quarta-feira, 24 de maio de 2017

GUEST POST: INTRODUÇÃO AO ARROMANTISMO, OU AUSÊNCIA DO AMOR ROMÂNTICO

Adoro publicar guest posts sobre temas que desconheço totalmente. A palavra da vez é arromantismo. Você já ouviu falar?
Ulisses Constantino é guardião de piscinas (em outras palavras: salva-vidas), tem 30 anos e mora sozinho. E decidiu compartilhar conosco seu conhecimento sobre arromantismo.

Arromantismo é ausência ou pouca presença de amor romântico.
Uma pessoa arromântica é alguém que não sente atração romântica por nenhum sexo ou gênero. Atração romântica, basicamente, é o impulso emocional que faz com que alguém queira namorar uma pessoa; é a capacidade que alguém tem em se apaixonar romanticamente por uma pessoa ou sentir crush por ela.
Ou seja, pessoas arromânticas não se apaixonam nem sentem crush por ninguém. Por isso, geralmente, não têm vontade de namorar. Vale ressaltar que o que define uma arromântica é a incapacidade de se apaixonar e ter crush e não a negação em namorar. Há arromânticas que querem namorar, apesar de não serem capazes de se apaixonar, de sentir amor romântico. O simples fato de alguém não querer namorar não faz dela uma arromântica. Uma arromântica não é alguém que reprime os próprios sentimentos românticos quando se apaixona. É alguém que não possui amor romântico e é incapaz de se apaixonar em primeiro lugar. É isso o que define uma arromântica.
Não se deve confundir arromantismo com assexualidade, que é a ausência ou pouca presença de atração sexual.
O arromantismo é uma orientação romântica, isto é, indica por qual gênero ou sexo a pessoa é capaz de se apaixonar ou ter crush. Porém, várias pessoas afirmam que o arromantismo não é uma orientação romântica, pois não há nele presença de amor romântico. 
Existem, basicamente, dois tipos de arromânticas: as sexuais e as assexuais.
As arromânticas sexuais (ou eróticas) não se apaixonam nem desejam namorar, porém, sentem atração sexual, isto é, vontade de transar. Sentem-na mas sem se apaixonarem nem terem crush pela pessoa objeto de sua atração. 
As arromânticas assexuais não se apaixonam nem desejam namorar e também não sentem atração sexual, isto é, não sentem vontade de transar. Elas podem se masturbar ou não. A masturbação não é critério de definição de orientação sexual ou romântica.
Teoricamente, a princípio, nenhuma arromântica assexual gosta de beijo na boca. Mas, na minha opinião, não existe um consenso na comunidade arromântica sobre se gostar de beijo na boca faz com que uma pessoa deixe de ser arromântica assexual ou não. Para algumas pessoas, o beijo na boca é um ato sexual. As arromânticas sexuais podem usá-lo como aquecimento. Para outras, o beijo é um ato romântico. Para as assexuais românticas, ele é uma demonstração de amor romântico e carinho para com o ou a parceira. Para outros ainda, o beijo é um ato romântico e sexual ao mesmo tempo.
É que na questão do namoro ou do sexo, o contato físico é praticamente onipresente. Existem 3 elementos ou ações na questão do contato físico em um relacionamento: 1) o beijo, especialmente o beijo na boca; 2) chamegos e carícias (incluindo abraços e toques); 3) sexo.
Bandeira do orgulho arromântico
Para as arromânticas assexuais, não existe o menor desejo de praticar uma das três ações. Porém, praticar uma das 3 ações com alguém não significa que ela seja sexual ou romântica, pois o que define tanto o arromantismo como a assexualidade é a ausência ou a inexistência da paixão romântica ou da vontade de transar, respectivamente. 
Arromânticas não são psicopatas, nem psicóticas. Arromânticas assexuais não são frígidas, frias ou desumanas. Arromânticas sexuais não são taradas ou ninfomaníacas. Ser arromântica não significa ser sexualmente promíscua.
Dentro do espectro arromântico, existe uma área cinza. Nela estão, entre outras, as demirromanticas, as lithorromanticas e as gray-aro ("aro" é o apelido das arromânticas, assim como "ace" é o apelido das assexuais, e "gay" é o apelido dos homossexuais).
As demirromânticas só sentem atração romântica secundária. Em outras palavras, só se apaixonam ou têm crush após formarem uma ligação emocional — geralmente platônica — com alguém. Tal ligação só é formada após se tornar amiga da pessoa ou passar algum tempo convivendo com ela.
As gray-aro são pessoas que se apaixonam ou têm crush rara ou irregularmente. Nas vezes em que sentem atração romântica, ela não se manifesta na mesma intensidade ou tem a mesma duração. Varia muito, pois elas raramente sentem atração romântica e o modo como se manifestam é irregular.
As lithorromânticas são pessoas que se apaixonam, porém, não querem que tal paixão seja recíproca, correspondida, ou não querem que a pessoa objeto saiba da existência de tal sentimento nem querem namorá-la. 
Se o sentimento for recíproco, correspondido ou houver namoro, a paixão extingue-se espontaneamente, mesmo que de maneira gradual.
Uma coisa que faz com que muitas arromânticas sofram é a amatonormatividade presente na sociedade. 
Citado pela primeira vez pela filósofa Elizabeth Blake, em seu livro Minimizing Marriage (Minimizando Casamento), amatonormatividade é a presunção de que um relacionamento amoroso principal exclusivo é normal para os seres humanos, no sentido de ser um objetivo universalmente compartilhado e que tal relacionamento é normativo, de tal forma que ele deveria ser almejado em detrimento de outros tipos de relacionamento. Tal norma social resulta, segundo ela ainda, no sacrifício de outros tipos de relacionamentos em favor do amor romântico e do casamento e relega a amizade e a solidão à invisibilidade cultural.
Isso é diametralmente oposto ao arromantismo e ao espectro arromântico. Tal conceito é tema de debates na comunidade arromântica. 
No Brasil, as pessoas arromânticas, assim como as assexuais, não têm visibilidade. As assexuais, aos poucos, estão ganhando visibilidade. Mas as arromânticas ainda estão no esquecimento. Na época em que eu tinha Facebook (excluí a minha conta) havia um grupo chamado “Arromânticos e Arromânticas”. Acho que foi o primeiro grupo online voltado exclusivamente para arromânticas do Brasil. 
Espero ter ajudado a dar mais visibilidade à comunidade arromântica com este post. Se alguma leitora ou leitor se identificou com esse texto, saiba que você não está sozinha e que não há nada de errado contigo. Ser arromântica é normal: você apenas não possui o sentimento romântico e não tem necessidade emocional de ter uma namorada ou namorado. 
Você pode decidir ficar sozinha ou cultivar amizades. Você não é psicopata, nem monstro, nem aberração, nem doente mental. Você apenas não sente atração romântica: não se apaixona romanticamente nem tem crush por ninguém. 
Assuma o seu arromantismo e seja feliz! Você ainda é capaz de amar de outras formas!

92 comentários:

Anônimo disse...

Olha, já estou cansada com toda a porralhada de nomes que ficam surgindo quando é desnecessário. Depois do trnasexualismo de querer chamar homem de mulher já perdi a paciência. Porque quando uma pessoa quer ficar sozinha ela tem que ser " arromantica blabla" e não apenas uma pessoa que simplesmente não está com paciência ou não quer relacionamentos? Qie caralho de pós-modernidade desnecessária.

Anônimo disse...

Eu gostaria de um relato de como é a vida das mulheres faveladas e como a objetificacao sexual, prostituição e violência as atingem ao invés dessa salada de nomes desnecessários.

Anônimo disse...

daqui a pouco a lola posta sobre os gêneros de tumblr:

demiboy, demigirl, cado-neutrois, pangênero, gênero fluido, blurflux, argogênero e o resto da idiotice queer

Anônimo disse...

Sou romântica quando tô distante mas com a rotina sou arromantica.

Anônimo disse...

Primeiro comecei com apetite sexual na vida depois foi embutido o romance das princesas.

Catarina,a grande

Anônimo disse...

Apenas um comentário sobre poliamorismo e outras merdas que querem nos enfiar gule abaixo: já tentaram por em prática na urss nos anos 20 e não deu certo. Dar liberdade de relações para seres humanos do sexo masxulino vira um caos e o número de bastardos nascidos se tornavam maioria a ponto do estado não conseguir cuidar, as mulheres ficaram mais conservadoras e o conceito de família voltou com o stalin. Porque liberalismo sexual é tão prejudicial ou mais que a família tradicional, porque trás problemas que não estamos acostumadas a lidar. Já conhecemos o machismo tradicional de mandar a mulher ser escrava doméstica mas vejo muita gente defendendo pornografia, bsdm, caralho a quatro dizendo que é emancipação sendo que só vai fuder ainda mais as mulheres e dar força para um backlash de volta ao tradicional.

Anônimo disse...

Meu primeiro fora foi aos 6 anos quando M me rejeitou. aquele garoto eu o agarrava pra ser meu namorado mas só rejeição.

Anônimo disse...

Tem muitos outros blogs feministas que conseguem discutir de uma forma muito boa a nossa sociedade. Eu aconselho o "síndrome do mundo moderno" e "sexismo e misoginia".

Anônimo disse...

já sei, vai ser o novo gênero.

Anônimo disse...

O mito do amor romântico foi a criação mais vil e sisuda do patriarcado para domesticar as mulheres a opressão.

Sem isto se saberia que seria insuportável para nós suportamos a relação com homens, a violência física da penetração, e a falta de desejo natural por Homens. Então criaram o amor romântico para tornar socialmente aceitável estas questões.

Mulheres são o único grupo oprimido que se espera que tenha sentimentos românticos para com seu opressor.

Anônimo disse...

Eu ia ler daí vi que foi escrito por macho então deixa pra lá.
Agora o que um textomacho está fazendo em um blog feminista eis a questão.

Anônimo disse...

12h42 concordo plenamente.

Anônimo disse...

Mas todo homem é na verdade aromantico
Este daí só assumiu isto, homens não sentem amor por mulheres, há somente desejo de posse, despejo sexual e dominação por parte deles sobre nós.
Acho sim interessante e necessário discutir estas questões no feminismo.

Eu mesma disse...

Daqui a pouco a sigla lgbt vai ter quilômetros, concordo com o primeiro comentário. Pra que tanto rótulos? Um dos objetivos do feminismo não é quebrar rótulos e estereótipos?
São só pessoas que estão cagando pra relacionamento e pronto. O motivo n importa a ninguém.
Basta ver o post e comentários anterior, é tanto rótulo, que eu sinceramente n entendi porra nenhum. É queer, fluido, n binario...

Anônimo disse...

Eu também não entendo a necessidade que as pessoas tem de se encaixar em algum grupo. Qual o motivo de querer ser algum rótulo? Necessidade de atenção? Se sentir aceito? Isso deve ser auto estima baixa.

Anônimo disse...

Eu hoje me sinto arromântico (não sabia que isso existia)

Não consigo mais me apaixonar por pessoas. Apenas sinto atração física, desejo sexual, afinidade de pensamentos ou personalidade e companheirismo.

É muito bom se sentir assim. Ser capaz de estar numa relação afetiva sem apegos, frescuras e aquela coisa melosa. Estar num relacionamento porque vc se identifica com aquela pessoa e tem objetivos em comum, sem no entanto fantasiar que vão viver felizes para sempre, que vão envelhecer juntos, que aquele fogo vai durar.

A principal coisa que torna um relacionamento infeliz é a fantasia e a romantização das relações.

Anônimo disse...

É homem, não me surpreenderia se todas as suas relações fossem apenas com prostitutas. Putas não merecem relacionamento nenhum, apenas para serem fodidas né? Ese seu "arromantico" é apenas o esperado da sociedade.

Anônimo disse...

Sou homem sim.

Acho que vc não leu o texto.

Ser arromântico não é ser incapaz de ter sentimentos amorosos por outras pessoas, desrespeitar os outros ou tratar as pessoas como objetos sexuais.

É simplesmente não sentir paixão, não confundir amor com romantismo.

Garanto que muita gente seria mais feliz se fizesse suas escolhas amorosas com o pé no chão e de forma racional, ao invés de se entregar aos impulsos e fantasias.

Anônimo disse...

ou: da necessidade de uma caixinha para se encaixar e pagar de diferentão, mesmo reproduzindo exatamente o que se espera de um homem.

mulheres são criadas para viver o amor romântico, homens são ensinados a usar mulheres como objeto masturbatório e como serviçais domésticas. todo homem é criado para ser "arromântico", não tem nada de novo ou revolucionário nesse discurso.

Anônimo disse...

Arromantismo é a vanguarda do comportamento mundail. Durante centenas de anos fomos enganados pelo maldito amor romântico que destrói o bom senso e a felicidade, cria expectativas irreais e provoca sofrimentos mil. SEr arromântico é ser inteligente, nobre e sensato.


Mais uma super contribuição de Lola para a mudança de comportamento do brasileiro. Pois, se não questionarmos os padrões burgueses de comportamento, nunca derrubaremos o machismo.

O arromantismo pode diminuir algumas contradições de grupos marginalizados. Como exemplo, infelizmente, a maioria das lésbicas justifica o uso da violência contra as parceiras por causa do O "amor". Elas afirmam que são melhores que homens heteros por causa do "amor" sincero. Mas na verdade vemos chantagem, ameaças de espancamento. O mesmo comportamento de alguns homens, mas que é aplaudido por algumas por ser "verdadeiro amor"

Alguns homens justifica a perseguição em nome do amor ropmântico. 'E possível ver que isso é prejuízo.


Entretanto, caminhamos para um dia ter uma sociedade em que se valorize o sexo e o prazer sem problemas e repressões.

Anônimo disse...

AS lésbicas malucas acham que são superiores por amar mais que os homens. Como se o romantismo desse licença para falar todas as besteiras do mundo.

Miriam Andrade disse...

11:36

O Arromantismo já é um tópico bastante discutido na cultura das favelas brasileiras, influenciando inclusive a produção e o consumo musical das mulheres menos favorecidas.

Tomemos por exemplo um trecho de uma canção popular do grupo Avassaladores, "Na pika tu quica" (disponível em https://www.youtube.com/watch?v=K4vfH-37woo):

"Amorzinho, coração
Com você quero prazer
Te chamo de paixão
É só pra te comer

Te chamo de paixão
É só pra te comer"


Aqui podemos ver claramente que o "eu" lirico é obviamente um arromantico, demonstrando apenas desejo sexual pela (o que seria em quaisquer outros poemas) pessoa "amada". Também é possível ver o sofrimento do autor em sua posição arromantica, pois é obrigado a mentir descaradamente para seu objeto de desejo de forma a satisfazer seu desejo.

"Chegou a hora...
de tu sentar na pika, tá?"


Aqui o eu lirico incerimoniosamente informa ao parceiro que é chegada a hora de iniciarem o coito, pois não pode mais suportar os preconceitos da sociedade que exige um laço amoroso sobre quaisquer interações sexuais.
Presume-se um relacionamento hetero (homem cis com mulher cis, mulher trans com homem cis, mulher trans com homem trans, etc), mas a canção pode englobar também relacionamentos homossexuais, mas necessariamente o eu lirico deverá possuir um falo.

Personagens com um "posicionamento" arromantico pode ser observados em inúmeras outras canções populares, indicando que o arromantismo é parte de um fenômeno longe de ser apenas uma "salada de nomes desnecessários".

Anônimo disse...

Moças, vocês precisam estudar mais. O amor romântico foi inventado por UMA RAINHA FRANCESA DA IDADE MÉDIA. Foi uma mulher que inventou o Romantismo.


O Romantismo prega o endeusamento da mulher, prega o perdão pelos chifres colocados pela mulher, prega que o homem pague os luxos da mulher. Ou seja, os homens fazem papel de otários nessa história, perdem muito dinheiro.

As lésbicas se consideram superiores por amar, por serem românticas. Mas quando são chifradas por um homem, querem matar a namorada.

Anônimo disse...

"É simplesmente não sentir paixão, não confundir amor com romantismo."

Mas confunde amor com sexo/foder. Na verdade, substitui amor por sexo/foder. Chama de amor mas quer dizer apenas sexo (foder). Patético e típico de homem.

Anônimo disse...

15:12 e 15:05 (certamente é a mesma pessoa)

uma pessoa só inventou o romantismo hahahahahahahaahahahahaha

endeusar tb é desumanizar

homens perdem dinheiro com mulheres, sim, deve ser por isso que a maior parte da população em situação de pobreza é masculina e as pessoas mais ricas do mundo são todas mulheres. aham.

lésbica traída por macho? lésbica cometendo feminicídio?

lésbicas justificam agressão a parceiras com blá blá... e a falta de vergonha na cara, vc justifica como, criatura?

Anônimo disse...

Seria muito bom que pessoas indipostas para romance e sexo apenas desistissem de fazer isso, sem envolver pessoas interessadas em romance e sexo, tentando ver se a coisa funciona de algum modo. Fui VÍTIMA de uma dessas pessoas, alguém querendo "se encontrar" na vida, alguém claramente fora desses eixos de normalidade que a gente conhece só que sem me informar de sua condição. Então aí já não entramos em questões românticas ou sexuais mas de caráter mesmo, de enganar, de usar alguém deixando essa pessoa completamente no escuro por muito tempo, dando e tirando esperança, fodendo meu emocional todinho (e só ele, risos).

Se você se identifica com o texto e é assim, por favor, não faça ninguém de palhaço.

A gerência agradece.

Anônimo disse...

Anon de 15h32, vá estudar!!!!

Leai o livro abaixo.
http://www.livrariacultura.com.br/p/livros/historia/como-os-franceses-inventaram-o-amor-42111004


No Romantismo, o homem compra presentes, compra anel caro, paga uma porrada de contas, paga motel.

Acorda, moça, dá um pulo numa casa de swing, ou nema balada comum, só para conversar com as pessoas, tá cheio de mulher bi traindo a namorada otária.

Muitas lésbicas não querem se sentir como máquina de fazer sexo oral, por isso viajam na maionese achando que toda mulher que experimentar o lesbianismo vai virar lésbica. Várias têm nojo de beijar na boca de mulher, só querem um orgasmo mesmo.


Lésbicas são incapazes de matar ?? Sério mesmo?

http://g1.globo.com/mato-grosso/noticia/2011/08/lesbica-mata-parceira-em-cuiaba-apos-descobrir-gravidez-diz-policia.html

http://www.blogbarrapesada.com/2016/06/adolescente-sapatao-mata-namorada-com.html


http://paroutudo.com/2016/lesbica-mata-mae-e-irmao-de-namorada-e-e-morta-pela-policia/

A própria ângela Rorô teve de reprimir sua bissexualidade por medo de bullying da comunidade lésbica.

http://revistatrip.uol.com.br/trip/a-novica-rebelde

Lésbicas nunca terão esperma natural. E as mulheres gostam daquilo que só os machos produzem.

http://maisdetrinta.com.br/hot/semen-saude-sexo-depressao-mulher/ Relação entre contato com esperma e bem estar feminino.

Anônimo disse...

15:57

vc é idiota mesmo ou está se fazendo?

nem vou me dar ao trabalho de responder, mas essa foi ótima: "mulheres gostam daquilo que só os machos produzem" hahahahahahahahahahahahahahaha sério, cara, vc tem problemas.

fico até com vergonha de ser hétero quando vejo homem como vc, credo!

Anônimo disse...

"Acorda, moça, dá um pulo numa casa de swing, ou nema balada comum, só para conversar com as pessoas, tá cheio de mulher bi traindo a namorada otária. "

Em casa de swing, não. Tá cheio de homem gordo e velho lá, que leva prostitutas (porque casal paga menos, homem sozinho paga 2, 3, 4 vezes mais que uma mulher sozinha justamente pra não encher a casa de macho) e muito eventualmente alguns casais verdadeiros que acabam sempre transando entre si, é comum formar grupinhos assim entre os frequentadores.

Mulher bi ou lésbica tem muito pouco espaço de ação em casa de swing. Os homens geralmente são repulsivos e se a lésbica quiser ter uma farrinha com a casada, geralmente o cara vai querer entrar na bagunça também.

Casa de swing é, essencialmente, um ambiente heteronormativo.

Anônimo disse...

Queria ser assexual e não sentir nenhuma necessidade de romance. Mas infelizmente eu sinto desejo sexual e atração romântica por homens, esses embustes, trastes, lixos.

Anônimo disse...

Os machos guerreiros são os maiores apoiadores do bi feminino, pois as mulheres bi são discriminadas por todo mundo, por lésbicas, por trans, pela igreja evangélica.

É graças aos machos que muitas mulheres podem ser valorizadas por exercerem sua bissexualidade.


É fácil pedir o fim do preconceito contra lésbicas e discrimninar e ameaçar as mulheres bissexuais.

Anônimo disse...



Caso de mulher cometendo feminicídio não existe???


http://www.blogbarrapesada.com/2014/12/com-ciumes-sapatao-mata-namorada-com.html

Anônimo disse...

16:41

"é fácil pedir o fim do preconceito contra lésbicas" - não é fácil não, lésbicas são excluídas inclusive no movimento lgbt (ou GGGG)

discriminar bi? quem discrimina bi? lésbicas não têm poder pra isso não.

quem discrimina bi é homem, pq tem fetiche com lésbica e já fica achando que vai rolar menage. quem ameaça mulheres (hetero, bi, lésbica) e tem poder estrutural para estuprar, agredir, mutilar e matar são HOMENS.

no mais, essa fixação por lésbica tá bem feia.

Anônimo disse...

Os machos misóginos lesbofóbicos delirados acham que são superiores e entendem mais de mulheres que as próprias mulheres. Como se o machismo desse licença para eles falarem todas as besteiras e merdas do mundo. Babacas idiotas...

Anônimo disse...

Romantismo é babaquice. Hollywood pegou essa invenção literária boboca e enganou o mundo todo. [


Enquanto os diretores de cinema curtem o sexo livre e selvagem o resto do mundo sofre por "amor" mentiroso....


Por causa do amor, muita gente foi assassinada.

Anônimo disse...

Mas isto pode ser desconstruído sim, não acredite em sexualidade por determinismo biologico.

Anônimo disse...

Eu não me relaciono mais romanticamente nem sexualmente com ninguém. Mas não posso negar que ainda sinto atração romântica e sexual por homens, não é tão fácil assim se livrar disso.

Anônimo disse...

só vim concordar com o primeiro comentário.

Alícia

Anônimo disse...

" Qie caralho de pós-modernidade desnecessária."

Né? Também acho.

Às vezes a pessoa pira no queer e dá nisso kkkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

Todo mundo quer se sentir um floquinho de neve. Então a pessoa não é simplesmente alguém sem interesse em namorar, casar ou fazer sexo. Ela é assexual arromântica buttercup demiblob squidiflervs, porque qualquer coisa fora disso é para os fracos.

Anônimo disse...

O romantismo não precisa ser machista, nem propriedade do machismo, é mais do que possível ser uma pessoa romântica sem ser machista.

Anônimo disse...

A verdade é que todos querem se apaixonar, beijar na boca e transar.

Anônimo disse...

Floquinhos de neve especiais e únicos, diferentes de todos os outros te assustam?

Anônimo disse...

"A verdade é que todos querem se apaixonar, beijar na boca e transar."

Mentira.

Fale apenas por si.

Você não é todo mundo.

Anônimo disse...

Lola, o que vc está achando dessa situação toda em Brasília? Não sei se vc vai fazer um post, mas gostaria de uma opinião. Sinceramente, estou com um pouco de apreensão, pois já tem gente acreditando que se a situação sair muito de controle vai haver golpe militar, era tudo o que muitos oportunistas estavam querendo. Queria que o temeroso saísse, mas parece que a situação pode piorar mais ainda se colocarem as forças armadas no meio.

Anônimo disse...

Esse monte de siglas que ninguém fora da "bolha" entende é simplesmente uma fuga da realidade. É uma necessidadenecessidade de se encaixar em algum grupo pois a vida do indivíduo é extremamente vazia e apática. Modernismo imbecil. E a blogueira adora isso, pois até hj não sabe porque veio ao mundo nem tem interesse em deixar algo para um mundo melhor no futuro

Anônimo disse...

ser doente mental é cool.

Anônimo disse...

"A verdade é que todos querem se apaixonar, beijar na boca e transar."


O mundo inteiro não é igual a você, não pensa o mesmo que você, não tem os mesmos desejos que você, não se resume ao que você acha ou sente, recolhe-se à sua insignificância.

Anônimo disse...

O negócio está ficando estranho, estão dando abertura para aqueles que pedem golpe militar.

Anônimo disse...

"A verdade é que todos querem se apaixonar, beijar na boca e transar."

Eu gosto e 99% da humanidade. Chola mais.

Anônimo disse...

É ISSO AI

Anônimo disse...

As mulheres estão na situação atual porque erotizam a própria opressão e ficam esperando que um dia os machos vão mudar, um dia vão ceder, um dia vão respeitar.

Anônimo disse...

Fetichizacao de lésbicas é lesbofobia

Anônimo disse...

Sim.

Anônimo disse...

Basta assistir meia hora de tv para saber que quase todo mundo transa ou quer transar. Até padre transa.

Anônimo disse...



fonte: tv descolada

Anônimo disse...

"ser doente mental é cool"

verdade, todo mundo hj em dia é louco pra ser diagnostiscado com algum "transtorno" mental, e os p$$$$$iquiatras ADORAM

Anônimo disse...

O sexo não é parte de um relacionamento, pelo contrário, é uma experiência solitária, não criativa, uma total perda de tempo. A fêmea, com grande facilidade — muito mais facilmente do que ela pensa — pode afastar seu impulso sexual, ficar completamente fria e cerebral e livre para buscar relações e atividades verdadeiramente valiosas; mas o macho, que parece gostar sexualmente das mulheres e que busca constantemente excitá-las, estimula a fêmea muito sexual a frenesis de luxúria, arremessando-a em um abismo de sexo do qual poucas mulheres conseguem escapar. O macho lúbrico excita a fêmea luxuriosa; ele precisa fazê-lo — quando a fêmea transcende seu corpo, se eleva acima do animalismo, o macho, cujo ego consiste de seu pênis, desaparecerá.

O sexo é o refúgio dos idiotas. Quanto mais estúpida é uma mulher, quanto mais profundamente encaixada na “cultura” do macho, para resumir, quanto mais agradável ela é, mais sexual. As mulheres mais agradáveis em nossa “sociedade” são maníacas sexuais alucinadas. Mas sendo tremendamente agradáveis não descem ao nível da foda, — isso é grosseiro — em vez disso fazem amor, comungam por meio de seus corpos e estabelecem relações sensuais; as letradas se harmonizam com as pulsações de Eros e agarram-se ao Universo; as religiosas têm uma comunhão espiritual com o Sensualismo Divino; as místicas se fundem com o Princípio Erótico e se misturam com o Cosmos, e as usuárias de ácido entram em contato com suas células eróticas.

Por outro lado, aquelas fêmeas menos integradas na “Cultura” do macho, as menos agradáveis, aquelas almas simples e grosseiras para quem foder não é mais que foder, que são muito infantis para o mundo adulto das zonas residenciais, das hipotecas, dos esfregões e do cocô de bebê, muito egoístas para criar filhos e maridos, muito incivilizadas para se importarem com a opinião que os outros tenham delas, muito arrogantes para respeitar o Papai, os “Grandes” ou a profunda sabedoria dos Antigos; que só confiam nos próprios instintos animais de suas entranhas, que equiparam Cultura a garotas, cuja única diversão é perambular em busca de emoções e entusiasmo, que são inclinadas a causar “cenas” desagradáveis, repugnantes, perturbadoras; cadelas violentas, odiosas, dispostas a bater na cara de quem as irritam demais, que afundariam uma faca no peito de um homem ou enterrariam um pica gelo no seu cu assim que o vissem, se soubessem que poderiam fazê-lo sem serem punidas; em suma, aquelas que, segundo os padrões de nossa “cultura”, são a escória... estas fêmeas são desembaraçadas e relativamente cerebrais e beiram a assexualidade.

Anônimo disse...

Aiii Lola! Que felicidade foi ver esse post publicado. Eu sabia um pouco o que era arromantismo e assexualidade, mas nunca tinha lido nada em português. É tão bom ver um conteúdo que você tem curiosidade no seu idioma!!! Obrigada! Foi muito informativo!

Anônimo disse...

Em relação a diminuição da atividade sexual da nova geração, visto que as mulheres possuem agora uma maior instrução que a anterior, apenas demonstra que masturbacao é muito melhor para mulheres do que qualquer relacionamento com seres masculinos.

Anônimo disse...

Quando você começa a se masturbar com frequência você nota que nenhum relacionamento sexual no mundo se compara com o prazer de seus próprios dedos na sua vulva. Masturbacao feminina deveria ser o remédio mais indicado para mulheres em relacionamentos abusivos: você nota que o filho da puta não vale nada em comparação aos dedos.

Anônimo disse...

"mas o macho, que parece gostar sexualmente das mulheres e que busca constantemente excitá-las, estimula a fêmea muito sexual a frenesis de luxúria, arremessando-a em um abismo de sexo do qual poucas mulheres conseguem escapar."

miga passa o endereço desse macho em particular aí q eu tenho interesse

Anônimo disse...

Só comprava o óbvio - sexualidade humana é complexa, difícil de entender, difícil de explicar. E isso não é ruim - é o que é e fim da história

O problema das categorias é que invariavelmente vai aparecer alguém querendo "moldar" a qualquer custo o outro para entrar na sua caixinha. Sua caixinha é sempre a mais legal, é a resposta para todos os problemas e o resto tem da humanidade tem que ser espancada até a morte se não quiser ou conseguir se encaixar - é hétero espancando gay, é lésbica enchendo o saco para "curar" AS hetero, é trans atacando outras mulheres e sendo atacadas e mortas por outros homens...

E em se tratando da sexualidade feminina, aí mesmo que o mundo vem abaixo. Nem mesmo o feminismo consegue aceitar essa complexidade. E mais e mais caixinhas são criadas e lá vem todo o paternalismo - mulher fica bem quietinha por que você é ou 1. burra, estúpida e precisa que terceiros iluminados te digam o que fazer; 2.você é uma pobre coitadinha vítima do patriarcado incapaz de decidir por si própria e precisa que terceiros iluminados te digam o que fazer até você entrar numa caixinha para satisfazer o que os terceiros iluminados querem.

Gente, tudo isso tem uma solução MUITO simples - BE AND LET BE.

O resto é resto...

Jane Doe

donadio disse...

"Qie caralho de pós-modernidade desnecessária."

O problema não é nem a pós-modernidade. É a caixinhocracia. As pessoas deixam de ser pessoas e passam a ser avatares de "identidades" cada vez mais enlouquecidas. Que coisa louca.

E as análises são absolutamente delirantes, tipo esse amontoado de bobagens:

"Existem 3 elementos ou ações na questão do contato físico em um relacionamento: 1) o beijo, especialmente o beijo na boca; 2) chamegos e carícias (incluindo abraços e toques); 3) sexo."

Sei. E cunnilingus, é sexo oral ou é beijo na buceta? Existe uma "identidade" separada para as pessoas que gostam de cunnilingus mas não gostam de penetração, ou vice-versa? Qual é a caixinha para quem não gosta de sexo anal? Se você gosta de cafuné na nuca mas sente cócegas com carinho nos pés, qual a "comunidade" a que você pertence?

Let's get real. Trezentos e vinte e sete caixinhas não são menos opressivas do que apenas duas. Provavelmente é o contrário, por que cada um de nós não é o mesmo hoje do que foi ontem, e essa caixinhomania o que faz é criar estereótipos que dificultam mudanças. Com duas caixinhas eu ainda posso ser hoje um homem que não está interessado em nenhum tipo de relação sexual ou romântica, e amanhã um homem que está louco pra trepar. Com duas mil caixinhas eu tenho de "me assumir" como arromântico e fazer disso um programa de vida, do qual não há volta.

Ninguém vê como esse negócio é opressivo, não?

Anônimo disse...

Acho gozado esse povo que fica dando ouvido pra conversa mole e se enfiando nessas caixinhas, cara você é só uma pessoa sem interesse romântico e sexual, essas 500 etiquetas aí são necessárias só pra dar uma grandeza num negócio absolutamente comum e, de quebra, fazer parte de um grupinho com interesses (ou falta de) semelhantes pra se sentir menos bizonho. É super comum gente que tá de boa consigo e não quer esses envolvimentos. Não há nada de especial nisso.

Anônimo disse...

Homens são LITERALMENTE socializados para serem arromânticos e aí vem o "diferentão" querendo causar kkkkkkkkkkkkk ninguém merece.

Anônimo disse...


A sexualidade enquanto direito humano é atrapalhada pelas imposições injustas e absurdas do Romantismo. Este padrão de comportamento promove endeusamentos, infantilidade, perturbação, ciúmes, depressão. Toda a experiência humana parece comprovar que a ilusão romântica faz muito mal aos seres humanos.

Por causa do que foi exposto acima, o aparecimento de pessoas arromânticas torna-se uma solução para séculos de mentiras e devaneios literários, que ultimamente viraram esquema de marketing do cinema comercial, das tvs etc.

Para destruir o machismo e o patriarcado é preciso atacar suas bases ideológicas que acorrentam e limitam a experiência humana. O arromantismo é uma ferramenta das mais eficientes para tal.

Anônimo disse...

Corrigindo um comentário acima, a FETICHIZAÇÃO DE LÉSBICAS é, antes de tudo, HOMENAGEM, um agradecimento do homem, um modo de valorizar essas mulheres que querem prazeres diferentes. Pois quando o homem considera uma lésbica um ser humanoo altamente sensual e orgástico, ele torna sua sexualidade um modo de se aumentar a liberdade. A participação da lésbica fica sendo uma presença altamente desejável durante os coitos com sua parceira. Nesse sentido, a lésbica transcende o simples tribadismo limitante e evolui para a grande comunhão universal do prazer.

Pelo que foi dito acima, podemos entender que valorizar a experiência sexual coletiva é esvaziar o poder do Romantismo ilusório, que tanto mal fez à humanidade. Desejar ver o sexo lésbico pode se constituir como forma de ajuda à causa feminista. Visto que o Feminismo luta pelas liberdades da mulher, inclusive a liberdade sexual.

Sobre o ótimo post da Lola, arromantismo é uma das maiores e melhores inovações dos últimos tempos. Ele é capaz de ajudar todo mundo. Mulheres heterosexuais e lésbicas podem conseguir a libertação de grande parte da repressão sexual/comportamental feita pela família, pela igreja, pela sociedade por conta do arromantismo.

Anônimo disse...

O arromantismo, assim como o poliamorismo é uma alternativa à limitação psicológica que todos sofremos. Ao ser contra a monogamia repressora e sufocante, ele se torna mais uma arma nas mãos dos progressistas que desejam libertar o mundo da crueldade do machismo.

Infelizmente, vemos muitos ataques a um suposto beneficiamento dos homens nessa alternativa. Uma sociedade que humilha, massacra e condena o homem que não quer casar não apoia o fim do Romantismo. Nós, homens conscientes de esquerda ,sofremos bullying para termos a mais gostosa, para sermos máquinas de sexo infalíveis, conquistadores insaciáveis. Toda essa opressão é o outro lado da moeda que atinge as mulheres.

Estamos numa luta contra as forças reacionárias da Direita. Nomes como Rodrigo Constantino, Malafaia, Pondé e outros querem manter a dominação cristã-repressora sobre a população. Diante deste quadro, é hora de nos unirmos para vencer os reacionários. E, sendo o arromantismo uma arma contra nossos inimigos figadais, é preciso usá-la com força e destemor.

Melhor ser arromântico e ajudar a Esquerda libertária que ser limitado e dar munição aos piores seres da Direita.

Anônimo disse...

Cada um faz o que quiser com o próprio rabo.
quando se torna rotineiro,em todo canto, em cima de uma classe mais vulnerável é lesbofobia.

Ulisses Constantino disse...

Respondendo ao anônimo de 24 de Maio, 11h31min.
O surgimento desses nomes não é desnecessário. Mostra apenas o quão complexo é o ser humano. O ser humano é um ser social, portanto, ele tem a necessidade de ser aceito em algum grupo ou em alguma comunidade. Quando isso não acontece, ele sofre de solidão. E nada é mais terrível para o ser humano do que sentir-se solitário.

Os rótulos, as caixinhas etc são criados justamente para que as pessoas possam achar-se; para que as pessoas possam achar outras pessoas com mentalidades afins; para que elas se sintam inseridas em algum grupo. Estar inserido em um grupo qualquer é um dos fatores que influenciam a felicidade do ser humano e a criação de rótulos é um meio pelo qual as pessoas possam fazer parte de uma coletividade e se sentirem aceitas, assim, tornando-as felizes.

O arromantismo é uma orientação romântica pouco falada no Brasil e devem existir muitas arromânticas por aí. Ao saberem da palavra e do conceito que ela engloba, as pessoas podem se identificar com tal definição e pararem de se sentir esquisitas ou estranhas, pois sabem que o conceito descrito acontece para algumas pessoas. E isso facilita a aceitação delas para com elas mesmas, dando-as a sensação de se sentirem pessoas normais e não ETs, como elas poderiam enxergar a si mesmas.

Ulisses Constantino disse...

Respondendo ao anônimo de 24 de Maio, 12h39min.

Arromantismo não é identidade de gênero, é orientação romântica (ou ausência de orientação romântica) que descreve uma pessoa que é incapaz de se apaixonar ou ter crush. É ausência ou inexistência de atração romântica.

Ulisses Constantino disse...

Respondendo ao anônimo de 24 de Maio, 12h53min.

"Mas todo homem é na verdade aromantico".

Não, não é. Na verdade, apenas 5% da população mundial é arromântica e apenas 2% é assexual.

Então, a maioria dos homens são capazes de se apaixonar sim. Só que essa paixão muito frequentemente vem acompanhada de atração sexual. A exceção são os homens assexuais, que só se apaixonam, sem sentirem atração sexual.

E os homens, com exceção dos assexuais, muitas vezes, sentem atração sexual mas não romântica, mas isso não significa que eles não possam se apaixonar ou ter crush por ninguém.

Ulisses Constantino disse...

Respondendo ao anônimo de 24 de Maio, 14h16min

"Ese seu "arromantico" é apenas o esperado da sociedade."

Na verdade, não. Como disse, apenas 5% da população mundial é arromântica. E as pessoas se surpreendem comigo ao eu falar para elas que sou assexual arromântico--até mesmo os assexuais.

Na minha opinião, o quê a sociedade espera é justamente o contrário. Que uma pessoa seja romântica (no sentido de ser capaz de se apaixonar ou ter crush) e se submeter a amatonormatividade, tal qual descrita no texto.

Cesc Biavati disse...

Estamos numa luta contra as forças reacionárias da Direita. Nomes como Rodrigo Constantino, Malafaia, Pondé e outros querem manter a dominação cristã-repressora sobre a população. Diante deste quadro, é hora de nos unirmos para vencer os reacionários. E, sendo o arromantismo uma arma contra nossos inimigos figadais, é preciso usá-la com força e destemor


Cristãos-opressores" e me cita dois liberais (ambos ateus) e um pastor picareta desarmamentista anti-católico.

Ulisses Constantino disse...

Respondendo ao anônimo de 25 de Maio, 10h04min.

Anônimo disse: "Homens são LITERALMENTE socializados para serem arromânticos e aí vem o "diferentão" querendo causar kkkkkkkkkkkkk ninguém merece."

Você quis dizer "educados para serem arromânticos", né? Mas não é isso o que ocorre. Ocorre o contrário. Os homens não são educados para saber lidar com a rejeição sexual, erótica ou romântica nem para respeitar as mulheres, infelizmente.

E eu não quis dar uma de "diferentão" nem causar de forma alguma, apesar de eu ser "diferentão" no cotidiano. O meu objetivo foi dar visibilidade à comunidade arromântica e tornar conhecido às pessoas o termo "arromântico" e aquilo que ele engloba.

Cara Valentina disse...

@11:10

Os católicos tradicionais ficarão comovidos com essa nova onda da esquerda de ser casto.

A maior parte dos Santos era "arromântico" e "assexual", Santa Cecília até morreu por isso. Estou sinceramente curioso para ver como vocês vão encaixar isso no priapismo comunista. Sério.

Anônimo disse...

Meu tio usa o celular do meu avô porque o dele quebrou, ai eu tava mexendo com minha prima e a gente começou a ler, ele marcando suruba com meu primo com duas mulheres e outro homem, mandando foto do rabo delas e meu tio dizendo que ia, ele (o primo) falando que ia inventar uma desculpa pra esposa, ai semana passada teve uma festa de família e eu fiquei tão triste vendo ela feliz, mexendo na barriga, ele abraçando e falando que tava ansioso pela família, por isso odeio casamento.


Minha outra prima descobriu que o marido dela tava marcando foda com o primo dele, conversando com a família do marido dela (as cunhadas), ela descobriu que esse primo do marido dela, dá em cima de todos os parentes dele, e detalhe, o traste tbm é casado.

Conheço um cara que é casado com mulher, e vive mamando pau alheio, seja em rodoviária ou de alguém que queira receber mamada, ele tbm tem uma filhinha de 2 anos, mas só conheço a mulher dele de vista.

donadio disse...

"Homens são LITERALMENTE socializados para serem arromânticos e aí vem o "diferentão" querendo causar kkkkkkkkkkkkk ninguém merece."

Não, não são. Homens não são socializados para serem "românticos" na acepção mais vulgar do termo (isto é, não são socializados para serem carinhosos ou delicados). Mas romantismo é bem mais do que isso, e pode incluir coisas bem violentas e cruéis. Romantismo não é fofinho. Homens são socializados para serem possessivos, e isso, combinado com fantasias - essas sim românticas - de amor eterno, de amor predestinado, de "metade da laranja" - constitui um coquetel explosivo, que de vez em quando... explode. Em feminicídios, no less.

Por outro lado, "arromântico" (além de ser uma palavra horrorosa) não foi concebido como antônimo de "romântico". Foi proposto para significar "pessoas que não (nunca) têm interesse em relações amorososas". Não é difícil ver que há muitíssimas pessoas, provavelmente a maioria da humanidade, que têm interesse em relações amorosas, mas não estão preocupadas com amor eterno, não encaram o fim de um relacionamento como um fracasso nem acham que seja motivo de suicídio ou assassinato, sabem que depois do fim de um relacionamento vem outro, enfim, pessoas que não são nada românticas mas também não são "arromânticas".

donadio disse...

"Estou sinceramente curioso para ver como vocês vão encaixar isso no priapismo comunista. Sério."

Com muita vaselina, é claro.

... mas evidentemente esse neo-vitorianismo não tem nada de "esquerda". A não ser como em "a esquerda capitulando vergonhosamente ao neoconservadorismo".

Anônimo disse...

Nossa quanto homem defendendo a socialização que recebe, to bem surpresa, mas nem um pouco na verdade.

Anônimo disse...

"Homens são LITERALMENTE socializados para serem arromânticos e aí vem o "diferentão" querendo causar kkkkkkkkkkkkk ninguém merece."

romance sempre foi tido como fraqueza para os homens e o romantismo, um defeito altamente desejável para as mulheres.

na minha família tem um tio que não casou, não namorava quando era novo, todo mundo pensava que era gay (óbvio que pensam isso) mas ele é muito na dele mesmo, fez a vida, tá aposentado e vive muito bem diga-se de passagem. Agora como todo mundo é uma bolhinha de sabão única no mundo tem 500 rótulos mas antigamente a gente chamava isso de solteirão e tava tudo bem.

no fundo, esse monte de rótulo aí não é pra esclarecer ou visibilizar, é só pra ficar dando satisfação pro mundo da sua vida íntima, que a ninguém diz respeito. Então você não é só uma pessoa que prefere outras coisas na vida, é um blablablablabla levers quevers shevers mevers platinum plus, aí você fala isso e todo mundo nooooooooooossa que diferente, que legal, mas é só o mesmo bosta de sempre com uma nova embalagem rssss

Anônimo disse...

"Não, não é. Na verdade, apenas 5% da população mundial é arromântica e apenas 2% é assexual."

Dados tirados diretamente do Instituto Meu Rabo de Pesquisas.

donadio disse...

"E, sendo o arromantismo uma arma contra nossos inimigos figadais, é preciso usá-la com força e destemor."

Não é uma arma, e não pode ser usado para combater o conservadorismo.

(Não faça da sua orientação sexual uma arma, a vítima pode ser você.)

Ulisses Constantino disse...

Respondendo ao anônimo de 26 de Maio, 07h25min.

Não são estatísticas forjadas. É só procurar na Internet (Google Inglês) que você vai achar.

Anônimo disse...

Manifesto Contra O Amor Neo Liberal

A palavra já começa errada: "amor livre" é um estatuto. Para viver o amor, é necessário conjugar o verbo. Assumir excessos, faltas e erros de conjugação. Estar sujeito a essa ameaça verbal. Postulemos então um novo sitagma: amar livre.

O amor está sendo engolido pela ideologia do consumo. Não visa relacionamento e troca, mas acúmulo e desperdício. Sob a falsa bandeira do amor livre, hasteia-se o amor neoliberal.

O amor neoliberal não libera os corpos, não lhes dá mais do que a possibilidade adolescêntica, autoerótica, narcísica de hedonizá-los. Desconhece a linguagem do compartilhamento. O amante neoliberal priva o outro de suas vivências pessoais e a si mesmo do amadurecimento emocional. Cai no buraco-negro do desejo: cobiça, usa, e elimina. Mas amar não é consumir amor.

Amar livre não significa amar estático, monótono, exclusivo. Tampouco amar fugaz, volátil, superficial. A liberdade no amor exige superar os modelos de relação que nossa cultura oferece. Não adianta importar para o campo do relacionamento os hábitos individualistas de uma economia competitiva. Isto não é fazer a revolução. Quebrar com o papel de consumidor insaciável requer coragem. Coragem para explorar o incerto e criatividade para reinventar relações - com os amantes, a cidade, a família e os desconhecidos.

A liberdade não é fácil. Ame-a.


Autoria anônima

Unknown disse...

Resposta ao Anônimo 24 de maio de 2017 19:29

Acho hilário que as pessoas que reclamam dos "floquinhos de neve" ficam pistola quando algo afeta eles. Esses dois grupos são apenas farinha do mesmo saco.

Anônimo disse...

Percebe o preconceito desse comentário?

Por que uma mulher "favelada" necessariamente seria mais atingida pela prostituição e objetificação? Se chutar estatística vai ficar feio, pois é o que muitos fascistas usam para justificar o racismo.

Anônimo disse...

Pois é, se uma feminista ler texto de macho perde os super-poderes.

Anônimo disse...

Lola, eu te amo!

Mas o maridão não precisa ficar preocupado porque não é amor romântico rszs

Gostei do post!
O que as pessoas não entendem é que dar nomes ajuda quem se encaixa nessa categoria a encontrar outras pessoas parecidas e pesquisar sobre a própria condição, reduzindo a sensação de "ser a esquisita da turma",e consequentemente aumentando a auto-aceitação, auto-estima, e a felicidade da pessoa.

Anônimo disse...

Gente, esse povo está ficando cada dia mais louco e noiado. È cada uma que aparece.

Anônimo disse...

"Não, não é. Na verdade, apenas 5% da população mundial é arromântica e apenas 2% é assexual."

Dados tirados diretamente do Instituto Meu Rabo de Pesquisas.







meu rabo de pesquisas kkkkkkkkkkkkkkk

fico imaginando o Censo Mundial batendo de porta em porta e perguntando a sexualidade de cada ser humano, é convulsivamente engraçado pensar nisso

ser homem é muito bom né? faz uma coisa que inúmeras pessoas fazem, bota um nome diferente e pronto, vira estrela até em blog feminista