudence de merda) e na área de desodorantes (axe é tão ruim que precisa mentir que atrai mulheres só pra alguem comprar,afinal mascu tambem é consumidor). mas falan sério se metade do conar fossem mulheres duvido que todas essas propagandas misoginas passariam por el*s afinal como alguém permitiria que propaganda que humilhacem a elas passasem ainda mais com as normas ao lado delas. Tenho uma proposta que tal ao invés de boicotar cada uma das marcas e cada um dos comerciais que tal boicotarmos o conar e exigimos maior participação de mulheres lá? quem concorda ,quem descorda, comentem ai! pricipalmente a lola, a ana ,a dri caldeira e a incrível yulia2!


ass arthur nerd e fan da lola

ps o nome Äs é masculino ou feminino? me socorre alguém por favor!

Hugo Leite disse...

Ótima sugestão, Lola! Enviei para o CONAR, como você sugeriu, o texto da Vívian, que está excelente. É inadmissível que esta propaganda esteja sendo veiculada há tanto tempo e, pior!, a cultura do estupro está tão profundamente enraizada no imaginário do brasileiro que ela praticamente passou despercebida até agora! Espero, sinceramente, que a Nova Schin se dê conta do grande absurdo que cometeu e tenha a hombridade de se desculpar publicamente e pensar duas vezes antes de veicular essas propagandas calhordas que reduzem a mulher a um mero objeto de prazer. Saudações cordiais!

Maria Beatriz disse...

Lola, sou a coordenadora da Marcha Contra Mídia Machista. Desculpe a confusão de datas. A data certa é dia 25/08. Assim teremos tempo para organizar direitinho as Marchas.

Já temos organizadores em: Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Campinas, Campo Grande, Porto Alegre, Recife e Florianópolis. E tende a aumentar! Obrigada por divulgar!

Um beijo

Anônimo disse...

o que me irrita nisso tudo não é que eu ACHE que é crime. ou a lola ACHAR que é crime. ou as feminazis ACHAREM que é crime. ou os mascus ACHAREM que não foi nada de mais. ou o conar ACHAR que não foi onfensivo...

o FATO é: temos UMA LEI. na lei diz:"É CRIME".

quem quiser achar pode achar o que bem entender, mas a lei tem que ser respeitada. e olha, podem dizer que não adianta nada e tal, mas acho que cada pessoa que se sentiu afetada tem, sim, que continuar gritando. essas empresas têm que se tocar que meter a mão nos outros não é brincadeira. e não é engraçado.

Anônimo disse...

acabei de ler o comentário da letícia. engraçado que eu li num livro sobre serial killers um deles falando que estuprava e matava dando a entender que mulheres não cedem, coisa assim. que tem que rolar uma sedução antes. aí tinha que ser à força.

legal, né? se os caras são esnobados, só à força. igualzinho.

Sandra disse...

Alguém já deve ter falado isso, mas essa história seria bem diferente se os tais homens invisíveis, de preferência bem afeminados, saíssem distribuindo dedadas nos outros homens da praia com bastante humor e irreverência é claro.

Isso SEQUER teria sido aprovado. Jamais sairia do papel.

Até porque homem, diferente de mulher, é ensinado desde criancinha que não pode deixar barato, que sua honra é intocável e vale até sangue pra defender a intangibilidade do brioco. Mulher, não. Mulher pode (e deve) ser decorativa, sorridente, calada e servil. Mulher pode ser molestada "com bom humor", porque nesse caso é engraçado e nada ofensivo - e ai de quem achar ofensivo, coisa de mulher na TPM, só podia ser. Já foi publicada até uma pesquisa de adoráveis cientistas de não sei onde provando que as mulheres são inerentemente desprovidas do mesmo senso de humor mangnânimo que o dos homens, vejam vocês. Se isso for verdade, AINDA BEM.

Sobre a postura do Conar, revoltante. Não que a instituição em si tenha poderes cósmicos e fenomenais dentro de uma lampadazinha, mas a postura em relação à propaganda (e o fato do board ser composto apenas por homens naquele momento) mostra bem a quantas andam as coisas na nossa publicidade. Como se precisasse, mas pensando por outro lado e nas reações "favoráveis" à peça publicitária em questão, talvez ainda tem gente que gosta de chatear a florzinha porque acha que ela não tem nem mesmo o direito de se sentir ofendida.

Fico especialmente triste quando mulheres apoiam a propaganda. Preto racista não pode, mas mulher machista, pode? Coisas que nunca entenderei.

Sandra disse...

numa vila com varias casas, um morador tocava bateria tarde da noite. Os vizinhos iam reclamar. Repetiu a conduta várias vezes; sempre aparecia algum vizinho para reclamar.

Certa feita, ele colocou um tape (ainda usam essa palavra?) com sons de uma mulher fingindo estar sendo espancada. Ninguém apareceu.

Porque não apareceu ninguém? Porque é 'normal'.


O vídeo:

http://www.youtube.com/watch?v=BW30WslahMc

Anônimo disse...

Qualquer ato que ponha em xeque o domínio de uma mulher sobre seu corpo deve ser combatido sem dó. Tem que haver pressão pra que essas coisas nunca aconteçam, pra que nem sequer passe pela cabeça de um sujeito uma situação dessas. É assim que se evita o 'hediondo'.

Concordo e exemplifico: não consigo entender na cabeça de que tipo de pessoa é aceitável, em público, tocar uma mulher contra sua vontade. Um belo dia estou em um evento de música e sinto alguém acariciar meus cabelos, olhei para trás e o sujeito abre aquele sorriso, perguntando meu nome.

Eu fiquei muito puta! Vai passar a mão na mãe, desgraça! Só que não falei isso porque a gente sabe o que acontece com moças que não acham aceitável ser tocadas contra sua vontade, elas levam copos de bebida na cara, seus braços podem ser quebrados e não custa nada fulano te perseguir na saída. Então saí de perto e torci para ele não vir atrás, e de fato não veio.

Contando isso pra uma colega de trabalho, a infeliz solta: "Ah mas pelo menos ele foi carinhoso com você". VÁ À MERDA.Não sabe falar sem por a mão? Tenho cara de fruta de banca, por um acaso? Aperta pra ver se tá madura? E ainda tem mulher que não vê problema nisso, acha que tudo bem ser a laranja do dia. Pois eu vejo problema nisso sim.

E na sequência ela ainda perguntou: "Mas ele era feio?". Não, não era fisicamente, só era horroroso por dentro.

Curioso que se a situação fosse de homem pra homem, a coisa seria auto-explicativa: levou uma passada de mão seja lá onde for, toma uma porrada. Homem tem que se defender, não deixa barato. Mulher precisa aceitar tudo e "torcer pro cara ser pelo menos, carinhoso". Tá certo isso?

Aparentemente, para muitas pessoas está sim.

Cristina disse...

Lola você já viu? a Prudence retirou o Post "Dieta do Sexo" do facebook.

Anônimo disse...

Anonimo
4 de agosto de 2012 21:55

Pois é, já tive um tempo que ria de algumas coisas do Testosterona, por isso q coloquei "algumas coisas são engraçadas" mas deve ter mais de 2 anos q não entro. Felizmente mudei demais e hoje provavelmente devo achar lá uma chatisse e um desrespeito. Não sei pq meio q defendi(agora vejo q ao estender, pra parte do testosterona, o que falei pro south park me equivoquei), mas o que vc falou é correto, a maioria, pra não dizer tudo, do q está lá só faz perpetuar essa discriminação. E no mínimo um filtro para menores deveria ser colocado.

Repensando o que falei sobre um site para cutucar os homens: Se este for uma espécie de espelho do testosterona seria fazer o que se luta contra, seria um erro sem tamanho (ia cair na guerrinha dos sexos, q vc falou, seria ridiculo - e eu dei a entender isso na 1ª msg, desculpe). Só seria interessante se fosse um site q utilizasse do humor não para machucar, mas para ver as coisas por outro ângulo.


Quanto mais me informo sobre o assunto menos vejo graça nesse "humor" testosterona; e como têm inumeras outras coisas q fazem rir pra que uma que machuca outras pessoas né? Esse post me fez ver muita coisa de um modo diferente. Tudo é questão de informação. A indignação que vc passou na outra mensagem me fez ter dimensão da dor que sentem, e me incomoda saber q vcs ainda se indignarão outras vezes por coisas tão ridiculas quanto esta propaganda. E como no texto Tsavko q indiquei, ele coloca algo como: "todos nós somos um pouco machistas, quer queiramos ou não.." E eu quero ser cada vez menos, aprendi muita coisa aqui e agradeço as pessoas que se dispuseram a responder.

Desculpe qualquer coisa a todas e todos.

Lutemos, nesse assunto e em outros, por uma sociedade melhor. Que censure o que for necessário censurar, e q crie pessoas q vejam o mundo críticamente desde cedo.

Abraços

Carolina Rosf disse...

Mateus, a resposta e simples: porque não quero ir de encontro ao rótulo de feminista que busca oprimir os homens ao invés de lutar por direitos iguais. E os posts podem ser engraçados pra uns mas tristes para outros.

Anônimo disse...

Desculpe se estiver sendo repetitiva e alguém já ter comentado, mas...da matéria da UOL:

"No vídeo, um grupo de amigos reunido num quiosque de praia observa mulheres na areia, até que um deles diz: “Já pensou se a gente fosse invisível?”. Na sequência, duas mulheres que caminham pela praia sentem que são tocadas pelas costas por pessoas ‘invisíveis’. Em outro momento da peça publicitária, algumas mulheres saem de um vestiário, invadido pelos ‘invisíveis’, sem a parte de cima do biquíni. Nessas duas cenas, as mulheres se assustam e fogem.

O trecho em que as mulheres são tocadas pelas costas é o que tem gerado maior polêmica. No Twitter, internautas afirmam que a propaganda da Nova Schin é machista e incentiva a violência sexual. “Nova Schin, sabia que vocês tão colaborando com uma coisinha chamada cultura de estupro?”, diz a internauta identificada como Fernanda Yamazato."

...............


Segundo a UOL, o trecho em que as mulheres são tocadas pelas costas é o que tem gerado maior polêmica...para eles, o nosso problema é ser tocada pelas costas. Isso é tudo o que eles viram no vídeo!!

Luci

Anelise Dias disse...

Lola, depois de ler esse post, fiquei pensando no comercial dos pôneis malditos, que, por associar a palavra "malditos" a um personagem do imaginário infantil foi investigada pelo Conar.
Lembrei também de um artigo que li uma vez no Observatório de Imprensa que fala exatamente sobre uma pesquisa que revela que, mesmo que inconscientemente, todas as imagens que vemos na televisão são rapidamente assimiladas pelo nosso cérebro e geram reações no nosso corpo. Propagandas machistas como essa, se não nos dermos conta a tempo, poderão fazer a sociedade retroceder em muitos dos avanços já conquistados pelas mulheres. O que não só é triste, como realmente preocupante.

Deixo o link do artigo pra quem se interessar: http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/mas-bah-tche-tu-nao-ves-e-ela-quem-te-ve

EneidaMelo disse...

Então, André. É por isso que estamos revoltadas.

E, segundo a nova lei, essa passada de mão, por ser ato libidinoso sem consentimento, é estupro.

Fatima disse...

Sandra,

Obrigada por compartilhar o vídeo.

Todo mundo deveria vê-lo; talvez se dessem conta do que acontece quando banalizam a violência contra a mulher.

Carla disse...

Olá, pessoal!

Sou nova aqui nos comentários.

Sobre toda essa discussão a respeito desses comerciais infames, receio que eles sejam, infelizmente, apenas a ponta do iceberg. Tenho uma dúvida que me atormenta: o que podemos fazer a respeito de todos os filmes e novelas (e são muuuitos) que, de alguma maneira, fazem apologia à violência, que possuem conteúdo claramente machista, homofóbico ou racista? Filmes como Kill Bill, só pra citar um exemplo, também teriam a capacitade de estimular um comportamento violento nas pessoas? Se sim, então esse tipo de filme também deveria ser proibido? Qual a diferença? Se alguém quiser trocar ideias sobre isso ficarei muito feliz.

Em tempo, acho que a luta contra o machismo e todas as formas de discriminação e preconceitos será eterna porque esses problemas são de natureza social, econômica e, principalmente, cultural. É algo que já está há milênios incutido na cabeça da maioria das pessoas e em todos os países. Como então combater uma forma de pensamento tão enraizada? É por isso que acredito que a nossa luta contra essas pragas deve ser constante, como um trabalho de formiguinha e não devemos desanimar nunca! Só assim teremos a chance de mudar com os nossos protestos e demais ações, se não o modo de pensar, mas pelo menos o comportamento de pessoas perturbadas como os machistas, racistas e homofóbicos que, no fim das contas, penso serem apenas pobres vítimas de seu próprio modo doentio e torpe de pensar e agir.

Abraços a tod@s e tenham um ótimo domingo. =)

Anônimo disse...

Carolina Rosf - Minha colocação foi errada, dei margem a entender algo q não queria (alem de já ter uma outra opinião agora), se der leia o comentário acima do seu. E vc está com toda razão, Testosterona 99% das vezes não acrescenta nada, só machuca vcs e sustenta esse sociedade deturpada por mais e mais tempo. Mesmo que tenha um post legal não retira o estrago que os outros fazem, por isso não deveria existir. Desculpa qualquer coisa.

Fefê disse...

Recebi a mesma resposta do Conar. Ser chamada de prezado sr(a). é a prova da inabilidade do órgão. O fim.

Ana disse...

@Andre
"nao acho que só passar a mão nao tem importância, já disse que isso revolta."

Revolta, mas é bem menos que estupro?

Pra nós não é bem assim...

@03:13
"olhei para trás e o sujeito abre aquele sorriso, perguntando meu nome."

O que dói mais é que a gente sabe que ele não tem IDÉIA do que fez, porque né, como sua colega apontou, 'ele foi carinhoso'.

A verdade é que ele não queria ofender, ou abusar, ele queria agradar. Achou que tava fazendo uma coisa boa. Provavelmente era um cara gente boa.

Mas muita gente tem dificuldade em enxergar que sim, por a mão na gente SEM PERMISSÃO é ofensivo, não importa a intenção.

Não educamos as pessoas pra reconhecer isso. Está na hora de mudar. Alguns passam a mão no cabelo, mas outros vão agarrar seu braço, roubar um beijo, e por aí vai. É tudo 'pegação', 'romantismo', 'azaração', 'elogio' - nunca algo ofensivo, nem de perto.

Problema cultural/educacional sem dúvida.

Outra coisa que me irrita muito é a dificuldade em entender um 'não'.

E ó, não é só um cara fora de si tentando forçar uma mulher a fazer sexo com ele numa madrugada sombria que não escuta a voz dela.
"Se ela diz não, pode ser sim" é senso comum. Tanto é, que eu tenho uma historinha.

Me deparei com isso pela primeira vez ainda na escola. Um carinha se interessou por mim e eu passei semanas repetindo 'não, 'não, 'não' - e ele não entendeu nunca.

Era 1º ano EM - Quer dizer, 14 anos, namorico de escola, quase de criança; e eu já não conseguia explicar pro cara que não, eu NÃO tava a fim dele.

Tentei ser bacana, tentei ser grossa, xinguei, ameacei, implorei e nada. Eu continuava dizendo que não ia rolar pq infelizmente eu não retribuía o sentimento, ele continuava na minha volta, todos os dias insistindo.

Ok, muleque imaturo e tal. Mas não é absurdo uma pessoa subitamente deixar de entender o que 'não' significa?

Atualmente existe um contexto no qual 'não' perde seu significado, o que não faz sentido nenhum. Pior de tudo é que é, como eu disse, senso comum - tá na cabeça de todo mundo desde cedo.

Com certeza alguém ensinou pro guri que 'com mulher é assim mesmo, elas não fazem sentido'.

O final da história é que tive que pedir pra um parente meu me ajudar. Machismo do feio, mulher ter que apelar pra homem vir em cavalo branco salvar, mas eu não sabia mais o que fazer! E aí claro, assim que meu primo mais velho começou a distribuir olhares negros por aí, o cara finalmente veio conversar comigo civilizadamente.

'Antes de qualquer coisa' - ele disse pra mim, envergonhado - 'aquele seu primo do 3º ano não vai fazer nada comigo, né?'

Coitado do moleque, ensinaram pra ele uma coisa que não lhe trouxe nada além de insucesso com o sexo feminino e medo de apanhar. A fórmula do 'não = sim' falhou miseravelmente; eu espero que ele tenha abandonado o raciocínio depois daquilo.

Não era ele, era o que tinham ensinado pra ele - e eu fico pasma com o quão cedo a gurizada aprende essas idéias tortas.

Dali em diante fomos grandes amigos, depois que ele me escutou, que entendeu que 'não' era 'não' e nada mais. Era um garoto bem legal, só muito mal informado (14 anos, afinal).

O que eu mais me lembro era que a situação era desesperadora - o cara parecia que não falava o mesmo idioma que eu. NADA do que eu dizia era suficiente.

Foi horrível.

Ah é, gente, acho bom deixar claro que meu primo não machucaria uma mosca. Ele não ia bater no garoto, no máximo puxar ele pra uma conversa e tentar enfiar na cabeça dele que eu não tava afim. Não resolvemos as coisas com violência na minha família :) (embora aquilo tenha sido violência psicológica, eu acho...?).

Maria Valéria disse...

Lola,

Eu AMO de coração o seu blog e acho , de verdade, que ele presta um serviço a humanidade.
Principalmente no sentido de tentar reverter esses conceitos machistas que já estão enraizados... Enfim,

Acho que melhorou MUITO depois da moderação de comentários.Pelos menos xingou e insultos gratuitos a gente nao e obrigado a ler aqui.

Mas, ao mesmo tempo, as vezes me sinto desestimulada de vir aqui.Nao me leve a mal e nada tem a ver com vc .Pelo contrario, e acho que vc tem acertado nesse sentido, de apagar posts repetitivos de machistas dizendo a mesma coisa trocentas mil vezes,
E eu me perguntando, como e que vc, Cora, Alice( comentaristas que vi aqui fazendo isso, se errei o nome de alguém me desculpem) conseguem ter paciencia de perder o tempo de vcs tentando convencer um machista de que ele ta errado,
Porque vejo vcs fazendo isso, dando argumentos validos, e o cara, em vez em abrir a cabeça, ampliar os horizontes, enfim, prefere fazer que nem o lobo da fabula do lobo e o cordeirinho do De Lá Fontaine( da outra vez falei que a fabula era do Esopo e errei, rs, corrigindo aqui);))- enfim,: se vc nao ta certo ir causa de A, ta errado por causa de B, senão, e um idiota por causa de C, ... E se precisar a pessoa vai ate o fim do alfabeto pra provar que e dona da verdade e vc um idiota,
Captou??;))
E cansei, porque nao tenho paciencia, mesmo, pra " ganhar discussão", nem quero " dar a ultima palavra".
Ate por que nao, aprender, com um ponto de vista diferente do meu, e mudar de opinião , se alguém me der um argumento valido de que o outro lado e melhor?(ex: polemica em torno do parto domiciliar, que eu era quadradinha, contra, e venho pensando, reformulando,, " talvez, se...")
Enfim, nao sei se me fiz entender aqui, e nao sei como vc e as comentaristas que mencionei acima,(. E desculpa se citei errado) conseguem ter paciencia de gastar seu latim tentando convencer gente, que nao importa o que vc diga, nao ira mudar seu ponto de vista,
A mesma lógica de vc tentar convencer um terrorista suicida de nao se explodir e levar meio mundo junto cm ele??? Enfim, ate hoje nunca vi ninguem conseguir fazer isso... Se alguém souber quem conseguir, me avisa, que dou um prêmio!!! Rsrsrs
Acho o blog super valido, e adoro as discussões sadias, mas, quando vejo que a coisa ta indo pro " quero ganhar discussão" , sinceramente, dou um tempo. Alias escrevi sobre isso no meu blog, há pouco tempo. Nao tenho paciencia pra isso..srsrrsrs!!!
O que queria te dizer aqui, e que seu blog merece ser discutido com gente que compartilha dos mesmos valores,que entende do que estamos falando,
E apagar, mesmo trocentos comentários da mesma pessoa falando a mesma coisa, dando murro em ponta de faca, etc.( evidentemente nao os seus, e das comentaristas que citei, que nao sei como agüentam ) :)) deixar um só, ou dois, beleza, mas trocentos mata qualquer pessoa com vontade de se informar ... De tédio!!!
Acho que por fim, a questão seria começar pela educação que se recebe em casa, dos pais, e se isso nao ajudar, quem sabe aulas de educação sexual nas escolas??? Porque mudar a cabeça de marmanjo de 30 ou 40 anos pra cima acho que nao iremos conseguir,
Quem sabe, ate levar o conteúdo do blog pra alguma escola, ONG, etc...??? Seria legal.;))
Enfim, essa uma critica( construtiva, ok?) e me perdoe se falei alguma bobagem.
To aqui, pra aprender, e nem entendia como esses conceitos que já estavam enraizados desde adolescente, precisam ser revertidos,;))
Beijao!!!

Anônimo disse...

Gente queria saber pq não protestar contra o conar ao inves de protestar contra cada uma das propagandas, afinal todas essas propagandas só estão ai porque o conar não respeita o próprio estatuto. Alguem mais topa protestar contra o conar? porfavor tod*s comentem isso! ou pelomenos penssem nisso!

ass arthur nerd e fan da lola

Rose disse...

De ver tanta gente disposta a desqualificar o protesto e "provando por A + B" o quão inocente e bem humorada é a mensagem da publicidade, dá pra entender porque o número de abusos sexuais vem aumentando tanto e, principalmente, porque as vítimas não denunciam os seus "amados" amigos abusadores.
OBS: O "SEUS" se refere aos defensores e não às vítimas.

lola aronovich disse...

Querida Maria Valéria, não se preocupe. Vc tem liberdade pra falar o que quiser aqui, e juro que não me ofendo. Pois é, acho que a moderação de comentários melhorou muito as discussões. Antes eu deletava os comentários ofensivos, principalmente com xingamentos a outras comentaristas. Mas até eu deletar podiam se passar longos minutos, horas até, e aí todo mundo já tinha lido (e muitos tinham respondido). Deste jeito não tem erro. Desse André chatinho e sem noção, eu descartei alguns bem agressivos. Ele deve ter notado, porque os reescreveu. E concordo contigo, às vezes o problema não é só ser agressivo, mas também repetitivo. Falar a mesma coisa em 15 comentários, quando a besteiira que o cara queria dizer podia ser dita em um ou dois. Quando o sujeito fica repetitivo, eu costumo deletar. Mas acho importante publicar comentários sem noção. E acho fantástico que tenha gente com paciência para rebatê-los. Primeiro porque pode parecer que o que a gente fala não os afeta, mas não é bem assim. Afeta! Nossas palavras têm influência. Eu recebo montes de relatos de pessoas (principalmente de homens) dizendo como no começo não concordavam com nada do que era escrito no blog e nos comentários, mas, com o tempo, foi mudando de opinião. Ainda que a pessoa não mude de opinião na hora (é muito raro alguém no meio de uma discussão dizer "é, vc tem razão"), fica uma sementinha de reflexão na cabeça dela. Eu sou muito otimista e acredito que as pessoas podem mudar. TODO MUNDO, até os trolls. Mas, claro, pros trolls pode levar um tempão.
E outra coisa: a gente tem que saber debater. Porque na vida real, longe do blog, a gente vai encontrar pessoas com comentários iguais ou piores a estes sem noção que muitas vezes eu publico aqui. Eu acho que diálogo muda as pessoas. E uma discussão não deixa de ser um diálogo.
Posts aqui do blog são usados em escolas e universidades. Alunos e professores muitas vezes me avisam. Eu fico honrada, lógico. Mas acho que o grande diferencial deste blog é mesmo a qualidade da caixa de comentários.

Anônimo disse...

Existe muito debate na net. Infelizmente, muito dele é de baixa qualidade. O propósito deste documento é explicar o básico sobre raciocínio lógico, e esperançosamente melhorar a qualidade geral do debate.
http://www.ceticos.com.br/logica.php

Rachara Caxola disse...

Olá Maria,

Sei como é chato em uma discussão alguém ficar tentando te convencer que ele está certo e nem ouve os seus argumentos.

Mas você não está tentando convence-lo de que ele está errado? ("...conseguem ter paciencia de perder o tempo de vcs tentando convencer um machista de que ele ta errado")

No final das contas, nenhum dos dois se ouvem.

Se tantos machistas tem tal comportamento é porque isso quer dizer algo. Eles estão tentando dizer algo - talvez eles nem saibam - mas no fundo eles também não estão satisfeitos. Existe uma mensagem não-verbal implicita.

Não estou dizendo que eles estão certos.

Talvez a questão esteja sendo abordada de uma forma que aquela pessoa não entende. Nós temos uma linguagem comum - mas cada pessoa tem sua peculiaridade. É necessário saber lidar com a diferença antes de exigir igualdade.

É natural do ser humano defender e sustentar seu ego. É porisso que mudanças são dificeis. Se a pessoa não passa por uma crise que a faça perceber a necessidade de uma mudança, dificilmente ela irá mudar. Muitas vezes é necessario uma crise na consciência.

Mas ninguém quer abandonar o próprio ego, não é mesmo?

Anônimo disse...

Para quem parte para sentimentos menos nobres na troca de palavras, compartilho um dizer de Epiteto, filósofo grego estóico, 55-135 dC. - "Nao é aquele que lhe diz injúrias quem ultraja você, mas sim a opiniao que você tem dele".

Andre disse...

Lola,
Vc disse que deletou uns comentários meus bem agressivos.
Na verdade só deletou um que reconheço que fui agressivo, porém usei exatamente as mesmas palavras que a outra pessoa usou.
Engraçado que ofensas que recebi não foram deletadas, como paspalhão, asno inútil, me mandaram morrer e por aí vai...
Vc tem comentaristas muito boas, vc sabe quem são, mas também tem uns que combatem com agressividade quem pensa diferente, e depois lutam pela tolerância?
Se o blog é só para pessoas que têm as mesmas opiniões, então é melhor formar um grupo fechado e só aceitar pessoas assim, caso contrário, aberto ao público, suponho que seja um espaço de debate.
Pelo que estou vendo a dialética aqui não é bem vinda.
Boa sorte com seu trabalho, peguei algumas sementinhas como vc disse, sinceramente foi útil.
E parabéns a alguns, como a Ana e o Altemir, são pessoas ponderadas.

Anônimo disse...

Perfeita a comparação da decisão -imbecil- do Conar sobre os homens serem invisiveis com uma imaginaria propaganda do coelho gigante espancando velhinhos.

Tão claro e simples, não vê quem não quer a apologia ao estupro.

Lana

Carolina Rosf disse...

Tudo bem, Mateus. Você reconhecer isso já e uma grande vitória.

yulia2 disse...

Por muito menos tiraram o comercial do bombril do ar......

agora essas excrescências como a nova schin e hope, continuam...

yulia2 disse...

Ta na hora de fazer uma FAXINA nesse conar...

Maria Valéria disse...

Lola,

Fique tranqüila, entendi o " plantar as sementes";)) que bom que avançamos em algo nesse sentido.!!!

Rachara,

E difícil mesmo abandonar o ego.
E por isso que as vezes paro de conversar, porque nao sou dona da verdade.
Se for pra ficar dois brigando, dando murro em ponta de faca, e repetindo vinte vezes a mesma coisa,.. Eu desisto, né??;)) rsrsrs
Debate e assim,: vc expõe seu ponto de vista e o outro o dele.
Vc pode aceitar o do outro,ou nao, ou ate mudar o seu, aprender algo que vc nao conhece( já aconteceu comigo;)), mas, ficar brigando e repetindo a mesma coisa nao leva a lugar algum, né;)) ??
Beijos!!!

EneidaMelo disse...

Segundo esse estudo, realizado por uma universidade britânica, pessoas têm dificuldade em distinguir frases de revistas masculinas de justificativas dadas por estupradores. "E, se lhes for dada a opção, homens tendem a concordar com os estupradores" (se não souberem previamente que o são).

http://jezebel.com/5866602/can-you-tell-the-difference-between-a-mens-magazine-and-a-rapist

É a isso que damos o nome de cultura do estupro.

Rachara Caxola disse...

Maria,

é verdade..
não leva mesmo.

as pessoas nao sabem oq estão perdendo ao sustentarem seus velhos preconceitos

Anônimo disse...

14:24 É necessário saber lidar com a diferença antes de exigir igualdade.

bastaram poucas palavras pra dizer algo inteligente e profundo.

Anônimo disse...

Yulia2 eu concordo com vc, vamos logo fazer uma faxina no conar! Falando sério, se formos reclamar de propagandas machistas 1 a 1 vai demorar uma eternidade! igualdade no conar já!


ass arthur nerd e fan da lola

Anônimo disse...

. . . A questão é que a inferiorização da mulher está tão entranhada na nossa mente, no nosso discurso, que acredito que fazemos esse tipo de coisa inconscientemente. --Eneida Melo,
15.07.2011
Inquietudes na Maresia
http://inquietudesnamaresia.blogspot.com/

Platy disse...

E ai Lola, o que você considera da parte em 2:30 dessa materia sobre cirurgia de redesignação sexual do fantastico, que no meio de comentarios tipicos da midia transfobica tentando ser legal ("troca de sexo" e "ja foi homem" ...)
http://globotv.globo.com/rede-globo/fantastico/t/edicoes/v/cada-vez-mais-pessoas-vao-para-tailandia-fazer-troca-de-sexo/2075115/
Eles falam que basicamente fala que existir muitas transexuais operadas na tailandia pode ser pq o mercado de prostituição é grande e "virar mulher" e se prostituir é uma opção facil de ganhar dinheiro?

"Sou homem cisgenero pobre a ponto do desespero. Vou zuar meu corpo comprando remedios caros e fazer uma cirurgia cara para ter uma chance facil de ganhar dinheiro como prostituta em um mercado saturado"

Vamos contar quantos machismos, transphobias e falta de pesquisa em geral podemos encontrar ?

Dayane disse...

"Vc tem comentaristas muito boas, vc sabe quem são, mas também tem uns que combatem com agressividade quem pensa diferente, e depois lutam pela tolerância?
Se o blog é só para pessoas que têm as mesmas opiniões, então é melhor formar um grupo fechado e só aceitar pessoas assim, caso contrário, aberto ao público, suponho que seja um espaço de debate.
Pelo que estou vendo a dialética aqui não é bem vinda.
Boa sorte com seu trabalho, peguei algumas sementinhas como vc disse, sinceramente foi útil.
E parabéns a alguns, como a Ana e o Altemir, são pessoas ponderadas. "

Me afastei daqui exatamente por isso, André.

lola aronovich disse...

Sobre o comentário do André, eu nem ia responder, mas como a Dayana disse que concorda com ele, vou responder. Isso de ficar chorando pelos cantos porque vc foi respondido "com agressividade" é conversa de quem acha que ativista deve ser cheirosa e limpinha. Que ativista (qualquer ativista de qualquer movimento -- negro, LGBTTT, feminista etc) deve ser uma flor de pessoa nos seus embates com pessoas preconceituosas. Tod@ ativista já ouviu isso: "Nossa, vc é muito agressiv@!". Curiosamente, a pessoa que falou a besteira que gerou essa "agressividade" NUNCA se acha agressiva.
O blog não é só para pessoas com as mesmas opiniões, tanto que vc, que certamente não tem as mesmas opiniões, postou aqui um monte de comentários (vc disse que eu só deletei um). A caixa de comentários é rica em debates, tanto que tem gente falando contigo, mesmo se essa gente tem que repetir graciosamente pela milésima vez o que já foi escrito em posts e debatido nos comentários com outras pessoas não muito inteligentes.


Agora, Dayane, vc comentou aqui durante um tempão, quando o blog não tinha moderação de comentários. Aí vc parou não porque não aguentou os trolls, mas por ter sido respondia com agressividade por comentaristas mais frequentes. Depois de uns meses vc voltou, e muita gente (eu inclusive) festejou a sua volta. Aí no primeiro embate vc vai embora de novo. Acho que tem que ter um pouquinho de casca grossa pra poder debater, sabe? Porque senão quem está se opondo ao debate não sou eu ou as comentaristas agressivas, mas quem, na primeira discordância, nega o debate.

Anônimo disse...

os trolls eram chatos pq enchiam a página da mesma coisa, geralmentee termos chulos e agressividades afins. ter casca grossa nao é caso específico para um debate principalmente qdo todos buscamos um ponto em comum, quiçá tendo que trabalhar as ideias, mas o bicho pega pq a gente mal faz um comentário e umas mesmas de sempre encontram pelo em ovo se incomodam e nao sabem debater e partem para o atirar pedras. debater é trocar ideias e aqui tem quem toma debater por atirar pedras. antes de debater as pessoas precisam aprender a usar a lógica e ou raciocínio deixando de lado as emoçoes.

Bárbara Bastos disse...

Achei ótima a iniciativa da marcha, mas acho que não deviam ter focado na mídia machista, mas na falta de regulamentação da mídia (o Conar não faz esse papel) e nos danos que isso causa a todas as minorias e às crianças. O problema é mais amplo, o desrespeito às mulheres é um dos sintomas dele. Articular as lutas daria mais força ao movimento...

Dayane disse...

Sim Lola, estou vendo isso mesmo. tenho que aprender a ter uma casaca mais grossa, para meu p´roprio bem. Não acompanhei bem os comentários do André e não sei como ocorreu,mas isso que ele disse foi pertinente. E não, não foram os trolls que me incomodaram mesmo, forma pessoas anônimas daqui que foram at´pe meu blog me xingar e falar absurdos, além de agressões gratuitas que eu e outras garotas recebemos por soimplesmente expormos opiniões diferentes e isso vc sabe que não estou mentindo. Mas estou com uma cabeça bem diferente, o tempo que passei afastada daqui me fez digerir melhor as discussões e até mesmo HOJE, vejo com muito mais clareza o que as meninas tentavam me explicar e eu pela pouca experiência, não entendia.

Mas agressividade e autoritarismo não engulo mesmo =).

Letícia Rodrigues disse...

Bárbara, eu discordo.

Primeiro pq muita gente pode querer protestar contra o machismo na mídia para promover reflexão e debate, mas não concordar com uma regulamentação da mídia. Acabam sendo causas diferentes.

Segundo que em uma marcha pela regulamentação da mídia a questão do machismo ficaria diluída. Acho importante uma marcha que tenha o machismo como foco, o que não impede a organização de outras marchas em que a luta contra o machismo seja articulada com outras causas.

Dayane disse...

E sim, concordo com vc. Preciso ser mais "firme", ou deixar as coisas mais pora lá =).Obrigada por festejar minha volta ^^.

yulia2 disse...

tem cara aqui que sofre da síndrome de rafinha bastos....

ou seja , o cara faz piadinha com estupro e com mulher grávida, fala que a propaganda apologista de abuso sexual não tem nada de mais porque tinha mulher na propaganda...aí toma uma coça bem tomada ( e merece mesmo pela sujeira que fez...) depois vai chorando nos programas de tv, vai chorar com a moderação ai ai ui ui,o meu paizinho... ai vc foi agressiva...
como isso dá nojo!
quem não aguenta brincar tem que vazar mesmo...

carolinapaiva disse...

Bárbara

Concordo. A mídia/publicidade machista deve estar em pauta, mas há muitos questionamentos importantes também, como a falta de controle nas propagandas voltadas para crianças e adolescentes, a propaganda enganosa (ainda mais com o uso "obrigatório" do photoshop e afins) e a glamourização do consumismo e da futilidade.
Porém, o que movimenta essa marcha é o modo como a mulher é retratada e este é um assunto urgente.
Creio que a mídia e a publicidade serão críticas pelo todo, mas é importante dar nome ao problema que deu início a marcha, que é o machismo nas propagandas.

Letícia Rodrigues disse...

Dayane, acho que vc pegou o bonde andando e acabou alimentando um troll sem querer.

Tudo o que o André tem feito desde o início desse debate é fingir que não entende nada do que ninguém diz, com o único objetivo de esgotar a paciência de quem quer que se preste a discutir com ele. Trata-se de um garoto de doze anos que não tem mais o que fazer - e não, não estou sendo agressiva ao dizer isso, apenas constatando os fatos.

Responde- lo é perda de tempo, e corroborar qualquer coisa que ele diga é prestar um desserviço ao debate.

Anônimo disse...

Ora Lola não precisa exagerar, não seria necessário sequer "atear fogo em mendigos", pra ofender a sociedade machista bastaria talvez trocar as mulheres desse comercial por homens e trocar os "assediadores" machões por homens gays, visivelmente afeminados, como você acha que eles lidariam se um bando de boiolas ficasse invisível pra passar a mão na bunda dos machos da praia, que invadissem o vestiário masculino pra arrancar a sunga deles ou ficar bisbilhotando o p** deles enquanto eles mijam?
-
Tenho certeza que ia deixar de ser um comercial inocente

carolinapaiva disse...

Não quero entrar em defesa de ninguém, mas não acho que o André seja troll.
Embora ele pareça um "troll debatedor" em alguns momentos, observando seus comentários por mais tempo eu cheguei a conclusão de que ele somente opina sem se informar o suficiente, o que o torna repetitivo.
Trolls que "debatem" são os mais difíceis de identificar, pois eles fingem que estão na discussão para agregar algo, mas não refutam nada com dados, ou não avaliam os dados apresentados (mascus são mestres em fazer isso e ainda posar de "irrefutáveis").
O chato disso é que quem argumenta e mostra dados acaba perdendo tempo, pois o troll ignora, ou dá uma resposta simplista em uma frase que não refuta nada e segue repetindo tudo o que já foi rebatido.
O André tem essa postura de "eu acho isso ou aquilo" ou "eu discordo disso e daquilo", mas não sustenta essas opiniões de modo a agregar algo ao debate.
É importante salientar que, se você está aqui para discordar, precisa argumentar e não só repetir ad eternum um "eu discordo" e repetir tudo o que já foi respondido. Afinal isso é chato e é técnica de troll.

Enfim, apesar de ele ter essa postura aqui em grande parte do tempo, não acho que ele seja troll por um simples motivo: infelizmente essa postura é muito comum quando discutimos feminismo com alguém "de fora" (ou então eu sou muito azarada :P).
É super desgastante tem que "se defender" de parentes e amigos que mesmo dizendo que não sabem nada do assunto e/ou não se interessam pelo assunto, ainda acham que sabem mais do que a gente e vem com aqueles clichês que já cansamos de ouvir, como se fossem os guardiões da sapiência humana: "todo ismo é ruim", "feminismo já não tem mais razão de existir", "feminismo/machismo são ruins", "um mundo feminista é um mundo onde as mulheres não são femininas", "você está exagerando", etc.
O pior é que mesmo explicando as coisas, as pessoas que assumem não saber nada do assunto ainda acham que sabem mais do que você, e ainda tentam te "salvar" do feminismo.

yulia2 disse...

''Tudo o que o André tem feito desde o início desse debate é fingir que não entende nada do que ninguém diz, com o único objetivo de esgotar a paciência de quem quer que se preste a discutir com ele''

exato, é o troll clássico....
só está aqui para tumultuar e nada mais...

fora que ele entra como anonimo para ficar
no auto elogio... patético.
BLOCK NELE

Flá Milena disse...

Gente, alguem ja viu a propaganda do desodorante Axe??
Não sei se passa na tv, mas no youtube passa toda hora e outro dia tive a infelicidade de ver até o final, sobre o cara que usa o desodorante e termina segundo o narrador ACUMULANDO MULHERES????

absolutamente cretino!
Alias, ja fazem anos que vejo a Axe fazendo propagandas absolutamente horriveis e machistas

Anônimo disse...

sou mulher e o melhor desodorante pra mim é o AXE, o que uso.

Anônimo disse...

Desodorante Axe é outro que só faz propaganda machista e ridícula, onde as mulheres são objetos colecionáveis.

yulia2 disse...

Pode cre... as propagandas do axe são escrotas ao extremo.

Anônimo disse...

Mas as vendas da Axe seguem lucrativas e começar uma guerrinha de nervos vai servir pra piadas por parte dos caras que usam Axe e de outros que vao passar a usar. Se a propaganda merece rechaço, sugiro que se mobilizem e enviem uma carta a quem de direito. Uma carta redigida por quem quer que seja, mas que passe pelo crivo de um/a advogado/a apenas para que fique 100% profissional. Depois, se vcs nao forem levadas a sério, entao sim tornem o assunto mais a público. Ou desconsiderem totalmente meu comentário e façam como de praxe.

Felipe Cardoso disse...

Quer dizer que quando inventarem a invisibilidade (já existem pesquisas no mundo todo pra isso) Então a propaganda será proibida??

Iceman disse...

Engraçado né?
Quando era a propaganda da bombril equiparando homens a cachorros, a reação foi exatamente a oposta, isto é, quando homens reclamaram, 99% das mulheres disseram que era mimimi de homem fresco e que não tinha nada demais na propaganda, era apenas humor.

lola aronovich disse...

Sabe o que é realmente engraçado, Iceman? É vc não ter a menor ideia do que acontece a sua volta, e mesmo assim sair falando coisas como se soubesse do que está falando. Primeiro que pessoas que gostam de analisar discursos (meu caso) nunca acham que um comercial ou uma piada "é apenas humor". Depois que <a href="http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2011/03/campanha-da-bombril-e-o-homem.html>eu critiquei o comercial da Bombril.</a> (acho que também tá linkado no post). E não fui a única feminista a criticá-lo. Infome-se um pouquinho antes de disparar suas certezas, Mr. Mascu.

Dayane disse...

Tbm não acho que o André seja Troll, acho na verdade que muitos homens e mulheres chegam aqui 9assi foi comigo tbm) bem desinformados, mas pensam que estão certos, pois tem uma visão rasa do feminismo e etc. Cm ainda tem uma idéia senso comum, falam inocentemente (algumas vezes, nem tds) suas opiniões sem saber que estão sendo inconvenientes. Comigo tbm foi assim!
Quando reclamei da agressividade de alguns comentários, é pq acho que isso prejudica uma pessoa que está querendo aprender, que pode começar a pensar diferente mas que se afasta por ser agredido por pessoas que "sabem mais que ele e o acham um reacionário fdp machista classemédiasofre" e blá blá blá. Ás vezes acho que é necessário mais tolerância e paciência com quem vemos nitidamente que não seb bem sobre o que está falando. Ou ás vezes até sabe, mas é uma idéia muito diferente da nossa.

carolinapaiva disse...

Dayane

Eu gosto de falar sobre feminismo, mas somente quando a pessoa puxa o assunto por estar realmente interessada.
O que é chato é que muita gente vem falar comigo de feminismo para "me salvar" do feminismo. O conceito já está formado e essas pessoas não nos ouvem.

Dayane disse...

Sim Carolina, isso é um saco mesmo!Concordo!
tem muita gente que está a fim de aprender ou até mesmo vai aprendendo sem perceber, mas tem gente que é um porre, usa cabresto, não vê nada além do que quer!

Anônimo disse...

ninguém salva ninguém de nada e nem de ninguém... salva-se quem quer se salvar e para isso é preciso enxergar a situação claramente cá dentro e lá fora.

Rodrigo disse...

Concordo com o comercial ser idiota, Concordo com a hipersexualização da mídia que vem ocorrendo a muito tempo.
Concordo que vc, Lola, tenha o direito de não gostar e achar que deva sair de veiculação

Apenas discordo do argumento que ele(comercial) "encoraja/incentiva" o estupro.

E mesmo provado que tal, assim o faz, as medidas a uma sociedade que é facilmente influenciável e "incentivada" por um simples comercial, não seria a censura e sim o ensino. infelizmente, algo utópico a nosso país.

Anônimo disse...

Gerente da Nova Schin

http://www.facebook.com/luciano.sadi

Anônimo disse...

Fiquei nervosa, quando assistir o novo comercial do axe (mulheres brigando) é chato ver o corpo da mulher sendo usado de forma vulgar.
Nós mulheres não nascemos para sermos
vulgares.Pois,temos o nosso valor.

Masky disse...

Esse post, e principalmente os comentários, me fizeram correr atrás de mais informação sobre o feminismo e mudar minha cabeça mais um tantão. enfim acho q minimamente sei debater e defender o feminismo e já to militando, tbm na causa, tem um tempo. E vcs sempre estavam certas sobre o testosterona e outras coisas, infelizmente certas coisas e práticas tem raízes q só saem depois de um tempinho... e depois de autocrítica... e depois de mais pensamento crítico. Às pessoas que me deram o toque e se dispuseram a ajudar no debate minha infinita gratidão.