sexta-feira, 28 de abril de 2017

O PAÍS PARA HOJE. REAJA, BRASIL!

Ontem vi o início de um noticiário de TV à noite. Lá tratavam a greve de hoje como puro transtorno. Nada de explicar por que o Brasil estava parando.
Era só entrevista com gente na rua, repórter perguntando "Como você vai fazer pra chegar ao trabalho amanhã?"
Era uma tentativa óbvia de colocar o "trabalhador", o "cidadão de bem", contra os grevistas, baderneiros, arruaceiros, vagabundos, sindicalistas -- porque, obviamente, quem vai organizar protestos contra reformas trabalhistas que eliminam nossos direitos tem que ser o patrão.
Estranho porque, faz pouco tempo, não era bem assim. 
A mídia deu ampla cobertura às manifestações pelo impeachment. Na época, quando o Movimento Brasil Livre convocava greve, o pessoal que ia pra rua tirar selfie com policial não era visto como baderneiro vagabundo. Era visto como patriota cumprindo seu dever cívico. 
E, afinal, o golpe não ia consertar o Brasil? Não ia ficar tudo uma maravilha sem a esquerda no poder? Não ia por o país nos trilhos? 
Pois afundou de vez. Segundo o IBGE, chegamos à taxa recorde de 14,2 milhões de desempregados. Temer tem 4% de aprovação. Não faz muito tempo, isso era considerado motivo legítimo para remover um presidente democraticamente eleito (o que não é o caso de Temer).
Hoje o Brasil está parado para protestar contra a reforma de previdência, contra a retirada de direitos trabalhistas, contra a PEC que congela o futuro por vinte anos, pra exigir Fora Temer e eleições diretas já.
Não é possível um gigante como o Brasil assistir passivamente todo o seu futuro sendo jogado no lixo por um projeto que não foi aprovado nas urnas. E nunca seria aprovado. Armaram o golpe justamente para poder aprovar tudo isso que vai contra todo o povo. E a mídia tenta vender essa ladroagem como reformas urgentes para salvar o país. 
A maior greve geral da nossa história está aqui para provar que sabemos reagir. 

82 comentários:

Anônimo disse...

Segundo o IBGE, chegamos à taxa recorde de 14,2 milhões de desempregados

Esses desempregados surgiram todos no governo Temer

donadio disse...

Todos, não. Só quase todos.

Aqui o gráfico da evolução do desemprego no Brasil até o começo das pautas-bomba:

http://brasildebate.com.br/wp-content/uploads/2014/08/grafico-taxa-de-desemprego.jpg

Conde de Monte Cristo disse...

Donadio como sempre querendo ser o protagonista da caixa de comentários

Anônimo disse...

o cérebro dos coxinhas é necrosado

Anônimo disse...

temerda, o mundo te abomina

Anônimo disse...

truMIJO, dos gestapos unidos
putinho, da astússia
imaturo, da venezuera
e
teMERDA, do fazendil

Os "chefes" de estado mais detestados do planeta

Sdds Obomber, reizinho teen aclamado <3

Anônimo disse...

Trump está sendo um dos melhores presidentes que os EUA já teve

Anônimo disse...

trumPEE está sendo um dos PIORES presidentes que os eua já teve

Anônimo disse...

13:32, e mais o menino maluKIM, da escóreia do norte

Anônimo disse...

Se decidam, tem um post aqui falando q n tão ruim assim, afinal, o cara e seus conhecidos ainda frequentam restaurantes caros, agora o país tá na merda?

São vagabundos sim, atrapalhando a vida de todos, de quem vai trabalhar, de quem precisa ir ao médico... , os mesmos vagabundos estudantes q supostamente lutavam pela educação, atrapalhando o estudo dos outros.

Esse país nunca vai evoluir ficando preso em leis arcaicas.

Anônimo disse...

Eu penso que se o objetivo é impedir com que estas reformas sejam efetivadas, o plano deveria ser simples: Ir até Brasília, sitiá-la, prender o Presidente e destituir o Congresso, cessar as garantias constitucionais, para impedir o sancionamento das referidas leis. Queimar ônibus, pneus, sutiã, cueca, vai resolver o que?

Anônimo disse...

Kkkkkkkk ai meu deus... só ficou uma bosta depois do temer? Sério? Kkkkkk pqp! Q eu lembre já estava um caos, com milhões desempregados antes dele.

Anônimo disse...

13:51 ficou muito pior depois dele, mulinha

Anônimo disse...

Mas a esquerda ainda está no poder.... ou alguém acha que mudar o presidente muda algo, se o Congressso permanece o mesmo?

BLH

Anônimo disse...


Acho sim que está ocorrendo inúmeros retrocessose no momento. Não acho o Temer um bom presidente (aliás nem deveria estar no cargo), a Dilma e Lula estão sendo politicamente perseguidos, o impeachment foi injusto, o mundo inteiro está em crise e isso afeta obviamente o país - mas tem um porém nessa história: alguns esquerdistas tem uma imensa dificuldade de admitir (estado de negação?) que a esquerda/PT/Lula/Dilma e co. Ltd de TAMBÉM contribuíram pra esse estado de caos. Eles também foram mal administradores, tambem usaram mal o dinheiro público. Demonisam qualquer criatura que não vive de ajuda social, acham que todo e qualquer empresário que deve ser açoitado em praça pública e despido de sua dignidade e seus bens confiscados pelo governo e acreditam piamente na geração espontânea de bens.

Se quando a economia estava indo bem os administradores da época tivessem usado a o dinheiro dos impostos com sapiência, ainda estaríamos em crise, mas não teríamos chegado aonde chegamos...

a idolatrada e sacrossanta esquerda tem as mãos tão sujas quanto...

E como sempre, sobrou pro povo limpar os montes de esterco...


Jane Doe

Anônimo disse...

Obviamente essa Greve Geral de hoje não é apenas contra a reforma trabalhista e previdenciária. É um movimento político, petista para sermos mais específicos, contrário ao governo.

O desemprego sempre esteve aí e a falência do sistema previdenciário já é previsível há décadas, os governos anteriores apenas não tiveram coragem suficiente para fazer reformas impopulares porque se tratava de um governo populista, simples assim.

Ou seja: todos sabemos que são reformas necessárias (mudaria muitas coisas nelas sim, mas vai doer de qualquer jeito) mas como populista que é, o PT vai ser contra e vai chamar a sindicataiada toda pra parar o país.


Eu não gosto do Temer. Eu detesto o PMDB.
Mas o impeachment já teria valido só pelo fim do imposto sindical.

O que você faria com 3,9 bilhões de reais todos os anos? Na ponta do lápis, este é todo o valor que o Ministério da Saúde investiu em novos hospitais, ambulâncias e equipamentos para o SUS num intervalo de doze meses. É muita grana, não? 3,9 bilhões de reais é também o atual valor repassado anualmente aos 17 mil sindicatos brasileiros, por meio do imposto sindical obrigatório, extinto esta semana pelo Congresso com a reforma trabalhista.

Todos os anos, faça chuva ou faça sol, surge no país um novo sindicato num intervalo de apenas dois dias. E entender por que isso acontece não é muito difícil.

Desde 1937, quando Getúlio Vargas publicou a constituição que respaldaria sua ditadura, uma contribuição sindical tornou-se obrigatória independentemente do fato de você estar filiado a um sindicato ou não. Desde então, cada cidadão é obrigado a contribuir com os sindicatos pelo valor de um dia do seu trabalho durante o ano.

Segundo dados do Ministério do Trabalho, nada menos do que um em cada cinco sindicatos do Brasil nunca participaram de uma negociação coletiva. O que significa, em outras palavras, que nunca atuaram para representar aqueles que os financiam. Na prática, isso pouco importa. Continuam recebendo.

Isso é roubo. Isso é ser parasita. Não se alinhem a essas pessoas.

Alícia

PS editei o último comentário, esse que tá valendo ;)

Fonte: sputniks

Anônimo disse...

O que leva um mexicano a abandonar um país onde ser demitido é pode render uma indenização equivalente a 74 semanas de trabalho para um país onde sequer existe aviso prévio, férias ou qualquer destes benefícios trabalhistas comuns, como os Estados Unidos? Ou ainda: o que leva 4 milhões de indonésios, o país onde é mais difícil demitir uma pessoa em toda a Ásia, a viverem em Cingapura, um país onde sequer existe lei de salário mínimo?

Por que um espanhol abriria mão de um país onde o salário mínimo chega a 825 euros por mês, para migrar para a Dinamarca ou Suíça, países onde salário mínimo não é previsto em lei?

Perguntas como essas soam complicadas a muitos trabalhistas, mas revelam algo bem sugestivo sobre a vida laboral: para a maior parte dos trabalhadores é mais importante ter condições de receber uma boa renda do que ter garantia em lei de continuar recebendo algo em um emprego estável – leis que muitas vezes garantem apenas subdesenvolvimento.

Mais importa conseguir ampliar sua renda em países como o Canadá, a Austrália, Cingapura ou os Estados Unidos, onde, segundo o Banco Mundial, é mais fácil demitir uma pessoa sem complicações, do que amarrar-se às legislações de países como França, Itália ou Brasil, os três onde mais se paga impostos sobre o trabalho no mundo.

Na prática, o que qualquer um que imigre em busca de trabalho percebe é que muito mais do que escrever palavras e direitos em um papel, é preciso criar oportunidades – sem isso, a palavra escrita em uma constituição, por mais bonita que seja, perde o valor.

ALÍCIA

Anônimo disse...

Nenhum sindicato convocou greve geral quando o governo achou razoável aumentar sua dívida para repassar R$ 523 bilhões a grandes empresários.

Pode parecer estranho que o país tenha levado quase duas décadas para ver uma nova tentativa de se convocar uma greve geral – afinal, durante os primeiros cinco anos pós-ditadura, tivemos nada menos do que três greves bem sucedidas. Para quem acompanha de perto a política e a economia brasileiras, não é difícil citar momentos em que a situação tornou-se alarmante e mereceu atenção das centrais sindicais.

Em um dos momentos recentes de maior relevância, o governo decidiu colocar-se no centro da economia, tornando-se responsável por mais da metade do crédito no país. E fez isso de uma maneira muito simples: aumentando sua própria dívida.

Ao definir quem recebe tais empréstimos, de maneira subsidiada – ou seja, pagando juros menores do que a própria inflação – cerca de 70% dos beneficiários foram justamente as grandes empresas.

Em outras palavras: um grande esquema que endividava a população e transferia dinheiro às empresas mais ricas do país. E a pergunta que não quer calar agora é: onde estavam os grandes sindicatos nesse tempo todo?

O presidente da CUT, Vagner Freitas, estava no conselho do BNDES, o banco que aprovava cada uma destas ações.

Para isso, recebeu valores que podem chegar até R$ 23 mil mensais. Nada mal, hein?

ALíCIA

Anônimo disse...

O que muda com a reforma trabalhista:

1) O que for acordado pelas empresas e funcionários passa a ter maior validade do que o que está na lei.

2) Você pode definir a melhor maneira de tirar férias ou o dia na semana para aproveitar um feriado.

3) Novas formas de trabalho, como o home office passam a ser permitidas.

4) Demissões podem ser feitas em comum acordo com patrões e empregados, e você ganha o direito de sacar seu FGTS mesmo pedindo demissão.

5) Trabalhadores terceirizados passam a ter acesso aos direitos trabalhistas.

6) Você deixa de ser obrigado a pagar o imposto sindical.

7) Contratos temporários menores também poderão garantir direitos trabalhistas.

Estude antes de saber contra exatamente o que vc tem se manifestado.

Alícia

Anônimo disse...

Com mais de 15 mil sindicatos registrados, era de se esperar que nenhum país do mundo conseguisse superar o Brasil quando o assunto é assegurar proteção ao trabalhador, certo? Se sindicatos, afinal, existem para defender os seus interesses e nós os temos em maior número do que em qualquer outro lugar do planeta, a lógica incontestável é que deveríamos ter trabalhadores mais assegurados que na Dinamarca, por exemplo, onde apenas 164 sindicatos atuam, ou no Reino Unido, onde somente 168 dão as caras. A correlação, no entanto, você já deve imaginar: não existe.

Mesmo tendo 50 vezes mais sindicatos do que a Dinamarca, ou 60 vezes mais do que o Reino Unido, menos trabalhadores estão ligados a estes sindicatos por aqui do que por lá. E a razão para isso é de fácil explicação: um sindicato no Brasil não precisa de filiados para ganhar dinheiro.

Graças ao chamado imposto sindical, que retira um dia do seu trabalho todos os anos e repassa aos sindicatos, é possível, entre outras bizarrices, um Sindicato da indústria de camisas para homens e roupas brancas de São Paulo, ou ainda um Sindicato de trabalhadores em entidades sindicais. E nada disso é piada.

Por ano, são R$ 3,9 bilhões distribuídos entre 11 mil sindicatos de trabalhadores e 5 mil sindicatos patronais.

Na reforma recém aprovada, o imposto deixa de existir – apesar de todo o lobby realizado por deputados como o presidente da Força Sindical, Paulinho da Força. Não é uma coincidência que isso gere tantos protestos nesse momento.

ALICIA

Anônimo disse...

credo, essa chata da alicia flodando o post com esses cânceres em forma de textão, ninguém vai ler, otária

Anônimo disse...

quanto ctrl c/ctrl v, nos poupe né "querida"

Anônimo disse...

Claro que não vão ler.

Quer dizer, eu tinha uma esperança que lessem, sim. Que buscassem informação longa da panelinha. Como eu sei que vcs só leem páginas esquerdistas e nunca páram para ouvir o outro lado, eu trouxe uma opinião diferente pra vcs. Eu queria um debate, uma troca de idéias. Apresentei pontos que contrapõem o texto e esperava que vcs o rebatessem, ou refletissem.

Eu venho aqui e leio os textos com a maior boa vontade, mesmo quase nunca concordando. Leio várias páginas de squerda e clico no link que vcs mandam aqui na caixa de comentários.

Eu esperava que, no mínimo, vcs fizessem o mesmo. É bom, sabe, ouvir gente discordando do que pensamos algumas vezes.

Beijos de luz ;)

Alícia

Anônimo disse...

Eu sei que não são todos, mas eu teria vergonha do nível de comentaristas desse blog atualmente.

Alícia

Anônimo disse...

90% dos comentários tem xingamento.

Sério, gente, sério. Melhorem.

Alícia

Anônimo disse...

E eu teria vergonha de frequentar um blog assumidamente de esquerda cm pensamentos amadores desses. Qual é garota?! Seu lugar é na pag do mbl e dos fas do bolsonaro. Vai procurar tua turma vai! Desculpa Lola mas essa Alicia é pé no saco. Não sei como vc aguenta!

Anônimo disse...

pensamentos amadores? então, afinal, vc os leu?
Rebata-os então. Classificar de amadores não adianta muita coisa e não convence ninguém e, ao menos, é um argumento não é? Vc, até agora, não apresentou nenhum.

Vc achar que eu sou eleitora de bolsonaro só mostra que não sabe nada sobre mim e nada sobre o que penso.

A lola nunca me chamou de troll e nunca falou que opiniões contrárias não eram bem vindas aqui. O que ela não quer é tumulto e quem tá fazendo isso é você.

Se vc é incapaz de conviver com quem discorda de você é só mais um motivo pra eu manter os dois pés atrás.

Alícia

Anônimo disse...

Tinha era gente da cut armando confusão pelo país.

Anônimo disse...

Essa greve foi um fracasso. Muito vandalismo, pouca adesão, especialmente comparado ao que prometiam. Comparem com os protestos notavelmente pacíficos a favor do impeachment. Ainda têm a cara de pau de emendar com o final de semana e o dia do trabalho para fazer um "feriadão". Uma vergonha. Boa parte dos que são contra a reforma mal sabem o que vai mudar, ou estão revoltados que não poderão sugar dinheiro da população da mesma forma que antes, como líderes sindicais podres de ricos que querem que o trabalhador seja obrigado a lhes pagar todo mês.

Sportano disse...

Acredito que como Alicia é tão contra uma lei que garanta uma estabilidade maior no emprego,ela vá na primeira oportunidade dizer que não precisa ser mais estável no cargo público que ocupa. Pra que uma garantia de estabilidade maior Alícia? Precisa não. Vá lá.

Anônimo disse...

Parabéns pela greve. Mas amanhã a vida segue normalmente.

Anônimo disse...

Já falei tanto sobre o meu posicionamento sobre estabilidade do serviço público e pra que ela serve que vai ficar repetitivo, mas vamos lá.

Primeiro, essa reforma não está tornando os empregos menos estáveis. Se fosse estável não tinha tanta gente sendo mandada embora, por mais caro que seja. Essa lei dá autonomia as partes de negociarem entre si.
Enfim, leiam o que postei, sério.

Segundo que estabilidade no serviço público não serve pra proteger servidor público de ser mandado embora. Ela serve para assegurar que ele tenha atuação independente e sem emeaças. É por isso que ele deve ser contratado por concurso público etc etc.

Mas nem todos os cargos que hoje gozam de estabilidade sofrem esse tipo de ameaça na hora de atuar. Delegados, promotores, juizes, e seus cargos auxiliares, dentre outros, devem continuar protegidos sim, bem como devem ser mantidas suas garantias constitucionais.

Agora falar que a professora do filho da minha vizinha não consegue trabalhar direito pq não tem estabilidade é o fim. A bibliotecária aqui do MPF. O chefe do RH. Todos tem estabilidade sem propósito algum. Não é sustentável isso.

Alícia

donadio disse...

Que merda, entrei no blog da Alícia por engano.

Anônimo disse...

Pedirem pra eu sair do emprego estável porque sou neoliberal é como eu pedir pra vcs parerem de usar a internet porque é uma criação difundida pelo capitalismo.

Não rola.

Alícia

Sportano disse...

O que muda com a reforma :

1) Negociação : Atualmente,convenção e acordo coletivo podem prevalecer sobre a lei desde que seja mais benéfico pra o empregado. Com a reforma, os acordos e negociações não necessariamente serão mais benéficos para o empregado. E como a relação empregado e empregador é desigual naturalmente não serão.

2) Férias : o empregador poderá parcelar suas férias em até 03 parcelas.

3) Transporte :

Atualmente, o tempo de deslocamento no transporte oferecido pela empresa quando a localidade é de difícil acesso ou não servida por transporte público é compatibilizado como de efetivo exercício. Com a reforma,nenhuma modalidade de transporte será. Sabe aqueles acidentes que o empregado sofre no deslocamento casa trabalho e vice-versa? Pois bem,a empresa não terá mais a responsabilidade de prestar a assistência.

Continua...

Sportano disse...

Tempo na empresa :

Atualmente, a CLT considera de efetivo exercício o tempo em que o empregado está a disposição do empregador.Com a reforma,tempos com descanso,estudo, alimentação,interação entre colegas, higiene pessoal e troca de uniforme não serão mais tempo de exercício.

5) Tempo de descanso : para quem trabalha oito horas, de 1 a 2 horas. Com a reforma,30 minutos.

6) Demissão : sim pode ser de comum acordo (acredite que se a empresa quiser demitir você e você não quiser ela não vai fazer nada. E acredite em papai Noel também). Você vai ter direito a metade do aviso prévio,metade da multa dos 40% do FGTS e você poderá usar até 80% do que a empresa tiver depositado no FGTS. E não tem direito ao seguro desemprego.

7) Gravidez

Grávidas e lactantes poderão trabalhar em ambientes insalubres. Atualmente,não há prazo para comunicar a empresa sobre a gravidez. Com a reforma,a grávida demitida tem até 30 dias para comunicar a empresa. Descobriu depois a gravidez,perdeu.

Sportano disse...

Na boa, o pessoal tem que estudar primeiro pra ver o que tá defendendo. Parar com essa briguinha besta de direita e esquerda e perceber que na verdade a reforma prejudica a todos,adoradores de pato ou não.

Rodolfo Abrantes disse...

E porque deveria se a responsabilidade do acidente não é dela????????

Sportano disse...

Tem que ser coerente. Se é contra uma proteção maior do emprego saia dele.

Veja a minha situação : também sou servidor público e não fico dizendo que uma maior segurança no emprego não deve existir. É coerência.

Anônimo disse...

Aff, é como se a esquerda não soubesse protestar, saem por aí queimando ônibus e o diabo a quatro, patrimônio de todos os cidadãos, e depois quando levam umas belas dumas balas de borracha se acham uns oprimidos. Também, esperar o quê de gente que acha que punir quem vandaliza as casas dos outros é um crime contra a liberdade de expressão...

Rodolfo Abrantes disse...

O que esses sindicalistas estão comendo e de perder a boquinha, trabalhei anos no comércio​ e sabe o que o sindicato dos rodoviários fizeram por mim e por meus colegas de trabalho, nada apenas comiam anualmente nosso dinheiro.


E assim é na maioria esmagadoras dos sindicatos um bando de vagabundos ganhando super salário sem fazer nada(lembra muito o congresso) e agora não poderam mas manter a boa vida.


Cada dia gosto mais desse governo, e isso ai acaba com a farra desse desocupados.

Rodolfo Abrantes disse...

*Quiz dizer sindicato dos comerciários.

Anônimo disse...

Quando as contribuições sindicais forem optativas, os sindicatos realmente terão que mostrar serviço para receberem algo, não sei como alguém pode ser contra isso, até quem é a favor de sindicato tem que admitir que isso colocaria pressão para que eles trabalhem melhor. Não diria que concordo com tudo nessa reforma, mas esse pensamento mesquinho de tudo-ou-nada não leva a lugar nenhum.

Miriam Andrade disse...

AliciO e Rodolfo, parem de escrever merda por favor. Aqui não é blog reaça, o Spotiniques.

Aqui não defendemos a perda de direitos importantíssimos, como a CLT, os encargos trabalhistas, e a contribuição sindical compulsória.
Estes direitos eram o que defendiam a economia brasileira dos capitalistas e investidores fascistas, e agora terão um fim triste por causa dos golpistas.

Vão se foder pra lá. Dia triste.

Anônimo disse...

"Aqui não defendemos a perda de direitos importantíssimos, como a CLT, os encargos trabalhistas, e a contribuição sindical compulsória."

Lol, "direitos". Bom saber que vocês não perderam o senso de humor mesmo com tantas derrotas amargas!

donadio disse...

Mirian,

a contribuição sindical obrigatória não é um direito, muito menos importantíssimo.

Anônimo disse...

"Parar o país"? Fail.

Anônimo disse...

Tá com inveja? Vá estudar, quem sabe um dia vc adquire conhecimento suficiente para responder a altura... Eca! Como despeito fede...
Donadio, continue comentando, vc acrescenta mt.

Anônimo disse...

Quem cria esse tipo de coisa? O pessoal da 4° série? Que infantilidade...

Anônimo disse...

Sério? É por isso que a aprovação dele só caí? Nem a minoria que votou nele está satisfeita. Tá precisando acompanhar mais o noticiário internacional, chuchuzinho...

Anônimo disse...

Leia o post novamente. Em nenhum momento se afirma que o país está "na merda". Fala do absurdo que é a perda de direitos conquistados há tão pouco tempo e com tanto sacrifício. Fala do aumento do desemprego e do risco para o futuro.
Aposentadoria e direito trabalhista é "lei arcaica"?
Não seja patético! Leu isso na Veja? Ou foi o Olavo de Carvalho que te falou? Pq é evidente que vc não pensa, é apenas um idiota útil reproduzindo as merdas que escuta.

Anônimo disse...

Achou engraçado? Espera mais um pouco. Talvez daqui um mês ou dois vc perca seu emprego.Aí não vai achar outro... Pq não tem mais. Vai continuar rindo? Vai sair para bater mais panela com roipinha de copa do mundo?
Bando de otários...

Anônimo disse...

O Congresso brasileiro é de esquerda? Sério? Vc consegue imagimar o quanto vc é ignorante?
Por favor, venha aqui e me explique oq vc acha que é "ser de esquerda"... Sério, estou curiosa. Pq eu já ouvi mt burrice nessa vida, mas ler que o congresso brasileiro é de esquerda foi primeira vez.

Anônimo disse...

Nossa Alícia! Vc copia essa monte de texto simplista, manipulador, cheio de desinformação, demonstra uma tremenda ignorância sobre o assunto e ainda tem a arrogância de mandar as pessoas irem estudar?
É sério isso?
Quem tá precisando estudar (e mt!) é vc.
Mas vc deve ser muito rica né? Não precisa de trabalho para viver. Suspeito até que vc nunca trabalhou na vida. Só sendo mt dondoca para demonstrar tanta ingênuidade acerca de como funciona as relações entre patrão e funcionário. Ou isso, ou você é apenas muito estúpida.

Anônimo disse...

Cada dia vc gosta mais desse governo? Que bom! Vc é uma pessoa diferente. Faz parte do seleto grupo dos 4% que aprovam o véi Temer. Talvez uma dia a Netflix faça uma série sobre vocês.

Miriam Andrade disse...

Donadio

A contribuição sindical é SIM um direito de fundamental importância. Ele garante que haverá uma fonte de recursos financeiros para todos os sindicatos, independentemente de categoria. Desta forma, pode-se tanto garantir o financiamento de um sindicato grande (como o dos metalúrgicos) como uma organização mais humilde, como o já mencionados Sindicato dos trabalhadores em -Sindicatos- Entidades sociais, SINTESI, e o Sindicato da Indústria de Camisas para Homem e Roupas Brancas(Sindroupas). Não importa o tamanho de sua categoria, a lei garante que alguém estará lá para te representar.

E o que você recebe em retorno desta contribuição?
O benefício que os Sindicatos proporcionam é muito superior ao que todos os trabalhadores do Brasil, sozinhos, conseguiriam.
O sindicato usa o dinheiro para remunerar os dirigentes e advogados defensores da causa trabalhista, pagar os anúncios feitos nas redes de TV, e organizar toda esta força sindical que parou o Brasil como um freio de mão, como visto mais cedo. A verba até mesmo é utilizada para ressarcir e alimentar parcialmente os ativistas que trabalharam realizando esta greve.

Não se deixe enganar por estes liberais fascistas, Domadio!

Rafael Cherem disse...

A pauta da greve deveria ser a derrubada do governo e só.O resto é consequência.

Anônimo disse...

a) E absurdo querer diminuir um movimento que luta pelos trabalhadores monopolizando o debate em torno do imposto sindical ou da questão do PT.

b) Realmente eu fico impressionada com boa fé dos liberais da internet eles realmente acreditam que trabalhadores e empresários estão em pe de igualdade e que o empresário não vai demitir o trabalhador quando este não aceitar suas exigências

Anônimo disse...

Acho que a greve deu FAIL

Anônimo disse...

07:52


Porque com todos os "direitos" garantidos ninguém é demitido...

Arranjem argumento melhor.

Um dos maravilhosos direitos-fgts, n posso pegar meu próprio dinheiro quando me der na telha, devo seguir as regras do governo pra poder pegar.

Ou os direitos q tinha no meu último emprego, era tanto desconto q o salário caía pela metade. E n usava praticamente nada dos "benefícios".
Prefiro o dinheiro completo e eu decido o que faço.

Alicia falou uma verdade, nos EUA n tem essas palhaçada toda e ainda assim n falta gente indo pra lá pra melhorar de vida.
No YouTube um cara q mora lá, dá um exemplo. O cara lava pratos, 3x por semana e recebe 1200 dólares, dá pra viver bem só lavando pratos, se aumentar o n de dias trabalhados, melhor ainda.
Se fosse aqui trabalharia o mês inteiro, recebendo muito menos graças aos "direitos" e "benefícios".

Anônimo disse...

O que eu vi fracassar foram as manifestações do MBL

Anônimo disse...

E meio irtitante estas comparações entre E.U.A e Brasil somos nações diferentes com salários diferentes. O Brasil é um pais com uma herança escravocrata forte não acredito nesta livre negociação entre patrões e empregados quem defende está idéia do patrão bonzinho nunca esteve em uma fila de desemprego onde ouvimos trabalhadores e ficamos sabendo de histórias de abusos

Anônimo disse...

Greve fraca... Não vão conseguir nada.

Anônimo disse...

Povinho reclamando do exemplo dos EUA? Que aliás também tem uma "herança escravocrata" forte, especialmente no Sul? Pode trocar por Canadá, Austrália, Singapura, Hong Kong, Suíça...

Anônimo disse...

10:59

Eu acho bem estranho esse pensamento vindo de feministas, ninguém deve tentar mudar nada? Vamos ficar nessa lei q n beneficia ninguém de verdade eternamente pq aqui n é igual aos EUA? Então vamos ficar na merda sempre, tem começar de algum jeito.

Anônimo disse...

a) Os Estados Unidos aboliu a escravidão em 1863 iniciando um outro capitulo da Historia. O Brasil aboliu em 1888 bem depois.
O FGTS foi criado durante o regime militar para substituir uma perda que o trabalhador teve durante o período que após 10 anos de serviço o trabalhador ganhava estabilidade no emprego e agora querem acabar com o fundo?
Qual será a vantagem para o trabalhador? Pois não acredito em aumento de salário

Anônimo disse...

"O FGTS foi criado durante o regime militar para substituir uma perda que o trabalhador teve durante o período que após 10 anos de serviço o trabalhador ganhava estabilidade no emprego e agora querem acabar com o fundo?
Qual será a vantagem para o trabalhador? Pois não acredito em aumento de salário"

O FGTS tem uma rentabilidade de menos que 5% ao ano. Como a inflação está mais alta que isso, isso quer dizer que você está simplesmente sofrendo um roubo - o dinheiro que você vai receber vale menos do que o que você investiu. Até poupança, que é um dos meios de investimento mais meia-boca que tem, rende mais do que FGTS, e o trabalhador poderia pegar o dinheiro quando precisasse sem precisar de autorização do governo.

Anônimo disse...

A loka do concurso pra oficial de justiça e oloko do filho trans imaginário atacam novamente kkkkkkkk

Anônimo disse...

Roubo? Bem eu não vejo os trabalhadores que são demitidos após anos de trabalho e sacam o fundo se sentirem roubados eles se sentem aliviados pois tem alguma coisa e não estão a ver navios

Anônimo disse...

Essa "greve" foi fail demais, acho interessantíssimo como certas mobilizações de araque só acontecem DEPOIS de ser assegurado que a situação contra a qual se protesta não mude.

A "greve" atacou majoritariamente os transportes. Só que hoje em dia existe uber, trabalho remoto, greve também é fato público notório, ou seja, você consegue conversar e depois repor o dia, no meu ramo de atividade foi assim, só fui porque moro literalmente ao lado do serviço e quem não conseguiu chegar depois compensa e aproveita o feriadão emendado com um total de: zero problemas.

Não foi uma mobilização do povo mas sim de setores que já não contam com grande simpatia da população e encabeçada por pessoas mais sujas que pau de galinheiro.

Se as pessoas REALMENTE quisessem ser levadas a sério e botar pra fuder, seria tão mais fácil... pega na internet a listinha da casa de cada um dos deputados, senadores, assessores, seus parentes, onde que as esposas fazem academia, em que lugar seus filhos estudam, o nome de suas amantes, sogros e sogras, lugares que frequentam e aí é só levar um grande cesto de amor popular a cada uma dessas pessoas, que tal fazer essa gente, seus parentes e amigos lembrarem que são representantes e não patrões do povo?

Obviamente que pra isso acontecer o Brasil teria que ser um país sério. Como não é, ficamos assim fazendo carnacoxinhas, micacuts, enchendo patinhos e disputando sanduíches a tapa, brincando de grevezinha.

Temos o que merecemos, a verdade é só essa.

Anônimo disse...

"Roubo? Bem eu não vejo os trabalhadores que são demitidos após anos de trabalho e sacam o fundo se sentirem roubados eles se sentem aliviados pois tem alguma coisa e não estão a ver navios"

Rende menos que a poupança, o "investimento" mais idiota que existe. Então é roubo sim.

donadio disse...

Mirian,

eu não me deixo enganar por "liberais fascistas". Eu sigo a linha que sempre foi a do movimento sindical combativo: a contribuição sindical obrigatória é o que permite a criação e sobrevivência dos sindicatos "de gaveta", organizações pelegas que recebem a contribuição e têm vinte ou trinta filiados, nunca convocam assembléias, etc.

Peleguismo não é um direito importantíssimo. Você que é petista ferrenha deveria saber disso.

Rafael Cherem disse...

Pessoal falando dos EUA dá uma olhada nos sindicatos de lá.

Anônimo disse...

Sobre a "grande" greve, uma curiosidade. Tenho uma (bem)pequena empresa no ramo de alimentação, 5 funcionárias do sexo feminino e um funcionário do sexo masculino. Sabedora da greve, ofereci no dia anterior pagar Uber para quem não conseguisse chegar ao trabalho a tempo (começamos às 6 da manhã). Nenhuma das funcionárias quis, uma deu carona pra outra e todo mundo chegou (eu já estava lá sozinha desde as 3 da manhã fazendo as coisas o quanto fosse humanamente possível para 8 da manhã estourandoooo sair para entregas). O rapaz, apesar de morar relativamente perto, quis o Uber e mesmo assim não apareceu nem telefonou, no meu aplicativo constou como corrida não realizada e cobraram a taxinha lá.

Nem preciso dizer que a partir de terça vai ter vaga aberta na minha empresa. E vai ser para mais uma mulher.

donadio disse...

Pronto, agora arranjamos o argumento definitivo: as mulheres furam greve melhor do que os homens.

Cada uma que são duas...

Anônimo disse...

quem falou sobre fgts aí, sobre ser um roubo, tá mais que certo. E a aposentadoria é a mesma coisa.

Se deixássemos a grana na poupança ia render mais, e olha que a poupança já é péssima. Te obrigam a dar o seu dinheiro e quando o devolvem pra vc, ele vale menos do que valeria se vc mesmo tivesse guardado.
Seria ok se fosse voluntário, mas não é.

Eu não consigo entender como vcs não param pra pensar em coisas tão simples e concordam com isso. Enfim.

Alícia

Anônimo disse...

https://spotniks.com/4-razoes-por-que-alguem-de-esquerda-deveria-considerar-virar-liberal/

1. Pelas minorias.
2. Pelos mais pobres.
3. Por inclusão.
4. Contra as grandes corporações e os grandes banqueiros.

Leiam =)

alícia

donadio disse...

"Se deixássemos a grana na poupança ia render mais, e olha que a poupança já é péssima."

O problema, Alícia, é que o dinheiro que iria para o FGTS não vai para o salário do trabalhador. Vai simplesmente aumentar o lucro da empresa.

"Eu não consigo entender como vcs não param pra pensar em coisas tão simples e concordam com isso. Enfim."

Eu não consigo entender como vc, Alícia, não pára para pensar em algo tão simples, como o fato bem conhecido de que a relação empregatícia não é uma relação entre iguais.

Enfim. Cada um tem o (não) entendimento que pode alcançar.

Anônimo disse...

O FGTS é uma obrigação do empregador. Ele deve repassá-lo mensalmente aos cofres do estado. Já pensou que legal se, ao invés disso, ele repassar esse mesmo dinheiro ao empregado?! Vc não prefere decidir como gerenciar o seu dinheiro? Vc não prefere ter autonomia de como vai planejar sua aposentadoria também, ao invés de ser obrigado a ver seu salário menor em virtude do desconto do inss?!

Pq vc acha que o estado cuida do seu dinheiro melhor que vc @donadio?!

PS: ainda que o dinheiro ficasse para aumentar os lucros dos empresários, ainda sim seria melhor que deixar o estado roubá-lo de vc.

Alícia

Anônimo disse...

O inimigo do empregado não é o empregador e sim o Estado como temos aqui no brasil.

Alícia

donadio disse...

"Pq vc acha que o estado cuida do seu dinheiro melhor que vc @donadio?!"

Alícia, não viaja.

O dinheiro não é "meu". Está comigo para que eu possa comprar aquilo de que eu preciso para poder continuar trabalhando. Na lógica do sistema, eu não preciso de nada além disso. E, portanto, o dinheiro do FGTS não vai aumentar o meu salário, vai aumentar o lucro do patrão.

Mesmo que inicialmente o patrão repasse o meu FGTS para o meu salário, é óbvio que, à medida que o tempo passa e a memória do FGTS se perde, o patrão vai reincorporar esse dinheiro ao seu lucro, através de reajustes inferiores à inflação. Sem contar que, quando contratar novos empregados, não estará obrigado a incluir FGTS nenhum na conta.

A não ser, claro, que o Estado obrigue o patrão a fazer diferente. Mas o Estado está aí, arrebentando as conquistas dos trabalhadores para beneficiar o patrão, portanto podemos contar com o fato notório de que o Estado protegerá a apropriação do FGTS pelo patrão, e quebrará seus cassetetes nas costas daqueles de nós que tivermos a ousadia de contestar isso.

"O inimigo do empregado não é o empregador e sim o Estado como temos aqui no brasil."

Falou aquela cujo empregador é... o Estado.

Anônimo disse...

Meu caro,
Sim, o dinheiro é seu. É a contraprestação pelo trabalho que você executa e, sendo seu, você tem mais do que o dever, você tem o direito de geri-lo como bem entender.

Dei muitas explanações acima do porque uma reforma trabalhista que aparentemente retira direitos do trabalhador pode, na verdade, ser benéfica a ele.

países com leis trabalhistas muito rígidas são geralmente lugares ruins para se fazer negócio. Lucro é considerado pecado; empresários são tidos como vilões. Pouca gente se aventura a investir ou abrir vagas de trabalho em lugares assim. Já os países onde as leis trabalhistas são mais leves costumam ter mais liberdade para empreender, tradição de respeito à propriedade, facilidade para investir e, por causa disso tudo, mais oportunidades para os pobres.

É a facilidade de fazer negócios, e não um punhado de palavras escritas no papel, que garante direitos aos trabalhadores.

Donadio, vejo que você está interessado no debate e, por isso, sugiro as seguintes leituras:

https://spotniks.com/5-razoes-por-que-deveriamos-acabar-com-fgts-13-salario-e-inss/

http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=2042

"(...) No caso do INSS, R$ 398,46 são confiscados mensalmente com a promessa de que o trabalhador irá receber saúde (SUS), seguro de vida e previdência. Não irei aqui comentar sobre a qualidade e a confiabilidade destes três. Irei apenas dizer que, caso o trabalhador tivesse a opção de ficar com este dinheiro, ele poderia recorrer ao mercado privado e voluntariamente contratar um plano de saúde, um seguro de vida e previdência por R$ 300 e ainda receber um serviço melhor do que o do SUS (...)"

Oh, alícia, sua burra! onde vc encontra um plano de saúde + aposentadoria decente por 300 reais no mercado?
Não encontramos, e sabe por quê? Porque o Estado (mais uma vez), coloca tantos empecilhos para empreendermos nessa país que para vc abrir uma concorrente da UNIMED é praticamente impossível. As grandes seguradoras fazem mto lobby no congresso para manter a dificuldade de se abrir empresas no mesmo ramo e assim mantém vc escravo de financiar o SUS ou pagar um plano ruim e caro.



Enfim, são vários exemplos. Podemos também entrar na questão do tamanho do estado, o qual eu sempre defendi ser menor (e não inexistente). Os textos demonstram claramente as vantagens para os TRABALHADORES de um Estado menos intrometido (e é por isso que as pessoas vão do méxico aos EUA, para investir e para trabalhar, e não fazem o caminho contrário).

Espero que você leia e volte para comentar, estou a disposição de ler qualquer coisa que vc possa compartilhar.

Obrigada!

Alícia