quarta-feira, 5 de abril de 2017

GUEST POST: JOGO SUJO

Naílle Conceição estuda Administração mas vai em breve cursar Jornalismo na UFBA. Ela tem uma página na Obvious. No Twitter, ela sugeriu uma conexão entre o goleiro Bruno e O.J. Simpson. Pedi para que ela desenvolvesse essa ideia e ela nos presenteou com este ótimo texto.

Tragédia é a palavra de ordem. Tragédias nos unem, nos atraem, nos chocam e nos cativam. Tragédias rendem de diversas maneiras. Elas ficam salvas na memória e mesmo com o passar dos anos continuam relevantes, seja por suas circunstâncias, seja pelo modo que foram apresentadas. Ou exploradas. E explorar tragédias é o hobby preferido da mídia desde sempre. Filmes como O Abutre, Garota Exemplar e Rede de Intrigas mostram como a mídia explora os casos e manipula o público.
Nos últimos tempos, casos como Richthofen, Nardoni e Eloá se tornaram provas elementares desse comportamento, principalmente o último, um feminicídio que gerou o documentário Quem Matou Eloá para explicar os culpados. A exploração chegou ao ápice quando uma apresentadora de TV cujo programa é famoso por explorar tragédias entrevistou o sequestrador ao vivo, interrompendo as negociações com a polícia. 
Esses casos chocam, mas isso não significa que devemos continuar passivos a eles. Além do goleiro Bruno, há outro atleta famoso cujo julgamento foi o maior circo midiático da história: O. J. Simpson. Vamos então revisitar essas tragédias e de certa forma explorar o que já foi tantas vezes explorado que tende a se tornar natural. Mas não é. 
12/06/1994. Três vidas mudaram para sempre nesse dia. A de Nicole Brown Simpson, mãe divorciada de duas crianças, que tentava seguir em frente após um relacionamento abusivo, a de Ronald Lyle Goldman, jovem que trabalhava como garçom para pegar experiência que seria utilizada no sonho nunca concluído (abrir um restaurante), e a de O. J. Simpson, famoso jogador de futebol americano, astro da TV e do cinema, bonito, charmoso e carismático. 
OJ era um homem negro rico e poderoso que morava numa cidade dividida pela cor, com uma polícia racista e violenta cujos atos geraram consequências que chocam até hoje, os distúrbios de Los Angeles. Para quem não sabe, a cidade virou um campo de guerra após nove policiais brancos espancarem Rodney King, um taxista negro, simplesmente pela cor da sua pele. Eles foram julgados por um tribunal branco que os inocentou. A população negra e latina reagiu e o saldo de mortos resultou em 53. 
Homens como OJ não são raros, mas despertam curiosidade e admiração sempre que um novo surge na mídia. A clássica história do menino pobre e sem esperanças que consegue sucesso, dinheiro, comprar uma casa grande pra mãe e se torna exemplo para milhares de meninos pobres e sem esperança ao redor do mundo. Um fator que o deixava ainda mais especial é que ele era negro. Mas ele se esqueceu disso assim que deixou de ser o menino pobre e sem esperanças para se tornar o "prefeito de Brentwood”. 
OJ deixou de ser negro, e nunca fez nada por sua comunidade. Depois que a mídia soube que ele era suspeito, fez questão de lembrar a sua cor. Um exemplo é a polêmica capa da revista Time, que usou efeitos para deixá-lo mais negro, ameaçador, e, por conseguinte, culpado.
Mas OJ parecia culpado. Todas as evidências indicavam isso, somado ao fato de não haver nenhum outro suspeito e às atitudes posteriores de Simpson. 
Cartas de suicídio que pareciam uma confissão subliminar assinadas com uma carinha feliz e sua fuga desesperada quando deveria se entregar para a polícia com o pretexto de ver sua mãe. Assim como foi dito pelo executivo de um canal, OJ era esporte, notícia e entretenimento, tão importante a ponto de interromper a transmissão da final da NBA enquanto ameaçava atirar na própria cabeça dentro do Bronco Branco. 
Hoje eu penso: se ele tivesse se matado, a transmissão não poderia ser um fator decisivo, junto com a torcida que se formou ao longo da rodovia? Se eles poderiam ser culpados eu não sei, mas se a tragédia se consumasse, já estavam preparados, com um emocionante vídeo in memoriam com todas as façanhas do atleta.
Ele parecia desesperado. Mas não parecia inocente. Não agia como um. Havia contratado um dos melhores advogados do país e foi acompanhado dele ao funeral da ex-esposa. Quando soube da morte de Nicole não perguntou a causa. No meio disso tudo entra em cena Marcia Clark. Assim como Nicole, mãe divorciada de dois meninos e tentando seguir em frente. Fazia uma pesada dupla jornada enquanto tentava garantir em tribunal o direito de viver com suas crianças. 
Não tinha tempo para si mesma e acabou sendo culpada por isso. Ao entrar no caso, Marcia se indignou com a facilidade dada ao suspeito pelos policiais devido a seus feitos em campo tanto no interrogatório como nas oito vezes em que Nicole chamou a polícia por que havia sido ameaçada e espancada.
Nicole vivia com medo, tanto que havia guardado diversas fotos suas machucada em um cofre para se proteger da violência de seu ex marido. Dois corpos, diversas facadas. Minha curiosidade imensa me levou a ver as fotos oficiais dos cadáveres na internet. Uma coisa eu posso dizer: quem fez aquilo tinha muito ódio. Havia fotos dela ferida e áudio das ligações para a emergência. Nada aconteceu. Havia evidências de sangue das vítimas nas roupas, casa e carro dele. OJ foi inocentado.
Por quê? Ironicamente, por que ele era negro e soube contratar quem usasse isso a seu favor, mas principalmente por que era homem. E por que a vida de uma mulher vale menos que de um homem. Um grupo de discussão foi chamado e teve de dar notas para Marcia, OJ e Nicole.
A promotora Marcia foi vista como uma vadia, feia e desleixada e ficou com média quatro. A vítima Nicole foi vista como aproveitadora e teve notas entre cinco e sete. E o charmoso, bonito e talentoso possível assassino e espancador de mulheres teve notas entre oito e sete. Parecia que as pessoas esqueceram que ele estava sendo julgado por assassinato. 
Ele não foi o primeiro nem será o último homem a valer mais que uma mulher. Esse ano, o Oscar premiou Casey Affleck, que possui quatro acusações de assédio/ estupro. Outro queridinho da Academia, Woody Allen, é acusado de abuso sexual pelos próprios filhos, mas toda vez que lança um filme ninguém se lembra disso.
Por que eles continuam fazendo isso? Porque sabem que tudo vai continuar bem. Em um episódio da série me choquei ao ver OJ debochar da situação que vivia com sua então esposa no ensaio do interrogatório. Ele ria ao ser perguntado se era violento com Nicole, como se estivesse assistindo qualquer programa da época que insistia em ridicularizar Marcia Clark. 
Seu penteado não era importante, mas serviu para diminuir a dantesca tarefa que ela realizava: conduzir a acusação com provas vazadas, críticas ao seu colega Chris Darden, também negro (e, ao contrário de OJ, se lembrava disso e de todas as dificuldades que os negros sofriam), um juiz com uma postura antiprofissional que não disfarçava seu menosprezo por ela e não perdia oportunidades de ganhar destaque na mídia, inclusive convidando repórteres para o julgamento e mantendo contato com celebridades, além de um divórcio complicado e a luta pela guarda de seus filhos.
Em determinado momento, fotos íntimas da promotora foram vazadas e a imprensa misógina fez questão de que a América inteira visse seus seios. Mais uma vez a degradação pública de uma mulher foi mais interessante do que a justiça. 
Mais uma vez a mídia abutre usou o que ela aponta como fraquezas de uma mulher contra elas mesmas. Devemos nos esquecer de como Britney Spears foi vendida e explorada por causa de seu colapso mental enquanto tentava ser capaz de cuidar de si mesma e de seus próprios filhos? Ou Winona Ryder, também passando por problemas de ordem psicológica, que teve a carreira manchada e esteve no ostracismo por mais de dez anos?
A mídia disse e todos nós acreditamos por um bom tempo que mulheres têm prazo de validade. Dormimos e acordamos com esse simulacro de realidade sendo empurrado diante de nossos olhos, desde as ofensas no trânsito ao desdém no local de trabalho, até as propagandas na televisão.
No dia que OJ foi inocentado, o direito à vida de uma mulher morreu.
10/06/2010. Outras três vidas mudaram para sempre nesse dia. A de Bruninho, criança com apenas alguns meses na época, a de sua mãe, Eliza Samúdio, modelo, jovem e bonita que tentava fazer com que seu filho tivesse direitos em relação à paternidade, e a de seu pai, Bruno, goleiro do Flamengo, jovem estrela do futebol brasileiro e forte candidato a uma vaga na seleção brasileira para a Copa do Mundo.
Assim como OJ, Bruno teve uma ascensão clássica, também sendo um menino pobre e sem esperanças que conseguiu sucesso e dinheiro através do esporte. Ambos jogavam futebol, Bruno o tradicional e OJ. o americano.
Quando o desaparecimento de Eliza estourou na mídia, o fato de que o famoso goleiro do Flamengo estava envolvido foi mais importante de que uma mulher poderia estar morta. 
Eles não queriam acreditar. Não acreditaram. Logo surgiram diversas teorias de que Eliza tinha aceitado dinheiro de Bruno, o tão suado dinheiro que Bruno, já casado e com duas filhas, lutava tanto para conseguir, e que Eliza teria fugido do país, mudado de nome e abandonado seu filho. É claro que a mídia machista abraçou esse absurdo, chegando a divulgar imagens da suposta Eliza no aeroporto, fazendo com que a moça que teve o infortúnio de aparecer nas filmagens corresse à polícia para deixar claro que não era Eliza Samúdio. 
Ao contrário de OJ, Bruno não teve o auxílio de um Dream Team na defesa, mas sim na execução do crime. Acabou sendo preso junto com sete pessoas, inclusive Dayanne Rodrigues, sua então esposa e mãe de suas duas filhas.
Então a mídia hipócrita mudou a temática e continuou o espetáculo. Como não podiam mais defender Bruno, passaram a ridicularizá-lo e a insinuar homossexualidade no seu relacionamento com Macarrão, amigo que supostamente orquestrou o assassinato de Eliza com os detalhes sádicos que prefiro não reproduzir. O fato de Bruno ser negro também não ficou de fora e a mídia machista, racista e homofóbica fez milhares de ignorantes rirem e continuarem suas vidas achando que estava tudo bem. 
Mas não estava. E não está. 
No dia 24/02/2017 Bruno foi solto com a alegação que esteve preso por bastante tempo sem ter sido condenado e foi contratado por um time, o Boa Esporte. Está participando de coletivas, sendo manchete de notícias e tirando fotos com homens e mulheres. Um desses "fãs" foi conhecê-lo usando uma máscara de cachorro. Bruno voltou à mídia e ela o abraçou como se nada tivesse acontecido.
Aproveitadoras. Vadias. Vagabundas. Engravidaram por causa do dinheiro. Dezesseis anos separam Eliza Samúdio de Nicole Brown (eu me recuso a adicionar o "Simpson" no sobrenome dela), mas essas palavras horríveis as unem quase como irmãs. Foi assim que a imprensa apresentou-as ao grande público e foi assim que foram julgadas por pessoas que não as conheciam e não foram capazes de criar empatia e sentir piedade. Tudo que Nicole queria era reconstruir sua vida ao lado de seus filhos. Tudo que Eliza queria era que seu único filho tivesse um nome e condições de sustento. Tudo que conseguiram foi um julgamento cruel e a incerteza sobre um descanso pacífico. 
Anos depois um cínico OJ deu um tapa de luvas de couro na face daqueles que o inocentaram e na justiça americana ao escrever If I did it (Se eu tivesse feito), onde descreveu minuciosamente como matou a mãe de duas crianças que por acaso eram suas filhas e ceifou a vida de um jovem praticamente esquecido, pois na época o que importava eram as celebridades, e quando Ron era lembrado, sua figura era ridicularizada por não ser rico ou por ser supostamente apaixonado por Nicole. Mas Ron era um jovem de apenas 26 anos que tinha muitos sonhos e não pôde realizar nenhum. 
Bruno participou de diversas coletivas dando exemplos de coitadismo ao afirmar que “as pessoas cobram pelo que aconteceu no passado”. No cúmulo de seu cinismo chegou a dizer que todo o barulho feito não irá trazer a vítima de volta. Sua soltura também não. 
Eliza Samudio com Bruninho
Já que ele está dando tantas entrevistas, poderia dizer onde o corpo (ou o que restou dele) de Eliza está, para que ela possa pelo menos ter um enterro digno. Ele afirma que vai lutar pela guarda de seu filho na justiça. Filho esse que ele não queria assumir. Pensão que ele não quis pagar e que custou que a vida de Eliza. OJ conseguiu de algum modo a guarda de Sydney e Justin, que estavam dormindo quando tudo aconteceu, assim como Bruninho nem imaginava o fim grotesco dado à sua mãe por seu próprio pai enquanto ele ainda era um bebê. 
Eu imagino essas três crianças adultas, tentando lidar com o fato de que seus pais são assassinos que não sentem culpa pelo que fizeram. Se sentem algo não é suficiente para que pelo menos confessem e façam a justiça acontecer. Justiça essa que os ajudou e afirmou mais uma vez que os homens podem fazer o que quiser com uma mulher e com a vida dela e nada lhes acontecerá. Também imagino como deve ser lidar com a falta das mães todos esses dias e pensar que elas poderiam estar com eles. Mas não estão. 
Existe um culpado maior nesses e em outros casos: a imprensa e seu poder de manipulação. Quanto mais manipulação, quanto mais ignorância, mais Nicoles e mais Elizas vão existir. E seu sofrimento não vai passar de atração nesse circo dos horrores. Enquanto a vida das mulheres for tratada como brinquedo, esse ciclo nefasto vai continuar. Todos nós temos obrigação de acabar com esse ciclo. Não se acomode, não assista mais uma tragédia ser explorada e uma vida desperdiçada. Acorde.

72 comentários:

Anônimo disse...

"Vidas de mulheres valem muito menos que vidas de homens"
Mora num país onde homens são doze vezes mais assassinados, e é criada a lei de feminícidio, oficializando que a vida feminina vale mais que a masculina

Anônimo disse...

Não só isso.

Querem que a média dos salários das mulheres seja igual a dos homens mesmo sabendo que mulheres trabalham menos e em cargos mais baixos, oficializando que o trabalho feminino vale mais que o masculino.

Querem que tenha cotas pras mulheres para senadoras e deputadas, fazendo que mulher possa ser eleita com menos votos só por ser mulher. Oficializando que voto na mulher vale mais que voto em homem.

Anônimo disse...

O errado não é a winona ficar com a carreira ''manchada'' por ter roubado, tenha ela problemas psicológicos ou não. O errado é não acontecer o mesmo com os homens caso façam o mesmo. Impunidade não justifica impunidade, isso é argumento de mau caráter e o mau caratismo existe em qualquer lado e militância, inclusive na esquerda e feminista.

Anônimo disse...

''Mora num país onde homens são doze vezes mais assassinados'', neste caso esses homens são assassinados em sua maioria por se envolverem mais em violência, como o alcoolismo e tráfico de drogas, assaltos, etc. Não são mortos por serem homens, mas por se exporem mais a violência. O machismo sempre incentivou os homens a serem mais violentos e alcoólicos como prova de ''virilidade''. Então critique mais o machismo por isso. Enquanto tem muitas mulheres que são assassinadas simplesmente porque o ex não se conforma em levar um fora e ser rejeitado. Claro que o mesmo pode acontecer com os homens, mas as mulheres continuam sendo as maiores vítimas e em maior quantidade.

Anônimo disse...

Sem moderação hoje? Por favor, não respondam às provocações. Ouviu titia?

Anônimo disse...

O ator de novela josé mayer já admitiu que assediou mesmo a figurinista e as câmeras provaram que o cantor sertanejo agrediu mesmo a esposa. Os bandidos descarados foram desmascarados. Dois casos de violência envolvendo a rede bobo.

Anônimo disse...

"O ator de novela josé mayer já admitiu que assediou mesmo a figurinista e as câmeras provaram que o cantor sertanejo agrediu mesmo a esposa. Os bandidos descarados foram desmascarados"

Nunca duvidei de nenhuma dessas vítimas, ao contrário dos omens

"parabéns" direitopas, por terem defendido e por terem escolhido o lado desses BANDIDOS

Anônimo disse...

fico impressionada como a masCUzada bate ponto no blog da lola todo santo dia, ficam só na espreita esperando o primeiro post novo só pra serem os primeiros a comentar, é muito amor encubado

Anônimo disse...

"Tudo que Eliza queria era que seu único filho tivesse um nome e condições de sustento. "

=> Bruno é um calhorda e é um absurdo que já esteja solto. Mas não há necessidade de romantizar o que não é romântico.
Deixasse ele oferecer para ela uma pensão de R$ 3 mil reais (mais que suficiente para sustentar uma criança), para ver ser ela aceitaria. Todos nós sabemos que não. Ela queria dezenas de milhares de reais por mês. Todos nós sabemos disso.

Dudu

Anônimo disse...

14:27, viu isso onde, na bola de cristal? mascu de merda

Anônimo disse...

fonte: portal dudu descolado

Anônimo disse...

http://g1.globo.com/pop-arte/noticia/globo-suspende-jose-mayer-atrizes-fazem-protesto-contra-assedio.ghtml

GENTE QUE COISA LINDA, vcs viram?

OFF TOPIC, sobre José Mayer. Muito melhor do que imaginávamos.

Alícia

Anônimo disse...

"Carta aberta aos meus colegas e a todos, mas principalmente aos que agem e pensam como eu agi e pensava:
Eu errei. Errei no que fiz, no que falei, e no que pensava. A atitude correta é pedir desculpas. Mas isso só não basta. É preciso um reconhecimento público que faço agora.
Mesmo não tendo tido a intenção de ofender, agredir ou desrespeitar, admito que minhas brincadeiras de cunho machista ultrapassaram os limites do respeito com que devo tratar minhas colegas. Sou responsável pelo que faço.
Tenho amigas, tenho mulher e filha, e asseguro que de forma alguma tenho a intenção de tratar qualquer mulher com desrespeito; não me sinto superior a ninguém, nao sou.
Tristemente, sou sim fruto de uma geração que aprendeu, erradamente, que atitudes machistas, invasivas e abusivas podem ser disfarçadas de brincadeiras ou piadas. Não podem. Não são.
Aprendi nos últimos dias o que levei 60 anos sem aprender. O mundo mudou. E isso é bom. Eu preciso e quero mudar junto com ele.
Este é o meu exercício. Este é o meu compromisso. Isso é o que eu aprendi. A única coisa que posso pedir a Susllen, às minhas colegas e a toda a sociedade é o entendimento deste meu movimento de mudança.
Espero que este meu reconhecimento público sirva para alertar a tantas pessoas da mesma geração que eu, aos que pensavam da mesma forma que eu, aos que agiam da mesma forma que eu, que os leve a refletir e os incentive também a mudar.
Eu estou vivendo a dolorosa necessidade desta mudança. Dolorosa, mas necessária.
O que posso assegurar é que o José Mayer, homem, ator, pai, filho, marido, colega que surge hoje é, sem dúvida, muito melhor.
José Mayer"

O cara reconheceu que exagerou, que errou e pediu desculpas.
Foi um gesto de grandeza. Acho que dpois o cara pode ser perdoado, inclusive pelas feministas. Parece ser um bom cara.

Anônimo disse...

A netflix tem uma série abordando o caso do OJ. "O povo contra O. J. Simpson".

Assistam, excelente.

Eu, que não sabia do desfecho porque nunca tinha ouvido falar do caso, fiquei horrivelmente frustrada com a absolvição.

OK, a promotoria cometeu erros, como quando insistiu para que OJ experimentasse as luvas encontradas na cena do crime (luvas estas que a promotoria comprovou terem sido compradas por ele, porque tinham o extrato do cartão de créditos e uma foto dele usando-as) e ele não se esforçou para fazê-las servir.

Erraram também quando chamaram como testemunha principal o policial que atendeu a ocorrência. Tinha como não chamá-lo? Não. Mas infelizmente ele era um racista declarado (a defesa conseguiu demonstrar isso), e tinha até um áudio gravado dizendo que é a favor de plantar provas falsas para incriminar negros. No seu segundo depoimento, deixou bem claro que possivelmente fez isso no caso OJ.

Outra questão foi que as provas de DNA não eram tidas como verdades absolutas e seguras como hoje. Era algo muito inicial ainda. Era preciso mostrar primeiro que exames de DNA eram confiáveis, para depois isso ser uma prova plausível.

A série retrata muito bem pelo inferno que a promotora Márcia passou, e de como a defesa era articulada.
Só não fala mal do juiz.

Enfim. O caso foi ganho apelando pro racismo que sim, existe. Mas não contra OJ. Disse bem o promotor no final da série, ao advogado que achou que fez a diferença para os negros. O único negro que se safou foi um negro rico, famoso, querido. Os negros da periferia continuariam sofrendo o mesmo destino.

OJ ainda foi condenado por um tribunal civil, onde foi considerado culpado e condenado a pagar uma indenização milionária para as famílias das vitimas, mas nunca pagou.

Alícia


Anônimo disse...

"Anônimo Anônimo disse...
fonte: portal dudu descolado"


=> se vc quer fazer de conta que é inocente (por conveniência), tudo bem pra mim... Não tem ninguém bonzinho nessa história. Todos os envolvidos eram pilantras.

Dudu

Anônimo disse...

eu não preciso ~fazer de conta~, é claro q eu sou inocente, RETARDADO

vc deveria é ter a mão do zé maia no seu poço de fimose só por "brincadeira" pra ver se aprende a ser gente, OTÁRIO

Mandy disse...

Tá certo, a ator pede desculpas e fica por isso mesmo? Kkkkk Só pq se diz arrependido, absolutamente nada deve acontecer com ele... só podia ter vindo de omi mesmo.

Bruno é um lixo assassino e ponto.

O cantorzinho de merda se fudeu bonito!

Engulam a seco, lixos machistas!!

Anônimo disse...

a) Homens morrem em razão da violência urbana mas nós mulheres morremos muitas vezes em razão do machismo porque homens acreditam ser superiores.

b) E revoltante vê Bruno solto dá uma sensação de impunidade que tendo dinheiro a pessoa se safa

Anônimo disse...

Não dá pra comparar. O caso do Bruno, merece cadeia.

O caso do cantor vai ser praticamente o fim da carreira, é punição o bastante.

O caso do José Mayer é diferente, dá para aceitar as desculpas dele e esquecer. Parece um bom cara.

Anônimo disse...

A carta do josé mayer nao me pareceu um mero pedido formal de desculpas. ele detalha onde, como e porquê errou. Ele reconhece, de fato, o erro e, principalmente, de onde ele veio.
Ele foi suspenso por tempo indeterminado da globo.

Acho que não poderíamos ter tido um desfecho melhor. O máximo de condenação que ele terá não incluirá cadeia. Muitos passam por situação assim ou pior e não tiram lição nenhuma. Ele parece ter de fato aprendido.
É digno do perdão da sociedade (o que não significa que não deva responder criminalmente ou indenizar a vítima de alguma forma).

Já o caso do cantor é infinitamente mais grave. Ele negou a agressão até onde não pode mais. Certamente é o fim de sua carreira.

Alicia

Anônimo disse...

Da próxima vez que alguém aqui me comparar com mascus como o do comentário acima por minhas idéias de estado mínimo vou me sentir pessoalmente ofendida.

Alícia

Anônimo disse...

Nah. Esses caras são tão caricatos que nem dá pra levar a sério. É típico Jorge de quarto querendo ser badass pero mama no lo deja.

Ignorem só isso.

Anônimo disse...

a doença em forma de comentário regurgitada pelo mesmo doente mascu corrobora as razões de se reduzir a população

é a única, a melhor e mais fácil forma de decantar e depurar a humanidade

com mascus como este, por exemplo, devidamente extintos

Anônimo disse...

Antes fosse só um mascu. São vários mascus escrotos (redundância) cujos comentários além de serem permitidos, aceitos e apreciados, são muitas vezes também os primeiros comentários nos posts ou são a maioria absoluta dos comentários se as feministas anônimas não se manifestarem aqui...

Mandy disse...

O ator fez esse discursinho aí por ser famoso, pra n piorar pro lado dele, só isso. Acha q se fosse um homem comum ia dizer qualquer coisa? E ele n assumiu culpa nenhuma, a culpa é do machismo, ele, coitado, n tinha ideia q por a mão na vagina de uma mulher era abuso. Conta outra!
Mas se viesse um outro escroto como ele, pegando no pinto murcho dele, ia achar abuso rapidinho. Ou se fizessem o mesmo com a mulher e a filha dele, como propriedades dele ninguém pode abusar.
A verdade é q sabem sim o q estão fazendo, só n se importam.

Tem q se fuder bastante, chega desses vermes saírem impunes!

Queria ver a cara dos omis de bem q afirmaram q era só mais uma vadia mentindo, tomaram no cu!

Anônimo disse...

Mandy repetiu as palavras da direita, letra por letra, sobre o caso do Mayer

Anônimo disse...

É irônico.

As mulheres sempre se dão mal porque acreditam de verdade nessa história de "not all men" e aí confiam.

E, quando se dão mal, sempre serão culpadas porque confiaram, porque "not all men".

É sintomático que o próprio homem ache que mulher é burra por confiar em homem.

O que mostra que, sim, "ALL MEN".

Sem exceção.

Basta tempo e oportunidade.

ALL MEN.

Anônimo disse...

"neste caso esses homens são assassinados em sua maioria por se envolverem mais em violência, como o alcoolismo e tráfico de drogas, assaltos, etc. Não são mortos por serem homens, mas por se exporem mais a violência."

Vc esta culpabilizando as vítimas, é isso?

Anônimo disse...

Não 12:06.
Culpar a vítima só é aceito como desculpa se for pra proteger mulheres.

Por exemplo, a mulher fica podre de bêbada se esfregando em todo mundo, ela não pode ser culpabilizada no caso de estupro.
Se o cara se envolve com traficante e violencia e morre daí sim a culpa é dele.

Mulheres não podem ser responsabilizadas por assumir um comportamento de risco, apenas os homens.

Anônimo disse...

"Mulheres não podem ser responsabilizadas por assumir um comportamento de risco, apenas os homens."


É o contrário. Só mulheres são responsabilizadas quando sofrem violência masculina.


Homens jamais são responsabilizados por assumirem comportamentos de risco.

O agressor do homem, quando é homem, é visto como agressor. Sem desculpas.

A vítima homem, quando vítima de homem, é vista como vítima, sem desculpas.

A vítima mulher, quando o agressor é homem, é culpada.

A agressora mulher, quando a vítima é homem, é culpada.

Só homens são liberados socialmente para agredirem mulheres. Neste caso, a culpa nunca é deles, pobrezinhos.

A solução masculina para diminuir a violência masculina contra a mulher é responsabilizar a mulher, culpar a mulher, prender a mulher.

Anônimo disse...

O ator José Mayer foi alçado à condição de celebridade justamente pelas mulheres, que ao longo da história televisiva do país, projetaram nele o tipo de homem que queriam. O cara simplesmente esquece que, embora a maior parte das mulheres ainda gostem mesmo é de tipos como o dele e ataca desvairadamente. óbvio que os mudaram e a "rede bobo de televisão" tratou logo de se apoderar do episódio e transformá-lo num merchandising, num espetáculo para o gado.


Anônimo disse...

Anon das 15:52

Ainda acho algo inacreditável os dados revelarem que morrem muito mais homens que mulheres e o argumento de vocês ainda continua sendo o de que homem morre por causa da violência urbana e mulher morre por ser mulher. A QUESTÃO É QUE NINGUÉM DEVERIA SER VITIMADO POR VIOLÊNCIA ALGUMA. Qual a diferença de morrer por violência urbana ou morrer por ser mulher. O resultado morte é o mesmo, com o agravante que homens são mais vitimados!

Anônimo disse...

A diferença está no fato de que NENHUM homem discute a violência urbana e suas condicionantes.

Que homem está disposto a reconhecer a indecente desigualdade social como principal condicionante da violência urbana?

Anônimo disse...

a volta do mascu doente

Anônimo disse...

ih, o mascu voltou, as notificações de vírus até apitaram aqui, deixa eu pegar o dedetizante

Anônimo disse...

o nível de radiação cancerígena pulou aqui, é o comentário do mascu q acabou de ser cagado nessa área, pera q eu já chamo os especialistas...

Anônimo disse...

13:05 a diferença tá em q: (h)omens são quem mata outros (h)omens, as mulheres não são culpadas por isso, por vcs não se suportarem, pelo contrário, somos vítimas constantes do crime de ÓDIO q é um agravante muito pior q esses fúteis da qual vcs (h)omens se submetem

Anônimo disse...

13:45 isso é o q faz uma mulher morrer por ser mulher, INÚTIL

titia disse...

É uma prova na minha teoria de que homens, na maioria, são crianças mimadas que só cresceram de corpo, criaram barba mas a cabeça continua nos cinco aninhos. Tanto OJ como Bruno são moleques mimados, que não admitem contrariedade, não toleram frustração, não assumem responsabilidades nem as consequências dos seus atos-e ainda fazem birra, querendo a guarda dos filhos que desprezavam só pra irritar os outros. As duas mulheres assassinadas, pra eles, eram brinquedos. Brinquedos que podiam ser dispostos como bem quisessem; OJ não queria abrir mão do 'brinquedo' Nicole Brown, então preferiu quebra-la. Bruno ficou putinho porque o 'brinquedo' Eliza não funcionava como ele queria, então resolveu quebrar e jogar fora também. O problema das crianças crescidas é que elas são perigosas. Homem desse tipo tem mais é que ser mandado se foder, se não sabe tratar mulher como ser humano vivam de punheta ou casem com uma boneca inflável.

Ah, trolls do meio dia e da uma, vocês podem fazer o mesmo, viu? Abandonem esses seres malignos e traiçoeiros que são as mulheres e casem-se vocês. Juro que não precisam mandar convite pra gente, estaremos aqui de longe torcendo pelo sucesso do seu relacionamento.

Ah, ao invés de lua-de-mel no sótão da sua mãe (ou no da sogra) vocês podem ir na delegacia da esquina e estudar as causas da violência masculina e como ela afeta os homens, que tal? Depois podem até inventar uma rede de combate, se quiserem. Considerem esse conselho meu presente de casamento pra vocês. Felicidades!

14:05 não, não ouvi. Acho que deu problema na transferência. Vê se você consegue ouvir: VAI SE FERRAR!! E aí, deu pra você escutar? :)

Anônimo disse...

Um juiz antiprofissional e viciado em holofotes?
Para seu governo, o juiz foi o único que não escreveu livros sobre o assunto e continuou em sua rotina de trabalho até se aposentar.
Até a "coitadinha" da promotora se demitiu do emprego e, se aproveitando da popularidade, escreveu um livro sobre o julgamento que se tornou best seller e agora ganha a vida escrevendo livros policiais.
Então larguem de hipocrisia, porque todos os envolvidos ganharam dinheiro com a morte de uma mulher.

Anônimo disse...

Que escrotinho este caio blablabla viu mais um machistinha na lista do esgoto global se revelando.
http://www.pragmatismopolitico.com.br/2017/04/caio-blat-sai-em-defesa-de-jose-mayer-fez-uma-brincadeira-fora-de-tom.html

Caio Blat sai em defesa de José Mayer: “Fez uma brincadeira fora de tom”
Para Caio Blat, pegar na genitália de uma mulher não passa de uma “brincadeira fora de tom”. Ator saiu em defesa de José Mayer e disse discordar do afastamento do colega. Repórter questionou como ele reagiria caso isso acontecesse com sua esposa...

Anônimo disse...

Mais um machistoide do esgoto da globo http://www.pragmatismopolitico.com.br/2017/04/oscar-magrini-solta-perola-ao-defender-jose-mayer.html

Oscar Magrini solta pérola para justificar assédio de José Mayer. Depois de Caio Blat, agora é a vez de Oscar Magrini, também ator da Globo, defender José Mayer: “A mulher tem que saber se colocar para não instigar o outro”.
Parece que a confissão de Zé Mayer convulsionou o ego machista de alguns globais, restando assim partirem para o ataque as mulheres e defesa ao indefensável.

Anônimo disse...

Em vez dos mascus criarem blogs e forums de misoginia por levarem fora das ''tops loiras bombadas de cu rosa'' e de idolatria a homens bombados, porque não tomam a iniciativa de fazer campanhas contra a ''violência masculina''e pararem de exigir que as feministas sejam suas babás e façam tudo por eles? Se as feministas não falarem do feminicídio ninguém vai falar. Quem falaria, os mascus? Eles não fazem campanha contra a tal ''violência masculina'' porque teriam de colocar a misoginia de lado e criticar os próprios homens pela violência que praticam contra eles mesmos.

Anônimo disse...

Pelo menos a Maria, esposa do caio blat se posicionou a favor da vítima, depois da estupidez dita pelo marido.

Anônimo disse...

Infelizmente a globo durante anos vendeu esse josé mayer até quando ele fez 60 anos como um homem ''irresistível e sonho de toda mulher''. Então, as noveleiras de plantão em sua grande maioria compraram esse produto de que ''homem de verdade'' é o controlador, perseguidor metido a predador, o que ''pega de jeito'' até a mulher parar de fazer ''cu doce'' e cair louca de paixão pelo macho alfa. As novelas da globo sempre foram tão machistas quanto as novelas da televisa, a diferença é que os mexicanos vendem um machismo mais recatado, enquanto os brasileiros vendem um machismo mais fanfarrão.

Marcia disse...

Ah é, a velha máxima: homens morrem mais do que mulheres. Solução: mulheres, parem de reclamar que vocês são assassinadas por homens, e lutem para salvar as vidas que não são suas e, certamente, daqueles que também podem assassinar vocês. Por que mulher serve para isso mesmo, servir homem. Senta lá Claudio, o universo não gira em torno de você.

Se a vida de uma mulher tem o mesmo valor do que a vida de um homem, então não há problema moral algum em mulheres lutarem pela vida das mulheres. O que te impede de fazer o mesmo pelos homens?

Amigo, tá preocupado com o número de assassinatos de homens? LEVANTA A BUNDA DA CADEIRA E LUTA CONTRA ISSO. Se os agressores de mulheres fossem majoritariamente mulheres, nós estaríamos combatendo mulheres assassinas. Acontece, como já lhe explicara mais de 1 milhão de vezes, é que são homens (e conhecidos, companheiros ou da família) que mais matam mulheres. E, assim, é na proporção de mais de 90% dos casos.

E quem é que mata homem, mulher? Não, não mesmo. Abra qualquer relatório de homicídio (são bem mais numerosos e feitos a muito mais tempo do que os das mortes da mulheres) e veja os dados: homens (geralmente jovens) matam homens (geralmente também jovens). Perfil racial de quem morre: negro, majoritariamente.

E há uma série de organizações de mulheres (as mães das vítimas) que lutam pelo fim da impunidade para esses casos de homicídios, então desculpa aí: já há mulheres lutando essa luta, e vocês, fazem o quê? Cobram por uma solidariedade que vocês sequer tem?

Hipocrisia define...

Anônimo disse...

Aquele cantor sertanejo é tão cínico que vez um vídeo pra lá de descarado se vitimizando. Pior é que além dos mascus de sempre, ainda tem mulheres defendendo esse sujeito.

Anônimo disse...

A primeira esposa desse cantor sertanejo se separou dele com apenas 6 meses de casamento justamente porque o relacionamento era abusivo. O cantor sertanejo, por ser muito ciumento e possessivo, exigiu que ela saísse de um emprego de merchandising na tv. Felizmente ela se livrou dele, casou de novo e teve uma filha. A segunda esposa dele além de ser agredida, ainda está sendo vítima de slut shaming por parte dele, da família dele e do fã clube dele.

Anônimo disse...

Mais um. Homens se amam. Se adoram. Se protegem.

http://blogs.ne10.uol.com.br/social1/2017/04/05/thiago-rodrigues-sobre-caso-de-jose-mayer-posso-te-garantir-que-ele-esta-mal-com-tudo-isso/

Thiago Rodrigues sobre o caso de José Mayer: "Posso te garantir que ele está muito mal com tudo isso".

Grandes bostas.

Foda-se. Fodam-se.

Anônimo disse...

Lola, juro que queria ler esse guest post, mas esses casos embrulham o estômago... é foda... até quando vão acontecer... que desânimo... é só abrir o notíciário que tem mais um, provavelmente menos famoso, mas nem por isso menos brutal...

Anônimo disse...

Passando aqui pra deixar uma pequena reflexão:

Black Mirror

Bjos

Anônimo disse...

"Thiago Rodrigues sobre o caso de José Mayer: "Posso te garantir que ele está muito mal com tudo isso". "

Os estupradores precisam de uma camiseta também. "Mexeu com um, mexeu com todos".

Cão do Mato disse...

A maioria dos jovens negros, pobres e do sexo masculino da periferia são mortos (vejam só!) por outros jovens negros, pobres e do sexo masculino (e muitas vezes por policiais pobres, negros e do sexo masculino). Deixemos para lá então. Não temos culpa se eles se odeiam.

Anônimo disse...

Uma das coisas que acaba virando o calcanhar de Aquiles no movimento negro, é quando um negro visivelmente privilegiado usa da luta do movimento negro para se beneficiar. O caso O.J. é uma prova disso, pois o contexto foi bem explorado pelo seus advogados. Vejam que O.J. dificilmente estaria no lugar dos taxistas ou jovens negros espancados brutalmente pela polícia, mas se valeu da luta deles para se safar.


Cão do mato racista (adicione isso no seu nickname) já que explicitou seu desprezo pela juventude negra, que os homens tenham a decência de não serem desonestos em citar a violência urbana em geral (que vitima jovens negros) como desculpa para minimizar a luta das mulheres. Seu comentário ilustra bem que você está pouco se lixando para o fator racismo envolvido na violência que vitima os jovens negros. Nada de novo sob o sol. Para vocês, um preto a mais ou a menos não faz diferença. Talvez a vida de um cachorro valha mais né?
Felizmente, o povo negro está se organizando para a conscientização que não devemos nos matar. Infelizmente para pessoas como você, estamos nos organizando para evitar que a morte dos nossos seja só estatística pra homem branco usar contra mulher.

Anônimo disse...

Anônimo disse...

"Vidas de mulheres valem muito menos que vidas de homens"
Mora num país onde homens são doze vezes mais assassinados, e é criada a lei de feminícidio, oficializando que a vida feminina vale mais que a masculina

4 de abril de 2017 12:43


Você mora num país onde Vinicius Neres, assassino da estudante da UnB, Louise Ribeiro, vai passar uns poucos anos na cadeia e sair livre, leve e solto.
Você mora num país que até pouco tempo atrás penalizava agressão doméstica com cestas básicas.
Você mora num país onde nem mesmos com vídeos, as pessoas defendem estuprador.

Mas realmente, nós mulheres, somos privilegiadas! Nossa vida vale tão mais que os homens que os assassinos de mulher são recebidos com selfies quando são soltos.

Anônimo disse...

"Querem que a média dos salários das mulheres seja igual a dos homens mesmo sabendo que mulheres trabalham menos e em cargos mais baixos, oficializando que o trabalho feminino vale mais que o masculino."

http://g1.globo.com/economia/concursos-e-emprego/noticia/mulheres-trabalham-75-horas-a-mais-por-semana-que-os-homens-diz-ipea.ghtml


Deu ruim né, amiguinho?

Anônimo disse...

"se vc quer fazer de conta que é inocente (por conveniência), tudo bem pra mim... Não tem ninguém bonzinho nessa história. Todos os envolvidos eram pilantras."

Concordo Duduzinho. É mais que razoável que o Bruno tenha encomendado a morte da Eliza, essa interesseira.

Inclusive devia ter uma lei proibindo que homens ricos e famosos assumissem filhos dessas alpinistas sociais que claramente querem dar o golpe da barriga. Ela ilude o homem, que tadinho, só quer um sexozinho. Eles claramente são enganados com as intenções dessas cobras vis.

Anônimo disse...

"A maioria dos jovens negros, pobres e do sexo masculino da periferia são mortos (vejam só!) por outros jovens negros, pobres e do sexo masculino (e muitas vezes por policiais pobres, negros e do sexo masculino). Deixemos para lá então. Não temos culpa se eles se odeiam"

não é pra deixar pra lá, é pra lutar pela conscientização, algo nós mulheres feministas fazemos

diferente de vcs, (h)omens

Anônimo disse...

Sobrou até para os cachorros coitados, as feministas nem sabem que os misóginos inclusive se divertem com violência contra os animais, as feministas também pelo visto. Sempre quando querem ironizar sobra para as outras espécies que não tem culpa de nada sobre a estupidez humana, inclusive são vítimas.

Cão do Mato disse...

Quando argumentam que a grande maioria das vítimas de homicídio são homens, logo vocês vêm com aquela história de que os homens são mortos por outros homens, portanto, que se danem...Fiz uma comparação com a violência racial para mostrar o quanto esse argumento de vocês pode ser imbecil.

Anônimo disse...

Mulher que comete assassinato fica presa bem menos tempo que homem

Anônimo disse...

Na verdade não porque quando se fala de trabalho remunerado mulheres trabalham bem menos horaa

Cão do Mato disse...

De acordo com um estudo publicado pela OIT (inclusive citado várias vezes pelo Blog do Sakamoto), a jornada de trabalho das mulheres (no Brasil) é menor do que a dos homens. Se não me engano, as mulheres trabalham entre 1 hora e 1,5 hora a menos do que os homens, por dia.É claro que, se incluirmos o trabalho doméstico, as mulheres trabalham mais do que os homens. Entretanto, para efeito de comparação de diferença salarial, só deve ser levada em conta a jornada de trabalho REMUNERADA. E, como as mulheres trabalham menos, devem ganhar menos. Matemática básica.

Anônimo disse...

Não muda o fato de que mulher trabalha mais que o homem, sorry, Cão do Mato. Só denotam que o homem continue explorando a mulher nos afazeres de casa. Segundo o IPEA, as mulheres possuem qualificações mais altas, no entanto, ainda continuam realizando o serviço doméstico. O serviço doméstico é visto como subserviço, haja vista que apenas agora os empregados domésticos tiveram seu direito reconhecido. Considerando que o serviço doméstico deve ser equiparado a qualquer outro serviço, significa sim que as mulheres trabalham mais que os homens ganhando menos.

O problema da questão da violência urbana é que vocês homens sempre utilizam esse artifício para diminuir a violência contra mulheres. Contando que a violência urbana sempre atinge jovens negros periféricos, qual está sendo o interesse dos homens em mudá-lo? Por que eu sei que o movimento negro está se movendo para isso, mas a massa dos homens mesmo está peidando para isso. É muito desonesto homens falarem de violência urbana, que acomete um tipo de homem o qual ele NÃO faz parte, para diminuir o impacto da violência da mulher. E você, Cão do Mato, adora fazer essas simetrias estapafúrdias.

Anônimo disse...

"Sobrou até para os cachorros coitados, as feministas nem sabem que os misóginos inclusive se divertem com violência contra os animais, as feministas também pelo visto. Sempre quando querem ironizar sobra para as outras espécies que não tem culpa de nada sobre a estupidez humana, inclusive são vítimas"


Parece que alguém não captou que a ironia foi com o nome Cão do Mato, hein? Antes de apontar o dedo, experimente umas aulinhas de interpretação de texto.

Anônimo disse...

"E, como as mulheres trabalham menos, devem ganhar menos. Matemática básica."


Tá sabendo bem de economia hein? SQN.

Remuneração depende de vários fatores: oferta x demanda, qualificação e até prestígio que uma profissão possui.

Pela sua lógica, um trabalho com baixa remuneração mas feito por mais hora merece uma remuneração melhor que um trabalho que demanda conhecimento e anos de estudo por menos horas.

Pensa no absurdo que cê tá falando.


Ainda não vi dados compilados e uma análise adequada sobre a discrepância salarial entre homem e mulher, pois é preciso avaliar vários fatores.
1. Homens e mulheres com a mesma qualificação estão recebendo valores diferentes pelo mesmo trabalho?
2. Por que historicamente trabalhos femininos são mais desvalorizados que os masculinos (mesmo os que demandam baixa instrução, os trabalhos tidos como femininos são menos valorizados, vistos como um favor - caso do trabalho doméstico);
3. As mulheres estão tendo menos oportunidade de ascender a cargos de chefia mesmo possuindo qualificação para tal? (já vi inúmeros casos de mães que não conseguem empregos por preconceito dos empregadores, visto que eles assumem que elas vão ficar com a responsabilidade dos filhos, portanto, produzir menos);
4. Será que os homens cumprem mais horas extras, não enfrentam preconceito dos empregadores em razão de seu gênero justamente por delegar as funções da vida doméstica (filhos inclusive) à mulher?
5. O quanto será que a violência e o assédio interferem na ascensão profissional de uma mulher?


Antes de latir asneiras é bom dar uma refletida nos inúmeros fatores que explicam a discrepância salarial né?

Anônimo disse...

"Fiz uma comparação com a violência racial para mostrar o quanto esse argumento de vocês pode ser imbecil"

mas o nosso argumento não é "imbecil", ele é verdadeiro, "imbecil" são os seus arjumentos

Cão do Mato disse...

Pelo que eu sei, quando se fala em diferença salarial entre homens e mulheres, sempre se usa como parâmetro a comparação entre pessoas com a mesma profissão, exercendo a mesma função, no mesmo cargo...Portanto não faz muito sentido falar em "profissões de homem" e "profissões de mulher". Não dá para comparar o salário de uma faxineira com o de um engenheiro. Assim como não dá para comparar o salário de uma advogada em início de carreira com o salário de um advogado experiente. Falar em "dificuldade de ascensão profissional" também não foi um argumento muito feliz. Pode até ser que as mulheres tenham mais dificuldade para ascender profissionalmente, mas na hora de comparar, não dá para comparar um diretor com uma gerente, sob a alegação de "ain, mas ela não foi promovida a diretora por causa do machismo"... Não dá para comparar nem a mesma função, com o mesmo cargo, mas em empresas diferentes. É claro que um diretor com pós-graduação de uma grande multinacional vai ganhar mais do que uma diretora com a mesma pós, mas que trabalha numa empresa de pequeno/médio porte (e a recíproca é verdadeira). Entendeu? Au,au,au prá vocês...rsrsrsrsrs...

Anônimo disse...

"Outro queridinho da Academia, Woody Allen, é acusado de abuso sexual pelos próprios filhos, mas toda vez que lança um filme ninguém se lembra disso."

É bom lembrar.

Anônimo disse...

18:54 vc só fala merda, mascu imbecil, é impressionante

força mais q sai um boçalnaro presidente

Anônimo disse...

"quando se fala em diferença salarial entre homens e mulheres, sempre se usa como parâmetro a comparação entre pessoas com a mesma profissão, exercendo a mesma função, no mesmo cargo.."

Depende Cão do Mato. As comparações podem ser feitas de "N" maneiras. Com a média salarial total de gênero e raça, se assim for o recorte e também a comparação entre gêneros com a mesma qualificação exercendo a mesma função. Coisa que vocês homens gostam de falar que não existe diferença.

Eu só estava mostrando a sua lógica furada de mulher trabalha menos então merece ganhar menos, que você mesmo definiu como matemática simples, mostrando que a remuneração não é tão simples como você quis mostrar. Uma médica pode trabalhar 5 horas por dia e ganhar mais que um faxineiro que trabalhe 10h. Você mesmo voltou atrás no seu segundo comentário.

Elabore um pouco mais sobre argumento infeliz da possibilidade de ascensão profissional. Pois pesquisas apontam que o preconceito no mundo do trabalho para com as mulheres impedem sua ascensão profissional já que elas demoram mais para subir nos níveis hierárquicos. Há muito preconceito em relação à produtividade de mulheres com filhos (já que os homens deixam a responsabilidade para a esposa) e até mesmo preconceito com as capacidades biológicas das mulheres. Lógica simples: se as mulheres mesmo qualificadas enfrentam mais dificuldades em ocupar cargos com maior remuneração e menor poder decisório, isso impacta na discrepância salarial.

Você continua não entendo os termos com "profissões femininas e masculinas". Hoje esse fenômeno ainda é visto, mas profissões historicamente e culturalmente tidas como femininas são desvalorizadas em relação às profissões tidas como masculinas. Este é um fator a mais que explica a discrepância salarial, além é claro, da oferta e demanda.

O restante do seu comentário só ratificou o que eu tinha apontado.

Acho que cê tá mais pra chihuahua de apartamento hein?

Anónimo disse...

Esquecem do Wesley Snipes que foi preso e por causa de ter sonegado sumiu da midia.......nao eh soh com as mulheres minha filha depende da situação como um todo, Macouly Culkin......tem varios exemplos bom abraços,o coitadismo de vcs eh triste